Arábia Saudita se Afasta dos EUA e do domínio do Dólar

O poder global dos EUA assenta em alguns pilares fundamentais, alguns dos mais importantes dos quais são: (A) Domínio do dólar no comércio, (B) domínio do dólar em investimentos e finanças, (C) controle físico (militar) sobre o fornecimento de petróleo, e (D) acordos básicos para expandir ainda mais o controlo militar dos EUA em regiões estratégicas (e produtoras de petróleo).

Fonte: Global Research

Uma base fundamental para este exercício global do poder dos EUA é o acordo de petrodólares entre a Arábia Saudita e os EUA, desde 1974, há cincoenta anos.

A Arábia Saudita teria decidido não renovar o seu acordo de 80 anos de criação dos petrodólares com os EUA. Esta enorme má notícia para os EUA é censurada pelas PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação ocidentais, mas é noticiada hoje pelo Times of India.

Como consequência, não só o dólar, como moeda dominante no mundo, será severamente atingido. Os mercados de capitais dos EUA também serão atingidos, uma vez que o agora expirado acordo entre os EUA e a Arábia Saudita exigia que os rendimentos em dólares sauditas fossem reciclados e reinvestidos nos EUA, principalmente sob a forma de compra pelos sauditas de obrigações [títulos] do Tesouro americano de 30 anos e de baixo rendimento.

Mas ainda mais, o papel dos EUA como “protetor” militar da Arábia Saudita contra o Irã foi agora revogado pela Arábia Saudita.

A Arábia Saudita analisou que a segurança saudita é melhor servida pela continuação da colaboração pacífica com o Irã – e que os interesses econômicos sauditas são melhor servidos pela diversificação dos interesses financeiros do dólar para uma gama ilimitada de outras moedas e equivalentes de moeda.

O acordo [Petrodólares] EUA-Saudita foi durante 50 anos uma pedra angular do poder global dos EUA – os principais pontos do agora expirado acordo de petrodólares EUA-Saudita de 8 de Junho de 1974 foram :

1. Preço exclusivo do petróleo em dólares americanos : Em Junho de 1974, a Arábia Saudita concordou em precificar e comercializar petróleo exclusivamente em dólares americanos, o que levou outros países produtores de petróleo a adotarem a mesma prática, criando uma procura global robusta pelo dólar americano.

2.  Apoio Militar e Garantias de Segurança : Os EUA forneceram apoio militar e garantias de segurança à Arábia Saudita, garantindo a sua estabilidade e proteção contra ameaças externas.

3. Investimento em ativos dos EUA : A Arábia Saudita concordou em investir as suas receitas petrolíferas em ativos dos EUA, principalmente títulos do Tesouro dos EUA de longo prazo, o que ajudou a financiar os déficits fiscais de de balança de pagamentos dos EUA e a estabilizar o dólar.

4. Reciclagem de Petrodólares : O acordo envolveu o reinvestimento das receitas petrolíferas da Arábia Saudita e de outros países da OPEP em títulos do Tesouro dos EUA, proporcionando aos EUA um influxo consistente e constante de capital para financiar os seus déficits e manter suas taxas de juro mais baixas.

O contrato expirou em 9 de junho de 2024 e não há confirmação oficial de sua renovação. A Arábia Saudita decidiu não renovar o acordo, o que significa que passará a vender petróleo em múltiplas moedas, incluindo o RMB chinês, o euro, o iene e o yuan, em vez de exclusivamente em dólares americanos. Veja isso .

Todos os quatro pontos acima foram agora cancelados pela Arábia Saudita – num momento em que os EUA pensavam que tinham a Arábia Saudita no bolso com um falso “acordo de paz” com os judeus de Israel.

O mais surpreendente é que o poder global dos EUA diminuiu tanto que a Arábia Saudita é capaz de deixar expirar este acordo com os EUA. Há apenas uma década, qualquer tentativa saudita nesse sentido teria sido rapidamente recebida com a promoção [pela CIA] de um golpe palaciano instigado pelos EUA e com a remoção do governante saudita de plantão. Mas já não mais é assim – o príncipe saudita MbS é demasiado forte para os EUA fazerem isso.

A guerra na Ucrânia, o genocídio palestino em Gaza, a luta por Taiwan, a disputa com a China, o apoio diplomático na ONU – em todo o lado, os EUA estão perdendo o seu antigo status de potência e se transformando apenas num pais “acordado”, transgênero, LGBTQ+, DEI, ESG, Emissão Zero CO², com suas forças armadas festejando o “mês do Orgulho Gay”.

Karsten Riise é mestre em Ciências (Econ) pela Copenhagen Business School e possui formação universitária em Cultura e Línguas Espanholas pela Universidade de Copenhague. Ele é o ex-vice-presidente sênior e diretor financeiro (CFO) da Mercedes-Benz na Dinamarca e na Suécia. Ele é um colaborador regular da Global Research.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth