Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A verdadeira Agenda [do Deep State] dos EUA na África é a Hegemonia

Em um ambiente racional, a 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU (AGNU) discutiria o alívio das provações e tribulações do Sul Global, especialmente dos países da África. Esse não será o caso. Como um cervo capturado pelos faróis geopolíticos, o secretário-geral da ONU, [o marionete] Antonio Guterres, emitiu chavões sobre um sombrio “inverno de descontentamento global”, mesmo quando os proverbiais apocalípticos imperiais criticaram a “crise de fé” da ONU e explodiram a “guerra não provocada” iniciada por Rússia.

Esqueça o desenvolvimento. O principal interesse de Washington na África hoje é manter os chineses e os russos afastados dos países africanos.

Fonte: The Saker – Por Pepe Escobar

É claro que o genocídio em câmera lenta dos residentes russófonos do Donbass por oito anos nunca seria reconhecido como uma provocação ucraniana com apoio ocidental.

Guterres falou do Afeganistão, “onde a economia está em ruínas e os direitos humanos são pisoteados” – mas não ousou contextualizar. Na Líbia, “as divisões continuam a prejudicar o país” – mais uma vez, sem contexto. Sem mencionar o Iraque, onde “as tensões contínuas ameaçam a estabilidade contínua”.

A África tem 54 nações como membros da ONU. Qualquer reunião verdadeiramente representativa da AGNU deve colocar os problemas de África em primeiro plano. Mais uma vez, não é o caso. Portanto, cabe aos líderes africanos oferecer esse contexto tão necessário fora do prédio da ONU em Nova York.

Como único membro africano do G20, o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa recentemente exortou os EUA a não “punir” todo o continente forçando as nações a demonizar ou sancionar a Rússia. A introdução da legislação de Washington apelidada de Lei de Combate às Atividades Russas Malignas na África, diz ele, “prejudicará a África e marginalizará o continente”.

A África do Sul é membro do BRICS – conceito que é anátema no Hospício do ocidente – e adota uma política de não alinhamento entre as potências mundiais. Uma versão emergente do século 21 do Movimento Não-Alinhado dos anos 1960 (NAM) está se fortalecendo em todo o Sul Global – e especialmente na África – para grande repulsa dos EUA e seus asseclas lacaios europeus.

De volta à AGNU, Guterres invocou a crise global de fertilizantes – novamente, sem contexto. A diplomacia russa enfatizou repetidamente que Moscou está pronta para exportar 30 milhões de toneladas de grãos e mais de 20 milhões de toneladas de fertilizantes até o final de 2022. O que não é dito no ocidente é que apenas a importação de fertilizantes para a UE é “permitida”, enquanto o trânsito para a África não é.

Guterres disse que está tentando convencer os líderes da UE a suspender as sanções às exportações russas de fertilizantes, que afetam diretamente os pagamentos de cargas e o seguro de transporte. A empresa Uralchem ??da Rússia, por exemplo, até se ofereceu para fornecer fertilizantes à África gratuitamente.

No entanto, do ponto de vista dos EUA e de seus vassalos e lacaios da UE, a única coisa que importa é combater a Rússia e a China na África. O presidente do Senegal, Macky Sall, observou como essa política está deixando “um gosto amargo”.

‘Nós proibimos você de construir seu gasoduto’

Fica pior. O Parlamento da UE, em grande parte ineficaz, agora quer interromper a construção do Oleoduto de Petróleo da África Oriental (EACOP) de 1.445 km de Uganda à Tanzânia, invocando violações nebulosas dos direitos humanos, ameaças ambientais e “aconselhando” os países membros a simplesmente desistir do projeto.

Uganda está contando com mais de 6 bilhões de barris de petróleo para sustentar um boom de empregos e, finalmente, levar o país ao status de renda média. Coube ao vice-presidente do Parlamento de Uganda, Thomas Tayebwa, oferecer o contexto muito necessário:

“É imprudente dizer que os projetos petrolíferos de Uganda irão exacerbar as mudanças climáticas, mas é fato que o bloco da UE com apenas 10% da população mundial é responsável por 25% das emissões globais, e a África com 20% da população mundial. é responsável por 3% das emissões. A UE e outros países ocidentais são historicamente responsáveis ??pelas alterações climáticas. Quem, então, deve parar ou retardar o desenvolvimento dos recursos naturais? Certamente não a África ou Uganda.”

Além disso, o Parlamento da UE é um fantoche convicto do lobby dos biocombustíveis e da agenda “Green New Deal”. Recusou-se a alterar uma lei que teria parado o uso de culturas alimentares para produção de combustível, contribuindo para o que o Programa Alimentar da ONU descreveu como “uma emergência global de magnitude sem precedentes”. Nada menos que 350 milhões de pessoas estão à beira da fome em toda a África.

Em vez disso, a noção dos países do G-7 de “ajudar” a África é cristalizada na agenda “Build Back Better” World (B3W), liderado pelos EUA-Europa – a tentativa anêmica de Washington de combater a ambiciosa Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) de Pequim – que se concentra no “clima, saúde e segurança sanitária, tecnologia digital e equidade e igualdade de gênero”, segundo a Casa Branca. Questões práticas de infraestrutura e desenvolvimento sustentável, que estão no centro do plano da China, são simplesmente ignoradas pela B3W.

Inicialmente, alguns projetos “promissores” foram identificados por uma delegação americana em viagem no Senegal e em Gana. Fontes diplomáticas senegalesas confirmaram desde então que esses projetos não têm nada a ver com a construção de infraestrutura.

B3W, previsivelmente, fracassou. Afinal, o projeto liderado pelos EUA foi pouco mais do que um truque de relações públicas para minar os chineses, com efeito insignificante na redução da infraestrutura de mais de US$ 40 trilhões necessária para ser construída em todo o Sul Global até 2035.

Tem YALI, vai viajar

As iniciativas imperiais na África – além do Comando Africano dos militares dos EUA (AFRICOM), que equivale à militarização bruta do continente – nos levam ao curioso caso da YALI (Iniciativa de Jovens Líderes Africanos – Young African Leaders Initiative – YALI ), amplamente elogiada no eixo Washington-Nova York como a política “mais inovadora” dos anos Obama.

Lançado em 2010, o projeto YALI foi enquadrado como “empoderando a nova geração de liderança da África” um eufemismo para educá-los (ou fazer lavagem cerebral) à maneira americana. O mecanismo é simples: investir e trazer centenas de jovens líderes africanos em potencial para universidades dos EUA para um curto “treinamento” de seis semanas sobre “negócios, liderança civil, empreendedorismo e gestão pública”. Depois, quatro dias em Washington para conhecer “líderes do governo” e uma sessão de fotos com [o queniano] Obama.

O projeto foi coordenado pelas embaixadas dos EUA na África e teve como alvo jovens homens e mulheres das 49 nações da África Subsaariana – incluindo aquelas sob sanções dos EUA, como Sudão, Eritreia e Zimbábue – proficientes em inglês, com um “compromisso” de retornar à África.  Aproximadamente 80% durante os primeiros anos nunca estiveram nos Estados Unidos, e mais de 50% cresceram fora das grandes cidades.

Então, em um discurso em 2013 na África do Sul, [o queniano] Obama anunciou o estabelecimento da Washington Fellowship, mais tarde renomeada para Mandela-Washington Fellowship (MWF).

Isso ainda está em andamento. Em 2022, o MWF deve ser concedido a 700 “jovens líderes destacados da África Subsaariana”, que seguem “Institutos de Liderança” em quase 40 universidades dos EUA, antes de sua curta passagem por Washington. Depois disso, eles estão prontos para “engajamento de longo prazo entre os Estados Unidos e a África”.

E tudo isso por literalmente ninharias, já que o MWF foi entusiasticamente anunciado pelo establishment democrata como eficiente em termos de custos: US$ 24.000 por bolsista, pagos pelas universidades participantes dos EUA, bem como pela Coca-Cola, IBM, MasterCard Foundation, Microsoft, Intel, GE, McKinsey, e Procter & Gamble.

E isso não parou com MWF. A USAID deu um passo adiante e investiu mais de US$ 38 milhões – mais US$ 10 milhões da MasterCard Foundation – para estabelecer quatro Centros Regionais de Liderança (RLCs) na África do Sul, Quênia, Gana e Senegal. Estes eram centros de treinamento, à distância e em sala de aula, para pelo menos 3.500 ‘futuros líderes’ africanos por ano.

Não é de admirar que a Brookings Institution estivesse babando por tanta “eficiência de custos” quando se trata de investir “no futuro da África” e para os EUA “se manterem competitivos” na África. YALI certamente parece mais bonito que o AFRICOM.

Algumas histórias de sucesso, porém, não parecem rivalizar com o fluxo constante de jogadores de futebol africanos fazendo sucesso na Europa – e depois reinvestindo a maior parte de seus lucros em casa. Os anos Trump viram uma redução do financiamento da YALI – de US$ 19 milhões em 2017 para cerca de US$ 5 milhões.

Tantos líderes para ‘treinar’

Previsivelmente, a YALI da Casa Branca de [‘Dementia’ Joe] Biden voltou a se vingar. Veja este adido de imprensa dos EUA na Nigéria, descrevendo claramente a ênfase atual na “alfabetização da mídia e da informação”, extremamente necessária para combater a “disseminação de desinformação”, incluindo “nos meses que antecedem a eleição presidencial nacional”.

Assim, os EUA, sob o projeto YALI, “treinaram 1.000 jovens nigerianos para reconhecer os sinais de desinformação e desinformação online e da mídia”. E agora a continuação são as oficinas “Train the Trainer”, “ensinando 40 jornalistas, criadores de conteúdo e ativistas (metade dos quais serão mulheres) de Yobe, Borno, Adamawa, Zamfara e Katsina como identificar, investigar e denunciar desinformação”. O Facebook, sendo ordenado pelo FBI a censurar fatos “inconvenientes”, potencialmente alteradores de eleições, não faz parte do currículo.

YALI é o rosto suave e Instagram do AFRICOM. Os EUA participaram da derrubada de vários governos africanos nas últimas duas décadas, com tropas treinadas sob o AFRICOM, obcecado pelo sigilo. Não houve nenhuma auditoria séria do Pentágono sobre o armamento dos “parceiros” locais do AFRICOM. Pelo que sabemos – como na Síria e na Líbia – os militares dos EUA podem estar armando ainda mais terroristas.

E previsivelmente, é tudo bipartidário. O raivoso neoconservador e ex-conselheiro de segurança nacional de Trump, [o psicopata] John Bolton, em dezembro de 2018, na Heritage Foundation, deixou bem claro: os EUA na África não têm nada a ver com o apoio à democracia e ao desenvolvimento sustentável. Trata-se de combater a Rússia e a China.

Quando soube que Pequim estava pensando em construir uma base naval na Guiné Equatorial, rica em petróleo, a Casa Branca de [‘Dementia’ Joe] Biden enviou enviados de poder à capital Malabo para convencer o governo a cessar e desistir. Para nenhum proveito.

Em contraste, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, foi recebido como um superstar em sua recente e extensa turnê pela África, onde é amplamente percebido que os preços globais dos alimentos e o drama dos fertilizantes são uma consequência direta das sanções ocidentais à Rússia. O líder de Uganda, Yoweri Museveni, foi direto ao ponto quando disse: “Como podemos ser contra alguém que nunca nos prejudicou?”

Nos dias 13 e 15 de dezembro, a Casa Branca planeja uma importante Cúpula de Líderes EUA-África em Washington para discutir principalmente a segurança alimentar e as mudanças climáticas – juntamente com as palestras perenes [e hipócritas] sobre democracia e direitos humanos. 

A maioria dos líderes não ficará exatamente impressionada com esta nova demonstração do “compromisso duradouro dos Estados Unidos com a [as riqueza da] África”. Bem, há sempre YALI. Tantos líderes jovens para doutrinar, tão pouco tempo.


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid WarRed Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *