Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Vingança do Império em Derrocada – Incendiar o Sul da Eurásia

A dissonância cognitiva coletiva exibida pelo bando de hienas [do Hospício Ocidental ‘acordado’] com rostos de cera polidos que conduzem a política externa dos EUA [e Europa] nunca deve ser subestimada em relação ao mal que podem causar. E, no entanto, esses psicopatas liberais, ‘acordados’, ‘verdes’, neoconservadores [judeus khazares] conseguiram obter um sucesso tático.

A Vingança do Império em Derrocada – Incendiar o Sul da Eurásia

Fonte: Zero Hedge – Por Pepe Escobar

A Europa é um navio de tolos imbecis indo para Scylla e Charybdis – com traidores do hegemon como o francês Macron “Le Petit Roi” e o chanceler da salsicha de fígado da Alemanha, Olaf Scholz cooperando no desastre, completo com as galerias se afogando em um turbilhão de falso moralismo histérico.

São aqueles que dirigem o Hegemon que estão destruindo a Europa. Não a Rússia.

Mas então há o quadro geral do novo Grande Jogo 2.0.

Dois analistas russos, por meios diferentes, criaram um roteiro surpreendente, bastante complementar e bastante realista. O general Andrei Gurulyov, aposentado, agora é membro da Duma. Ele considera que a guerra OTAN x Rússia em solo ucraniano só terminará em 2030 – quando a Ucrânia basicamente terá deixado de existir.

Seu prazo é 2027-2030 – algo que até agora ninguém ousou prever. E “deixar de existir” para a Ucrânia, de acordo com Gurulyov, significa real e literalmente desaparecer de qualquer mapa. Implícita está a conclusão lógica da Operação Militar Especial {SMO} – reiterada repetidamente pelo Kremlin e pelo Conselho de Segurança: a desmilitarização e desnazificação da Ucrânia; num estado neutro; nenhum membro da OTAN; e “indivisibilidade da segurança”, igualmente, para a Europa e o espaço pós-soviético.

Então, até que tenhamos esses fatos materializados no terreno, Gurulyov está essencialmente dizendo que o Kremlin e o Estado-Maior russo não farão concessões. Nenhum “conflito congelado” imposto por Washington DC ou falso cessar-fogo, que todos sabem que não será respeitado, assim como os acordos de Minsk nunca foram respeitados.

E ainda Moscou, temos um problema. Por mais que o Kremlin possa sempre insistir que esta não é uma guerra contra os irmãos e primos eslavos ucranianos – o que se traduz em nenhum Shock’n Awe de estilo americano pulverizando tudo à vista – o veredicto de Gurulyov implica a destruição do atual, canceroso e corrupto estado ucraniano como uma obrigação.

Um resumo abrangente da encruzilhada crucial, como está, argumenta corretamente que se a Rússia esteve no Afeganistão por 10 anos, e na Chechênia, todos os períodos combinados, por mais 10 anos, a atual SMO – de outra forma descrita por algumas pessoas muito poderosas em Moscou como uma “Quase Guerra” – e ainda por cima contra todas as forças da OTAN, poderia durar mais 7 anos.

O relatório da situação também argumenta corretamente que para a Rússia o aspecto cinético da “Quase Guerra” não é nem o mais relevante.

No que para todos os efeitos práticos é uma guerra de morte contra o neoliberalismo ocidental, o que realmente importa é o Grande Despertar Russo – já em vigor :

“O objetivo da Rússia é emergir em 2027-2030 não como um mero ‘vencedor’ sobre as ruínas de algum país já esquecido, mas como um Estado que se reencontrou com seu arco histórico, se reencontrou, restabeleceu seus princípios, sua coragem em defender sua visão de mundo [conservadora, cristã e multipolar]”.

Sim, esta é uma ‘Guerra Civilizacional’, como  argumentou magistralmente Alexander Dugin. E isso é sobre um Renascimento Civilizacional.

E, no entanto, para os psicopatas neoconservadores khazares [que controlam o hegemon], isso é apenas mais uma raquete para mergulhar a Rússia no caos, instalando uma marionete no lugar de Putin e roubando seus recursos naturais.

Fogo no buraco

A análise de Andrei Bezrukov complementa perfeitamente a de Gurulyov ( aqui, em russo ). Bezrukov é um ex-coronel do SVR (inteligência estrangeira russa) e agora professor da cadeira de Análise Aplicada de Problemas Internacionais no MGIMO e presidente do think tank do Conselho de Política Externa e de Defesa da Rússia.

Bezrukov sabe que o Império não aceitará passivamente a humilhação massiva da OTAN em sua derrota na Ucrânia. E mesmo antes da possível linha do tempo 2027-2030 proposta por Gurulyov, ele argumenta, ela deve tentar incendiar o sul da Eurásia – desde a Turquia à China.

O presidente Xi Jinping, em sua memorável visita ao Kremlin no mês passado, disse ao presidente Putin que o mundo está passando por mudanças “não vistas em 100 anos”. Bezrukov, apropriadamente, nos lembra do estado das coisas então:

“Nos anos de 1914 a 1945, o mundo estava no mesmo estado intermediário em que está agora. Esses trinta anos mudaram o mundo completamente: de impérios e cavalos ao surgimento de duas potências nucleares, a ONU e o vôo transatlântico. Estamos entrando em um período semelhante, que desta vez durará cerca de vinte anos”.

A Europa, previsivelmente, “desaparecerá”, pois “não é mais o centro absoluto do universo” apesar de ainda ser vista como um “jardim” cercado por selvagens. Em meio a essa redistribuição de poder, Bezrukov volta a um dos pontos-chave de uma análise seminal desenvolvida no passado recente por Andre Gunder Frank: “200-250 anos atrás, 70% da manufatura estava na China e na Índia. Estamos voltando para lá, o que também corresponderá ao tamanho da população da região”.

Portanto, não é de admirar que a região de mais rápido desenvolvimento – que Bezrukov caracteriza como “o sul da Eurásia” – possa se tornar uma “zona de risco”, potencialmente convertida pelo Hegemon em um enorme barril de pólvora de poder.

Ele descreve como o sul da Eurásia é salpicado por fronteiras conflitantes – como na Caxemira [Índia e Paquistão], Armênia-Azerbaijão, Tadjiquistão-Quirguistão. O Hegemon é obrigado a investir em uma explosão de conflitos militares sobre fronteiras disputadas, bem como tendências separatistas (por exemplo, no Baluchistão). Abundância de terreno e oportunidades de operações [Black Ops] negras da CIA.

Ainda assim, a Rússia conseguirá sobreviver, de acordo com Bezrukov:

“A Rússia tem vantagens muito grandes, porque somos um grande produtor de alimentos, fornecedor de energia [e tecnologicamente de vanguarda]. E sem energia barata não haverá progresso e digitalização.  Além disso, somos o elo entre o Oriente e o Ocidente, sem o qual o continente não pode viver, porque o continente tem que fazer comércio. E se o Sul queimar, as principais rotas não serão pelos oceanos do Sul, mas pelo Norte, principalmente por terra.”

O maior desafio para a Rússia será manter a sua estabilidade interna intacta :

“Todos os estados se dividirão em dois grupos neste ponto de virada histórico: aqueles que podem manter a estabilidade interna e avançar de forma razoável e sem derramamento de sangue para o próximo ciclo tecnológico – e depois aqueles que são incapazes de fazer isso, [os que sucumbirem no caminho do hospício ocidental, ‘acordado’, transgênero, LGBTQ+, “zero emissão”, cujos povos vão comer insetos, não possuir nada e serão “felizes”] até que floresça um sangrento confronto interno como tivemos cem anos atrás. Este último período terá um retrocesso de dez a vinte anos, posteriormente os países [‘acordados’] lamberão suas feridas e tentarão alcançar todos os outros. Portanto, nosso trabalho é manter a estabilidade interna.”

E é aí que o Grande Despertar sugerido por Gurulyov, ou a Rússia se reconectando com seu verdadeiro ethos civilizacional cristão e conservador, como Dugin argumentaria, desempenhará seu papel unificador.

Ainda há um longo caminho a percorrer – e uma guerra contra a OTAN para vencer.

Enquanto isso, em outras notícias, os hacks do Hegemon dizem que o Atlântico Norte se mudou para o sul da China. Boa noite e boa sorte.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *