Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Ordem dos Cavaleiros Templários e sua História (II)

Os membros da Ordem dos Cavaleiros Templários foram associados com todos os tipos de atividades incríveis, incluindo a posse da Arca da Aliança, do Santo Graal, também foram acusados de serem heréticos, de terem construído em segredo uma frota de navios que navegaram os oceanos desde o discreto porto de La Rochelle, na costa atlântica da França.

Teriam navegado até o novo mundo, talvez até o Canadá e o México, de onde extraíram prata em abundância, muito antes de Colombo ter (re)descoberto às Américas . . .

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

UMA BREVE HISTÓRIA DOS CAVALEIROS TEMPLÁRIOS

Por David Hatcher Childress

Fonte: https://greyfalcon.us/The%20Knights%20Templar.htm

O Império Naval dos Cavaleiros Templários

Durante os quase 200 anos das Cruzadas, a riqueza da Ordem dos Cavaleiros Templários cresceu e se tornou uma vasta fortuna. Eles possuíam mais de nove mil solares e castelos distribuídos por vários países por toda a Europa, todos isentos de impostos. Cada propriedade ´[Comendas] era cultivada e produzia animais de corte gerando receitas que eram usadas para apoiar o maior sistema bancário e a maior cavalaria militar da Europa criados pela Ordem. A riqueza e o poder da Ordem dos Cavaleiros Templários causaram muita inveja e muito ciúme entre alguns membros da nobreza europeia. Boatos caluniosos foram espalhados sobre rituais secretos e adoração ao diabo.

O falido rei Filipe IV, o Belo, de França foi o responsável por disseminar muitos desses rumores.  Filipe IV durante uma revolta popular contra medidas adotadas pelo seu governo, buscou refugio de uma multidão enfurecida em Paris, no quartel-general dos templários. Os Templários haviam mudado seu quartel-general principal de Jerusalém para Paris após a derrota dos Cruzados no Mediterrâneo Oriental e a perda do controle de Jerusalém. A Marinha otomana havia conquistado a maior parte do Mediterrâneo e estava ocupada sitiando os Cavaleiros Hospitalários em Malta.

O “Templo” de Paris, e suas torres, principal sede dos Cavaleiros Templários na Europa, em Paris. Em 1306, apenas um ano antes da perseguição e prisão dos Templários na França, o Rei Filipe, o Belo, teve certeza da lealdade dos Templários para buscar refúgio no Templo de Paris durante os tumultos causados ??quando ele desvalorizou a moeda.  Naquela época, o complexo dos templários era cercado por grossos muros e incluía vários edifícios, bem como a igreja e os aposentos dos irmãos Templários. 

Os Templários deram refúgio da turba a Filipe IV, o Belo, mas dizem que o falido Rei viu a magnificência do tesouro dos Templários e o quis para si mesmo. Seu governo estava falido, ele era um rei fraco e impopular entre o povo e sabia que os Templários eram mais poderosos e ricos do que ele e qualquer outro rei da Europa.

O rei Filipe IV foi a Roma em 1305 e convenceu o papa Clemente V de que os Cavaleiros Templários não eram os santos defensores da fé, mas estavam tentando destruí-la. O papa ordenou que o rei Filipe prendesse todos os cavaleiros Templários da França e iniciasse uma inquisição. Quando os homens do Rei foram aos castelos dos Templários, para prendê-los eles encontraram muitos deles abandonados e a grande frota naval que estava ancorada no porto privado dos Templários em La Rochelle havia sumido.

Os homens de Felipe o Belo não encontraram uma moeda sequer do vasto tesouro templário que os mesmos depositavam no local, tudo havia sido evacuado dias antes do início da perseguição aos membros da Ordem, visto que os Cavaleiros Templários também possuíam um eficiente serviço de “inteligência” que havia descoberto antecipadamente as intenções do rei e evacuaram o imenso tesouro sem serem percebidos e sem deixarem uma pista sequer de seu destino. Aqueles que foram presos foram julgados e considerados culpados de pecados contra Deus, através de inúmeras falsas acusações, desde sodomia até heresia. Jaques de Molay, o último grão-mestre dos Cavaleiros Templários, foi queimado na fogueira em Paris em 1314.

Um poema inglês contemporâneo fez a pergunta que muitos fazem hoje, para onde foram todos os Templários e a sua imensa riqueza acumulada? Os irmãos, os Mestres do Templo, que eram bem abastecidos e fartos, com ouro, prata e riquezas, onde estão eles? Como eles fizeram para desaparecerem? Eles tiveram tal poder uma vez que ninguém ousou tirá-los dos demais países da Europa, ninguém foi tão ousado em seu tempo; Para sempre eles sumiram e nunca mais foram encontrados …

Reprodução em pintura do interior do “Templo” de Paris, principal sede dos Cavaleiros Templários na Europa após a perda de Jerusalém para Saladino.

Esta questão tem atormentado historiadores e caçadores de tesouros por séculos. Por centenas de anos, houve rumores de que os Cavaleiros Templários não eram apenas os defensores da fé, mas também os guardiões do Santo Graal e de muitos mistérios sagrados. O Santo Graal é considerado o mais sagrado dos míticos artefatos religiosos [em realidade, o Santo Graal é a “antiga sabedoria” que os Templários possuíam e mantinham longe dos olhares profanos].

Existem diferentes versões da lenda, com as duas mais proeminentes afirmando que o Santo Graal é uma taça ou o cálice usado por Cristo na Última Ceia ou um pedaço da cruz em que ele foi crucificado [como sempre, os ignorantes e profanos, mesmo “eruditos” valorizam apenas BENS MATERIAIS… em qualquer tempo..ç].  A versão do cálice do Santo Graal mostra São José de Arimatéia trazendo para a Inglaterra a taça usada na Última Ceia que tinha sido usada para coletar o sangue que escorria das feridas de Cristo [o que realmente José de Arimateia fez foi acompanhar Maria Madalena e os filhos da mesma que ela teve com Jesus para uma região específica do sul da França, o santo graal na realidade é o “sangue real” da descendência de Cristo…].

Uma versão galesa da história do Graal diz que José de Arimatéia trouxe o Graal para a Inglaterra com a palavra de Cristo e deixou a relíquia sagrada em Glastonbury; lá muito mais tarde alcançou o Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda. Diz-se que o Graal assumiu muitas formas e o Rei Arthur o viu em sua quinta e última forma enquanto recebia a comunhão com os eremitas, uma lança sangrenta, também conhecida como Lança de Longinus, descoberta pelos Cruzados em Antioquia.  Esta última versão colocaria os Templários e a lança no Oriente Médio ao mesmo tempo. Antes de deixar a lenda do Santo Graal, pare e pense no significado religioso de que tal “relíquia” teria.

Os misteriosos Cavaleiros Templários tinham uma extensa rede marítima e uma enorme frota de navios mercantes e podem ter herdado alguns dos mapas e outros segredos dos antigos fenícios [descobertos nos subterrâneos do monte do Templo, durantes os dez primeiros anos da ordem, quando os nove cavaleiros originais escavaram as ruínas à procura de um “tesouro”].  Quando os Templários foram proscritos e presos em 1307 pelo Rei Filipe IV da França, a enorme frota Templária em La Rochelle, França, desapareceu e muitos Cavaleiros Templários buscaram refúgio em terras fora da França. Portugal [pais criado pelos próprios Templários] foi um dos poucos locais onde puderam encontrar asilo, e é provável que a frota Templaria tenha feito escala no castelo de Almourol antes de seguir para o seu destino final.

O Castelo de Almourol é um castelo medieval no topo do ilhéu de Almourol em pleno rio Tejo , localizado na freguesia da Praia do Ribatejo a 4 quilômetros da sede do conselho de Vila Nova da Barquinha , na Região Central de Portugal . O castelo fazia parte da linha defensiva controlada pelos Cavaleiros Templários e foi uma fortaleza utilizada durante a Reconquista Portuguesa.

Deve-se notar que muitos exploradores navegadores e da realeza portugueses eram Cavaleiros Templários, com um provável português como sendo membro do grupo inicial de nove cavaleiros fundadores da ordem, Muitos acreditam que os Cavaleiros Templários portugueses foram fundamentais para que Portugal (re)descobrisse a sua enorme colônia transatlântica, o Brasil.

Embora Portugal fosse um importante refúgio para os Cavaleiros Templários, sua principal base de operações, até serem proscritos, foi o sul da França e a Catalunha, a área dos cátaros e dos reis merovíngios. Barcelona, ??a capital da Catalunha, era originalmente um porto fenício e esta área ao longo da fronteira com a Espanha e a França há muito se considera Catalunha, um estado, povo e cultura separados do resto da Espanha. A população fala sua própria língua, o catalão, uma língua que pode ter se originado com os antigos fenícios.

Fora de Barcelona está o mosteiro de Montserrat, local de peregrinação religiosa por muito tempo, provavelmente antes da era cristã. É uma montanha que se eleva a 4.054 pés [1.232 metros] acima da planície costeira, que eventualmente se tornou o local de um famoso mosteiro beneditino. Foi em Montserrat que Santo Inácio de Loyola jurou dedicar-se à vida religiosa. O mosteiro fica a meio caminho da montanha íngreme e estéril. Apenas ruínas podem ser encontradas do mosteiro beneditino do século XI e o novo mosteiro no local foi construído no século XIX.

Acima: O Mosteiro do Montserrat (em catalão, Abadia de Montserrat ), localizado no Monte Serreado, no município de Monistrol de Montserrat, na província de Barcelona, na Catalunha, na Espanha, é um mosteiro beneditino que abriga a famosa imagem de Nossa Senhora Negra do Monte Serrat, a padroeira da Catalunha. O mosteiro foi construído na Idade Média ao redor da gruta onde teria sido encontrada a imagem de Nossa Senhora de Monte Serreado, em 880. Foi destruído por tropas francesas em 1811, por ocasião da Guerra Peninsular. Foi reconstruído em 1844. Durante a ditadura de Francisco Franco, que reprimiu o nacionalismo catalão, em meados do século XX, o mosteiro foi um reduto da cultura catalã. (Wikipédia)

De acordo com a Columbia Viking Desk Encyclopedia (versão de 1968), Montserrat foi considerado na Idade Média como o local do castelo que continha o Santo Graal. Diz a enciclopédia:

“A igreja renascentista contém uma imagem de uma Virgem Negra, esculpida, segundo a tradição, pelo apóstolo Lucas. Na Idade Média, a montanha, também chamada de Monsalvat, era considerada o local do castelo do Santo Graal.”

Curiosamente, Barcelona é a cidade onde Colombo primeiro aportou ao retornar do Novo Mundo à Europa. Por que Colombo veio até Barcelona depois de sair de Cádiz, porto que teve de passar a caminho de Barcelona? Talvez Barcelona fosse um porto mais seguro para pousar do que Cádiz? É bem possível que Colombo fosse um Cavaleiro Templário. Ele sempre assinava seu nome com um curioso triângulo e letras codificadas, algo que os Cavaleiros Templários costumavam fazer. Todos os judeus foram banidos da Espanha no mesmo dia em que Colombo partiu para o Novo Mundo.  Alguns historiadores afirmaram que Colombo era na verdade um judeu espanhol e não um italiano de Gênova, como historiadores posteriores afirmariam. Se Colombo fosse judeu, talvez Barcelona e a área da Catalunha fossem um porto seguro para ele e a sua tripulação aom regressarem de sua [re]descoberta da América do Norte.

O escocês Henry Saint Clair

Um dos personagens escoceses mais interessantes e misteriosos foi o príncipe Henry Saint Clair, o último rei das Ilhas Orkney. Henry, como muitos outros nobres da Idade Média, detinha muitos títulos e era muitas coisas. Ele era o rei das Ilhas Orkney, embora fossem oficialmente um condado concedido ao príncipe Henry Saint Clair pelo rei da Noruega. Ao mesmo tempo, o príncipe Henry Saint Clair manteve outros territórios como vassalo do rei escocês. O príncipe Henry também foi um grão-mestre dos Cavaleiros Templários, um veterano das cruzadas e, de acordo com algumas fontes, o possuidor do Santo Graal.

No ano de 1.391 DC, o Príncipe Henry Saint Clair encontrou-se com os famosos exploradores e cartógrafos venezianos Nicolos e Antonio Zeno na Ilha Fer, que está localizada entre as Ilhas Orkney e as Shetlands. Os irmãos Zeno eram bem conhecidos por seus mapas da Islândia e do Ártico. O príncipe Henry Saint Clair os contrataria para enviar uma frota exploratória ao Novo Mundo, no que mais tarde seria o Canadá, cerca de cem anos antes de Colombo ter (re)descoberto “oficialmente” a América do Norte.

Com a ajuda de fundos dos Cavaleiros Templários, que agora haviam sido banidos pelo Papa, o templário Henry Saint Clair reuniu uma frota de doze navios para uma viagem a fim de estabelecer um porto seguro para a Ordem dos Cavaleiros Templários e seu tesouro em novas terras. A empreitada secreta foi liderada pelo Príncipe Henry Saint Clair sob a orientação de Antonio Zeno, o cartógrafo de Veneza.

A frota de doze navios [provavelmente pertencentes aos navios templários “desparecidos de La Rochelle] deixou as Ilhas Orkneys em 1.398 e desembarcou na Nova Scotia [Alba Nuadh, em gaélico escocês], onde passou o inverno e mais tarde explorou a costa leste da América do Norte, dirigindo-se para o sul. Diz-se que a efígie de um dos companheiros próximos de Henry Saint Clair, Sir James Gunn, que morreu na expedição, pode ser encontrada esculpida em uma rocha em Westford, no atual estado de Massachusetts, nos EUA.

Monumento que comemora o desembarque da Expedição do Príncipe Henry Saint Clair . A Prince Henry Sinclair Society da América do Norte acredita que ele desembarcou em Chedabucto Bay em 1.398. O monumento foi erguido em 17 de novembro de 1996. É uma pedra de granito de quinze toneladas com uma placa narrativa de granito preto localizada em Halfway Cove na Rota. 16 no condado de Guysborough, Nova Escócia. O local oferece uma vista panorâmica da Baía de Chedabucto.

O grupo teria construído um castelo e deixado parte de sua marinha na nova terra chamada de Nova Scotia. Como veremos, a famosa Oak Island, situada em direção as novas terras do continente da Nova Escócia, se tornará parte do mistério que cerca o príncipe Henry Saint Clair.

O príncipe Henry e sua frota voltaram às Orkneys, mas logo depois o príncipe Henry Saint Clair foi assassinado na Escócia. O ano era 1400 e se passaram mais 92 anos antes que Cristobal Colon, conhecido por nós como Cristovão Colombo, usasse seu conhecimento da Islândia e dos mapas dos irmãos Zeno para fazer sua famosa viagem através do Atlântico.

westford_knight-sinclair
Acima: em Westford em Massachusetts, nos EUA, existe uma rocha com um design estranho nela. Com iluminação correta, ela pode parecer com o desenho de um cavaleiro Templário  vestido com armadura completa, com um escudo com o brasão escocês do Clann Gunn. Este local é reivindicada como sendo o memorial de Sir James Gunn, presumivelmente morto na expedição durante um esforço para explorar o interior do Novo Mundo. A pedra com inscrições se pode ler: “Príncipe Henry Sinclair Primeiro de Orkney Nascido na Escócia fez uma viagem de descoberta para a América do Norte, em 1398. Depois de uma invernada em Nova Scotia, ele partiu para Massachusetts em uma expedição terrestre em 1399 para Prospect Hill para ver o paisagem circundante, um amigo muito próximo morreu. os desenhos esculpidos na rocha mostram uma efígie armorial, que é um memorial para este cavaleiro que morreu durante a expedição”.

Em seu livro Holy Grail Across the Atlantic , Michael Bradley tenta mostrar que o material do antigo tesouro do Templo de Salomão encontrado pelos nove cavaleiros templários originais foi guardado na fortaleza Templaria de Montségur, nos Pirenéus franceses, a região cátara da França. Esta fortaleza na montanha foi sitiada pelas forças de Simon de Montfort e da Inquisição em 16 de março de 1244, mas acredita-se que o tesouro secreto tenha escapado.

O tesouro provavelmente incluía tesouros de CONHECIMENTO E SABEDORIA antigos do Oriente Médio, mas também ouro, prata e joias de manufatura mais moderna. Os Cavaleiros Templários eram bem financiados em segredo por várias casas da realeza europeia; afinal, os reis merovíngios eram descendentes do Santo Sangue de Jesus com Maria Madalena – ou assim era afirmado secretamente em tempos medievais.

Bradley afirma que o Príncipe Henry conquistou até 300 colonos para o Novo Mundo e um “Castelo do Graal” literal foi construído na Nova Scotia – o atual estado da Nova Escócia no atual Canadá.

Tão forte é a evidência da viagem do Príncipe Henry Saint Clair ao “novo mundo” através das águas do Atlântico Norte com os Cavaleiros Templários que seu parente distante Andrew Saint Clair escreveu um livro intitulado A Espada e o Graal no qual ele reivindicou o mesmo que Bradley no livro Santo Graal do outro lado do Atlântico .

Os templários também podem ter adquirido alguns mapas altamente precisos e antiguíssimos feitos pelos antigos fenícios, cartagineses, mais tarde os mouros e turcos e, ao fazê-lo, herdaram o conhecimento secreto do mar e das terras à oeste e sul do Atlântico outrora guardado com tanto cuidado pelos antigos fenícios [que estiveram no Brasil em torno do ano mil a.C.], seus descendentes cartagineses e os seus aliados.

Bradley e Sinclair afirmam que um castelo especial do Graal foi construído em uma área central da Nova Scotia chamado de “A Cruz”. Este local pode ser alcançado através de um rio de qualquer lado da península da Nova Scotia e na foz de ambos os rios havia uma ilha chamada “Ilha Oak”.  Curiosamente, uma dessas Oak Islands tem o famoso “Money Pit”, que é um poço feito pelo homem com centenas de metros de profundidade com túneis laterais.

O mistério de “Oak Island” refere-se a histórias de tesouros enterrados e objetos inexplicáveis ??encontrados na ou perto de Oak Island, na Nova Escócia . Desde o século 18, várias tentativas foram feitas para localizar tesouros e artefatos históricos. As teorias sobre os artefatos presentes na ilha variam de tesouros piratas a manuscritos de Shakespeare e, possivelmente, o Santo Graal ou a Arca da Aliança , com o Graal e a Arca tendo sido enterrados ali pelos Cavaleiros Templários em 1.398. Vários itens surgiram ao longo dos anos e foram encontrados na ilha, alguns dos quais foram datados por carbono e têm centenas de anos. Embora esses itens possam ser considerados um tesouro por si só, nenhum tesouro em ouro e prata importante foi encontrado.

Acredita-se que haja um tesouro neste poço e milhões de dólares foram gastos durante décadas na tentativa de chegar ao fundo submerso da mesma sem nenhum resultado prático em relação a tesouro em ouro e prata.

Tradicionalmente, acredita-se que o Oak Island Money Pit foi construído por piratas para esconder um tesouro, mas Bradley e Sinclair afirmam que foi construído por Henry Saint Clair e os Cavaleiros Templários quando lá eles estiveram em sua expedição de 1.398. Além disso, afirmam eles, o Canadá foi resolvido como resultado direto da posse do Santo Graal para lá. Henry Saint Clair e os Templários estavam tentando criar a profetizada “Nova Jerusalém” no Novo Mundo. 

Oak Island, na Nova Escócia, Canadá

A Resistência Final dos Cavaleiros Templários e a sua transformação e continuidade através da criação da Ordem dos Cavaleiros de Cristo em Portugal pelo rei Dom Dinis

A imensa frota naval “perdida” dos Cavaleiros Templários é discutida no livro de Michael Baigent e Richard Leigh, The Temple and the Lodge . Eles ressaltam que os Templários tinham uma enorme e muito bem equipada frota naval à sua disposição, uma frota que estava estacionada nos portos da França [La Rochelle] e Itália mediterrâneas, bem como nos portos do norte da França, Flandres e Portugal.

No geral, a frota naval dos Templários estava voltada para a operação no Mediterrâneo – mantendo a Terra Santa abastecida de homens e equipamentos e importando mercadorias do Oriente Médio para a Europa. Ao mesmo tempo, a frota operava secretamente no Oceano Atlântico. Um amplo comércio foi conduzido com as Ilhas Britânicas e, muito provavelmente, com a Liga Hanseática do Báltico com os povos escandinavos.

Assim, as comunidades subordinadas aos Templários (chamados de preceptorias [Comendas] na Europa), na Inglaterra e na Irlanda, localizavam-se geralmente na costa ou na foz de rios navegáveis. O principal porto atlântico dos templários era La Rochelle, que tinha boa comunicação com os portos mediterrâneos e estava localizado estrategicamente de frente para o Atlântico Norte.  Prata em abundância pode ter sido trazida do México, tecidos, por exemplo, poderiam ser trazidos da Grã-Bretanha em navios templários para La Rochelle, transportado por terra para um porto mediterrâneo como Collioure, então carregado a bordo de navios templários novamente e levado para a Terra Santa.

Quando a Ordem foi perseguida por Filipe IV da França a partir de 1307 e culminando na fogueira do Grão Mestre Jacques de Molay em 1314, os Cavaleiros Templários se tornaram uma organização proscrita na França.  Filipe IV rei de França os perseguiu por causa de seu poder financeiro e político, mas para muitos historiadores a perseguição era parte de uma campanha contínua contra os primeiros hereges cristãos como os cátaros. Na verdade, há muitas evidências que mostram que os Cavaleiros Templários e os cátaros eram fortemente aliados e praticavam a mesma “sabedoria” dos Tempos Antigos.

Os Cavaleiros Templários aparentemente faziam parte de um movimento secreto para restaurar os reis merovíngios, que tinham o Santo Sangue de Jesus e Maria Madalena em suas veias. A questão é: o que aconteceu com a frota dos navios e o imenso tesouro dos Templários depois que eles foram proscritos? A história tradicional não tem resposta para essa pergunta e nenhuma moeda de seu imenso tesouro e nenhum navio jamais foram encontrados.

Os autores Baigent e Leigh em O Templo e a Loja afirmam que a frota Templaria escapou em massa com a imensa riqueza templária de vários portos no Mediterrâneo e no norte da Europa e partiu para um destino misterioso onde poderiam encontrar asilo político e segurança. Este destino teria sido a Escócia e Portugal.

A frota mediterrânea teve que navegar pelo perigoso estreito de Gibraltar e então provavelmente parou em vários portos portugueses que simpatizavam com os templários, como o castelo de Almourol, perto da cidade de Abrantes. A fortaleza de Almourol foi construída por Gualdim Pais, Mestre da Ordem dos Templários em 1171.

Baigent e Leigh continuam dizendo que a frota templária navegou pela costa oeste da Irlanda até os portos seguros em Donegal e Ulster, onde propriedades dos templários estavam localizadas e o contrabando de armas para Argyll era comum.

A frota templária então desembarcou em Argyll navegando para o sul das ilhas de Islay e Jura no Estreito de Jura, onde os templários descarregaram homens e cargas nas fortalezas dos templários escoceses de Kilmory, Castelo Sweet e Kilmartin.

Robert the Bruce controlava partes da Escócia, mas não todo o pais. Porções significativas das Terras Altas [Highlands] do norte e do sul eram controladas por clãs aliados da Inglaterra. Robert the Bruce havia sido excomungado pelo Papa em 1306, um ano antes do início da perseguição aos Templários. Essencialmente, o decreto papal que proibiu os Cavaleiros Templários não era aplicável na Escócia, ou pelo menos nas partes que Robert the Bruce controlava.

A virada da maré para Robert the Bruce, para o reino da Escócia e os Cavaleiros Templários foi a famosa Batalha de Bannockburn, que ocorreu em 23 e 24 de junho de 1324. Enquanto visitava a Escócia, saí de Edimburgo em busca do local da Batalha de Bannockburn. Sabe-se que ocorreu a menos de três quilômetros do Castelo de Stirling.

Em 23 e 24 de junho de 1324, Robert the Bruce da Escócia com aproximadamente 6.000 escoceses derrotou milagrosamente cerca de 20.000 soldados ingleses. Exatamente o que aconteceu nunca foi realmente registrado. Alguns acreditam que Bruce fez isso com a ajuda de uma força especial da temida cavalaria pesada dos Templários. Afinal, 24 de junho também foi um dia especial para os Cavaleiros Templários; era o dia de São João. Dizem Baigent e Leigh:

“A maioria dos historiadores concorda que o exército escocês era composto quase inteiramente de soldados de infantaria armados com lanças, espadas e machados. Eles também concordam que apenas homens montados nas fileiras escocesas carregavam espadas e que Bruce tinha poucos homens assim … “

De repente, no meio da batalha, com as forças inglesas engajadas em um combate favorável de três a um contra os soldados escoceses, houve uma carga de cavalaria pesada na retaguarda do acampamento escocês. Uma nova força com bandeiras esvoaçando avançou para a batalha contra os ingleses. As fileiras inglesas deram uma olhada na nova força e recuaram em puro terror dos novos combatentes, eles literalmente fugiram do campo, dizem Baigent e Leigh em The Temple and the Lodge, … “depois de um dia de combate que deixou os exércitos inglês e escocês exaustos … O pânico varreu as fileiras inglesas.

O rei Eduardo da Inglaterra, junto com cerca de 500 de seus cavaleiros, fugiu abruptamente do campo de Bannockburn. Desmoralizados, os soldados ingleses prontamente seguiram o exemplo de seu comandante máximo, e a retirada se deteriorou rapidamente em uma derrota em grande escala, todo o exército inglês abandonando seus suprimentos, suas bagagens, seu dinheiro, suas placas de ouro e prata, suas armas, armaduras e equipamentos.

Mas enquanto as crônicas falam de terrível massacre, as perdas inglesas registradas não parecem de fato ter sido muito grandes. Apenas um conde foi morto, apenas 38 barões e cavaleiros perderam suas vidas. O colapso inglês parece não ter sido causado pela ferocidade do ataque escocês, que foi conseguindo resistir, mas simplesmente por um agudo e repentino medo”.

Na verdade, o que provavelmente aconteceu foi uma carga das forças restantes dos Cavaleiros Templários contra o exército inglês. Esses veteranos das ferozes batalhas das cruzadas eram como os Boinas Verdes ou as melhores Forças Especiais da Idade Média. Todos os combatentes pararam de repente para testemunhar o ataque de cavalaria pesada dos experientes Cavaleiros Templários, em seus trajes de batalha completos com bandeiras brancas e insígnias da cruz vermelha voando alto acima dos cavalos em carga contra os ingleses assustados.

A Cavalaria pesada da Ordem dos Cavaleiros Templários era uma força formidável de batalha e muito temida pelos seus inimigos devido a coragem, bravura e ferocidade de seus membros.

A provável estratégia por trás da investida dos Templários na batalha teria sido cavalgar de surpresa no meio da batalha em uma carga maciça e tentar alcançar o Rei Eduardo da Inglaterra e seus guardas pessoais. Uma vez enfrentando os comandantes do inimigo inglês, esses experientes veteranos de guerra nos desertos do Oriente Médio teriam derrotado facilmente os cavaleiros do rei Eduardo e possivelmente matado o próprio rei. Conforme observado, o rei Eduardo e seus cavaleiros especiais fugiram imediatamente ao testemunhar o ataque de cavalaria dos Templários.

O filme vencedor do Oscar de melhor filme em 1995, Braveheart – Coração Valente , concluiu retratando Robert the Bruce e seu pupilo na batalha de Bannockburn.

 

Meu amigo Lionel Fanthorpe, de Gales, me disse que eu deveria visitar a Capela Rosslyn enquanto estivesse perto de Edimburgo, então, parti da área de batalha de Bannockburn para o sul. Era quase meio-dia quando cheguei à Capela Rosslyn em Lothian Hills, ao sul de Edimburgo.

Estacionei o carro e caminhei ao redor da pequena mas ornamentada capela. Era um domingo e havia um serviço religioso acontecendo lá dentro, então olhei para alguns dos túmulos no cemitério no lado oeste do prédio. Quando a missa terminou, um homem alto e magro, com um paletó esporte de tweed, saiu da capela e parou no pátio por um momento.

“Com licença,” eu disse a ele, “mas a Capela Rosslyn não está associada aos Cavaleiros Templários?”

“Oh, sim, de fato”, disse o homem. “Esta capela foi construída por William St. Clair, Grão-Mestre dos Templários.”

Ficamos ali por um momento conversando sobre a capela e os Cavaleiros Templários, quando ele me disse que havia escrito vários livros sobre Rosslyn, os Cavaleiros Templários, o Santo Graal e a Lança do Destino. “Eu co-escrevi Mark of the Beast com Trevor Ravenscroft”, disse ele, “além desses outros livros à venda na loja de presentes da capela.”

“Eu li A Marca da Besta,” eu disse. “Você é Tim Wallace-Murphy?”

“Sim, eu sou”, reconheceu, um pouco surpreso por eu saber quem ele era e por ter lido um de seus livros.

“É um prazer conhecê-lo”, disse eu, e conversamos um pouco sobre a Batalha de Bannockburn, já que acabava de chegar da área do campo de batalha. “A carga dos Cavaleiros Templários em Bannockburn deve ter sido uma visão e tanto”, disse eu. “Algum dos cavaleiros templários foi morto?”

“Não, nenhum”, disse ele. “Os ingleses fugiram com medo total dos guerreiros experientes. Nem mesmo um cavaleiro templário foi morto.”

“Bem, esse é o tipo de estatística de que gosto”, disse eu. Particularmente, eu me perguntava se essa batalha era a batalha recíproca até a última resistência dos cátaros em Montségur. Em Montségur, todos foram mortos; em Bannockburn, os Cavaleiros defensores do mistério [para os ignorantes, mesmo eruditos] do Graal triunfaram e nenhum homem se perdeu.

A Rosslyn Chapel, nas cercanias de Edimburg, na Escócia

O Dr. Tim Wallace-Murphy me levou à loja de presentes de Rosslyn Chapel, onde me mostrou seus outros livros sobre a Capela Rosslyn e sua história. Ele também me contou a história de Rosslyn, que está ligada às Orkneys Islands e à tomada do Santo Graal para a América do Norte.

O construtor da Capela Rosslyn, William St. Clair, foi o último Sinclair/Saint Clair “Jarl” [viking] ‘Earl’ ]saxão para título de nobreza, Conde] de Orkney, que viveu na metade do século XV. Mestre conde William, o ‘Jarldom de Orkney’ passou da família para a coroa escocesa como parte do dote de Margarida da Dinamarca em seu casamento com o rei Jaime III da Escócia. William não era apenas neto do Príncipe Henry Saint Clair e do último Jarl das Orkneys, mas também possuía o título um tanto peculiar de Cavaleiro do Berbigão e do Velocino de Ouro.

Como o Dr. Wallace-Murphy aponta em seu livro, O Legado Templário na Capela Rosslyn , Sir William St. Clair era membro de um grupo secreto que preservou um conhecimento importante sobre o Santo Graal, o Sangue Sagrado dos reis Merovíngio e a sua ascendência de Maria Madalena e Jesus, o Cristo, e o destino do novo continente através do Oceano Atlântico Norte. Timoty Wallace-Murphy especula que os Cavaleiros do Berbigão e do Velocino de Ouro eram a atual Ordem do Graal da qual o construtor de Rosslyn Chapel Willian Sinclair era possivelmente o Grão Mestre.

Claramente, os Cavaleiros Templários se viam como os herdeiros e conhecedores do conhecimento e sabedoria antigos que remontava à perdida Atlântida. Eles lutaram secretamente por centenas de anos contra o Vaticano, e o seu reino de terror conhecido como Inquisição. Para os Templários, a verdadeira igreja, aquela que ensinava misticismo, metafísica, esoterismo, reencarnação, o sagrado feminino e a necessidade de justiça e boas obras, estava sendo suprimida por um poder sombrio, patriarcal e maléfico que se autodenominava a única fé verdadeira, ou seja a igreja católica romana, uma organização criada por Constantino no século IV. A opressão dos fracos e oprimidos e de outros sistemas de crenças foi feita com os dispositivos familiares de tortura, terror e extermínio e completo desprezo pelo sagrado feminino.

Os templários procuraram redescobrir e recriar a Atlântida na América? Henry Saint Clair de Orkney havia arriscado tudo para fazer suas viagens através do Atlântico Norte. Ele havia levado o Santo Graal e possivelmente até a Arca da Aliança para a América? Essas relíquias sagradas ajudaram a estimular a criação dos Estados Unidos, uma terra que os pais fundadores maçônicos como George Washington, Thomas Jefferson e Benjamin Franklin deveriam criar parcialmente nos ideais templários de liberdade religiosa?

De acordo com historiadores Templários como Michael Baigent, Richard Leigh, Andrew Sinclair, Tim Wallace-Murphy e muitos outros incansáveis pesquisadores, os Cavaleiros Templários ajudaram a criar uma Escócia independente, depois uma “Nova Scotia” e, finalmente, um Estados Unidos independente.

Os Cavaleiros Templários dos dias atuais?

O que dizer dos Cavaleiros Templários hoje? Embora a Maçonaria aparentemente tenha se originado dos Templários, mas sem o conhecimento e a prática dos mesmos, existem outros grupos sobreviventes?

Os “Cavaleiros Templários de Aquário” existiram nas décadas de 1940 e 50 na Inglaterra, com base em Canfield Gardens, Londres, e na Ilha de Jersey. O chefe da ordem era um inglês chamado HC Randall-Stevens. Randall-Stevens escreveu vários livros curiosos, incluindo um intitulado The Chronicles of Osiris , e outro intitulado Atlantis to the Latter Days , que foi publicado em 1954. Neste livro raro Randall-Stevens discute vários tópicos, incluindo Atlantis, a Grande Pirâmide, o Templo do Rei Salomão e a Ordem dos Cavaleiros Templários.

A literatura de conspiração recente pintou um retrato sombrio dos maçons modernos de nossos tempos atuais, muitas vezes colocando a culpa de um pesadelo orwelliano da agenda da criação de um governo totalitário estilo Nova Ordem Mundial diretamente sobre os ombros de uma conspiração maçônica. Grupos “renegados” [??]  maçônicos assassinos, como a infame organização da Loja P-2 Maçom na Itália, viu os seus crimes chegarem às manchetes mundiais. O fato de muitos empresários e políticos influentes serem maçons também é visto como parte do clube exclusivo dos [pseudo] mestres que são apenas fantoches de um establishment muito mais amplo e maior.

Minha opinião é que, embora os maçons fossem um grupo político poderoso há cerca de 200 anos, com uma relativa sabedoria, a sua importância nas lutas de poder modernas é provavelmente muito superestimada, pois na sua ampla maioria eles também SÃO meros marionetes de instancias superiores. Além disso, suas doutrinas são altamente incompreendidas, especialmente pelos católicos fundamentalistas.

Os Cavaleiros Templários em sua época e posteriormente os maçons das Guerra Revolucionárias como a Revolução francesa e a Independência dos EUA  eram pensadores livres que se rebelaram contra qualquer controle artificial do pensamento ou controle econômico imposto a eles pelos controladores por trás dos bastidores. Os Cavaleiros Templários perderam sua batalha final e escaparam em massa para a Escócia, Portugal e possivelmente para o Novo Mundo. Os maçons da guerra revolucionária de ascendência britânica / escocesa e os rosacruzes de ascendência alemã e holandesa conseguiram derrotar a Coroa Britânica e afastar a invasão do Vaticano (na forma da Espanha real) ao mesmo tempo.

Lutas de poder, entre facções religiosas, raciais e políticas ocorreram desde o início da história. A história registra que os Cavaleiros Templários, e muito mais tarde e em muito menor importância, os Maçons, representavam a liberdade filosófica e política e do livre pensamento. É difícil acreditar que os pais fundadores da América, virtualmente todos os membros de sociedades secretas ligadas aos Cavaleiros Templários, estivessem tentando estabelecer uma nação que deveria ser conduzida a um estado policial do estilo de uma Nova Ordem Mundial. Em vez disso, eles estavam tentando estabelecer uma nação livre com salvaguardas especiais contra tal possibilidade. Os freios e contrapesos, garantias de liberdades e direitos inalienáveis ??fazem parte do plano para uma verdadeira “Nação sob Deus” – uma sociedade utópica onde todos os cidadãos vivam em paz, liberdade e tenham pleno direito de empreender.

No entanto, não sejamos enganados. Existe Cristo e existe o Anticristo. Existe o Buda e existe o Anti-Buda, e existe o Novus Ordo Seclorum, e existe o Anti-Novus Ordo Seclorum. Todas as profecias nos lembram que uma era dourada já existiu no passado {Atlântida em seus áureos tempos], e uma nova era dourada logo virá no futuro. Como devemos chamar essa nova era de Luz?

De acordo com a tradição arcana, de muitos profetas e também dos Templários, as mudanças que estão prestes a ocorrer na Terra destruirão muitas terras, incluindo a Europa e grande parte do hemisfério norte, enquanto novas terras surgirão no Atlântico e no Pacífico. Novos países, criados por novos pioneiros, colonizarão essas novas terras. Essas mesmas pessoas estarão escapando da devastação que está acontecendo em seus próprios países. Talvez a nova era dourada ainda esteja por vir, ocorrendo em uma Terra que ainda não existe … [ou não foi completamente ocupada, como o planalto central e o centro oeste do BRASIL!]

Este artigo foi extraído da Introdução ao livro recentemente reeditado de 1842, The History of the Knights Templars, de Charles G. Addison.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


Mentes questionadoras devem consultar a lista de referências abaixo para este artigo e ler muito mais.

  1. Holy Blood, Holy Grail, Michael Baigent, Richard Leigh & Henry Lincoln, 1982, Johnathan Cape, London (published in the U.K. as The Holy Blood and the Holy Grail).
  2. The Messianic Legacy, Michael Baigent, Richard Leigh & Henry Lincoln, 1985, Johnathan Cape, London.
  3. The Temple and the Lodge, Michael Baigent & Richard Leigh, 1989, Johnathan Cape, London.
  4. Emerald Cup – Ark of Gold, Col. Howard Buechner, 1991, Thunderbird Press, Metairie, LA.
  5. The Secrets of Rennes-le-Chateau, Lionel & Patricia Fanthorpe, 1991, Bellevue Books, London.
  6. The History of the Knights Templars, Charles G. Addison, 1842, London.
  7. A History of Secret Societies, Arkon Daraul, 1962, Citadel Press, NY.
  8. The Mysteries of Chartres Cathedral, Louis Charpentier, 1975, Avon Books, New York, 1966, Robert Lafont, Paris.
  9. Holy Grail Across the Atlantic, Michael Bradley, 1988, Hounslow Press, Willowdale, Ontario.
  10. The Morning of the Magicians, Jacques Bergier & Louis Pauwels, 1960, Stein & Day Publishers, New York.
  11. Prince Henry Sinclair, Frederick Pohl, 1974, Clarkson Potter Publishers, New York.
  12. The Sword and the Grail, Andrew Sinclair, 1992, Crown, New York.
  13. The Templar Legacy & the Masonic Inheritance Within Rosslyn Chapel, Tim Wallace-Murphy, 1993, Friends of Rosslyn, Rosslyn, Scotland.
  14. The Glastonbury Legends, R.F. Treharne, 1967, Sphere Books, London.
  15. St. Joseph of Arimathea at Glastonbury, Lionel Smithett Lewis, 1922, James Clark & Co., Cambridge.
  16. GENISIS, David Wood, 1986, Tunbridge Wells, U.K.
  17. The Templars, Knights of God, Edward Burman, 1986, Destiny Books, Rochester, Vermont.
  18. The Druids, Stuart Piggott, 1967, Thames and Hudson, London.
  19. Atlantis to the Latter Days, H.C. Randall-Stevens, 1957, The Knights Templar of Aquarius, London.
  20. The Search For the Stone of Destiny, Pat Gerber, 1992, Canongate Press, Edinburgh.

Saiba mais sobre os Templários em:

  1. https://thoth3126.com.br/category/templarios/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

templários-cavaleirowww.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *