As décadas de impunidade e criminalidade arbitrária do ‘Tio Sam’ finalmente acabaram

O edifício do poder imperial americano nunca foi desafiado em sua fundação. Está sendo agora. A Rússia e a China estão determinadas a responsabilizar os perpetradores americanos da sabotagem do gasodutos Nord Stream 1 e 2. Os dias do Tio Sam – na verdade décadas – de criminalidade arbitrária acabaram. Haverá um inferno a pagar quando a tirania imperialista dos psicopatas em Washington atingir a parede da realidade.

As décadas de impunidade e criminalidade arbitrária do ‘Tio (Psicopata) Sam’ finalmente acabaram

Fonte: Strategic-Culture.org – Finian Cunningham

Várias semanas se passaram com os Estados Unidos e seus lacaios ocidentais bloqueando o Conselho de Segurança das Nações Unidas, contorcendo-se e resistindo aos apelos de Moscou e Pequim para uma investigação criminal internacional sobre a sabotagem dos gasodutos Nord Stream 1 e 2 do Mar Báltico que foram explodidos em setembro.

Uma série de observadores independentes, como o professor de economia americano Jeffrey Sachs e o ex-analista da CIA Ray McGovern, concordaram com o relatório investigativo publicado em 8 de fevereiro pelo renomado jornalista Seymour Hersh, que afirma que o [os manipuladores do senil] presidente dos EUA, [‘Dementia’ Joe] Biden, e sua equipe sênior da Casa Branca ordenaram o Pentágono para destruir o gasoduto russo que corria ao longo do leito do Mar Báltico desde a Rússia à Alemanha.

A Rússia e a China insistem em não permitir que esse assunto vital seja ignorado. Eles querem uma investigação adequada, responsabilidade internacional e processo criminal. Moscou e Pequim têm razão em insistir nisso. A presunção de impunidade de Washington e de seus aliados ocidentais já dura décadas demais. A responsabilidade para aqui e tanto a Rússia quanto a China são fortes o suficiente para garantir que os Estados Unidos não possam ameaçar, chantagear ou torcer o braço para escapar do escrutínio.

O projeto Nord Stream 1 e 2 é uma importante e incrível obra de engenharia e infraestrutura civil internacional, custando mais de US$ 20 bilhões para ser construído ao longo de mais de uma década. Com 1.200 quilômetros de extensão sob o Mar Báltico, é um impressionante feito de engenharia, simbolizando e testemunhando os benefícios mútuos da boa vizinhança e do comércio cooperativo.

Para os Estados Unidos, explodir este oleoduto para tirar a Rússia do mercado europeu de energia para que ele próprio pudesse se intrometer com seus suprimentos de gás muito mais caros é um ato chocante de terrorismo de estado e criminalidade bruta. 

Também é potencialmente um ato de guerra contra a Rússia, de acordo com as leis internacionais e uma sabotagem terrorista contra supostos aliados europeus cujos cidadãos agora estão sofrendo com a miséria econômica devido às crescentes contas de energia e aumento do custo de vida e dos alimentos. Os trabalhadores alemães fecharam a semana passada toda a economia do país numa greve geral devido a protestos industriais sobre empresas em colapso e custo de vida insuportável.

Claro, a sabotagem do Nord Stream 1 e 2 é uma questão urgente de justiça básica, responsabilidade por um crime atroz, bem como enormes reparações financeiras internacionais. É quase hilário, para não dizer hipócrita como o autoproclamado protagonista americano da “ordem global baseada em regras” está procrastinando desesperadamente sobre um flagrante incidente de terrorismo e caos.

Mas mais do que a obrigação essencial da justiça é o legado da impunidade. O fato de os perpetradores de tal ato terrorista arbitrário não serem responsabilizados estabelece um perigoso precedente. Caso contrário, o que está impedindo os terroristas de estado de repetir atos igualmente descarados de sabotagem e belicismo? O próprio conceito de direito internacional e da Carta das Nações Unidas foi demolido, não simplesmente minado.

O incidente do gasoduto Nord Stream abre potencialmente uma era de ilegalidade desenfreada e banditismo estatal – por uma superpotência nuclear, os Estados Unidos, usando seus lacaios ocidentais como cobertura. Os meios de comunicação, as pre$$tituta$ ocidentais, em sua relutância em investigar, também são expostos como nada mais do que canais de propaganda a serviço dos seus mestres imperiais.

A destruição do gasoduto é uma reminiscência da década de 1930 durante uma época de expansionismo fascista da Alemanha nazista e outras nações imperialistas, incluindo Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Itália, Espanha e Japão [todos hoje membros do G-7…], entre outros. A Alemanha nazista não foi a única culpada durante aquele período anterior de barbárie, apesar do revisionismo oficial da história ocidental para se absolver.

Após a Segunda Guerra Mundial em meio às cinzas da destruição internacional e até 85 milhões de mortes, as Nações Unidas e sua Carta foram fundadas para consagrar ostensivamente a restrição de que não haveria repetição da ilegalidade e do terrorismo de Estado no estilo dos anos 1930.

Essa aspiração elevada sempre foi uma ilusão patética. As décadas após a Segunda Guerra Mundial não interromperam o belicismo imperialista e os subterfúgios executados principalmente pelos Estados Unidos e seus aliados ocidentais, em particular a Grã-Bretanha. 

Que escárnio que aos EUA e a Grã-Bretanha tenham sido concedidos como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, uma vez que essas duas potências desonestas foram amplamente responsáveis ??por inúmeras guerras pós-1945. As guerras de décadas no Vietnã, Iraque e Afeganistão são apenas os crimes de guerra mais notórios do “relacionamento especial” anglo-americano.

Durante as décadas da Guerra Fria, a União Soviética forneceu um controle limitado sobre as piores depredações dos imperialistas ocidentais. A República Popular da China não era forte o suficiente para atuar como uma força de dissuasão.

Por cerca de duas décadas após o fim oficial da Guerra Fria em 1991, após a dissolução da União Soviética, os governantes dos Estados Unidos perceberam ter uma licença para “domínio de espectro total”. Washington embarcou em um frenesi de guerras sucessivas e sem fim que até recentemente prevaleceram.

A primeira verificação da realidade sobre a violência desenfreada dos imperialistas dos EUA e seus capangas da OTAN foi a intervenção militar da Rússia na Síria no final de 2015 para pôr fim às maquinações ocidentais [e de expansionismo territorial de Israel] para mais uma operação de mudança de regime. Washington e seus cúmplices fracassaram em seus objetivos nefastos na Síria, embora os americanos persistam em ocupar ilegalmente parte do país árabe e roubar seus recursos petrolíferos.

A Ucrânia é a plena manifestação do fim da impunidade para os Estados Unidos.

A Rússia sob Vladimir Putin recuperou a força militar que foi perdida com a dissolução da União Soviética. De certa forma, a Rússia atual é ainda mais formidável devido ao desenvolvimento de novas formas de armas, como mísseis hipersônicos e defesas aéreas S-500. Além disso, a economia da Rússia está em uma base mais sólida do que a União Soviética, que dependia excessivamente do militarismo. Assim, Moscou foi capaz de resistir ao ataque econômico que Washington e seus aliados tentaram armar sobre o conflito na Ucrânia.

Igualmente importante, a China ascendeu ao status de superpotência econômica e militar. Juntas, a Rússia e a China agora representam uma força de compensação invulnerável para os Estados Unidos e seus aliados ocidentais.

Por quase oito décadas após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos estavam relativamente livres para correr e matar descontroladamente, destruindo a lei internacional e a soberania das nações, acumulando milhões de mortes e aterrorizando o planeta com sua tirania narcisista pseudo “benigna”.

O conflito na Ucrânia, onde a Rússia finalmente disse “basta” a anos de agressão da OTAN liderada pelos EUA, está demonstrando que os dias de impunidade finalmente acabaram para o pretenso hegemon americano.

Washington aumentou de forma imprudente as apostas a uma altura insustentável na Ucrânia. Apostou a casa – e a fazenda e a safra sequer plantada – em subjugar a Rússia para seu próximo movimento imperial insaciável contra a China. Mas Moscou e Pequim estão denunciando o blefe do Tio Sam. A irresponsabilidade dos psicopatas de Washington DC pára aqui.

O edifício do poder imperial americano nunca foi desafiado em sua fundação, até agora, pois já ouvimos estalar os seus alicerces, que estão podres. 


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas ‘acordados’ da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] pela QUEDA DE UM ASTEROIDE estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7, do qual dois marionetes já caíram, os ditosPaíses de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal” e “acordado”}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth