Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Crise Mundial’ Covid-19 – (II)

A Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada,  Golpe de Estado Global e a “Grande Reinicialização”: Estamos numa encruzilhada de uma das crises mais graves da história mundial.  Somos história viva, mas nossa compreensão da sequência de eventos desde janeiro de 2020 tem sido confusa [pela própria manipulação do establishment]. Em todo o mundo, as pessoas foram enganadas pelos políticos de seus governos e pela mídia [MSM PRE$$TITUTE$] quanto às causas e as consequências devastadoras da “pandemia” [Fake] de Covid-19.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A  Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada, Golpe de Estado Global e a “Grande – Great Reset – Reinicialização”

Fonte:  Global Research

As sentenças entre [ ] são de autoria de Thoth

Global Research E-Book, Center for Research on Globalization, pelo Prof Michel Chossudovsky  [Este E-book consiste em um Prefácio e Nove Capítulos]


Capítulo II – O que é Covid-19, SARS-CoV-2 – Como é testado? Como é medido?

“A detecção de RNA viral pode não indicar a presença de vírus infeccioso ou que 2019-nCoV é o agente causador de sintomas clínicos. O desempenho deste teste não foi estabelecido para monitorar o tratamento da infecção por nCoV 2019. Este teste não pode descartar doenças causadas por outros patógenos bacterianos ou virais. – Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças nos EUA [CDC]

“… Todos ou uma parte substancial desses resultados positivos pode ser devido aos chamados testes de falsos positivos. – Michael Yeadon: ex-vice-presidente e diretor de ciências da Pfizer

Estamos lidando com um vírus perigoso?. É uma pandemia?

A campanha do medo é incansavelmente liderada por declarações políticas e desinformação da mídia [MSM PRE$$TITUTE$]. Um exame mais detalhado dos relatórios oficiais das autoridades nacionais de saúde, bem como dos artigos revisados ??por pares, fornece um quadro totalmente diferente.

SARS-CoV-2 [Covid-19] NÃO É um vírus assassino. 

De acordo com um relatório inicial da OMS  relativo à epidemia na China:

Os sintomas mais comumente relatados [de COVID-19] incluíram febre, tosse seca e falta de ar, e a maioria dos pacientes (80%) apresentou doença leve. Aproximadamente 14% experimentaram doença grave e 5% estavam gravemente enfermos. Os primeiros relatórios sugerem que a gravidade da doença está associada à idade (> 60 anos) e à doenças pré existentes [comorbidade]. (em grande parte com base na avaliação da OMS do COVID-19 na China)
Screenshot “The Hill”, em 19 de março de 2020

O que é Covid-19, SARS-CoV-2.

Mentiras por omissão [e manipulação]: a mídia [MSM PRE$$TITUTE$] não conseguiu tranquilizar o público em geral. Abaixo está a definição oficial da OMS para Covid-19:

Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças em animais ou humanos. Em humanos, vários coronavírus são conhecidos por causar infecções respiratórias que vão desde o resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O coronavírus recentemente descoberto causa a doença por coronavírus COVID-19.

Os sintomas mais comuns da COVID-19 são febre, tosse seca e cansaço. … Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas ficam infectadas, mas apresentam apenas sintomas muito leves . A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem precisar de tratamento hospitalar. Cerca de 1 em cada 5 pessoas que pegam COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade para respirar.

“COVID-19 é semelhante ao SARS-1?De acordo com o  Dr. Wolfgang Wodarg, a pneumonia é “regularmente causada ou acompanhada por vírus corona”. Os imunologistas confirmam amplamente a definição do CDC.  COVID-19 tem características semelhantes a uma gripe sazonal associada a pneumonia.

De acordo com Anthony Fauci (chefe do NIAID, nos EUA), H. Clifford Lane e Robert R. Redfield (chefe do CDC) no New England Journal of Medicine :

“… as consequências clínicas gerais da Covid-19 podem, em última análise, ser mais semelhantes às de uma gripe sazonal severa (que tem uma taxa de letalidade de aproximadamente 0,1%) ou uma gripe pandêmica (semelhante às de 1957 e 1968) em vez de uma doença semelhante ao SARS ou MERS, que tiveram taxas de letalidade de 9 a 10% e 36%, respectivamente”.

O Dr. Anthony Fauci   está mentindo para si mesmo. Em suas declarações públicas, ele diz que a Covid é “dez vezes pior do que a gripe sazonal”.

Ele refuta seu relatório revisado por pares citado acima. Desde o início, Fauci tem sido fundamental para potencializar a campanha de medo e pânico em toda a América:

Covid-19 versus vírus da influenza (gripe) A e vírus B (e subtipos) (tenha em mente que a influenza [gripe] sazonal não é um coronavírus)

Algo importante e raramente mencionado pela mídia ou por políticos:  O CDC (que é uma agência do governo dos EUA) confirma que o Covid-19 é semelhante ao Influenza

“Influenza (gripe) e COVID-19 são doenças respiratórias contagiosas, mas são causadas por vírus diferentes . COVID-19 é causado por infecção por um novo coronavírus (denominado SARS-CoV-2) e a gripe é causada por infecção por vírus influenza”.

“Como alguns dos sintomas da gripe e do COVID-19 são semelhantes, pode ser difícil dizer a diferença entre eles com base apenas nos sintomas, e podem ser necessários testes para ajudar a confirmar o diagnóstico. A Gripe e COVID-19 compartilham muitas características, mas existem algumas diferenças importantes entre os dois”.

Se o público tivesse sido informado e assegurado que a Covid é “semelhante ao Influenza”, a campanha do PÂNICO teria fracassado. Os bloqueios, lockdowns distanciamento social, uso de máscaras [focinheiras] e o fechamento das economias nacionais teriam sido rejeitados de imediato.

Detectando o vírus. Estimando e tabulando os números. Teste de reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa (RT-PCR)

O teste padrão usado para  “detectar / identificar” o vírus SARS-2 em todo o mundo é  o Teste de Reação em Cadeia da Polimerase [PCR] com Transcrição Reversa (RT).

O teste PCR-RT foi usado para estimar e tabular o número dos chamados casos positivos “confirmados” de Covid-19. (Este não é o único teste usado. As observações abaixo referem-se apenas ao teste PCR padrão). 

De acordo com o ganhador do Prêmio Nobel,  Dr Kary Mullisque inventou o teste RT-PCR. (Dr. Mullis escreveu, em 7 de maio de 2013 que):

“O PCR detecta um segmento muito pequeno do ácido nucléico que faz parte do próprio vírus. O fragmento específico detectado é determinado pela escolha um tanto arbitrária dos primers de DNA usados ??que se tornam as extremidades do fragmento amplificado”. 

O teste PCR-RT desenvolvido pelo Dr Kary Mullis tem sido aplicado de forma errada, com vista a “estimativa” SRA-2 casos positivos, na maioria dos casos sem um diagnóstico médico do paciente.

(Veja nossas observações abaixo no  estudo Drosten RT-PCR.  Conforme enfatizado pelo Dr. Mullis e confirmado por médicos proeminentes, o teste PCR não “identifica o vírus”). Abaixo estão os conceitos desenvolvidos pelo CDC.

O teste para Covid-19 “Casos confirmados”

Abaixo estão as definições e procedimentos oficiais que são contraditórios:

“O teste COVID-19 RT-PCR é um teste de reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR) para a detecção qualitativa de ácido nucleico de SARS-CoV-2 em amostras respiratórias superiores e inferiores … coletadas de indivíduos com suspeita de COVID 19… [bem como] de indivíduos sem sintomas ou outras razões para suspeitar de infecção por COVID-19. …

Este teste também é para uso com amostras de esfregaço nasal individuais que são auto-coletados usando o kit de coleta doméstica de teste Pixel by LabCorp COVID-19 … O teste COVID-19 RT-PCR também é para a detecção qualitativa de ácido nucleico do SARS- CoV-2 em amostras combinadas, usando uma estratégia de combinação de matriz (FDA,  LabCorp Laboratory Test Number: 139900)

Este teste é baseado em amostras respiratórias superiores e inferiores.

 Os critérios e diretrizes confirmados pelo CDC  relativos ao “Painel de diagnóstico do CDC 2019-Novel Coronavirus (2019-nCoV)” são os seguintes (leia com atenção):

Os resultados são para a identificação do RNA 2019-nCoV. O RNA 2019-nCoV é geralmente detectável em amostras respiratórias superiores e inferiores durante a infecção. Resultados positivos são indicativos de infecção ativa com 2019-nCoV, mas não excluem infecção bacteriana ou coinfecção com outros vírus. O agente detectado pode não ser a causa definitiva da doençaOs laboratórios nos Estados Unidos e seus territórios são obrigados a relatar todos os resultados positivos às autoridades de saúde pública apropriadas.

Os resultados negativos não impedem a infecção por 2019-nCoV e não devem ser usados ??como base única para o tratamento ou outras decisões de manejo do paciente . Os resultados negativos devem ser combinados com observações clínicas, histórico do paciente e informações epidemiológicas.

O que isso sugere é que uma infecção positiva pode ser o resultado de uma coinfecção com outros vírus . De acordo com o CDC,  “não exclui” a infecção bacteriana ou a coinfecção com outros vírus. O agente detectado pode não ser a causa definitiva da doença. ” (CDC)

O diagrama a seguir resume o processo de identificação de casos positivos e negativos: Tudo o que é necessário é a presença de “material genético viral” para que seja categorizado como “positivo”. O procedimento não identifica ou isola Covid-19. O que aparece nos testes são fragmentos do vírus.

Um teste positivo não significa que você tem o vírus e / ou que pode transmitir o vírus. Um teste negativo não significa que você não o tenha.

Os conceitos do CDC citados acima sugerem que a PCR aplicada para estimar a disseminação do vírus – é disfuncional. Além disso, a amplificação em excesso de 25 ciclos resultará inevitavelmente em estimativas enganosas.

O que os governos querem é inflar o número de casos positivos de infectados. 

Casos “presumidos”  vs. “confirmados”

Nos EUA, os dados do CDC incluem casos positivos “ confirmados” e “presumíveis” de COVID-19 relatados ao CDC ou testados sob a jurisdição do CDC desde 21 de janeiro de 2020.

Os dados presumivelmente positivos não confirmam a infecção por covid-19: O teste presuntivo envolve “a análise química de uma amostra que  estabelece a possibilidade da presença de uma substância” (grifo nosso). O teste presuntivo deve então ser enviado para confirmação a um laboratório de saúde público credenciado. (Para obter mais detalhes, consulte: Michel Chossudovsky,  Spinning Fear and Panic Across America. Analysis of COVID-19 Data ,  20 de março de 2020)

Da mesma forma, no Canadá,  “Um teste de ponto de atendimento é um “teste rápido feito no momento e local de atendimento, como um hospital ou consultório médico”. Consiste na coleta de “amostras do nariz ou da garganta com cotonetes”, que são testadas no local, com resultados quase imediatos (em 30 a 60 minutos). Mas não confirma a presença de SARS-CoV-2.

Teste sorológico ou testes de anticorpos para COVID-19  

De acordo com o CDC, os testes sorológicos não detectam o vírus em si, “eles detectam os anticorpos produzidos em resposta a uma infecção”. Os testes sorológicos não são usados ??para “diagnóstico precoce de COVID-19”. 

“Falsos Positivos” e a Identificação do Vírus. O teste PCR não identifica SAR-CoV-2

Enquanto o SARS-CoV-2  – ou seja, o vírus que supostamente causa o COVID-19 (classificado como doença), foi isolado em um teste de laboratório em janeiro de 2020, o teste de RT-PCR não identifica / detecta o vírus. O que ele detecta são fragmentos de vírus . De acordo com o renomado imunologista suíço Dr. B. Stadler

Portanto, se fizermos um teste corona PCR em uma pessoa imune, não é um vírus que é detectado, mas uma pequena parte fragmentada do genoma viral. O teste dá positivo enquanto houver pequenas partes estilhaçadas do vírus. Mesmo que os vírus infecciosos estejam mortos há muito tempo, um teste covid-19 pode dar positivo, porque o método de PCR multiplica até mesmo uma pequena fração do material genético viral o suficiente [para ser detectado].

A pergunta é positiva para quê ?? O teste de PCR não detecta a identidade do vírus, de acordo com o Dr. Pascal Sacré, esses testes detectam partículas virais, sequências genéticas, não o vírus inteiro”. Na tentativa de quantificar a carga viral, essas sequências são então amplificadas várias vezes por meio de inúmeras etapas complexas que estão sujeitas a erros, erros de esterilidade e contaminação.

O teste RT-PCR positivo não é sinônimo de doença COVID-19! Especialistas em PCR deixam claro que um teste deve sempre ser comparado com o prontuário clínico do paciente que está sendo testado, com o estado de saúde do paciente para confirmar seu valor [confiabilidade]

A mídia [MSM PRE$$TITUTE$] assusta e manipula a todos com novos testes de PCR positivos, sem nuance ou contexto, assimilando erroneamente [manipulando] essas informações com a [pseudo] erupção de uma segunda onda de COVID-19.

Embora o teste RT-PCR nunca tenha pretendido identificar o vírus, ele constitui, desde o início, a pedra angular das estimativas oficiais de “positivos” infectados pela Covid-19. POR QUE então esse teste foi adotado ??

O controverso estudo Drosten RT-PCR

F. William Engdahl  em um artigo recente documenta como o teste RT-PCR foi instalado pela OMS no início, apesar de suas óbvias deficiências na identificação do 2019-nCoV. O escândalo tem suas raízes na Alemanha envolvendo “um professor no centro do grupo consultivo corona do governo de Angela Merkel”:

Em 23 de janeiro de 2020, na revista científica Eurosurveillance , do Centro de Prevenção e Controle de Doenças da UE, o Dr. Christian Drosten , juntamente com vários colegas do Instituto de Virologia de Berlim no Hospital Charité, [junto] com o chefe de uma pequena cidade de Berlim a empresa de biotecnologia, TIB Molbiol Syntheselabor GmbH, publicou um estudo intitulado  “Detecção de 2019 novos coronavírus (2019-nCoV) por RT-PCR em tempo real” (Eurosurveillance 23 de janeiro de 2020).

Enquanto o artigo Eurosurveillance de Drosten et al (realizado em ligação com a OMS) confirmou que “várias sequências do genoma viral foram liberadas”, no caso de 2019-nCoV, no entanto, “isolados de vírus ou amostras de pacientes infectados não estavam disponíveis …”:

“As sequências do genoma sugerem a presença de um vírus intimamente relacionado aos membros de uma espécie viral denominada CoV relacionado à síndrome respiratória aguda grave (SARS), uma espécie definida pelo agente do surto de SARS em humanos em 2002/03 [ 3 , 4 ]

Nós relatamos o estabelecimento e validação de um fluxo de trabalho de diagnóstico para rastreamento de nCoV 2019 e confirmação específica [usando o teste RT-PCR], projetado na ausência de isolados de vírus disponíveis ou amostras originais de pacientes. O design e a validação foram possibilitados pela estreita relação genética com o SARS-CoV de 2003 e auxiliados pelo uso da tecnologia de ácido nucleico sintético. ” ( Eurosurveillance, 23 de janeiro de 2020, grifo nosso).

O que esta declaração (errônea) sugere é que a identidade de 2019-nCoV não era exigida e que a “validação” seria habilitada pela “estreita relação genética com o 2003-SARS-CoV”.

As recomendações do estudo Drosten ( apoiado pela Fundação Bill & Melinda Gates ) relativas ao uso do teste RT-PCR aplicado ao nCoV 2019 foram então transmitidas à OMS. Posteriormente, foram endossados ??pelo  Diretor-Geral da OMS, [o comunista] Tedros Adhanom.  identidade do vírus não era exigida.

O acima também explica a subsequente renomeação pela OMS do 2019-nCoV para SARS-CoV-2.

O artigo Drosten et al relativo ao uso do teste RT-PCR em todo o mundo  (sob orientação da OMS) foi contestado em um estudo de 27 de novembro de 2020  por um grupo de 23 virologistas internacionais, microbiologistas et al. “Sua análise cuidadosa da peça original [Drosten] é  condenatória . … Eles acusam Drosten e coortes de incompetência científica “fatal” e falhas na promoção de seu teste ”( Engdahl , dezembro de 2020): 

À luz de todas as consequências resultantes desta mesma publicação para sociedades em todo o mundo, um grupo de pesquisadores independentes realizou uma revisão ponto a ponto da publicação mencionada [Drosten] em que 1) todos os componentes do projeto de teste apresentado foram verificados, 2) as recomendações do protocolo RT-qPCR foram avaliadas em relação às boas práticas de laboratório e 3) os parâmetros examinados em comparação com a literatura científica relevante que cobre o campo.

O protocolo RT-qPCR publicado para detecção e diagnóstico de 2019-nCoV e o manuscrito sofrem de vários erros técnicos e científicos, incluindo design de primer insuficiente, um protocolo RT-qPCR problemático e insuficiente e a ausência de uma validação de teste precisa . Nem o teste apresentado nem o manuscrito em si atendem aos requisitos para uma publicação científica aceitável. Além disso, sérios conflitos de interesse dos autores não são mencionados.

Finalmente, o prazo muito curto entre a submissão e a aceitação da publicação (24 horas) significa que um processo de revisão sistemática por pares não foi realizado aqui, ou de qualidade ruim problemática. Fornecemos evidências convincentes de várias inadequações científicas, erros e falhas.(Artigo de 27 de novembro de 2020 na Crítica de Drosten , ênfase adicionada)

Os resultados do teste de PCR aplicado ao SARS-2 são flagrante e intencionalmente falhos. No momento em que este artigo foi escrito (começo de uma “Segunda Onda”), o teste está sendo usado extensivamente para aumentar os números com vista a justificar um bloqueio brutal com mais impactos sociais e econômicos devastadores, incluindo a falência planejada do turismo, viagens aéreas e economia de serviços urbanos. (Ver Capítulos IV e V)

O teste RT-PCR. “Estimativas” do CDC dos chamados “Casos positivos” Covid-19.  Como os dados são tabulados?

Abaixo está uma captura de tela do formulário do CDC  dos EUA intitulado Formulário de Relato de Caso de Infecção Humana com Novo Coronavírus 2019 a ser preenchido por pessoal médico / de saúde autorizado

Observe a categorização, lembrando que nem o “Caso Provável” nem o (RT-PCR) “Caso confirmado em laboratório” são “confirmados”. Além disso, não há como identificar o vírus SARS-CoV-2 em um teste de laboratório de PCR (conforme declarado acima).

Nos EUA, os casos prováveis ??(PC) e confirmados por laboratório (CC) são agrupados. E o número total (PC + CC) constitui a base para estabelecer os dados para a infecção por COVID-19. É como adicionar maçãs e laranjas. O valor total (PC + CC) categorizado como “ Total de casos” não faz sentido. Não mede infecção COVID-19 positiva.

A maioria dos testes presuntivos é realizada por clínicas privadas ou clínicas comerciais. No Reino Unido, de acordo com um  relatório do Daily Telegraph de 21 de maio:  “as amostras retiradas do mesmo paciente estão sendo registradas como dois testes separados nos números oficiais do governo”.

Este é apenas um exemplo de explícita manipulação de dados. Nos EUA, as clínicas são pagas ($$$) para aumentar o número de admissões à Covid-19. Um caso provável não requer um exame de laboratório: “Atende aos critérios de registros vitais sem testes de laboratório de confirmação” (ver formulário acima)

Taxas de recuperação COVID-19

Os dados do CDC tabulam casos positivos “confirmados” e “presumíveis” desde 21 de janeiro de 2020. No entanto, o que o CDC não torna público é que entre os casos confirmados e presumidos, um grande número de americanos se recuperou. Mas ninguém fala em recuperação. ISSO NÃO chega às manchetes.

A falsificação de certidões de óbito nos EUA

No início da pandemia, o CDC havia sido instruído a mudar a metodologia em relação aos Atestados de Óbito com o objetivo de aumentar significativa e artificialmente o número de “mortes pelo Covid”. De acordo com  H. Ealy, M. McEvoy et al 

“As diretrizes de 2003 para estabelecer certidões de óbito foram canceladas. “Se o CDC tivesse usado seu padrão da indústria, o Manual do examinador médico e do médico legista sobre a revisão de registro de óbito e relato de óbito fetal de 2003, como fez para todas as outras causas de morte nos últimos 17 anos, a contagem de fatalidades [mortes] pelo COVID-19 seria de cerca de 90,2%  mais baixa do que é atualmente.  ( Covid-19: Políticas questionáveis, regras manipuladas de coleta e relatórios de dados. É seguro para os alunos voltarem à escola?   Por H. Ealy , M. McEvoy e et al. , 09 de agosto de 2020

Mortes do CDC atribuídas ao COVID-19. Comorbidades 

O último relatório do CDC confirma que 94% das mortes atribuídas à Covid têm “comorbidades”  (ou seja, taxas de mortalidade por outras doenças).

Para APENAS 6% das mortes, o COVID-19 foi a única causa mencionada. Para óbitos com doenças ou causas além do COVID-19, em média, houve 2,6 doenças ou causas adicionais por morte. O número de mortes com cada condição ou causa é mostrado para todas as mortes e por grupos de idade.

Em 21 de março de 2020, as seguintes diretrizes específicas foram introduzidas pelo CDC com  relação aos certificados de óbito (e sua tabulação no Sistema Nacional de Estatísticas Vitais (NVSS)

COVID-19: A “causa básica da morte”

Seria o COVID-19 ser a causa básica de morte?   Esse conceito é fundamental.  A causa básica da morte  é definida pela OMS como “a doença ou lesão que iniciou a cadeia de eventos que levam diretamente à morte” .  O que o CDC está recomendando com relação à codificação e categorização estatística é que se espera que o COVID-19 seja a causa básica de morte “na maioria dos casos”.  “O que acontece se os certificadores reportarem termos diferentes do termo sugerido?” (ver abaixo)

O certificador não tem permissão para relatar o coronavírus sem identificar uma cepa específica. E a diretriz recomenda que o COVID-19 seja indicado, quando de fato a natureza do teste PCR não isola o vírus SARS-CoV-2. (Cepa de coronavírus 2019).

(veja abaixo): (CDC fonte)

COVID-19 será a causa básica de morte? 

“A causa básica depende de quais condições e onde são relatadas na certidão de óbito. No entanto,  espera-se que as regras para codificação e seleção da causa básica de morte resultem em COVID-19 sendo a causa básica na maioria das vezes ”. “O que acontece se os certificadores relatarem termos diferentes dos termos sugeridos?

Se um atestado de óbito relatar o coronavírus sem identificar uma cepa específica ou especificar explicitamente que não é COVID-19, o NCHS solicitará aos estados um acompanhamento para verificar se o coronavírus era ou não COVID-19.

Enquanto a frase usada indica a cepa de coronavírus 2019, o NCHS espera atribuir o novo código. No entanto, é preferível e mais simples para os certificadores usarem a terminologia padrão (COVID-19).

O que acontece se os termos relatados na certidão de óbito indicam incerteza?

Se a certidão de óbito relatar termos como “provável COVID-19” ou “provável COVID-19”, esses termos seriam atribuídos ao novo código ICD . Não é provável que o NCHS dê seguimento a esses casos.

Se  “teste COVID-19 pendente” for relatado na certidão de óbito, isso seria considerado um registro pendente. Nesse cenário, o NCHS esperaria receber um registro atualizado, uma vez que o código provavelmente resultará em R99. Nesse caso, o NCHS solicitará aos estados que façam um acompanhamento para verificar se os resultados dos testes confirmaram que o falecido tinha COVID-19.

… o COVID-19 deve ser relatado na certidão de óbito de todos os falecidos onde a doença causou ou se presume que tenha causado ou contribuído para a morte. Os certificadores devem incluir o máximo de detalhes possível com base em seu conhecimento do caso, registros médicos, testes laboratoriais, etc. ”

A cláusula “mais frequentemente do que não” do CDC falsifica a causa da morte?

Essas diretrizes específicas contribuíram de forma indelével para aumentar a Covid-19 como a “causa de morte” registrada em atestados de óbito. E isso apesar do fato de que o uso do teste RT-PCR fornece resultados enganosos.

Vídeo

 

Teste, Teste, Teste

O teste RT-PCR é conhecido por produzir uma alta porcentagem de falsos positivos . As pessoas estão assustadas. Eles são incentivados a fazer o teste de PCR, o que aumenta o número de falsos positivos. E os governos estão atualmente envolvidos no aumento do número de testes de PCR com o objetivo de aumentar o número dos chamados casos positivos de Covid-19 e aumentar o pânico das massas. Mas um teste PCR positivo não confirma um Covid-19 positivo.

Essas “estimativas” infladas de infectados de Covid (pelo teste PCR) são então tabuladas e usadas para sustentar a campanha do medo e manter o pânico. O exagero nas mortes de Covid-19 é baseado em critérios falhos e tendenciosos.

De acordo com o Dr. Pascal Sacré em um artigo intitulado:  O Teste COVID-19 RT-PCR: Como enganar toda a humanidade. Usando um “teste” para bloquear a Sociedade :  .

Este uso indevido da técnica RT-PCR é usado como uma estratégia implacável e intencional por todos os governos, apoiados por “conselhos científicos de segurança” e pela mídia pre$$titute dominante, para justificar medidas excessivas, como a violação de um grande número de direitos constitucionais, a destruição do economia com a falência de setores inteiros ativos da sociedade, a degradação das condições de vida de um grande número de cidadãos comuns, o desemprego generalizado a pretexto de uma pandemia baseada em uma série de testes RT-PCR positivos, e não em um número real de pacientes e vítimas.

Os testes de RT-PCR não comprovam infecção :

“Hoje, à medida que as autoridades testam mais pessoas, é provável que haja mais testes RT-PCR positivos. Isso não significa que o COVID-19 esteja voltando ou que a epidemia esteja se movendo em ondas. Há mais pessoas sendo testadas [com um teste falho], só isso”.

Este procedimento de coleta massiva de dados existe para fornecer “estimativas” de suporte (errôneas, aumentadas, superestimadas) para justificar a existência da chamada “Segunda Onda”, sem  falar nas devastadoras consequências econômicas e sociais. (Ver Capítulos IV e IX)

Em desenvolvimentos recentes, a OMS (que adotou o teste RT-PCR no início de janeiro (seguindo as recomendações de Drosten et al), reconheceu tacitamente as falhas do teste PCR (13 de janeiro de 2021):

“O teste de diagnóstico de orientação da OMS para SARS-CoV-2 afirma que é necessária uma interpretação cuidadosa dos resultados positivos fracos ( 1 ). O limite do ciclo (Ct) necessário para detectar o vírus é inversamente proporcional à carga viral do paciente. Quando os resultados do teste não corresponderem à apresentação clínica, uma nova amostra deve ser colhida e retestada usando a mesma ou diferente tecnologia NAT. … 

A maioria dos testes de PCR são indicados como um auxílio para o diagnóstico, portanto, os profissionais de saúde devem considerar qualquer resultado em combinação com o momento da amostragem, tipo de amostra, dados específicos do ensaio, observações clínicas, histórico do paciente, status confirmado de quaisquer contatos e informações epidemiológicas”. [Continua …]


E fazemos a pergunta de um milhão de dólares: ALGUÉM ESTA GANHANDO RIOS DE DINHEIRO com a venda destes “testes” PCR para todos os países ? A resposta é clara e definitivamente SIM, e um sobrenome ILUSTRE desponta na resposta desta pergunta: “ROTHSCHILD”. Veja o excerto de uma postagem abaixo e voce vai conectar “os pontos”:

Voce sabia que Milhões de kits de teste PCR de “COVID-19” já haviam sido vendidos AINDA em 2017 e 2018 !!!

A nova doença COVID-19 apareceu na China no final de 2019. É por isso que foi chamada de COVID-19, que é um acrônimo para Corona Virus Disease 2019. Os dados da World Integrated Trade Solution, no entanto, mostram algo extremamente surpreendente:

AINDA em 2017 e 2018 – dois anos antes do surgimento do novo coronavírus COVID-19 – centenas de milhões de kits de teste PCR para COVID-19 foram distribuídos em todo o mundo, dois anos antes da “pandemia” acontecer !!.

captura de tela kits de teste cobiçado 2017

Deixemos isto de lado, por um momento: literalmente centenas de milhões de kits de teste COVID-19 foram exportados e importados, vendidos para países em todo o mundo, durante 2017 e 2018. Centenas de milhões! 

‘Rápido! Esconde tudo !!’

Esses dados desconcertantes foram descobertos por alguém em 5 de setembro de 2020, que os postou nas redes sociais. Tornou-se viral em todo o mundo. No dia seguinte, em  6 de setembro,  o WITS [World Integrated Trade Solution] mudou repentinamente o rótulo original ‘COVID-19’ para o termo vago ‘Kits de teste médico’. No entanto, a princípio eles se esqueceram de excluir um detalhe: a parte inferior da página da Web ainda exibia o código do produto para esses ‘Kits de teste médico’: 300215 que significa ‘Kits de teste COVID-19’.

código do produto covid19

Algumas semanas depois, o código HS também foi alterado pelo WITS apenas para ‘Kit de teste médico’. Seu encobrimento veio tarde demais: esta informação crítica foi descoberta e está sendo revelada por milhões em todo o mundo. Você pode baixar um PDF que mostra os dados originais deste site. Os dados originais também podem ser vistos no arquivo da  web avise-nos , se tiver sido retirado da internet, pois a censura criminal está aumentando).

Um fato incontestável: Dois anos antes do surto de COVID-19 acontecer, nações ao redor do mundo começaram a vender e exportar centenas de milhões de kits de teste de diagnóstico para um vírus do “futuro”…  o COVID-19. 

É claro que os “‘Fact Checkers’ (Leia: ‘policia do pensamento’)  veio com uma desculpa: ‘A etiqueta COVID-19 só foi adicionado em 2020’. No entanto, não há prova para esta afirmação e não faz sentido porque o próprio código do produto significa ‘COVID-19 Test Kit’. 

Essa desculpa também não muda o fato de que, dois anos antes da pandemia, de repente todas as nações do mundo começaram a distribuir centenas de milhões de kits de testes médicos que são usados ??especificamente para COVID-19. 

DISTRIBUIÇÃO EM MASSA DOS KITS DE TESTES

Por que o mundo inteiro explodiu na distribuição em massa de centenas de milhões de kits de teste COVID-19, pouco antes da pandemia mundial “acontecer”?

A Patente para método de teste PCR COVID-19 foi concedida já em 2015

Em 2015, um homem chamado Richard A. “ROTHSCHILD” registrou uma patente para um ‘Sistema e Método para Testes para COVID-19’. (2D) Pode não ter tido o rótulo COVID-19 em 13 de outubro de 2015, mas o tem agora. O interessante sobre essa ‘invenção de kit para detecção de vírus’ é que o inventor não é uma pessoa com formação em medicina, mas é um advogado. 

Por que um advogado [e um “ROTHSCHILD”] iria desenvolver e patentear um método para testar vírus e chamá-lo de COVID-19 ainda em 2015?

Encontramos a resposta examinando esta e outra invenção de R. Rothschild. (2E) Ambos são métodos para coletar dados biométricos de pessoas (por meio da filmagem de seu rosto, corpo, movimentos ou usando um oxímetro de pulso para coletar informações sobre o funcionamento do corpo). 

Essas informações altamente pessoais e sensíveis são então enviadas para a nuvem, onde são conectadas à IA (Inteligência Artificial). Esses ‘cérebros de computador’ então decidem se as autoridades precisam agir.

Basicamente, essas não são invenções médicas, mas métodos para coletar informações sensíveis e altamente pessoais de todas as pessoas, que são compartilhadas com redes de computadores, que podem ser facilmente acessadas pelos grandes conglomerados da Big Tech e Big Pharma. Isso abre a possibilidade de um novo mundo de vigilância e controle…. e sabe-se lá mais o que.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo[uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *