browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A ‘Última Guerra’: Como um conflito EUA-RÚSSIA irá escalar numa Guerra Nuclear

Posted by on 30/12/2021

Um confronto entre Washington e Moscou seria o pior resultado para ambos os lados, e todos sabem disso: Centenas de tanques formidáveis ​​descendo colinas, milhares de canhões de alto calibre lançando barragens de artilharia devastadoras, explosões nucleares apocalípticas, milhões de mortes e sofrimento indescritível: seria assim que qualquer conflito militar potencial entre os EUA e a Rússia terminaria. RT explica por que o confronto militar direto entre os dois países não ajudaria a resolver um conflito, mas seria provavelmente uma [a ÚLTIMA] catástrofe mundial.

A ‘Última Guerra’: Como um conflito EUA-Rússia iria escalar numa Guerra Nuclear

Fonte: Rússia Today – Por Alexey Gryazev, jornalista russo com foco em política, filosofia e guerra. 

Da escalada ao relaxamento

Um drone ucraniano atinge alvos em Donbass, a parte do leste da Ucrânia sob o controle de rebeldes separatistas. Em uma virada inesperada, as milícias locais apoiadas por Moscou retaliam com mais força do que o normal, e as forças de Kiev sofrem pesadas perdas. Isso inspira a Ucrânia a lançar uma ofensiva militar em grande escala. Após o primeiro grande ataque aéreo, as tropas russas cruzam a fronteira leste, aparentemente para evitar um desastre humanitário.  Dezenas de vídeos mostrando equipamentos militares movendo-se por cidades e vilarejos destruídos aparecem nas redes sociais.

Um instrutor militar americano é morto por fogo de artilharia russa perto de Debaltseve, e a ‘guerra fria’ entre a OTAN e a Rússia está rapidamente se transformando em uma guerra quente. O mundo está mergulhando no caos, à medida que duas grandes forças militares se preparam para um confronto há muito temido [mas intencionalmente provocado]… 

Esta é, mais ou menos, a imagem que prendeu a imaginação de algumas das pessoas mais radicais que zurram por um confronto entre Moscou e Washington.

Há vários anos, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos têm deixado muito a desejar, e avisos de um potencial confronto militar entre os dois países militarmente mais poderosos do planeta têm surgido com crescente regularidade. Outra onda começou em novembro deste ano, quando a Bloomberg alegou que a Rússia pode estar se preparando para invadir a Ucrânia.

A narrativa foi rapidamente divulgada pelo The New York Times, CBS News e outros veículos de propaganda pre$$titute$ à serviço da agenda globalista ”importantes”. Eles falaram sobre a ameaça de ação militar crescente com a chegada da estação fria; os EUA discutindo uma resposta potencial a um conflito militar com seus aliados na Europa; e até mesmo o envolvimento potencial de estados membros da OTAN como seus ‘procuradores’ no conflito. 

As autoridades russas negaram repetidamente qualquer intenção hostil por parte de Moscou, mas isso não ajudou a acalmar a situação. Na verdade, à medida que a narrativa da guerra se espalhava pelo espaço da [des]informação, os políticos marionetes começaram a soar cada vez mais alarmados – um deles chegou a pedir ao presidente Joe [senil e pedófilo] Biden que considerasse a possibilidade de usar armas nucleares contra a Rússia.

O encontro online entre Vladimir Putin e Joe Biden em 7 de dezembro aliviou um pouco a tensão. No mínimo, as partes concordaram em continuar o diálogo. Uma semana depois, Moscou contatou o lado norte-americano por meio de canais oficiais, apresentando projetos de acordos com os Estados Unidos e a OTAN sobre garantias mútuas de segurança, que logo foram tornados públicos.

A reação de Washington foi diplomática. Primeiro, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, anunciou que os Estados Unidos discutirão as questões de segurança da Europa com seus aliados. Então, o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse que Washington está aberto ao diálogo.

“ Estamos fundamentalmente preparados para o diálogo. A Rússia agora colocou sobre a mesa suas preocupações com as atividades americanas e da OTAN; vamos colocar em cima da mesa nossas preocupações [com a Rússia] ”, disse ele no Conselho de Relações Exteriores.

Tão importante quanto, Sullivan destacou que, no momento, o governo dos Estados Unidos assume que a Rússia não tomou nenhuma decisão importante em relação à Ucrânia.

Por que os EUA buscaram o diálogo com a Rússia?

“A mudança para um diálogo construtivo vem do fato de que Moscou e Washington estão bem cientes das consequências de um potencial confronto militar entre os dois países”, explica o observador militar russo e coronel aposentado Mikhail Khodarenok.

As Forças Armadas da Rússia são consideradas uma das mais fortes do mundo. No relatório anual Global Firepower, que classifica o poder militar de 140 países em todo o mundo, a Rússia normalmente ocupa o segundo lugar , superado apenas pelos militares dos EUA.

Em algumas áreas, Moscou está bem à frente das forças armadas dos EUA. Por exemplo, as Forças Armadas russas têm 13.000 tanques, o que é mais do que o dobro dos militares dos EUA (6.100). A maioria deles são antiguidades da era soviética, mas a espinha dorsal da frota de tanques consiste em tanques T-72, T-80 e T-90, que são máquinas perfeitamente letais. As modificações do último, de acordo com Mikhail Khodarenok, “estão muito parecidas com as versões mais recentes do M1 Abrams”.

O mesmo se aplica à artilharia autopropelida e aos sistemas de foguetes de lançamento múltiplo – em termos de número, a Rússia deixa seus concorrentes para trás.  No entanto, especialistas militares alertam contra fazer alegações sobre a paridade militar entre a Rússia e os Estados Unidos.

“A questão, claramente, não é que o exército russo represente qualquer ameaça séria aos Estados Unidos. Eles avançaram tanto tecnologicamente que, caso conduzissem a guerra por meios convencionais, os Estados Unidos subjugariam e derrotariam qualquer adversário. Eles iriam destruir tudo ” , disse Mikhail Khodarenok à RT.

Dmitry Stefanovich, pesquisador do Centro de Segurança Internacional do Instituto Primakov de Economia Mundial e Relações Internacionais (IMEMO RAS), não acredita que a situação para os militares russos seja totalmente desesperadora. Em entrevista à RT, ele sugeriu que em nível regional ou mesmo sub-regional, a Rússia poderia alcançar paridade com os Estados Unidos “ou mesmo certo grau de superioridade por um curto período de tempo”. No entanto, acrescentou, no caso de um conflito em grande escala, esta vantagem temporária não seria decisiva.

“Em princípio, nossas tropas terrestres poderiam, em certos aspectos, especialmente em forças de mísseis, artilharia e defesa aérea, superar as americanas, mas como o inimigo teria uma vantagem avassaladora no mar e no ar, isso não seria suficiente para atingir os objetivos estratégicos ”, observou Stefanovich.

Uma batalha de titãs

Na verdade, todas as forças do Exército Russo são superadas por vários outros fatores, o mais óbvio dos quais é o financiamento. Os gastos militares dos EUA são 17 vezes maiores do que os da Rússia, em termos brutos de dólares. Além disso, a cada ano os EUA gastam mais com defesa, quebrando recordes todas as vezes: em 2019-2021, os números eram de US$ 685 bilhões, US$ 738 bilhões e US$ 741 bilhões, respectivamente.

A Rússia também aumentou seu orçamento militar nos últimos anos, mas não na mesma escala que os EUA. Em 2019, Moscou gastou 3 trilhões de rublos na defesa, outros 3,09 trilhões de rublos em 2020 e 3,2 trilhões de rublos em 2021 (mais de $ 40,77 bilhões, $ 41,99 bilhões e $ 43,48 bilhões em dólares). No entanto, por causa da volatilidade do rublo, o tamanho do orçamento militar russo em equivalentes em dólares americanos não aumentou e, de fato, está caindo (cerca de US $ 200 milhões a cada ano). Em 2021, o orçamento de defesa da Rússia era de apenas US$ 43 bilhões (mais de 3,16 trilhões de rublos).

A diferença de gastos afeta o poder das Forças Armadas dos dois países. De acordo com o The Military Balance 2021, os Estados Unidos têm pouco menos de 1,4 milhão de militares ativos, enquanto a Rússia tem cerca de 900 mil. Quanto aos ramos individuais das forças armadas, a diferença entre os dois poderes às vezes pode ser mais do que o dobro: a Marinha dos Estados Unidos tem 346.000 militares, enquanto a Marinha russa tem apenas 145.000. Da mesma forma, a Força Aérea dos Estados Unidos tem uma força de 331.400 em comparação com a Força Aérea Russa, que tem 165.000; em termos de tropas terrestres, os números são 485.400 e 280.000, respectivamente.

“Em termos de hardware, a Força Aérea e a Marinha dos EUA estão muito à frente da Rússia – Washington garantiu sua liderança nessa área por muitos anos. Considere apenas a Marinha: os EUA têm 11 porta-aviões – nós temos um ”, disse Khodarenok.

Ele também lembrou que as alianças não devem ser retiradas da equação. Nesse aspecto, as chances da Rússia também não parecem boas. Os EUA fazem parte da OTAN, um bloco de 30 países. A Rússia, por sua vez, é um dos apenas sete membros da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), outros sendo Armênia, Bielo-Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Uzbequistão.

A América tem aliados fora da OTAN, enquanto a Rússia não tem nenhum. Mesmo Pequim, descrita por jornalistas americanos como um adversário que poderia se juntar à Rússia em uma potencial Terceira Guerra Mundial, não tem laços vinculativos militares com Moscou, mas esta é uma situação que em caso de conflito em larga escala pode mudar rapidamente, em prol da Rússia..

Finalmente, a Rússia, ao contrário dos EUA, tem sua presença militar em um número limitado de territórios: principalmente nas ex-repúblicas soviéticas da Armênia, Tadjiquistão e Quirguistão, na Abcásia, Ossétia do Sul e Transnístria não reconhecidos, bem como na Síria. Bielo-Rússia e Cazaquistão possuem estações de radar russas, e há planos para abrir uma base naval russa no Sudão. Com uma rede de aliados tão pequena, Moscou dificilmente pode representar uma ameaça para Washington.

“Não há paridade entre a Rússia e os EUA em termos de guerra convencional, e dificilmente pode haver qualquer paridade global, dada a diferença de peso econômico, potencial científico e técnico e o tamanho e estrutura das respectivas alianças”, disse Stefanovich.

De que forma, então, a Rússia poderia ameaçar os EUA?

“Em teoria, a Rússia poderia afundar porta-aviões ou atacar bases americanas na Europa, Oriente Médio ou Ásia com armas convencionais de longo alcance de alta precisão”, observou Stefanovich.

Ele também acredita que, em um conflito hipotético, é improvável que Washington considere tais perdas inaceitáveis.

“A retaliação do inimigo seria muito mais destrutiva, mesmo no caso de uma resposta recíproca. Aniquilar bases russas na Síria ou afundar navios russos fora de nossas águas territoriais seria uma tarefa trivial para a Marinha e a Força Aérea dos Estados Unidos. Voltando às armas convencionais, atacar a infraestrutura crítica americana usando armas não nucleares não alcançaria nenhum objetivo estratégico, e a capacidade de resposta dos EUA é insuperavelmente maior. Também seria míope e pouco profissional esperar que eles não retaliassem ”, acrescentou Stefanovich.

Todos os argumentos delineados acima são freqüentemente levantados pela mídia pre$$titute$ ocidental quando se fala sobre um conflito potencial entre a Rússia e a OTAN. No entanto, isso só é verdade se considerarmos as armas convencionais, que excluem as armas de destruição em massa. E são as capacidades nucleares da Rússia que a tornam a segunda potência militar do mundo. De acordo com o SIPRI , Moscou tem 6.255 ogivas nucleares, enquanto os Estados Unidos têm 5.550. Desnecessário dizer que as ogivas russas são muitas vezes mais destrutivas do que Little Boy e Fat Man, que foram detonadas sobre Hiroshima e Nagasaki durante as semanas finais da Segunda Guerra Mundial.

Cenários de conflito convencional hipotéticos significam uma derrota rápida para a Rússia; então, de acordo com Khodarenok, qualquer confronto armado entre as duas potências “poderia facilmente escalar para uma troca de ataques nucleares”.

“Essa é a única maneira. Em primeiro lugar, os EUA não enfrentariam a Rússia sozinhos; certamente haverá uma coalizão com a União Europeia, e a superioridade militar dos EUA e da OTAN tornaria as armas nucleares o único meio de a Rússia se defender. Mas isso dificilmente poderia ser chamado de guerra”, disse Khodarenok.

Ambos os governos estão totalmente cientes disso e provavelmente não querem levar as coisas ao ponto de ebulição. Como diz a conhecida citação de Albert Einstein, não importa com que armas a Terceira Guerra Mundial seja travada, a IV Guerra Mundial será travada com paus e pedras. Os analistas militares russos são ainda mais específicos, dizendo que “uma guerra nuclear com um país como a Rússia será a última guerra na história da humanidade”

Dito isso, é muito provável que a humanidade não compreenda inteiramente as consequências de uma guerra nuclear potencial. Em outubro de 2021, o Journal of Geophysical Research: Atmospheres publicou um artigo de pesquisadores norte-americanos explicando que uma guerra nuclear seria muito mais devastadora do que se acreditava anteriormente.

Eles estimam que um potencial conflito nuclear entre a Rússia e os EUA não só resultará em bilhões de mortes, mas também levará a mudanças ambientais catastróficas em todo o mundo. Ataques nucleares injetarão 150 megatons de fuligem na atmosfera, causando incêndios globais e, eventualmente, um inverno nuclear. Além disso, os valores do índice UV se tornarão extremos, reduzindo a camada de ozônio em até 75% globalmente. 

“Uma guerra entre a Rússia e os EUA pode acontecer apenas se um ou ambos os países interpretarem erroneamente a intenção de seus respectivos oponentes e avaliarem mal sua própria capacidade de controlar a escalada. Ainda assim, tenho certeza de que, mesmo que haja incidentes que resultem na morte de soldados russos ou norte-americanos ou na destruição de navios ou aviões, Moscou e Washington farão tudo o que estiver ao seu alcance para evitar que a situação se agrave ainda mais ”, disse Stefanovich. .

Embora os especialistas não acreditem que realmente possa haver uma guerra entre a Rússia e os Estados Unidos, as especulações sobre o assunto dificilmente cessarão, a menos que haja algum tipo de détente. Washington e aliados da OTAN concordaram em discutir as propostas de Moscou sobre garantias mútuas de segurança: a primeira rodada de negociações acontecerá em Genebra em janeiro. “Esperamos que ninguém mais veja os conflitos como um cenário desejável. Asseguraremos com firmeza nossa segurança pelos meios que considerarmos apropriados”, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, resumindo a opinião de Moscou sobre o assunto. 


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“Você não é deste mundo. Você não é este corpo que habita. Você não é essas emoções, esses pensamentos, esse ego com o qual se identifica. Você nem mesmo é sua vida ou morte. Quando você é capaz de se distanciar dessas coisas, então o verdadeiro você, o você gnóstico, entra no foco de sua cognição. Mais puro que o éter, mais radiante que o sol, mais puro que a neve acumulada, cheio de vida e retirado do contexto da morte, este é o eu que você é. Para ajudá-lo a saber disso, Jesus e Buddha e todos os outros grandes mensageiros de luz vieram a este mundo, fazendo o sacrifício de vir da plenitude para o vazio para trazer isso a você. Você deve saber disso, e deve fazer isso, porque sem ele você não está realmente vivo, não está realmente consciente, mas com ele, você é todas as coisas, você tem todas as coisas, e o Tudo se tornou você. Esta é a mensagem da Gnose! ”  – Richard, Duc de Palatine (1916–1977)


Artigos relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.