A Real História por trás dos Cavaleiros Templários (XXV)

O mais próximo que se pode chegar hoje do complexo do Templo em Paris, antiga e principal sede da Ordem na Europa, em que Jacques de Molay e os outros Templários foram presos é pegar o metrô de Paris (linha 3) até a parada chamada “Templo”. Mas não espere mais encontrar alguma coisa dos Templários por lá. Os edifícios foram destruídos durante ou logo após a Revolução Francesa. “Do imponente conjunto dos seus monumentos, igreja, torre de menagem, claustros e edifícios monásticos, e construções de toda a espécie, residências e casas de comércio que eram rodeadas e abrigadas pelo seu vasto recinto, não resta uma pedra.”

A Verdadeira História por trás dos Cavaleiros Templários

Livro “The Real History Behind the Templars, de Sharan Newman, nascida em 15 de abril de 1949 em Ann Arbor, Michigan , ela é uma historiadora americana e escritora de romances históricos. Ela ganhou o prêmio Macavity de Best First Mystery em 1994. No ano de 1119, esses nobres encontraram sua vocação como protetores dos fiéis em uma peregrinação perigosa à Jerusalém recém-conquistada. Agora, a historiadora Sharan Newman elucida os mistérios e equívocos dos Templários, desde sua verdadeira fundação e papel nas Cruzadas até intrigas mais modernas, incluindo:

– Eles eram cavaleiros devotos ou hereges secretos?
– Eles deixaram para trás um tesouro fantástico – escondido até hoje?
– Como eles foram associados ao Santo Graal?
– Eles vieram para a América antes da época de Colombo?
– A Ordem dos Cavaleiros do Templo [Templários] ainda existe?


PARTE DOIS  – CAPÍTULO VINTE E CINCO

O “Templo” em Paris

Quando os Templários tiveram pela primeira vez uma sede em Paris?

A comenda dos Cavaleiros Templários em Paris é notada pela primeira vez durante o tempo de Luís VII. Uma mulher chamada Gente, filha do médico de Luís VI, doou um moinho de água, sob a Grande Ponte de Paris, aos Templários. Infelizmente, só podemos datar isso nos anos de 1137 e 1147. O Templário que recebeu o presente foi Everard de Barres, mestre do Templo em Paris e depois Grão-Mestre.

O rei Luís fez um presente ao Templo em 1143, de vinte e sete libras a serem pagas uma vez por ano. No entanto, a carta de doação não especifica que isso seja para o Templo em Paris, era apenas para os Templários. Nem uma doação feita aos Templários em 1145 por Bartolomeu, diácono de Notre Dame. É frustrante, mas parte da pesquisa histórica é não assumir nada, então, embora faça sentido que houvesse uma comenda, “ainda não há provas”.

014
Um encontro com o rei fora dos muros do Templo em Paris. As
torres pontiagudas ao fundo são o Louvre. (Art Resource, NY)

Finalmente, em 1146/47, há registro de uma doação de Simão, bispo de Noyon, aos Templários. Afirma claramente que isso foi feito no Templo de Paris, na presença do mestre e do “convento dos cavaleiros”. Agora podemos ter certeza de que havia um prédio em Paris onde morava o grão mestre templário da França e os cavaleiros. Se é o mesmo que se tornou o centro do complexo dos Templários em Paris ainda não é certo, mas estamos mais perto.

Em agosto de 1147, houve uma grande reunião de Templários. O Papa Eugênio III estava na cidade e preparavam-se para a Segunda Cruzada . Lord Bernard de Balliol deu aos Templários as terras que possuía na Inglaterra. Isso foi testemunhado pelo papa, o rei Luís VII, vários arcebispos e 130 irmãos dos Cavaleiros Templários, “vestindo os mantos brancos”. Isso significa que havia muitos nobres como cavaleiros do Templo em Paris. Como a força de combate em Jerusalém naquela época era em média de trezentos a seiscentos monges guerreiros, é uma boa aposta que esses cavaleiros chegaram de toda a França, e talvez da Inglaterra, antes de partirem para o Oriente.

Se tivéssemos as cartas do próprio Templo, muito do mistério em torno da ordem seria esclarecido. Como esta, o próximo grande presente em Paris que conhecemos não foi até 1172, quando Constança, irmã do rei Luís, deu aos Templários uma casa em Champeaux. Neste caso, nove Templários da casa em Paris são listados pelo nome.

No final do século XII, o Templo de Paris estava sendo usado para o tesouro real. O filho de Luís, Filipe II (Filipe Augusto), usou o Templo como depósito de impostos e outras receitas. Seus oficiais então sacavam dinheiro para despesas pessoais do rei e sua família. 

Isso foi continuado sob seu filho, Louis VIII, e neto, Louis IX.

Embora os reis tivessem seu próprio palácio, muitas vezes toda a família real optava por ficar na comenda dos Templários enquanto estavam em Paris. Filipe III ficou lá com sua esposa e filhos em 1275 e novamente em 1283 e 1285. Para que o Templo abrigasse o rei e a corte, eles precisariam de uma espaçosa casa de hóspedes dentro da área do Templo.

O Templo Templário de Paris também servia como local seguro para guardar o tesouro e documentos reais, como tratados. Em 1258, Henrique III da Inglaterra concordou em renunciar às suas reivindicações sobre a Normandia, Maine, Anjou, Touraine e Poitou, cerca de um quarto do território da França moderna. O tratado foi depositado no Templo. Em troca, Luís prometeu pagar uma certa quantia a Henrique, a ser depositada na conta de Henrique no Templo de Paris duas vezes por ano. 

Henrique III também ficou no Templo quando chegou a Paris em 1254. Ele pode ter apenas querido estar perto de seu dinheiro, mas parece ter tido boas relações com os Templários também. Em 1247, o Grão-Mestre, Guilherme de Sonnac, enviou ao rei “um vaso de cristal supostamente contendo uma porção do sangue de Cristo”. 

À medida que o governo dos reis da França se tornou mais complexo, foi criada uma seção especial chamada Câmara de Contas. “Esse órgão se reunia três vezes por ano no Templo de Paris para atuar na agenda preparada por um subcomitê que se reunia na Chambre des Deniers no Louvre.” Os membros não eram Templários; eles apenas usavam a sede do Templo para suas reuniões.

O Templo de Paris era o coração da conexão financeira entre os reinos latinos e o Ocidente. Quando o patriarca de Jerusalém (exilado em Acre) precisou arranjar dinheiro e armas para defender a cidade, escreveu a Amaury de la Roche, comandante templário do Templo de Paris. O patriarca precisava de fundos enviados para Acre para pagar arqueiros, cavaleiros e soldados. Ele esperava que Amaury pudesse fazer os arranjos para os empréstimos e a transferência do dinheiro.

Em 1306, apenas um ano antes da prisão dos Templários, o Rei Filipe, o Belo, sentiu-se suficientemente seguro da lealdade dos Templários para se refugiar no Templo de Paris durante os tumultos causados ??pela desvalorização da moeda francesa. Naquela época, o complexo dos Templários era cercado por grossas paredes de altos muros e incluía vários prédios, bem como a igreja e os alojamentos dos irmãos templários. Naquele ano, Filipe emitiu cartas que foram feitas “no Templo”. 

Corria o boato de que Filipe chegou a passar a noite de 13 de outubro de 1307 no Templo para ser o primeiro a começar a contar o saque do tesouro templário após as prisões dos mesmos por ele decretada. É uma boa imagem, mas não há evidências.

Após a queda dos Templários, os bens dos Templários, incluindo sua sede em Paris, foi tomado pela coroa francesa por um tempo antes de ser finalmente entregue aos Hospitalários. A nora sobrevivente de Filipe, o Belo, Clemence, parece ter vivido lá desde 1317 até sua morte em 1328.

Em uma peça de justiça poética, um dos arquitetos da queda dos Templários, Enguerrand de Marigny, foi brevemente preso no Templo pelo rei Luís X. Enguerrand havia sido acusado de aceitar suborno e falsificar contas. Quando foi provado inocente dessas acusações, ele foi então acusado de feitiçaria e foi enforcado.

Embora o Templo de Paris estivesse nas mãos dos Hospitalários até a Revolução Francesa, continuou a ser chamado de Templo. Foi usado como prisão de vez em quando, sendo os prisioneiros mais famosos o rei Luís XVI e sua esposa, Maria Antonieta. Eles foram presos na torre do Templo e foi de lá que foram levados para a guilhotina e executados.

015
De Henri de Curzon, La Maison du Temple de Paris, 1888.

A igreja do Templo também desapareceu, mas um esboço do século XVI permaneceu até os nossos dias e dá uma ideia do local. A igreja era muito parecida com a do Templo de Londres , com uma nave redonda e um longo coro. Partes dele podem ter sido adicionadas em meados do século XIII, então não podemos saber como era originalmente.

Para além dos edifícios utilizados exclusivamente pelos Templários, havia uma aldeia [Comenda] inteira dentro das muralhas composta pelas pessoas que trabalhavam ou dependiam dos Templários e, depois da dissolução da Ordem na França, ocupado pelos Hospitalários. Era formado por hortas, galpões, armazéns, lojas, casas e instalações dos irmãos templários. Os Templários podem ter vivido em seu próprio mundo dentro de Paris, mas era um mundo movimentado. Com todas as idas e vindas dos ricos, reis, nobres e todo o resto da sociedade de quem a ordem cuidava os interesses, teria sido difícil para os Templários guardar muitos segredos.

Ah sim, quando o atual sistema de metrô foi escavado para a estação do Templo, nenhum tesouro, mesmo uma moeda foi encontrado no local.


“Precisamos do seu apoio URGENTEMENTE para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é servo-monge-guerreiro-templário-cristo-300x251.jpg

A regra dessa ordem da Cavalaria de monges  guerreiros foi escrita por {São} Bernardo de Clairvaux. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: “Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo da gloriam” (Salmos. 115:1 – Vulgata Latina) que significa “Não a nós, Senhor, não a nós, mas pela Glória de teu nome” (tradução Almeida)

“Leões na guerra e cordeiros no lar; rudes cavaleiros no campo de batalha, monges piedosos na capela; temidos pelos inimigos de Cristo, a suavidade para com os seus amigos”. – Jacques de Vitry


Saiba mais sobre os Templários:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth