browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Anciões indígenas contam histórias sobre Povo das Estrelas “vivendo dentro da Terra”

Posted by on 02/06/2020

A Drª Ardy Sixkiller Clarke, professora emérita da Universidade Estadual de Montana, uma nativa da nação pele vermelha Cherokee / Choctaw, está pesquisando o Povo das Estrelas [Star People] e colecionando histórias de encontros entre “eles” e os índios norte americanos por muitos anos. Este artigo compartilha um dos seus muitos trabalhos. 

Estamos sozinhos no universo? Caso contrário, quais são as implicações quando o público se “conscientizar” disso? Como isso mudará a maneira como encaramos a nossa Realidade em dissolução? A Ciência, a Tecnologia, a História, a Religião? 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Anciões indígenas compartilham histórias sobre pessoas estelares “vivendo dentro da Terra”

Fonte:  Collective-Evolution

A Drª Ardy Sixkiller Clarke trouxe para o campo de ufologia os cursos em história, inglês, psicologia e liderança educacional, além de formação como professora, professora universitária, administradora de faculdade e universidade, terapeuta e psicóloga licenciada e pesquisadora de ciências sociais. Como professora emérita na Montana State University e ex-diretora do Centro de Educação Bilíngue / Multicultural, a Dra. Clarke, que é Cherokee / Choctaw, trabalhou com povos indígenas durante a maior parte de sua carreira. 

Veritas Radio - Dr. Ardy Sixkiller Clarke - Sky People: Untold ...

Seu primeiro livro no campo da ufologia foi o best-seller  Encounters With Star People: Untold Stories of American IndianEla também é autora de doze livros infantis e do texto acadêmico mais vendido: Sisters in the Blood: The Education of Women in Native America. Ela mora no meio das Montanhas Rochosas em Big Sky Montana.

“A crença nos mundos subterrâneos tem sido transmitida como mitos ou lendas entre gerações de pessoas de todo o mundo. Por exemplo, Sócrates falou de enormes cavidades dentro da Terra que eram habitadas e vastas cavernas onde os rios corriam. Os índios Cherokee contam que, quando chegaram ao sudeste dos Estados Unidos, encontraram muitos jardins bem cuidados, mas não as pessoas que cuidavam deles. Eventualmente, eles descobriram um grupo de pessoas que moravam no subsolo e saíam apenas à noite para cuidar dos jardins. Eles colhiam o alimento e a levavam para o subterrâneo para suas cidades. Essas pessoas eram pequenas, tinham pele azul e grandes olhos negros. Os raios do sol eram muito fortes para eles, então eles construíram suas cidades no subsolo e só saíam à noite usando a luz da lua. Os Cherokee os chamavam de “o Povo da Lua”.

A citação acima vem da obra da Drª Ardy Sixkiller Clarke, professora emérita da Universidade Estadual de Montana, que é Cherokee / Choctaw e pesquisa o “Povo das Estrelas” e sua interação com nativos da América do Norte por muitos anos, coletando encontros entre eles e os índios nativos. Recentemente, publiquei dois artigos detalhando histórias indígenas de encontros com o “Povo das Estrelas”. Um deles era sobre um ancião indígena que compartilhou uma história sobre o “Povo das Estrelas” cuja espaçonave caiu em sua reserva, que você pode ler aqui . O segundo artigo, publicado alguns dias atrás, era sobre um ancião que mostrou ao Dr. Clarke um coração alienígena petrificado, que ele alegou pertencer ao Povo das Estrelas, e você pode ler isso aqui .

Essas pessoas também foram mencionadas em um livro de 1797 de  Benjamin Smith Barton , que explica que elas são chamadas de “olhos de lua” porque enxergam mal durante o dia. Variantes posteriores acrescentam detalhes adicionais, alegando que as pessoas tinham pele branca e que criaram as ruínas pré-colombianas da área. Barton citou sua fonte como uma conversa com o coronel Leonard Marbury.

 

Em seu livro, Ardy Clarke relata uma história contada a ela por um ancião de 84 anos, que ela chamou de “tio Beau”. Segundo ele, “os antigos contam histórias de pessoas das estrelas que viviam no subsolo perto de Tanana. Há muitas histórias que os antigos contaram sobre o Povo das Estrelas que vive entre eles e foi para o subsolo perto de Tanana. Os Inupiat acreditam que vieram à Terra em uma nave espacial.

Clarke então perguntou se ele já tinha visto uma nave espacial, à qual ele respondeu:

“Muitas vezes. Eu nasci aqui no território de Athabaskan. Eu estava aqui antes do Alasca se tornar um estado e meu povo viveu aqui por milhares de anos antes que qualquer homem branco chegasse aqui. Havia naves espaciais que visitavam o Alasca quando foi chamado Alaxsxaq, e elas estarão visitando muito tempo depois que não houver mais o Alasca. Eu acho que eles sempre estiveram aqui, como os antigos disseram. O governo sabe disso, mas há pouco que eles podem fazer. Eles estavam aqui muito antes de haver um governo. Acho que, neste momento, os militares apenas tentam contê-los e mantê-los quietos. Eles não querem que saibamos disso”.

Há também uma base militar perto de onde Beau mora, no Alasca, e quando Clarke perguntou se ele já havia conversado com alguém na base sobre OVNIs, ele respondeu:

“Um dos filhos de minha sobrinha trabalhava na base há cerca de 10 anos. Eles empregaram cerca de cem civis na base. Ele disse que certa manhã foi trabalhar e a base estava fechada. Eles disseram aos trabalhadores para irem para casa. Quando ele se apresentou para trabalhar no dia seguinte, um de seus amigos que estava estacionado no local disse que um OVNI havia pousado na base na noite anterior. Ele disse que havia um lugar lá em cima onde os OVNIs vão para o subsolo. Ele disse (seu sobrinho) que era guardado noite e dia. Ninguém foi autorizado a chegar perto do local, mas ele disse que seu amigo, que possui uma alta autorização de segurança, contou a ele a história”.

Ele continuou explicando como ele acha que é um lugar onde “os alienígenas e os militares colaboram e onde os alienígenas podem ir para à clandestinidade livremente sem que as pessoas comuns os vejam. Não sei o que eles estão fazendo juntos, mas acho que é assim que eles usam o lugar. O amigo do meu sobrinho disse que os alienígenas se parecem conosco [Tall Whites-Nórdicos?]. Então, talvez eles sejam os nossos ancestrais”.

Agora, trabalhando nesse campo há muito tempo, deparei-me com algumas conexões muito interessantes. Tanana, no Alasca, fica ao lado do monte Hayes, no Alasca. Para aqueles que não sabem, o governo dos EUA, em conjunto com a CIA e o Stanford Research Institute, iniciou um programa chamado STARGATE , e uma de suas funções era estudar a visão remota [Remote Viewing], que é a capacidade de psiquicamente se deslocar no tempo/espaço perceber e descrever um local distante independentemente da sua localização.  É uma habilidade que permite ao ‘espectador’ descrever uma localização geográfica remota a várias centenas de milhares de quilômetros (e ainda muito mais long, como num planeta diferente) de sua localização física – uma localização em que ele nunca esteve fisicamente.

Para encurtar a história, o programa Stargate foi extremamente bem-sucedido, respeitável e preciso para a coleta de informações. Após sua desclassificação em 1995, ou pelo menos desclassificação parcial, o Departamento de Defesa e os envolvidos revelaram uma taxa de sucesso excepcionalmente alta.

“Resumindo, ao longo dos anos, as críticas repetidas a protocolos, o refinamento de métodos e a replicação bem-sucedida desse tipo de visualização remota em laboratórios independentes produziram evidências científicas consideráveis ​​para a realidade do fenômeno [visualização remota]. Acrescentando a força desses resultados, foi a descoberta de que um número crescente de indivíduos demonstrava visualização remota de alta qualidade, muitas vezes para sua própria surpresa … O desenvolvimento dessa capacidade no Stanford Research Institute evoluiu a ponto de ser visitado pelo pessoal da CIA com nenhuma exposição anterior a tais conceitos teve um bom desempenho em condições controladas de laboratório”. ( fonte )

Vários visualizadores remotos desse programa, depois que foram desclassificados, subitamente começaram a falar muito sobre fenômenos extraterrestres. Uma das coisas discutidas foram as localizações de várias bases ET aqui na Terra. Um dos principais espectadores do programa visualizou com sucesso remotamente 4 ‘bases’ extraterrestres estacionadas na Terra. Um estava localizado abaixo do Monte Ziel, outro estava sob o Monte Perdido, na Espanha, outro estava sob o Monte Inyangani, no Zimbábue, e outro estava  sob o Monte Hayes, no Alasca. Você pode ler mais sobre essa história específica aqui .

Lyn Buchanan, um dos telespectadores remotos do exército no programa STARGATE, afirma que foi encarregado de descobrir informações sobre grupos extraterrestres que estavam / estão visitando o planeta. Ele também menciona essas bases. Você pode ler mais sobre isso aqui. ( fonte )

Esses nomes estão sempre presentes na sala de leitura eletrônica da CIA, para que você possa procurá-los e verificar sua credibilidade. Após a desclassificação do programa, a maioria das pessoas envolvidas no programa também se tornou pública.

Então, qual é o objetivo? O Monte Hayes fica ao lado de Tanana, no Alasca, de onde o ancião nativo fala (como mencionado anteriormente neste artigo). E com relação ao sobrinho, existem várias bases militares nas proximidades, como a Base da Força Aérea Eielson. 

É interessante que eu li essa história compartilhada pela Drª Clarke e depois me deparei com essa conexão com o programa de visualização remota.

Joe e eu recentemente nos sentamos e aprofundamos muito no assunto sobre as civilizações subterrâneas e como isso se relaciona com o fenômeno extraterrestre. Abaixo está um clipe da nossa discussão de uma hora sobre o tópico  The Collective Evolution Show.  Confira o clipe abaixo e, se você quiser assistir a transmissão inteira, poderá se inscrever no  CETV.

Outra história interessante, contada pela Dra Clarke, é a de Mary Winston. Aos 87 anos, ela era considerada uma das únicas artistas nativa tradicionais que ainda vivem. Há tantas histórias de anciãos indígenas sobre o Povo Estrela, que é realmente incrível e avassaladora. De acordo com Mary Winston:

“Temos uma história de que nossos ancestrais foram trazidos para esta Terra em grandes máquinas voadoras de metal pelo Povo das Estrelas. Os ancestrais viviam em um planeta frio, muito parecido com a região ártica. Então eles nos trouxeram aqui para colonizar este planeta. Naquela época, o gelo cobria a Terra. Não era como a Terra de hoje. Conhecíamos o Povo das Estrelas de nossos avós. As histórias foram transmitidas por milhares de anos. Fomos trazidos aqui pelo Povo das Estrelas que vive no topo do nosso mundo. Eles vivem sob o Pólo Norte. Esse é o topo do mundo. Meu avô conversou com eles quando ele estava vivo. Ele disse que se pareciam conosco, mas que tinham olhos maiores porque no planeta natal todos viviam no subsolo. Ele disse que quando fomos trazidos para cá pela primeira vez, tínhamos olhos grandes também, mas o sol e a neve fizeram nossos olhos ficarem pequenos”.

 

Clarke cita várias outras entrevistas muito interessantes com idosos anciões indígenas sobre a vida subterrânea em nosso planeta.

“Meu povo fala do Povo das Estrelas que veio até nós há muitas gerações. O povo das Estrelas trouxe ensinamentos espirituais, histórias e mapas do cosmos e eles os ofereceram livremente. Eles foram gentis, amorosos e deram um ótimo exemplo. Quando eles nos deixaram, meu povo diz que houve uma solidão como nenhuma outra. ”  ( fonte ) – Richard Wagamese, um dos principais autores e contadores de histórias do Canadá da Primeira Nação Wabaseemoong no noroeste de Ontário”.

Conclusão

Vários textos antigos de várias culturas mencionam seres de ‘outros mundos’ que existem dentro, no interior de nosso planeta. Um desses mundos, referenciado nas tradições budistas e hindus tibetanas, é Shambhala, que é descrito como um reino oculto dentro de nosso próprio planeta, um lugar que não entendemos e é difícil de encontrar. Nós realmente nunca estivemos lá embaixo, pelo menos até onde sabemos. É interessante imaginar como é a Terra em sua essência. Mesmo que instrumentos possam ser usados ​​para determinar a composição, vê-la em sua totalidade seria fascinante. Talvez não devamos ser tão rápidos em descartar essas histórias dos povos nativos contadas por seus anciões.


  • “NÃO ANDE ATRÁS DE MIM, TALVEZ EU NÃO SAIBA LIDERÁ-LO.
  • POR FAVOR, NEM ANDE EM MINHA FRENTE, TALVEZ EU NÃO SAIBA SEGUI-LO.
  • ANDE AO MEU LADO PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CRESCER E GALGAR OS DEGRAUS DA ELEVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.”  –   Provérbio Sioux

Muito mais informações, leitura adicional:


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.