browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XII)

Posted by on 25/09/2021

Quando os primeiros cruzados conquistaram Jerusalém, eles estavam ansiosos para encontrar e restaurar todos os locais da época da vida de Jesus, bem como locais importantes do Antigo Testamento.  O problema era que eles não tinham certeza de onde estavam situados esses lugares. Por um processo que era parte tradição e parte conjectura, eles decidiram que a Cúpula da Rocha era o Santo Sepulcro ou Templo do Senhor e a mesquita próxima de al-Aqsa ficava nas ruínas do Templo de Salomão, embora pudesse ter sido o palácio de Salomão. Algo de “Salomão” estava perto o suficiente. No século XIII, Jacques de Vitry adivinhou que ele havia sido chamado de Templo de Salomão simplesmente para diferenciá-lo do outro edifício.[1]

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templarsde Sharan Newman, nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994.


PARTE UM – CAPÍTULO DOZE

O Templo em Jerusalém

O rei Balduíno I de Jerusalém foi o primeiro dos reis latinos a morar na mesquita al-Aqsa. Ele parece ter sido um péssimo inquilino. O cronista da Primeira Cruzada, Fulcher de Chartres, ficou constrangido com a negligência dele. “Agora é uma questão de grande pesar que a estrutura do telhado precise de reparos, desde que passou para as mãos do Rei Balduíno e de nosso povo”.[2]  Em 1119, quando o rei Balduíno II convidou os templários a dividir o espaço, ele estava caindo e pedaços do prédio foram usados ​​para outros projetos, como a reconstrução da Igreja do Santo Sepulcro.[3]

Os novos governantes de Jerusalém estavam construindo em toda parte. Os cânones do Santo Sepulcro construíram a Igreja da Ascensão no Monte das Oliveiras. Como muitas igrejas, tanto na Terra Santa quanto no Ocidente, era octogonal, imitando a mesquita do Domo da Rocha.[4] Os templários começaram a reformar sua mesquita assim que puderam contratar os trabalhadores  e os materiais. Eles construíram um novo claustro, uma nova igreja e os edifícios necessários para a convivência em grupo, como galpões de armazenamento, celeiros e uma casa de banhos.[5]

A Cúpula da Rocha ou Domo da Rocha é um edifício, situado no monte do Templo, na Cidade Velha de Jerusalém, construído no século VII, sendo um dos sítios [é o segundo local] mais sagrados do Islã e uma das grandes obras da arquitetura islâmica. Sua vistosa cúpula dourada é um dos pontos mais emblemáticos da cidade. O santuário é parte integrante do centro histórico de Jerusalém, declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1981. O edifício é um santuário muçulmano construído onde teria sido o altar de sacrifícios usado por Abraão, Jacó e outros profetas que introduziram o ritual nos cultos judaicos. David e Salomão também consideraram o local sagrado, mais tarde enquanto altar, a Cúpula da Rocha teria sido o lugar de partida da Al Miraaj (viagem aos céus realizada pelo profeta Maomé) permanece hoje como um templo da fé islâmica.

Eles não precisaram cavar para criar os estábulos, no entanto. Isso havia sido feito durante o governo do Califado Fatímida de Jerusalém. Pelo menos os fatímidas haviam esvaziado as abóbadas do antigo palácio.[6] Sejam as abóbadas construídas por Salomão, pelo rei Herodes ou por outra pessoa, elas eram ideais para o número de cavalos de guerra, de carga e camelos de que os templários precisavam. Por volta de 1170, o peregrino judeu Benjamin de Tudela observou que trezentos cavaleiros viviam no Templo de Salomão. Ele também mencionou os estábulos, que ele também pensava serem da época de Salomão.[7]

Ao longo dos anos, os templários estavam continuamente fazendo reparos nos edifícios. Perto dali, eles começaram a construir uma nova igreja. Eles também trabalharam nas paredes externas do Monte do Templo e do Portão Único, levando aos estábulos, bem como no Portão Hulda, através do qual se podia entrar nas salas subterrâneas da mesquita al-Aqsa acima.[8]

Um peregrino do século XIII descreveu o Monte do Templo: “À direita, quando você passa pelos portões, estava o Templo de Salomão, onde viviam os irmãos do Templo. Diretamente entre os Portões Preciosos e os Portões Dourados ficava a igreja do Templo Domini. Isso ficava no alto, acima de degraus íngremes. Subindo por eles, você chega a outro pavimento,. . . pavimentado em toda a sua extensão com mármore e circundando inteiramente a igreja do Templo. A igreja era totalmente circular”.[9]

Se os Templários passaram algum tempo cavando o que pensaram ser as câmaras secretas internas do Templo de Salomão, como algumas pessoas sugeriram, eles não parecem ter deixado nenhuma evidência disso. Se Salomão tivesse deixado um tesouro, os fatímidas o teriam encontrado durante as escavações. Em seus primeiros anos estabelecidos sob a mesquita de al-Aqsa, os templários provavelmente fizeram tudo o que podiam apenas para evitar que o lugar caísse em suas cabeças.

Embora muitas das igrejas Templárias e Hospitalárias sobreviventes no Ocidente sejam redondas ou octogonais, ambas as ordens militares também construíram igrejas mais tradicionais. Os castelos templários em Tortosa e Chastel Blanc eram retangulares, assim como muitos na Inglaterra e na França[10]

Quando Saladino reconquistou Jerusalém em 1187, uma das primeiras coisas que fez foi erradicar qualquer vestígio dos Templários. Isso significava demolir a igreja que haviam acabado de construir e limpar o espaço ao redor e dentro da mesquita de al-Aqsa para que pudesse ser usada novamente. “A leste da qibla, eles construíram uma casa grande e outra igreja. Saladino removeu as duas estruturas e revelou a face nupcial do mihrab. Em seguida, ele mandou derrubar a parede em frente e limpar os pátios ao redor para que as pessoas que entrassem na sexta-feira tivessem espaço de sobra”.[11]

Eu me pergunto se as pessoas que pensam que os Templários encontraram artefatos em Jerusalém estão confundindo com a construção feita no Chateau Pelerin (Athlit). Quando estavam cavando os alicerces da igreja ali, eles descobriram várias moedas fenícias. O cronista da época ficou intrigado com essas moedas com marcações desconhecidas.[13] A capela ali tinha doze lados.[13]

Os Cavaleiros do Templo de Salomão tiveram o Templo por apenas sessenta e oito anos. Após a perda de Jerusalém para Saladino em 2 de outubro de 1187, eles mudaram sua sede para a Fortaleza de Acre.


Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


Notas de rodapé:

1 -Jacques de Vitry, História Oriental , tr. Marie-Genviève Grossel (Paris, 2005) p. 179

Citado em Adrian J. Boas, Jerusalém no Tempo das Cruzadas: Sociedade, Paisagem e Arte na Cidade Santa sob o governo franco (Londres: Routledge, 2001) p. 79

Ibid.

Denys Pringle, “Architecture in the Latin East, 1095-1300,” em The Oxford Illustrated History of the Crusades , ed. Jonathan Riley-Smith (Oxford: Oxford University Press, 1995) p. 167

Boas, p. 91.

Ibid., P. 93

Benjamin de Tudela, em Viagens na Idade Média: O Itinerário de Benjamin de Tudela , tr. A. Asher (Malibu: Panglos Press, 1987) reimpressão da edição de 1840, p. 83

Boas, p. 48.

Cruzado Síria no século XIII: The Rothelin Continuação da História de Guilherme de Tiro com parte do Texto de Eracles ou Acre , tr. Janet Shirley (Ashgate, Aldershot, 1999) p. 17

10 –Pringle, p. 169.

11 Ibn al-Athir, em Arab Historians of the Crusades , ed. e tr. Francesco Gabrielli (Dorset, 1969) p. 164

12 Oliver de Paderborn, The Capture of Damietta , tr. John J. Gavigan (University of Pennsylvania Press, 1948) capítulo 5, p. 18

13 Pringle, p. 169. Pode haver todos os tipos de razões místicas para isso ou pode ter algo a ver com o terreno onde o castelo foi construído, um promontório cravado no mar.


A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.