browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A prostituição e o tráfico de mulheres em Israel, a “Terra Santa”

Posted by on 03/05/2018

“A situação é suficiente para fazer você chorar em desespero, ou vomitar de vergonha.” – Autor judeu David Weinberg em um artigo chamado Not So Holy Land.(Uma Terra não “tão sagrada”). 

Uma jovem de 20 anos de Beersheba, originária da Ucrânia, diz que começou sua carreira na prostituição enquanto estava na IDF (Forças Armadas de Israel). Ela era uma soldado durante a semana e trabalha como prostituta no fim de semana.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Elas ainda ganham dinheiro extra “atendendo” clientes árabes em salões de massagem kinky. Um resumo editado de um artigo no Jerusalem Post, contendo comentários adicionais de Lasha Darkmoon e uma extensa nota de rodapé chamada “Sex Slavery in Israel”. 

Fonte: https://www.darkmoon.me/

Um movimento de protesto contra a prostituição e a degradação da MULHER em centro de compras em Israel: MULHERES À VENDA EM CENTRO COMERCIAL EM TEL AVIV:


Ela disse que tinha 20 anos e estava em Israel há 15 anos. Esta prostituta de 40 anos trabalhou durante um ano e dois meses em um local em Tel Aviv, não muito longe de onde outra prostituta cometeu suicídio. Na condição de não revelarmos onde ela trabalha, Jenny (não é o seu verdadeiro nome) concordou em se sentar e discutir a indústria do sexo de Israel com a gente.

“Alguns dias eu só tenho dois clientes, outros até 10”, revela Jenny.

Juntamente com outras quatro mulheres, todas em idade em torno dos 30 até o início dos 40 anos, Jenny trabalha das 10h às 19h com um dia de 9 horas. (Às vezes, das 11h às 20h). As mulheres assistem televisão em língua russa e fumam cigarros em um pequeno pátio.

Outra mulher trabalha nos telefones, fornecendo detalhes aos “johns”(como são chamados os clientes): “NIS 200 (US$ 57) por meia hora, massagem erótica, chuveiro compartilhado”. Ela anuncia os atributos supostos das prostitutas: “Raparigas, jovens, seios pesados ​​mas grandes”.

(NIS = Novo shekel israelense. 1 NIS = 28 centavos americanos. Outras referências a shekels neste artigo foram convertidas em dólares norte-americanos entre parênteses para a conveniência do leitor. – LD)

Aquela garota que nos referimos não é clara, uma vez que nenhuma delas corresponde à descrição dada. De acordo com estimativas, cerca de 15 mil mulheres estão envolvidas no trabalho sexual no estado judeu. Um relatório recente descobriu que 1.000 meninas menores de 18 anos estão envolvidas em alguma forma de prostituição aqui, na “Terra Santa”. Meninos menores de idade e adolescentes transgêneros também estão envolvidos em prostituição.

O tráfico de seres humanos tem sido comum, com vários milhares de mulheres contrabandeadas da antiga União Soviética desde a década de 1990.

LD: Os proxenetas israelenses poderiam comprar mulheres e meninas da Rússia, Ucrânia e outros países da antiga União Soviética por somas relativamente pequenas: por tão pouco quanto US$ 25 na década de 1990.  Um relatório oficial diz: “Mulheres e crianças são retiradas da Rússia principalmente pela prostituição. Seu número é estimado etre 30 e 60 mil por ano. De acordo com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, nas últimas duas décadas, mais de 500 mil mulheres foram vendidas da Rússia para outros países. “Veja: você pode comprar mulheres e meninas como escravas por apenas $ 25 . [LD ]

Eles [os donos dos bordeis] se concentram em bairros como 1 Finn Street, uma “notório ponto de venda de drogas e prostituição”, que foi recentemente demolida ao lado da estação central de ônibus. Nós ouvimos histórias sobre a área de Hasan Arfa, perto da rua Yitzhak Sadeh, uma série de barracas e garagens supostamente invadidas por usuários de drogas e profissionais do sexo. No momento, existem 300 bordéis em Tel Aviv.

Rebecca Hughes, da organização da ação social Atzum’s Task Force on Human Trafficking (Força-Tarefa do Atzum sobre Tráfico Humano) escreve: “Há uma lacuna perigosa entre a glamorosa representação da prostituição na “cultura pop” e a realidade de que as mulheres prostituídas, muitas delas menores, são forçadas a lutar diariamente. A maioria das mulheres não escolhe ser prostituta”.

Os bordéis funcionam abertamente, anunciando seus serviços na rua; os homens jovens são pagos para dispersar cartões de tamanho empresarial em calçadas em toda a cidade. Estes cartões de cores vivas geralmente incluem fotos pornográficas das mulheres e anunciam os serviços que estão dispostos a oferecer. Algumas garotas oferecem visitas a clientes em motéis, ou mesmo em casa. Basta dar-lhes um telefonema e elas estarão lá. Outras mulheres afirmam oferecer “todas as variedades de massagem, sete dias por semana, 24 horas por dia”.

Alguns até especificam “NO SEX!”

LD: quais perversões e fantasias de fetiche kinky elas devem estar oferecendo se SEXO NORMAL não estiver no menu? A mente viaja. Uma pequena investigação revela que praticamente todas as formas de sexo oferecidas nestes bordeis israelenses são uma variação sombria do vício solitário (masturbação). Como uma das prostitutas citadas abaixo aponta: “A maioria [dos meus clientes] só quer uma massagem nua e “acabe comigo”.

A masturbação, de acordo com Freud, é “o hábito primitivo”. Isso os judeus conhecem e promovem a masturbação em uma escala épica em todo o mundo, e é por isso que é sabido que empresários judeus da indústria cinematográfica são a força principal por trás da indústria de pornografia de US$ 100 bilhões por ano . [LD]    

Brothels e salas de massagem estão localizados em todos os lugares em Tel Aviv. Não há um bairro que não os tenha. Por NIS 350 ($ 100), você pode ter uma massagem “tântrica” ​​de 10 a meia-noite.  Em outros lugares, “o lugar mais legal em Tel Aviv perto do mar”, você pode desfrutar de uma “massagem estravagante” nas mãos de “quatro mulheres jovens e lindas”.

No total, existem 44 salas de massagens a 10 km da praia. Eles oferecem todo tipo de mulher. Uma “massagem corporal completamente nua”, com duração de 30 minutos, custa NIS 200 (US $ 57). A idade dos massagistas geralmente varia de cerca de 21 a 34. A maioria dos lugares tem horarios de atendimento semelhantes: aberto das 10h às 18h com três a cinco mulheres, então das 18h às 4h com uma nova mudança.



Fora da 98 Hayarkon Street, um edifício feio e em ruínas em uma área passando por revitalização, sinais tinham sido colados na calçada protestando que as mulheres trabalhavam 12 horas por dia e atendiam 20 a 30 homens por dia. Eles foram deixados da manifestação de sábado à noite, fora do prédio onde uma mulher chamada “Jessica” cometeu suicídio. “Uma casa de prostituição é um centro de estupro”, disseram alguns sinais, enquanto outros proclamavam mais “Prostituição = Violação”.

As leis em Israel, que parecem ser raramente aplicadas, criminalizaram a solicitação de prostituição – mas ser um cliente não é crime.

Os manifestantes alegaram que as mulheres eram forçadas a prostituir-se, que os guardas de segurança de seus bordéis lhe haviam fornecido drogas. Em outros relatórios, o vício da heroína foi dado como motivo para as mulheres que entram em prostituição ou permanecerem nele. Em 2011, então, o MK Orit Zuaretz tentou apresentar um projeto de lei para tornar ilegal para os homens serem clientes de serviços sexuais. “Se você comprar um diamante de sangue, é criminoso; se você comprar o corpo de uma mulher, também deve ser criminoso. Não entendo por que isso é tolerado pelo público em um estado judeu”, disse o Kadima MK à imprensa na época.

A legislação, que nunca passou, levou a um estranho incidente em Ashdod, em que um homem de 56 anos se entregou à polícia para protestar contra o assunto, alegando que freqüentemente frequentava os bordéis.

ESTE ANO, uma mulher que alegadamente fez NIS 47 milhões (US $ 13,5 milhões) ao comandar bordéis de Tel Aviv foi presa. De acordo com fontes conhecidas da história, ela mantinha um bordel na rua Ben-Yehuda que agora é um hotel, que estava aberto sete dias por semana e cobrava NIS 270 ($ 77) pelo sexo. As acusações da polícia contra esta senhora correram da gama desde ser proxeneta até a criação de perturbação da ordem pública e de lavagem de dinheiro.

Se a polícia realmente queria fechar essas “casas de vergonha”, como são chamadas em hebraico, elas poderiam facilmente fazê-lo. Uma rápida leitura da revista gratuita Banana que anuncia serviços sexuais – ou simplesmente apanhar todos os cartões de negócios espalhados por todas as calçadas (ver foto ) – tornaria mais fácil reprimir os proxenetas e as garotas.



Jenny diz que nunca viu um policial incomodar seu local de trabalho. Uma mãe de uma criança de oito anos de idade, Jenny morava em uma cidade central israelense antes de se mudar para Tel Aviv. Ela nasceu em Donetsk, na Ucrânia, e chegou a Israel há mais de uma década. A prostituição tornou-se uma maneira relativamente conveniente de ganhar dinheiro. Com o NIS 200 para uma “massagem”, ela fica com metade da quantia (cerca de US$ 23).

Ela descreve sua rotina diária. Ela não usa drogas nem bebe no trabalho. “Alguns dos homens são bons, outros não são. Alguns querem que eu seja como um acrobata. Pode ser difícil. Mas a maioria só quer uma massagem nua e “termine” comigo”.

Aqueles que querem “extras” pagam mais. “Eu dividi o NIS inicial 200 ($ 57) com o chefe, mas as gorjetas que recebo eu embolso. Por que eu falo sobre isso? “Parece que a história é uma espécie de wink-wink-nod-nod, com o” chefe “que não está nas instalações, e a madame que trabalha os telefones e sabe que as meninas se envolvem no sexo oral ou real, embora isso não esteja no menu das ofertas.

“Extras, você deve falar com a garota”, a mulher explica por telefone. “Massagem, oferecemos massagem”, diz ela, mas precisa esclarecer. Os homens que pagam pelo sexo devem trazer seus próprios preservativos, e as mulheres descartam os preservativos após cada ato. “Nós não os guardamos nas instalações”, explica ela. “Dessa forma, se a polícia vier, parece um salão de massagem”.

Os quartos estão decorados com papel de parede feio e unidades de ar condicionado. Um pequeno chuveiro pessoal está em um canto, com uma cadeira, um lugar para o cliente (John) pendurar suas roupas e uma mesa de massagem. As toalhas são empilhadas em outro canto e há velas, óleo e um relógio.

Uma jovem de 20 anos de Beersheba, originária da Ucrânia, diz que começou sua carreira na prostituição enquanto estava na IDF (Forças Armadas de Israel). Ela era uma soldado durante a semana e trabalha como prostituta no fim de semana.

LD: Muitas dessas meninas judias trabalham como prostitutas a tempo parcial, masturbando clientes árabes em salas de massagem durante o turno da noite ou nos fins de semana. Cerca de 500 soldados israelenses foram recentemente relatados como tendo sido apanhados nesta rede de vícios. Veja abaixo:

Nem todas as meninas eram russas, embora a maioria delas fosse. Uma pesquisa telefônica indica que cerca de 20% são Sabras (judeus israelenses). O resto é descrito como “europeus”, um eufemismo para os países do leste, da ex-União Soviética. Cerca de 10% das meninas são africanas negras. Eles são principalmente provenientes da Etiópia, mas são descritos por algum motivo como “brasileiras”.

Uma das prostitutas é uma árabe. De Haifa. “Eu trabalho do meio dia às 4 da manhã”, revela ela. “O que não é normal, mas é apenas uma vez por semana.” Ela diz que pode fazer tanto quanto NIS 1.600 para o turno de 16 horas (US$ 457). Outra mulher foi mais negativa sobre a situação:

“Este é um país de merda. Os homens são uma porcaria; Eles não tratam você como uma pessoa, eles só querem o serviço e caem fora. Odeio trabalhar aqui, mas tenho enormes contas, não posso pagar meu apartamento ou meu celular, e estou ajudando meu pai a pagar as coisas”.

Se essas mulheres eram viciadas em heroína sendo forçadas ao consumo por bandidos que protegiam a porta, não ficou evidente. As instalações que visitamos não tinham nenhum homem nelas. Apesar das histórias alegando que a maioria dos clientes eram árabes ou haredi (judeus ortodoxos), os clientes eram geralmente homens judeus israelenses em seus 30 e 40 anos.  Nenhum deles aparentemente era religioso.



Em um salão de massagem russo no sul de Tel Aviv perto da praia, no entanto, a maioria dos clientes parecia ser um homem árabe que acabara de sair do trabalho, com alguns turistas se sendo vistos no local.

Aqui está o tipo de revelação perturbadora do que encontramos sobre o tráfico de mulheres e meninas em Israel no livro chocante de Ilana Hammerman, In Foreign Parts: Trafficking in Women in Israel:

“Eu tinha um cliente rabino muito famoso que pedia por uma garota para fazer sexo com ele na posição de cachorrinha e ele pediria que ela ladrasse”, declarou um ex-proprietário de “casa de campo” em uma comissão parlamentar [do Knesset] sobre o assunto prostituição.

Uma das mulheres trabalhadoras, que se apresenta como um cristão devota, expressa uma aversão a seus clientes religiosos:

“Eles tinham um grande chapéu negro e debaixo dele [outro] pequeno chapéu preto e eram reais pervertidos”.


Sobre reptilianos, os controladores e criadores do sistema, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

19 Responses to A prostituição e o tráfico de mulheres em Israel, a “Terra Santa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.