browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Antártida: Cientistas detectam estrutura de Rocha Antiga deslocando o gelo na superfície

Posted by on 16/08/2019

Nas profundezas das terras congeladas da Antártida, cientistas descobriram antigas estruturas de placas tectônicas que estão tendo um enorme impacto nos padrões de derretimento ao redor da maior plataforma de gelo do mundo no continente da Antártida. As placas de rocha escondida, no lugar há centenas de milhões de anos, está controlando o fluxo de água ao redor da gigantesca plataforma de gelo Ross. Atualmente, essa plataforma funciona como um tampão crucial, impedindo que mais gelo da Antártida flutue e derreta no oceano.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Cientistas detectam uma estrutura de rocha antiga escondida abaixo da Antártida, deslocando o gelo na superfície

Por David Nield – Fonte: https://www.sciencealert.com/

Os pesquisadores detectaram a dita rocha graças às observações realizadas pelo IcePod, um sistema de varredura dedicado que mede o tamanho da plataforma de gelo, a espessura e a estrutura interna, e os sinais magnéticos e de gravidade da rocha no leito subjacente. 

Essencialmente, o IcePod pode espreitar através de centenas de metros (milhares de pés) de gelo para detectar estruturas rochosas subjacentes que os satélites não conseguem detectar.

gelo de ross 2

Uma vista da plataforma de gelo de Ross do IcePod. (Winnie Chu)

Como os pesquisadores relatam em seu recém-publicado estudo, uma fronteira geológica entre o leste e o oeste da Antártica criou uma divisão sob o continente, que está protegendo a plataforma de gelo de Ross de águas mais quentes e com mais derretimento.

“Percebemos que a fronteira geológica estava tornando o leito oceânico no lado leste da Antártida muito mais profundo que o oeste, e isso afeta o modo como a água do oceano circula sob a plataforma de gelo”, diz a geóloga marinha  Kirsty Tinto, da Universidade de Columbia.

Com a plataforma de gelo Ross reduzindo a deriva de cerca de 20% do gelo triturado da Antártida e liberando água para o oceano – o equivalente a um aumento do nível do mar global de cerca de 11,6 metros ou 38 pés – isso é uma descoberta importante.

Usando os dados geológicos coletados e a modelagem por computador, a equipe descobriu que a linha divisória tectônica impede que a água mais quente atinja a linha de aterramento da plataforma de gelo, onde se conecta com o fundo do mar.

CLIQUE PARA AMPLIAR

Ao mesmo tempo, as formações geológicas sob a plataforma de gelo de Ross podem acelerar o derretimento ao longo de sua borda leste durante os meses de verão, graças em parte a uma região de águas abertas chamada Ross Shelf Polynya.

“Descobrimos que a perda de gelo da plataforma de gelo de Ross e o fluxo do gelo adjacente são sensíveis a mudanças nos processos ao longo da frente de gelo, como o aumento do aquecimento no verão se o gelo do mar ou as nuvens diminuírem”disse um dos cientistas. Laurie Padman, da organização Earth & Space Research, em Seattle.

Entender os padrões de derretimento futuros do gelo em torno da Antártida e o impacto que eles terão, pelo aumento dos níveis de água dos oceanos, no resto do planeta exigirá dados detalhados em torno não apenas das condições locais de curto prazo perto da frente de gelo, mas também de longo prazo. mudanças acontecendo na circulação de águas profundas e quentes.

E esse é o objetivo do projeto ROSETTA-Ice, do qual este novo estudo faz parte. O trabalho continua a observar e medir os padrões de derretimento ao redor da plataforma de gelo de Ross, que cobre aproximadamente a mesma área da superfície da França – cerca de 480.000 quilômetros quadrados (185.322 milhas quadradas), da Antártida.

“Para entender a Antártida e como ela funciona, precisamos considerar a massa do gelo, o oceano, atmosfera e geologia, e como eles interagem em várias distâncias e escalas de tempo”, diz a glaciologista  Helen Amanda Fricker, do Scripps Institution of Oceanography, na Califórnia.

“O ROSETTA-Ice é um ótimo exemplo de como uma equipe eclética e interdisciplinar pode se unir para olhar para um sistema complexo e realmente mudar nossa compreensão de como ele funciona.” A pesquisa foi publicada na Nature Geoscience .


Image result for the end gifs

Isto é tudo pessoal, o Tempo acabou!

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da grande colheita se aproxima muito rapidamente ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes. Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“.  SAIBA MAIS no LINK 


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

One Response to Antártida: Cientistas detectam estrutura de Rocha Antiga deslocando o gelo na superfície

  1. Francisca

    Ótimo documentário, muito esclarecedor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.