Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Algo ‘Muito Grande e Estúpido’ está chegando…

Com os níveis da dívida públicas a atingir máximos históricos nas principais economias desenvolvidas e em desenvolvimento, e com os rácios da dívida em relação ao PIB também em território recorde (sem incluir passivos contingentes como a Segurança Social, os cuidados de saúde e outros direitos civis, que pioram a situação), parece que já ultrapassamos o momento de considerar como as nações irão lidar com este problema.

A crise da dívida pode não ser iminente, mas é inevitável. Quando ela acontecer, poderá representar o maior desastre financeiro de todos os tempos. Nunca é cedo demais para os investidores considerarem as consequências.

Fonte: DailyReckoning.com

Quando você emite dívida como uma moeda impressa, não há necessidade de inadimplência no sentido de não efetuar um pagamento.

Você pode simplesmente fazer com que o banco central compre a dívida (imprimindo MAIS dinheiro). Esta é a situação hoje nos (expoentes do G-7) EUA, no Japão, no Reino Unido e na União Monetária Europeia (os países que utilizam o euro). Todos eles têm enormes encargos de dívida, mas todos têm bancos centrais [controlados pelos khazares Rothschilds] que podem simplesmente comprar a dívida imprimindo MAIS dinheiro para evitar o incumprimento dos débitos vencendo.

O não pagamento não é o problema

Há muitas consequências negativas em imprimir dinheiro e acumular dívidas nos balanços dos bancos centrais, mas o não pagamento da dívida não é uma delas. Este é o mantra dos Teóricos Monetários Modernos (MMT) e da sua líder inovadora, Stephanie Kelton.

Na minha opinião, a TMM é um lixo enquanto política econômica, mas o princípio da não inadimplência é válido. O khazar George Soros diz a mesma coisa. Dito isto, já ultrapassamos o ponto em que a dívida pode ser gerida com crescimento real. Esse limite é de cerca de 90% do rácio dívida/PIB. Um rácio dívida/PIB de 60% é ainda mais confortável e pode ser gerido.

Infelizmente, as principais economias com moeda de reserva fiduciária já ultrapassaram em muito o rácio de 90%, tal como acontece com muitos países mais pequenos. A proporção dos EUA é de 134% em relação ao PIB, um recorde histórico. A proporção do Reino Unido é de 102%. A França é de 111%. A Espanha é de 112%. A Itália é de 145% [o “jardim” europeu parece estar muito contaminado].

A China reporta um valor de 77%, mas isto é altamente enganador porque ignora a dívida provincial pela qual Pequim é, em última instância, responsável. O valor real da China é superior a 200% quando se inclui a dívida provisória.

O devedor campeão é o Japão com 261%. A única grande economia europeia com um rácio parcialmente respeitável é a Alemanha, com 67%. É uma infelicidade para a Alemanha que seja provavelmente responsável pelo resto da Europa através do sistema Target2 do BCE.

O campeão dessa relação PIB/Dívida Pública é a RÚSSIA, com apenas 17%, apesar de ser o país mais sancionado e perseguido pelos psicopatas do endividado e ‘acordado’ Hospício Ocidental.

Todos estes países endividados estão a caminho do incumprimento. Mas devemos considerar as diferentes formas de conduzir um incumprimento.

Existem três formas básicas de inadimplência: falta de pagamento, inflação e reestruturação da dívida. Você pode retirar o não pagamento da mesa pelo motivo mencionado acima – você pode simplesmente imprimir mais dinheiro.

O mesmo se aplica à reestruturação. A inflação é claramente a melhor forma de inadimplência. Você devolve o dinheiro em termos nominais, mas vale muito pouco em termos reais. O credor perde e os países devedores ganham.

Agradável e fácil, faz isso

A chave para inflacionar o valor real da dívida é ir devagar. É como roubar dinheiro da bolsa da sua mãe. Se ela tiver US$ 50 e você pegar US$ 40, ela notará. Se você pegar um dólar, ela não notará. Mas um dólar roubado todos os dias aumenta o valor com o tempo.

Foi isso que os EUA fizeram entre 1945 e 1980. No final da Segunda Guerra Mundial, o rácio dívida/PIB dos EUA era de 120% (mais ou menos onde está agora). Em 1980, o rácio era de 30%, o que é totalmente administrável.

É claro que a dívida nominal e o PIB dispararam, mas o PIB nominal subiu  mais rapidamente  do que a dívida nominal, pelo que o rácio caiu. Se conseguirmos manter a inflação em torno de 3% e as taxas de juro em torno de 2% e exercermos disciplina fiscal (o que fizemos sob Eisenhower, Kennedy, Nixon e Ford), o PIB nominal crescerá mais rapidamente do que a dívida nominal (devido às taxas máximas da Fed).

Se melhorarmos o rácio em, digamos, 2% ao ano e o mantivermos durante 35 anos (1945-1980), podemos reduzir o rácio em 70%. Foi isso que já fizemos. O segredo era fazer isso devagar (como roubar a bolsa da sua mãe). Quase ninguém notou o declínio no valor real do dinheiro até chegarmos à fase de ruptura (1978-1981). Mas a essa altura a missão já estava cumprida.

Portanto, há duas formas de lidar com o endividamento excessivo: disciplina fiscal e inflação. De 1945 a 1980, os EUA fizeram exatamente isso. Se você calcular a inflação em 3% e as taxas de juros em 2%, você derreterá o valor real da dívida. Se exercermos disciplina fiscal em relação ao PIB, diminuiremos o rácio nominal da dívida em relação ao PIB.

Fizemos ambas as coisas.

A razão pela qual o rácio dívida/PIB voltou a subir para 134% é que Bush, Obama, Trump e Biden ignoraram a fórmula. Desde 2000, a política fiscal tem sido imprudente e a fórmula não funciona. O problema não é realmente a “impressão de dinheiro” (a maior parte do dinheiro que o Fed imprime apenas volta para o Fed como reservas excedentes, pelo que não tem qualquer efeito na economia real).

O problema é que a dívida nominal está a aumentar mais rapidamente do que o PIB nominal, pelo que o rácio dívida/PIB aumenta. Esta dinâmica será agravada ainda mais pelo enorme aumento das taxas de juro nos últimos 18 meses.

Você não pode pedir emprestado para sair de uma crise de dívida. Também não conseguimos gerar muita inflação. A inflação ficou abaixo de 2% durante quase toda a recuperação de 2009-2019.

Japão em grande escala

Olhando para o quadro global, é importante compreender que o Japão é apenas uma versão maior dos EUA. Eles não têm disciplina fiscal e não conseguem que a inflação salve as suas vidas. A única saída para o Japão é a hiperinflação, que virá, mas ainda não imediatamente.

O Japão provavelmente conseguirá manter o jogo da dívida durante algum tempo. O crash virá quando a moeda entrar em colapso. Quando comecei no setor bancário, USD/JPY custava 400. Aqueles eram os dias!

Uma crise da dívida está a caminho. Algo muito grande e estúpido (nas palavras da brilhante analista Stephanie Pomboy) está a surgir dos decisores políticos para resolver a questão. Mas a solução não será uma política e não será um plano. Uma crise acontecerá quase da noite para o dia e parecerá surgir do nada.

Mas isso virá, porque vem sendo planejada e implantada intencional e lentamente ao longo das últimas décadas…


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *