Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A França sob Ataque

O governo do presidente francês  Emmanuel Macron  está sob ataque do establishment imperial [E SATANISTA] anglo-americano. A agitação civil que eclodiu em todo o país foi desencadeada pelo assassinato, por um policial, em 27 de junho de 2023 de Nahel Merzouk (NM), de 17 anos, no subúrbio parisiense de Nanterre, em uma blitz da polícia de trânsito. NM conduzia um automóvel sem carta de condução, não cumpriu as ordens da polícia e por isso foi baleado à queima-roupa por dois agentes da tropa anti-motim. 

A França sob Ataque

Fonte: alexkrainer.substack.com

NM era de origem argelina. No dia seguinte, tumultos eclodiram em muitas cidades da França: Paris, Marselha, Lille, Lyon, Bordeaux, Grenoble e também Bruxelas, na Bélgica. Algumas áreas ficaram parecendo literalmente zonas de guerra.

Na verdade, alguns dos distúrbios se assemelhavam a uma guerra de baixa intensidade. Segundo alguns relatos, armas dos EUA doadas à Ucrânia chegaram aos mercados negros nas ruas das cidades francesas e nas mãos dos manifestantes que as usaram em ataques coordenados contra policiais e bombeiros. 

Apenas na noite de 30 de junho para 1º de julho, 41 delegacias de polícia foram atacadas, 79 policiais feridos, 2.560 incêndios foram ateados nas ruas, 1.360 carros e 234 prédios foram queimados. O governo destacou 45.000 policiais, polícia antiterrorismo e gendarmes para controlar a situação, mas até agora os tumultos continuaram com grande intensidade por cinco dias seguidos, ameaçando desestabilizar a nação.

O presidente  Emmanuel Macron  está sob pressão crescente, não apenas dos manifestantes e da oposição, mas também de suas próprias forças policiais e militares. Os sindicatos policiais da França escreveram a Macron ameaçando se revoltar:

Hoje a polícia está em combate como nós estamos em guerra. Amanhã estaremos na resistência e o governo deve estar ciente disso“. 

Certos círculos militares parecem prontos para se voltar contra Macron. O general Pierre Villiers, que aparentemente é muito respeitado entre os comandantes militares franceses, disse que o exército deveria ser leal ao povo, não ao governo de Emmanuel Macron.

Nada mais é o que parece ser…

Até agora, os eventos podem parecer fáceis de entender nos níveis de peões que se opõem nas ruas das cidades francesas: o governo abusivo do presidente Macron e seu aparato de segurança estão sob ataque das pessoas cujas queixas legítimas ultrapassaram o ponto de ebulição. A partir daí, é fácil supor que o governo de Macron até instigou os distúrbios deliberadamente para reprimir e tiranizar o povo de acordo com seu plano. Caramba, Macron é o garoto de recados dos judeus khazares Rothschilds e um jovem líder leal do Fórum Econômico Mundial-WEF de Klaus [judeu khazar] Schwab.

Ou você está conosco ou está contra nós.

Tudo isso parece plausível, mas há um contexto muito mais amplo nessa história. A crise atual tem raízes na relação muito tensa entre as elites dominantes francesas e o establishment satânico e imperial anglo-americano, que se estende por séculos. Uma análise mais completa dessa relação poderia preencher muitos volumes, mas, por enquanto, vamos nos concentrar apenas nos desenvolvimentos mais recentes. 

Logo após os ataques terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos, o presidente  George W. Bush  anunciou ao mundo [dos seus aliados e lacaios] que “ou você está conosco ou está com os terroristas”. Ele não estava apenas dizendo palavras: o império estava se preparando para cimentar a ordem global unipolar, eliminar seus rivais, estabelecer um domínio de amplo espectro e lançar seu Projeto para o Novo Século Americano.

A França nunca aceitou pacificamente o papel de sócio minoritário ou aliado inquestionável, muito menos de vassalo/lacaio do Império Anglo-Americano. Ele continuou a ser uma dor de lado em momentos críticos. Aqui estão alguns exemplos das brigas das últimas duas décadas entre os dois lados:

2003: oposição francesa à invasão americana do Iraque

No final de 2002 e início de 2003, o governo de George W. Bush trabalhava arduamente para garantir o apoio de seus aliados para a invasão do Iraque. Em fevereiro de 2002, o secretário de Estado dos EUA,   Colin Powell, pateticamente acenou com um frasco de pó branco no Conselho de Segurança da ONU, acusando o presidente iraquiano  Saddam Hussein  de possuir armas biológicas de destruição em massa. 

O ministro das Relações Exteriores da França,  Dominique de Villepin,  não ficou impressionado. Em um  discurso abrasador, ele derramou água fria no caso dos EUA para justificar a guerra e chamou o desempenho de Powell de duvidoso e pouco convincente. Algumas semanas depois, em 10 de março de 2003, o presidente Jacques Chirac deixou claro que a França votaria contra qualquer Resolução da ONU que autorizasse o ataque dos EUA ao Iraque. Nisso, a França votaria ao lado da Rússia e da China (fale sobre prenúncio).

2008: A França se opõe à entrada da Ucrânia e da Geórgia na OTAN

Um dos projetos mais importantes do império anglo-americano nas últimas três décadas foi cercar a Rússia absorvendo todos os seus vizinhos a oeste e sudoeste na aliança da OTAN. Em várias ondas de extensões para o leste, a OTAN adicionou 14 novos estados membros, movendo-se mais de 1.600 km em direção à Rússia. 

A Ucrânia e a Geórgia foram as próximas: na Cúpula da OTAN de abril de 2008 em Bucareste, a aliança proclamou o Memorando de Bucareste. Referindo-se à Ucrânia e à Geórgia, eles declararam clara e explicitamente que “concordamos hoje que esses países se tornarão membros da OTAN”. Embora ainda não fosse um membro de pleno direito do comando integrado da aliança, a França se opôs abertamente à resolução, alegando que ela exacerbaria o risco de guerra com a Rússia.

2019: Emmanuel Macron chama a OTAN de aliança com ‘morte cerebral’

Em uma  entrevista ao The Economist  em outubro de 2019 intitulada, “Emmanuel Macron adverte a Europa: a OTAN está ficando com morte cerebral”, o presidente francês alertou os países europeus de que eles não podem mais contar com a aliança militar dominada pelos EUA (observem, que agora a França era um membro de pleno direito da OTAN):

“O que estamos experimentando atualmente é a morte cerebral da OTAN” e declarou que: A Europa precisava “acordar”, pois estava “à beira de um precipício” e precisava começar a se pensar estrategicamente como uma potência geopolítica, caso contrário, como europeus, “não estaremos mais no controle de nosso destino”. 

Pior ainda, quando perguntado se ele acreditava na eficácia do Artigo Cinco, que prevê que se um membro da OTAN for atacado, todos se mobilizarão para defendê-lo, Macron deu uma resposta complicada e enigmática: “Eu não sei, … o que o Artigo Cinco significará amanhã?”

Mas o presidente Macron e seu governo se tornariam ainda mais problemáticos para a satânica cabala anglo-americana com a escalada do conflito na Ucrânia. De todos os líderes europeus, Macron passou mais tempo visitando ou falando ao telefone com seu homólogo russo; ele procurou melhorar as relações entre a Rússia e a França e tentou influenciar outras nações européias a traçar uma política mais independente [das agendas dos EUA] no continente.

2022: Macron diz que a Rússia tem preocupações legítimas de segurança

Em uma entrevista que foi ao ar no sábado, 3 de dezembro de 2022,  Macron instou o Ocidente  a levar a sério as preocupações de segurança da Rússia em relação à expansão da OTAN perto de sua fronteira. Ele pediu maior disposição para dar a Moscou as “garantias” necessárias para que as negociações sejam bem-sucedidas. Ele as chamou de “essenciais” se o Ocidente quiser levar a sério as negociações e os acordos pacíficos. 

“Precisamos preparar o que estamos prontos para fazer, como proteger nossos aliados e Estados membros e como dar garantias à Rússia no dia em que ela retornar à mesa de negociações.” Macron acrescentou que “um dos pontos essenciais que devemos abordar – como o presidente  Putin sempre disse – é o medo de que a OTAN bata em suas portas e o desdobramento de armas que possam ameaçar a Rússia.”

Esses comentários provocaram raiva e descrença entre os aliados anglo-americanos e nas pre$$titutas da mídia ocidental, uma mera caixa de ressonância da agenda imperialista, que acusaram o presidente francês de ser um fantoche pró-Kremlin.

Abril de 2023: Macron visita a China e flerta com os países do BRICS

Emmanuel Macron provocou ainda mais raiva e descrença após sua visita de tapete vermelho de três dias à China, de 6 a 8 de abril de 2023. Os “especialistas em segurança nacional” ocidentais ficaram tão alarmados com esta visita que chamaram o evento de um dos maiores erros cometidos por uma grande potência europeia desde o fim da Guerra Fria…” De fato, foi um tapa na cara do establishment anglo-americano.

Em 7 de abril de 2023,  o presidente Macron visitou a Universidade Sun Yat-Sen, na província de Guangdong, no sul da China, onde foi recebido com entusiasmo. Ele fez um discurso sobre os laços China-França e respondeu a perguntas dos alunos. Pode ter havido uma mensagem sutil no próprio local escolhido por seus anfitriões. Sun Yat-Sen  foi um crítico vocal do sistema imperial britânico e sua política externa. Em seu livro, “O problema vital da China”, Sun Yat-Sen escreveu que,

“Quando a Inglaterra faz amizade com outro país, o objetivo não é manter uma amizade cordial por causa da amizade, mas utilizar esse país como uma ferramenta para lutar contra um terceiro país. Quando um inimigo perde seu poder, ele se torna um amigo, e o amigo que se tornou forte, um inimigo. A Inglaterra sempre permanece em uma posição de comando; ela faz outros países travarem suas guerras e ela mesma colhe os frutos da vitória. Ela tem feito isso por centenas de anos.”

[h/t  Cynthia Chung  por destacar esta passagem]

Não devemos ser vassalos da América

Falando aos jornalistas no voo de volta de Pequim, Macron disse que “a Europa deve resistir à pressão para se tornar seguidora da América…” que o “grande risco” que a Europa enfrenta é ser “apanhada em crises que não são nossas, o que a impede de construir sua própria autonomia” e que “a Europa aumentou sua dependência dos EUA para armas e energia e deve se concentrar em impulsionar suas indústrias de defesa”. Ao se referir à Ucrânia, Macron disse que era “um país distante do qual nada sabemos…” Mas mesmo isso não foi tão imperdoável quanto seu golpe na “extraterritorialidade do dólar americano”.

Enquanto esteve na China, Macron assinou muitos acordos para expandir o comércio bilateral entre a França e a China, muitos dos quais serão denominados em yuan chinês. Já antes da visita de Macron, em março de 2023, as empresas francesas começaram a fechar esses negócios, o primeiro dos quais foi a compra de 65.000 toneladas métricas de gás natural líquido liquidado em yuan. 

A disposição da liderança francesa de criar suas próprias relações bilaterais com o principal rival do Império Anglo-Americano e contornar o dólar americano é simplesmente imperdoável. Mas Macron iria mais longe: segundo o jornal L’Opinion, durante uma conversa telefônica do mês passado, o Presidente francês pediu ao seu homólogo sul-africano, Cyril  Ramaphosa, que lhe fizesse um convite para participar na XVª Cúpula dos países do BRICS planejada para ser realizada na África do Sul no final de julho/início de agosto.

É sobre os dois sistemas de governança…

É importante ter em mente o contexto mais amplo do atual conflito global. Como [o nefasto khazar] George Soros expôs em seu  discurso anual ao Fórum Econômico Mundial  em maio de 2021, é o conflito entre os dois sistemas de governança. Soros os caracterizou erroneamente como “sociedades abertas” e “sociedades fechadas”. Na realidade, estamos testemunhando o conflito entre o satânico sistema colonial imperial ocidental [OTAN e G-7] e praticamente todo o resto da humanidade.

A governança do sistema imperial é controlada pela oligarquia ocultista [e satânica] ocidental que, embora aprecie o estado de direito, a liberdade, a democracia e os direitos humanos da boca para fora, na realidade semeia o caos no exterior e a miséria em casa. Verdade seja dita, as elites governantes francesas também desfrutaram dos enormes privilégios desse mesmo sistema por séculos. No entanto, eles nunca aceitaram a subserviência ao estabelecimento anglo-americano e sempre buscaram saquear e explorar suas colônias em seus próprios termos [ou seja, é apenas uma disputa entre ladrões e saqueadores].

A Ucrânia é um lugar distante para você?

Ainda não sabemos se a França será de fato convidada para a próxima Cúpula do BRICS, mas em um mundo onde não estar “conosco” equivale a estar “contra nós”, o Império satânico anglo-saxão simplesmente não pode tolerar a arrogante independência da França. 

  • Acha que nossa aliança militar está com morte cerebral ? 
  • Você não quer mais ser nosso vassalo? 
  • Você se atreve a fazer acordos comerciais com a China e negociar em yuan? 
  • Você quer buscar a paz com a Rússia? 
  • E a Ucrânia é um lugar distante para você? 

Claramente, isso é inaceitável e o establishment anglo-americano está farto da insubordinação da França. Era hora de ensinar uma lição à França e alinhá-la com a agenda anglo-americana.

Aliança AUKUS: uma punhalada nas costas para a França

O sinal mais recente do desprezo da satânica cabala anglo-americana pelos franceses foi o anúncio de 2021 da aliança AUKUS entre a Austrália[A], Reino Unido[UK] e os EUA[US]. Em 2016, a França fez um acordo com a Austrália para fornecer 12 submarinos convencionais para sua marinha. O negócio valia US$ 37 bilhões – uma quantia muito substancial em qualquer medida. A diplomacia francesa celebrou-o como o “contrato do século”, importante não apenas por seu tamanho e pelo fortalecimento do relacionamento da França com a Austrália, mas também por garantir a influência estratégica francesa na região do Indo-Pacífico.

Mas então, numa quarta-feira, 15 de setembro de 2021, o presidente dos EUA,  (‘Dementia’ Joe) Biden, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson (BoJo], e “aquele sujeito lá embaixo”, como Biden se dirigiu ao então primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciou uma aliança de segurança “histórica” ??entre os EUA, a Grã-Bretanha e Austrália. Parte do acordo incluía os EUA e o Reino Unido fornecendo à Austrália submarinos nucleares e uma transferência significativa de tecnologia militar dos EUA.

Sem consultas ou avisos prévios, a Grã-Bretanha, a Austrália e os EUA, também conhecidos pelo alto valor que atribuem à inviolabilidade do contrato, simplesmente colocaram a França de lado, rasgaram seu contrato com a Austrália e jogaram os interesses franceses ao mar, provocando indignação e raiva numa França impotente. O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, referiu-se ao anúncio do AUKUS como evidência de duplicidadetraição e uma facada nas costas para a França de seus supostos aliados e parceiros, nos circus do G-7 e OTAN.

A França chamou de volta seus embaixadores nos Estados Unidos e na Austrália e Le Drian afirmou que agora havia uma crise de confiança com os EUA. O presidente do Conselho da UE, Charles Michel, também criticou fortemente o anúncio do AUKUS, acusando o clube anglo-americano de deixar a Europa “fora do jogo na região do Indo-Pacífico”. Esta não foi a primeira humilhação massiva infligida à França pelos mesmos círculos anglo-americanos “amigáveis”.

Reparações do Haiti: como os EUA puniram a oposição da França à invasão do Iraque

A diplomacia e os serviços secretos americanos acharam fácil punir a oposição da França à invasão do Iraque e o embaraço que o ministro das Relações Exteriores da França, Dominic De Villepin, infligiu à delegação dos EUA no Conselho de Segurança da ONU em fevereiro de 2003.

O marionete Jean Bertrand Aristide havia se tornado presidente do Haiti em 1991, mas foi deposto em um golpe militar após menos de oito meses no cargo. Ele passou anos exilado nos EUA antes de voltar ao poder nas eleições de 2000, com a ajuda dos EUA

Seu contato com os Estados Unidos era o diplomata e agente da CIA  Luis Moreno. Em 7 de abril de 2003, Aristide repentinamente começou a pedir reparações para seu país da era colonial da França (observe, isso foi 18 dias após o início da invasão americana do Iraque). A quantia exata que Aristide estava exigindo era de US$ 21.685.135.571,48 – essa soma representava o limite inferior da escala de danos estimados infligidos ao Haiti pela França.

Anteriormente conhecido como Saint Domingue, o Haiti foi uma colônia francesa, fornecendo açúcar, café e tabaco para grande parte da Europa. Foi uma benção para os comerciantes franceses, proprietários de escravos e financistas. Mas em 1791, os escravos do Haiti organizaram uma rebelião bem-sucedida e conquistaram sua liberdade. Em 1801, quando Napoleão enviou uma grande armada para subjugá-los novamente, eles derrotaram suas tropas e em 1804 os líderes do Haiti declararam a independência.

Mas a França não estava pronta para desistir do Haiti. O rei Carlos X  enviou outra armada em 1825 oferecendo-se para reconhecer a independência do Haiti, desde que o governo do Haiti concordasse em pagar um tributo exorbitante no valor de 150 milhões de francos de ouro. Quanto dinheiro era isso? Em 1803, a França concordou em vender o território da Louisiana aos Estados Unidos por 80 milhões de francos – uma área 77 vezes maior que a do Haiti. Mas a escolha do Haiti foi simples: pague ou é a guerra!

Os franceses teriam sido capazes de impor um bloqueio naval ao Haiti e isolá-lo totalmente do comércio global e dos sistemas de pagamento. Os haitianos não tiveram escolha a não ser se submeter ao ultimato francês. Para pagar o resgate, o Haiti foi forçado a tomar emprestado as somas dos banqueiros franceses [casa Rothschild, é claro] e pagar os empréstimos acrescidos de juros do produto de suas exportações de commodities. 

Aliás, este foi o início do novo modelo de colonialismo baseado em dívidas financeiras ao invés de ocupação militar. Esse é essencialmente o modelo imperial de governança que assola a humanidade até hoje.

A trágica experiência do Haiti foi a única vez na história em que escravos libertos tiveram que pagar restituição a seus antigos senhores e pedir fundos emprestados para pagar o resgate. É por isso que a humilhação do Haiti foi chamada de Dívida Dupla: os haitianos levaram mais de 130 anos para pagá-la e condenaram a nação à miséria crônica, ao subdesenvolvimento e à pobreza esmagadora.

Também tornou legítimo o pedido de restituição de Aristide e uma bomba absoluta para a França. Sua campanha foi ganhando força com o passar do tempo, com faixas, adesivos, anúncios do governo e grafites espalhados por todo o país. Aristide não apenas exigia uma quantia substancial de dinheiro da França em reparações, como também encorajava outras ex-colônias a se juntarem à sua luta e exigirem suas próprias reparações da França.

O governo francês ficou perplexo com este desenvolvimento que seu embaixador no Haiti, Sr. Yves Gaudeul, chamou de explosivo. Ele instou seu governo a abrir discussões com o Haiti para amenizar a situação, mas foi firmemente rejeitado. Em vez disso, a França chamou Gaudeul de volta e enviou um embaixador menos simpático ao Haiti, o Sr. Thierry Burkard, que explicou a situação em termos cruéis:

A Argélia pode perfeitamente [também] fazer reivindicações, assim como a maioria de nossas colônias… Não teria fim. Teria aberto um precedente pelo qual seríamos muito culpados .”

Felizmente para a França, o problema desapareceu tão repentinamente quanto apareceu. Antes do amanhecer de 29 de fevereiro de 2004, Luis Moreno, o mesmo “diplomata” americano que ajudou a levar Aristide ao poder em 2000, chegou à sua residência ladeado por oficiais de segurança e exigiu a renúncia de Aristide. 

O Sr. e a Sra. Aristide foram simplesmente sequestrados e levados para fora do país em um avião fretado pelos Estados Unidos de volta ao exílio. O novo líder do Haiti, apoiado pelo Ocidente, Gerard Latortue desistiu das exigências de restituição da França e todo o caso confuso foi encerrado.

Embora Jean Bertrand Aristide estivesse no poder desde o início de 2001, seus pedidos de reparação vieram mais de dois anos depois, aparentemente do nada, mas logo após o desprezo da França aos EUA pela invasão do Iraque. Aristide exigiu reparações da França, mas nunca dos Estados Unidos que a ocuparam, ou a mantiveram em servidão por dívida desde 1915, sujeitando-a a uma exploração igualmente voraz.

Mesmo antes da ocupação militar, em dezembro de 1914, fuzileiros navais dos EUA desembarcaram na capital do Haiti, Port-Au-Prince, invadiram o Banco Nacional do Haiti e simplesmente levaram cerca de US$ 500.000 em ouro pertencente ao governo do Haiti. Em poucos dias, o ouro do Haiti estava nos cofres dos bancos de Nova York. Ainda assim, Aristide aparentemente não fez nenhum cálculo preciso dos danos infligidos ao Haiti pelos Estados Unidos.

Além disso, em uma troca de e-mail entre o consultor jurídico do governo de Aristide, Ira Kurzban , e seu consultor jurídico internacional, Gunther Handl, este último informou a Kurzban que “o Haiti deve transmitir à França” que existem oportunidades adequadas “para lavar a roupa suja da França em público”. É quase como se o caso fosse para pressionar e embaraçar a França, em vez de garantir alguma justiça para o Haiti.

Essa noção é confirmada pelo simples fato de que o problema da França só desapareceu depois que os agentes dos EUA retiraram Aristide do poder, e não depois de negociações sérias com os representantes do Haiti e a aceitação da França de alguma obrigação para com o Haiti. Esse fato por si só sugere que a França cedeu aos Estados Unidos em algum acordo de bastidores, não ao Haiti. Talvez a França tenha abandonado seu desafio ao Projeto para o Novo Século Americano [PNAC] e seu domínio de amplo espectro, e jurado lealdade ao satânico hegemon.

Em 1966, sob o presidente  Charles de Gaulle, a França removeu todas as suas tropas do comando militar integrado da OTAN e pediu a todas as tropas não francesas da OTAN que deixassem a França. Em 2009, apenas alguns anos após o caso do Haiti (além dos tumultos desestabilizadores de 2005, em boa medida), a França tornou-se mais uma vez um membro de pleno direito da aliança do Atlântico Norte.  Mas nem todos viveram felizes para sempre e as relações com a França continuaram difíceis.

A espada de Dâmocles do passado colonial da França

A espada de Dâmocles do feio passado colonial da França (embora não mais feia do que a da Espanha, Bélgica, Portugal, Grã-Bretanha ou Alemanha), foi trazida novamente à mesa em novembro de 2022, quando a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, apareceu no canal italiano 7 transmitindo alguns dados da roupa suja colonial particularmente feia da França. 

Ela apresentou e mostrou ao público italiano duas peças: uma nota do franco CFA e a foto de uma criança trabalhando em uma mina de ouro em Burkina Faso:

Isso se chama franco CFA. É a moeda colonial que a França imprime para 14 nações africanas, às quais aplica a senhoriagem e em virtude da qual explora os recursos dessas nações… “

Meloni afirmou que, graças ao franco CFA, 50% de tudo o que Burkina Faso exporta acaba no tesouro francês. Além de primeira-ministra da Itália, Meloni também é membro do poderoso Aspen Institute. Com sede em Washington, DC, o instituto é financiado por alguns dos expoentes mais poderosos dda satânica cabala do estabelecimento anglo-americano, incluindo a Fundação Gates, Fundação Ford, Rockefeller Brothers Fund, Carnegie Corporation e Lumina Foundation e Meloni pode estar fazendo sua oferta em nome deles ao antagonizar a França.

Em outra tentativa de embaraçar a França, em maio de 2022, o New York Times publicou um relatório especial de 19.000 palavras sobre o abuso colonial francês no Haiti. Intitulado “O resgate: como um banco francês capturou o Haiti”, no relatório quase parece que foram os franceses que inventaram a escravidão e o colonialismo.

Pré-anunciando o ataque à França (Predictive Programming)

O elemento mais bizarro que sugere que a atual revolta na França é um ataque de desestabilização planejado pela satânica cabala imperial anglo-americana é o fato de que pode ter sido pré-anunciado no que parece ser seu modus operandi habitual. 

No mês passado tive o privilégio de participar da Better Way Conference em Bath, organizada pelo Conselho Mundial de Saúde. Um dos palestrantes do meu painel foi o Sr. Mark Devlin (@DJMarkDevlin), um DJ que desafiou estudar como o establishment governante usa a cultura popular e o entretenimento para disseminar propaganda e manipular [controlar mentalmente] as massas [de zumbis ignorantes].

Uma coisa que ele percebeu é que eles invariavelmente anunciam seus planos e agendas ao público abertamente por meio de filmes populares e séries de TV. Devlin afirmou que existem literalmente centenas de exemplos disso, e ele compartilhou um conosco: um pequeno clipe do programa de TV americano The Dead Zone, que foi ao ar em 2005 sobre uma pandemia. A trama envolvia um contágio de coronavírus. O vírus se origina na China e causa febre alta e infecções respiratórias, exigiu bloqueios, quarentenas, uso de máscaras, isolamento social, e rastreamento de contatos, etc.

O vídeo foi profundamente perturbador de se ver, mas sugeriu que Devlin estava chamando a atenção para algo importante. Acontece que o atual caso dos motins na França também corrobora a sua hipótese de Predictive Programming. Ou seja, em 2022, a Netflix lançou um filme intitulado “Athena” sobre uma futura guerra civil étnica na França, que eclodiria após o assassinato policial de um jovem argelino. Em 27 de junho de 2023, a polícia francesa matou um jovem argelino.

Buscando justiça para Nahel atacando turistas chineses?

Outro detalhe sobre os distúrbios na França pode ter relevância simbólica: a saber, a Reuters informou que turistas chineses ficaram feridos quando manifestantes atacaram um ônibus que transportava um grupo de turistas chineses em Marselha. O ataque, ocorrido na quinta-feira, 29 de junho de 2023, revela novamente o modus operandi da cabala. 

Lembrem-se, quando os EUA e a OTAN bombardearam Belgrado em 1999, cinco mísseis de ataque direto conjunto dos EUA, bombas guiadas atingiram a embaixada chinesa, matando três jornalistas da mídia estatal chinesa. Uma bomba pode ter se extraviado e atingido a embaixada por acidente, mas cinco bombas foi uma mensagem direta, assim como (provavelmente) o ataque de quinta-feira passada a turistas chineses. 

Seria difícil explicar por que os desordeiros que tinham queixas contra o governo francês e exigiam justiça para o jovem Nahel Merzouk pensaram que obteriam essa justiça atacando os chineses.

E agora?

Devemos considerar Emmanuel Macron e seu governo como os mocinhos desta saga? Eles serão capazes de pacificar a situação ou ela aumentará? De minha parte, nunca gostei nem um pouco de Emmanuel Macron, [apenas mais um fantoche/marionete do sistema] mas acredito que hoje a soberania da França está em jogo, e foi Macron quem provocou a ira da cabala anglo-americana. Se a França reagir, as coisas vão ficar feias. Sim, eles terão que reprimir e sim, a mídia ocidental os acusará de todas as falhas padrão de tirania, repressão, intolerância e censura.

Se a França capitular, as coisas ficarão ainda mais feias e mais feias por mais tempo. Mas para defender a França, o governo de Emmanuel Macron terá que tentar reunir toda a França e isso pode ser seu maior desafio. Macron representa as elites francesas que têm muito a responder e a pagar – não apenas aos seus ex súditos coloniais, mas também ao povo francês cujo país foi roubado deles (embora Macron não seja o único culpado por isso).

Em 1996, quando me mudei para Mônaco, lembro que por vários anos consecutivos a França conquistava o primeiro lugar como o país com a melhor qualidade de vida (acredito que as pesquisas de qualidade de vida foram realizadas pela Conde Nast ou algo assim). Nos últimos 25 anos, no entanto, a qualidade de vida na França deteriorou-se vertiginosamente. Se a França quiser sobreviver e liderar a Europa mais uma vez, as elites que apoiam Macron terão que se reconciliar e se aproximar do povo.

Com relação ao seu passado colonial, a França precisará, no mínimo, estabelecer uma comissão de verdade e reconciliação e oferecer um sincero pedido de desculpas e uma mão amiga para que suas ex-colônias se levantem e se desenvolvam como parceiros comerciais iguais, em vez de simplesmente serem territórios para ser despojados de suas riquezas, de seus recursos e subjugá-los de forma fria e desumana.

O mundo deveria pensar em oferecer uma ajuda à França, porque com a luta atual, uma oportunidade muito grande se apresentou à humanidade: derrotar o sistema imperialista de governo que causou as tragédias indescritíveis de nosso passado colonial e seus beneficiários mais poderosos, o satânico estabelecimento imperial anglo-americano. Se conseguirem domar a França e torná-la sua vassala, ficarão mais fortes.

Se a França prevalecer e se unir à humanidade, às integrações multipolares e ao outro modelo de governança [multipolar], a cabala imperial sofrerá um golpe esmagador. Eu sei onde estamos 99,9% de nós e, de minha parte, adoraria ver Emmanuel Macron na África do Sul no final deste mês, pela primeira vez ouvindo e buscando sinceramente parceria e reconciliação com o mundo e garantindo o lugar da França como um igual em uma nova comunidade de nações.

Alex Krainer  –  @NakedHedgie  é o criador do  I-System Trend Follow  e editor de relatórios diários  de investidores TrendCompass  que cobrem mais de 200 mercados financeiros e de commodities. O test drive de um mês é sempre gratuito, sem enrolação para cancelar. Para iniciar sua assinatura de avaliação, envie-nos um e-mail para  TrendCompass@ISystem-TF.com


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra PELO IMPACTO DE UM METEORO/ASTEROIDE, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *