browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Acha que a inflação em alta esta ruim? Estamos à caminho de uma catástrofe que fará a Grande Depressão parecer um Passeio no Parque

Posted by on 22/10/2021

Políticos e banqueiros centrais ocidentais são rápidos em oferecer explicações para o rápido aumento dos preços – de gargalos nas cadeias de suprimentos a seu bicho-papão favorito, Vladimir Putin. Eles não ousam mencionar a causa real: eles próprios. Os preços nas economias ocidentais continuam subindo vertiginosamente – seja em imóveis, mercados de ações, criptomoedas, combustíveis, alimentos, bens de consumo ou energia. Estamos constantemente vendo aumentos de preços massivos que superam em muito o crescimento dos salários. 

Acha que a inflação em alta esta ruim? Estamos à caminho de uma catástrofe que fará a Grande Depressão parecer um Passeio no Parque

Fonte: Rússia Today

 “A inflação é sempre e em toda parte um fenômeno puramente monetário” – Milton Friedman.

Nos últimos meses, a situação tem piorado cada vez mais, e não ouvimos nada além de desculpas do establishment político: de gargalos nas cadeias de abastecimento, problemas climáticos como secas e inundações a alegações de que o presidente russo, Vladimir Putin, está pessoalmente manipulando o fornecimento de gás natural. É claro que o sistema ocidental do establishment nunca consideraria colocar a culpa onde ela pertence – sobre si mesmo.

Embora muitos no setor financeiro, nos negócios e na política tentem disfarçar esse fato, a inflação é, em sua essência, uma expansão da oferta de moeda. Claro e simples. Os aumentos de preços são apenas um sintoma correspondente de uma oferta monetária crescente. Quanto mais dinheiro em circulação para buscar mercadorias, menos valor o dinheiro tem e mais os preços sobem. Quando e onde os aumentos de preços são mais agudos depende de como a moeda recém-criada é distribuída na sociedade.

Depois que os Estados Unidos não cumpriram sua obrigação de resgatar dólares americanos por ouro no início dos anos 1970, eles conseguiram arrastar o mundo para o sistema de moeda fiduciária. Esse sistema usa moedas de papel respaldadas por nada mais do que decretos governamentais. Os Estados Unidos estão no centro desse sistema como emissor da moeda de reserva mundial – o dólar americano. Esse status especial permite que os EUA imprimam o dólar em grande excesso porque seu status como moeda de reserva cria uma demanda externa por ele, o que permite aos EUA exportar sua inflação para o resto do mundo. Como resultado, os EUA têm a capacidade de criar déficits massivos. Esse mecanismo também permite que o Banco Central Europeu (BCE) crie déficits maciços, desde que coordene sua política monetária com o Federal Reserve. Claro, 

Crise, seguida de crise, seguida por mais crises .. .

No entanto, há um porém. Cada crise é confrontada com uma expansão da oferta monetária e com a manipulação das taxas de juros para estimular a demanda artificial. Isso, por sua vez, estabelece as bases para a próxima crise maior, permitindo um mau investimento cada vez maior. Nos ciclos anteriores, os aumentos de preços decorrentes de uma expansão deliberada da oferta de moeda ficaram em grande parte confinados às bolsas de valores e ao setor imobiliário, já que grande parte da expansão monetária se concentrou no setor financeiro, desencadeando o chamado efeito riqueza entre os detentores de reais hipotecas imobiliárias e proprietários de ações.

Na era da moeda fiduciária, sem nenhum lastro real, os banqueiros centrais e os políticos querem que acreditemos que a inflação é um desenvolvimento positivo. Eles definem “metas de inflação” absurdas e insistem que qualquer inflação acima da “meta” declarada de 2% ao ano é “transitória”. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, expressa esse sentimento em quase todas as reuniões do Federal Open Market Committee (FOMC), e a presidente do BCE [|Bco Central Europeu], Christine Lagarde, naturalmente ecoou essa crença.

Você já foi às compras e percebeu que o preço do seu produto favorito dobrou e pulou de alegria com o aumento? Não, claro que não. A inflação beneficia apenas a elite, os bancos centrais e governos que tentam saldar suas dívidas massivas. O único problema é que eles precisam destruir seu poder de compra para fazer isso – um fato que eles querem esconder de você.

A expansão monetária que se seguiu à Grande Crise Financeira e a quebra do mercado imobiliário de 2008, ou seja, a impressão de dinheiro, ou afrouxamento quantitativo (QE), para permitir que as taxas de juros caíssem para perto de zero, começou a perder força no outono de 2019, quando surgiram graves problemas no mercado de empréstimos overnight nos Estados Unidos – também conhecido como mercado de acordo de recompra (repo). Essencialmente, o Federal Reserve estava tentando reverter o apoio que havia fornecido na esteira da crise de 2008, que por sua vez levou à crise dos repo. É claro que a própria crise de 2008 foi desencadeada pela resposta da política monetária à recessão de 2000.

Este sistema monetário está chegando ao seu inevitável fim

Os bancos centrais precisavam desesperadamente de uma desculpa para mais uma vez expandir seus balanços e cortar as taxas de juros. A crise das operações compromissadas forneceu ao Fed o pretexto para retomar o QE e injetar dezenas de bilhões de dólares de liquidez no mercado todos os meses. Na época, recusou-se a chamá-lo de QE, mas era exatamente isso o que era. Não muito tempo depois, veio a pandemia Covid-19, que forneceu a cobertura perfeita para os governos ocidentais, impulsionada principalmente pela estrutura do paradigma monetário atual com a moeda de reserva mundial – o dólar americano – e seu emissor, o Federal Reserve, em seu centro, para mais uma vez emitir trilhões de dólares e euros literalmente do nada e manipular artificialmente as taxas de juros a zero – até mesmo negativas – em uma tentativa desesperada de sustentar o sistema monetário em ruínas.

Grande parte da atual rodada de expansão monetária foi distribuída aos cidadãos na forma de dinheiro de helicóptero ou pagamentos diretos em dinheiro. Este é um novo desenvolvimento e um sinal claro de que este sistema monetário está chegando ao seu fim inevitável. Trilhões em moedas recém-criadas estão agora buscando o mesmo suprimento de recursos que existia antes da pandemia. Basicamente, vivemos em um sistema finito com recursos naturais finitos. No entanto, pelo menos por agora, ainda temos a capacidade de expandir infinitamente a oferta monetária com a qual perseguir esses recursos finitos, resultando no que equivale a uma demanda artificial infinita.

O espectro da hiperinflação

E agora o problema. Estamos agora em um ponto em que os bancos centrais ocidentais estão, francamente, presos. As taxas de juros foram manipuladas artificialmente para zero. Mas nem o Fed nem o BCE ainda começaram a reduzir seus balanços, embora continuem dizendo que o farão um dia. Os bancos centrais agora não têm ferramentas de política para responder à próxima crise. Uma crise que ironicamente e inevitavelmente resultará da má alocação que eles alimentaram, expandindo imprudentemente seus balanços e reduzindo as taxas de juros a zero durante a pandemia.

Quando a próxima crise estourar, provavelmente virá novamente do mercado de repo nos Estados Unidos. As taxas de juros simplesmente não podem ser manipuladas mais baixas como uma contramedida para a próxima crise. Se os bancos centrais retirarem o estímulo atual em que nossas economias estão mancando, todo o sistema entrará em colapso. É por isso que eles apenas falam em reduzir seus balanços e permitir que as taxas de juros subam, em vez de fazê-lo de fato. Só nos Estados Unidos, os juros da dívida nacional são o quarto maior item do orçamento – com taxas de juros de 0%! Imagine taxas de juros de 6%, 7% ou 8% por cento! Os EUA estariam falidos da noite para o dia. Em resposta à próxima crise inevitável, eles não terão escolha a não ser inundar o sistema financeiro com ainda mais papel-moeda, o que mais cedo ou mais tarde levará à hiperinflação.

Os banqueiros centrais e políticos ocidentais simplesmente se recusam a permitir a deflação necessária de que nosso sistema tanto precisa, porque nos últimos 50 anos eles criaram uma bolha financeira tão grande que, se estourasse sem controle, mergulharia o mundo em uma catástrofe que faria o A Grande Depressão da década de 1930 parece um passeio de domingo no parque. No entanto, seu poder repousa inteiramente neste sistema, e eles não têm incentivos para fazer a coisa certa.

O que precisamos no Ocidente é uma redução estrita, disciplinada e controlada na oferta de dinheiro que ocorreria gradualmente ao longo das décadas e um retorno a um sistema monetário sólido. O que estamos experimentando atualmente e continuaremos a experimentar no futuro é exatamente o oposto e levará aos mesmos resultados catastróficos que o estouro descontrolado da bolha levaria. À medida que a insustentabilidade do paradigma atual se torna cada vez mais inegável, o status quo fará tudo ao seu alcance para manter o controle do sistema em colapso, incluindo o uso das mudanças climáticas como desculpa para criar trilhões de novas moedas do nada.

Nosso sistema monetário ocidental é como um paciente em coma profundo com morte cerebral

Imagine um atleta contumaz usuário de esteroides. Esse atleta pode parecer imbatível com esteroides, mas sem essas injeções de drogas, ficamos com algo muito inexpressivo. Uma economia construída sobre taxas de juros artificiais de 0% e injeções constantes de dinheiro fiduciário sem fim conjurada do nada se assemelha à de um atleta injetado com esteroides, e todos nós sabemos ao que leva o abuso de esteroides a longo prazo. Infelizmente para nós no Ocidente, temos abusado dos proverbiais esteroides há muito tempo que ultrapassamos a nossa data de validade física. No momento, nosso sistema monetário ocidental esta mais como um paciente em coma profundo com morte cerebral sendo sustentado por aparelhos de suporte de vida.

Em qualquer coisa que se assemelhe remotamente a um mercado livre, a economia de empreendimentos produtivos deve estimular o crescimento econômico e a geração de empregos e salários que sustentam a base de qualquer economia de um pais. As taxas de juros, que são simplesmente o custo de tomar dinheiro emprestado, devem ser determinadas pelas forças do mercado, e não por um Politburo de fato na forma de banqueiros centrais não eleitos. 

As empresas devem crescer porque permanecem competitivas, não porque tenham acesso a papel-moeda barato criado do nada pelos bancos centrais. É por isso que as megacorporações ocidentais nunca desaparecem e continuam crescendo. Isso acontece às custas das pequenas empresas e da classe dos mais pobres que não têm acesso a esse dinheiro barato.

A fachada da democracia erguida no sistema monetário atual continuará a entrar em colapso à medida que esse sistema atinge seu fim lógico – ou seja, a hiperinflação e consequentes estouros de TODAS as BOLHAS. E quando os banqueiros centrais – e os políticos que os capacitam – finalmente colocarem o mundo ocidental de joelhos, lembre-se de que eles são os culpados – não os russos, nem os chineses, ninguém mais. Somente eles. 


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Acha que a inflação em alta esta ruim? Estamos à caminho de uma catástrofe que fará a Grande Depressão parecer um Passeio no Parque

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.