browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Aliança Big Tech esta desenvolvendo Passaporte COVID financiados pela The Rockefeller Foundation

Posted by on 15/01/2021

A Microsoft, Salesforce, Oracle e as empresas de registros eletrônicos de saúde Epic e Cerner estão apoiando um único padrão para a certificação de vacinas : Uma coalizão das grandes empresas de tecnologia, as Big Tech do Vale do Silício, incluindo [é obvio] a Microsoft [ de Bill Gates – of Hell ], que está desenvolvendo um passaporte COVID , com a expectativa de que um documento digital vinculado à situação de vacinação seja necessário para viajar e ter acesso a serviços básicos.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Aliança das Big Tech esta desenvolvendo Passaporte [ID] COVID financiados pela The Rockefeller Foundation

Por Steve Watson – Fonte:  Summit News 

‘É o ‘esforço de vacinação’ mais significativo da história’

O grupo está se autodenominado Vaccination Credential Initiative (VCI) e inclui Microsoft, Salesforce, Oracle e as empresas de registros eletrônicos de saúde Epic e Cerner.

O provedor de saúde dos Estados Unidos Mayo Clinic também está envolvido no projeto, que está sendo descrito como “o esforço de vacinação mais significativo da história dos Estados Unidos”. A ideia agora já é familiar para muitos. Qualquer pessoa que tenha sido vacinada receberá um código QR que pode ser armazenado em seu celular no aplicativo de carteira. Quem não tiver telefone terá acesso a uma versão impressa.

Já relatamos anteriormente sobre o desenvolvimento deste chamado ‘CommonPass’ , que também tem o apoio dos globalistas do Fórum Econômico Mundial-WEF, e agora mais detalhes surgiram.

Captura de tela: esboço de ‘CommonPass’ – clique para ampliar

“O objetivo da Vaccination Credential Initiative (VCI) é capacitar os indivíduos com acesso digital aos seus registros de vacinação”, disse Paul Meyer, CEO da organização sem fins lucrativos The Commons Project , também envolvida no projeto.

Meyer disse que o documento permitirá que as pessoas “retornem com segurança às viagens, ao trabalho, à escola e à vida “normal”, protegendo ao mesmo tempo a privacidade de seus dados”.

Meyer disse que a coalizão Big Tech está trabalhando com vários governos e espera que sejam adotados padrões que terão testes negativos ou comprovante de vacinação obrigatórios, a fim de se engajar novamente na sociedade.

“As pessoas precisarão produzir registros de vacinação para muitos aspectos de como voltar à vida normalmente”, acrescentou. “Vivemos em um mundo globalmente conectado.  Costumávamos  de qualquer maneira – e esperamos voltar a fazê-lo”. 

O Financial Times relata que o The Commons Project recebeu financiamento para o projeto da The Rockefeller Foundation e que está sendo implementado por todas as três principais alianças de companhias aéreas dos EUA.

A Fundação Rockefeller já havia elogiado seus planos para uma ‘plataforma digital comuns de dados e da Covid-19’, bem como o desejo de “lançar um Covid Community Healthcare Corps para teste e rastreamento de contato”.

“A coordenação de um programa tão massivo deve ser tratada como um esforço de guerra”, afirma a fundação em seu site, acrescentando que deve haver “um Conselho de Testes de Pandemia bipartidário público / privado estabelecido para ajudar e servir como uma ponte entre o local, o estado, e funcionários federais com os desafios logísticos, de investimento e políticos que esta operação inevitavelmente enfrentará”. 

Captura de tela: Site do ‘plano de ação da Covid’ da Fundação Rockefeller

O grupo também quer ver uma padronização global dos chamados passaportes de vacina, observando que “O sistema de registro de vacinação atual não oferece suporte imediato para acesso conveniente, controle e compartilhamento de registros de vacinação verificáveis”.

Captura de tela: Site do ‘plano de ação da Covid’ da Fundação Rockefeller

A coalizão de grandes empresas de tecnologia Big Tech do Vale do Silício está procurando “personalizar todos os aspectos do ciclo de vida do gerenciamento de vacinação e integrar-se estreitamente com as ofertas de outros membros da coalizão, o que nos ajudará a voltar à vida pública”, disse Bill Patterson, vice-presidente executivo da Salesforce.

“Com uma única plataforma para ajudar a entregar operações seguras e contínuas e aprofundar a confiança dos clientes e funcionários, esta coalizão será crucial para apoiar a saúde pública e o bem-estar comum”, afirmou Patterson.

Mike Sicilia, vice-presidente executivo das Unidades de Negócios Globais da Oracle, acrescentou que “Esse processo precisa ser tão fácil quanto o banco [dinheiro digital] online. Estamos comprometidos em trabalhar coletivamente com as comunidades de tecnologia e médica, bem como com governos globais”. 

Ken Mayer, fundador e CEO da Safe Health também afirmou que a VCI “permitirá que os desenvolvedores de aplicativos criem soluções de verificação de status de saúde que preservam a privacidade e podem ser perfeitamente integradas aos fluxos de trabalho de tíquetes existentes”.

Simplificando, vai “ajudar a fazer shows e eventos esportivos acontecerem novamente”, disse Mayer.O contexto aqui parece muito claro. Aqueles sem o passaporte COVID não poderão viajar e / ou participar de nenhum evento social.

Centenas de empresas de tecnologia  estão lutando para desenvolver  sistemas de passaportes COVID . Conforme  informamos no mês passado , a IATA, o maior grupo de lobby de transporte aéreo do mundo, espera que seu aplicativo de passe de viagem COVID seja totalmente lançado nos primeiros meses de 2021.

Um outro aplicativo de ‘passaporte COVID’  chamado AOKpass  da empresa de segurança de viagens International SOS está atualmente em testes entre Abu Dhabi e o Paquistão.

Documentamos exaustivamente as questões de privacidade e direitos associados ao movimento em direção à adoção e, mais importante, a padronização global dos chamados passaportes COVID.

O grupo de direitos humanos do Reino Unido,  Privacy International, alertou  que se  passaportes de “imunidade” forem emitidos por alguns governos, isso pode sinalizar uma tendência para  “esquemas de identidade digital”  e outros esquemas de identificação obrigatórios [a nível global].

“Assim que você tiver múltiplos usos (por exemplo, acesso a serviços) em vários domínios (por exemplo, setor público, setor privado), em vários países (por exemplo, viagens), então estamos abordando um documento de identidade global essencial e necessário para voce voltar a viver sua vida”, alertou o grupo .

O Grupo de direitos humanos sediado na Suécia O Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA) alertou recentemente que  61 por cento dos países usaram restrições COVID  “que eram preocupantes de uma perspectiva de democracia e direitos humanos”.

Anna Beduschi, acadêmica da Universidade de Exeter,  comentou  sobre o movimento potencial em direção a passaportes de vacinas pela UE , observando que isso “coloca questões essenciais para a proteção da privacidade de dados e direitos humanos”.

Beduschi acrescentou que os passaportes da vacina podem “criar uma nova distinção entre os indivíduos com base em seu [pseudo] estado de saúde, que pode então ser usada para determinar o grau de liberdade e direitos que eles podem desfrutar”.

O próprio chefe de proteção de dados da UE, Wojciech Wiewiórowski, rotulou recentemente  a ideia de um passaporte de imunidade de “extrema”  e disse repetidamente que é alarmante e ela é “nojenta”Um relatório  compilado no ano passado pelo órgão de pesquisa de IA do Instituto Ada Lovelace disse que os chamados passaportes de ‘imunidade’ “representam riscos extremamente altos em termos de coesão social, discriminação, exclusão e vulnerabilidade”.

Sam Grant, gerente de campanha do grupo de defesa das liberdades civis  Liberty  , advertiu que “qualquer forma de passaporte global de imunidade corre o risco de criar um sistema de dois níveis em que alguns de nós têm acesso à liberdade e apoio, enquanto outros são excluídos do sistema”.

“Esses sistemas podem resultar em pessoas que não têm imunidade sendo potencialmente bloqueadas de serviços públicos essenciais, trabalho, negócios, transporte, viagens ou moradia – com os mais marginalizados entre nós sendo os mais atingidos”, advertiu Grant.

“Isso tem implicações mais amplas também porque qualquer forma de passaporte de imunidade global pode abrir caminho para um sistema de identidade completo – uma ideia que tem sido repetidamente rejeitada como incompatível com a construção de uma sociedade que respeite os direitos civis”, disse Grant.

Gloria Guevara, CEO do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), também classificou  os passaportes como “discriminatórios” , dizendo “Nunca deveríamos exigir a vacinação para conseguir um emprego ou viajar”. Falando em um evento da Reuters, o chefe do WTTC também condenou a companhia aérea Qantas por sua afirmação anterior de que pessoas não vacinadas não seriam permitidas em suas aeronaves.

“Levará um tempo significativo para vacinar a população global, especialmente aqueles em países menos avançados, ou em diferentes faixas etárias, portanto, não devemos discriminar aqueles que desejam viajar, mas que ainda não foram vacinados”, observou Guevara.

No entanto, o espectro dos chamados ‘passaportes de imunidade’ está pairando globalmente sobre nossas cabeças.

Conforme observado acima, o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis  escreveu uma carta  ao chefe da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, exigindo que a Comissão deveria “padronizar” um passaporte de vacina em todos os países membros, e que deveria ser exigido que as pessoas viajassem por todo o área, destacando ainda que “as pessoas que foram vacinadas devem ter liberdade para viajar”. O pedido está definido para ser debatido nos próximos dias.

Passaportes de vacinas já haviam sido  elogiados pela UE , com autoridades sugerindo ainda em abril que os requerentes de visto também deveriam ser vacinados.  Os países da UE, incluindo EspanhaEstôniaIslândia  Bélgica, todos indicaram que estão abertos a alguma forma de passaporte de vacina, bem como ao compartilhamento de dados além-fronteiras. A Dinamarca  anunciou recentemente que está lançando um ‘passaporte Covid’, para permitir que aqueles que tomaram a vacina se engajem na sociedade sem quaisquer restrições.

A Polônia também anunciou planos para introduzir passaportes de vacinas, o que permitirá àqueles que tomaram a vacina COVID maiores liberdades do que aqueles que não o fizeram. Tendo deixado a UE, a Grã-Bretanha não faria parte de nenhum esquema europeu padronizado, no entanto,  agora confirmou  que está lançando passaportes de vacina,  

Recentemente,  o governo de Ontário, Canadá, admitiu  que está explorando ‘passaportes de imunidade’ em conjunto com restrições a viagens e acesso a locais sociais para os não vacinados. No mês passado,  Israel anunciou  que os cidadãos que tomarem a vacina COVID-19 receberão ‘passaportes verdes’, que os permitirão ir aos locais de encontro e frequentar  restaurantes.

Uma  litania  de  outras  figuras do governo  e da  indústria de viagens  nos Estados Unidos, na Grã  Bretanha  e em outros lugares  sugeriram que os  ‘passaportes COVID’  estão chegando para que  ‘a vida volte ao normal’.  Além disso, os  hotéis também  indicaram que farão o mesmo. As seguradoras também indicaram que se enquadrarão em qualquer padronização de passaportes de vacinação, e podem exigir uma prova de vacinação antes de cobrir aqueles que desejam ir de férias.

O International Travel and Health Insurance Journal relatou  que “Se a UE obrigar os viajantes a vacinar, os provedores de seguros de viagem podem se recusar a cobrir aqueles que se recusam a ser vacinados.” O site de notícias da UE  Schengenvisainfo também informou  sobre a provável movimentação das seguradoras, apontando que os cidadãos anti vacinas provavelmente serão visados ​​especificamente pelos mandatos.

“Mesmo que os viajantes anti vacinas encontrem uma lacuna no requisito e consigam entrar em qualquer um dos Estados-Membros, os fornecedores de seguros de viagem podem recusar-se a cobri-los”, afirma o relatório.

Ele continua: “Com o grande volume de notícias falsas e teorias de conspiração que já acontecem há meses sobre a pandemia e a vacinação, o verdadeiro desafio para a UE não será comprar as doses de vacina necessárias, mas sim convencer as pessoas a serem vacinadas”.

O relatório acrescenta que “Teóricos da conspiração, na Europa e em outras partes do mundo, têm como alvo o fundador da Microsoft, Bill Gates [of Hell] , que é conhecido como um defensor da vacinação em massa, alegando ser um dos responsável pela pandemia do Coronavírus”.

Embora pesquisas tenham indicado  que cerca de metade das pessoas no mundo não estão dispostas a tomar a vacina nesta fase inicial. No entanto, uma pesquisa recente indicou que 74% dos americanos afirmam que desejam obter um passaporte de vacinação COVID , caso sejam introduzidos nos Estados Unidos.


Sua contribuição é fundamental para manter o site funcionando e independente. Somos censurados pelas gigantes de TI [Big Techs] em relação ao material por nós publicado, com consequente impacto e completa suspensão dos anúncios. Considere fazer uma pequena contribuição mensal (valores entre $ 10 e $ 50 reais, ou qualquer outra moeda e valor) se utilizando do mecanismo  PayPal disponibilizado pelo site. Para pgto único, entre em contato pelo e-mail Thoth3126@protonmail.ch e solicite os dados de nossa conta bancária. Sem a ajuda imediata de nossos assíduos leitores não conseguiremos arcar com todos os custos inerentes à manutenção do Blog e iremos encerrar o nosso trabalho em março.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.