Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Asteroide enigmático muda de cor e age como cometa surpreendendo cientistas

Em dezembro passado, os cientistas descobriram um asteroide  “ativo” dentro do “Cinturão de Asteroides”, imprensado entre as órbitas de Marte e Júpiter. A rocha espacial, designada pelos astrônomos como Asteroide 6478 Gault, parecia estar deixando duas trilhas de poeira em seu rastro – comportamento ativo que está associado a cometas, mas raramente visto em asteroides.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Pela primeira vez, astrônomos descobrem um asteroide no ato de mudar de cor

O asteroide provavelmente está lançando poeira avermelhada, revelando uma superfície azul fresca por baixo.

Enquanto os astrônomos ainda estavam intrigados com a causa da atividade semelhante a um cometa do  Asteroide 6478 Gault, uma equipe liderada pelo MIT agora relata mais uma surpresa em que foi constatado que o asteroide foi pego no ato de mudar de cor, no espectro infravermelho próximo, de vermelho para azul. É a primeira vez que os cientistas observam um asteroide que muda de cor em tempo real.

“Foi uma surpresa muito grande”, diz Michael Marsset, um pós-doutorado no Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias (EAPS) do MIT. “Acreditamos que testemunhamos o asteroide perdendo sua poeira avermelhada no espaço e estamos vendo surgir as novas camadas azuis subjacentes do asteroide”.

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Marsset e seus colegas também confirmaram que o asteroide é rochoso – prova de que a cauda do asteroide, embora pareça cometa, é causada por um mecanismo completamente diferente, já que os cometas não são rochosos, mas são mais como bolas de neve soltas de gelo e poeira.

“É a primeira vez que eu vejo que vemos um corpo rochoso emitindo poeira, um pouco como um cometa”, diz Marsset. “Isso significa que provavelmente algum mecanismo responsável pela emissão de poeira é diferente dos cometas e diferente da maioria dos outros asteroides ativos da faixa principal”. Marsset e seus colegas, incluindo a cientista de pesquisa da EAPS Francesca DeMeo e o professor Richard Binzel, publicaram seus resultados hoje na revista Astrophysical Journal Letters .

Uma pedra com duas caudas

Os astrônomos descobriram pela primeira vez o Asteroide 6478 Gault em 1988 e nomearam o asteroide em homenagem ao geólogo planetário Donald Gault. Até recentemente, a rocha espacial era vista como relativamente média, medindo cerca de 4 km de largura e orbitando junto com milhões de outros pedaços de rocha e poeira na região interna do cinturão de asteroides, a 214 milhões de milhas (344 milhões de km) do sol.

Em janeiro, imagens de vários observatórios, incluindo o Telescópio Espacial Hubble da NASA, capturaram duas caudas estreitas, semelhantes a cometas, atrás do Asteroide 6478 Gault. Os astrônomos estimam que a cauda mais longa se estende por meio milhão de quilômetros, enquanto a cauda mais curta tem cerca de um quarto desse comprimento. Eles concluíram que as caudas devem consistir em dezenas de milhões de quilos de poeira, ativamente lançadas pelo asteroide, para o espaço. Mas como? A questão reacendeu o interesse em Gault, e os estudos desde então descobriram casos passados ??de atividade semelhante do asteroide.

Diagrama da órbita do navegador da base de dados JPL de corpo pequeno para o Asteróide 6478 Gault em 2019-01-01 às 0000 UTC (JPL-NASA)

“Conhecemos cerca de um milhão de corpos entre Marte e Júpiter, e talvez cerca de apenas 20 que estão ativos no cinturão de asteroides”, diz Marsset. “Então isso é muito raro.”

Ele e seus colegas juntaram-se à busca de respostas para a atividade de Gault em março, quando garantiram o tempo de observação no Telescópio Infravermelho da NASA (IRTF) em Mauna Kea, Havaí. Durante duas noites, eles observaram o asteroide e usaram um espectrógrafo de alta precisão para dividir a luz de entrada do asteroide em várias frequências ou cores, cujas intensidades relativas podem dar aos cientistas uma idéia da composição de um objeto.

A partir de suas análises, a equipe determinou que a superfície do asteroide é composta principalmente de silicato, um material seco e rochoso, semelhante à maioria dos outros asteroides e, mais importante, não é como a maioria dos cometas.

Os cometas geralmente vêm das bordas muito mais frias do sistema solar. Quando eles se aproximam do sol, qualquer gelo superficial instantaneamente sublima ou vaporiza em gás, criando a cauda característica do cometa. Como a equipe de Marsset descobriu que o Asteroide 6478 Gault é um corpo seco e rochoso, isso significa que provavelmente está gerando poeira por algum outro mecanismo ativo.

Uma nova mudança

Enquanto a equipe observava o asteróide, eles descobriram, para sua surpresa, que a rocha estava mudando de cor no infravermelho próximo, de vermelho para azul. “Nunca vimos uma mudança tão dramática como essa em um período tão curto de tempo”, diz a co-autora, Drª DeMeo.

Os cientistas dizem que provavelmente estão vendo a poeira da superfície do asteroide, que ficou vermelha ao longo de milhões de anos de exposição ao sol, sendo ejetada para o espaço, revelando uma superfície nova e menos irradiada por baixo, que parece azul em comprimentos de onda no infravermelho próximo.

“Curiosamente, você só precisa remover uma camada muito fina para ver uma mudança no espectro”, diz DeMeo. “Pode ser tão fino quanto uma única camada de grãos com apenas um mícron de profundidade”.

Então, o que poderia estar fazendo com que o asteroide mudasse de cor? A equipe e outros grupos que estudam o  Asteroide 6478 Gault acreditam que o motivo da mudança de cor e a atividade semelhante ao cometa do asteroide  provavelmente se deve ao mesmo mecanismo: um giro rápido. O asteroide pode estar girando rápido o suficiente para retirar camadas de poeira de sua superfície, através de pura força centrífuga. Os pesquisadores estimam que seria necessário um período de rotação de duas horas, girando a cada duas horas, contra o período de 24 horas da Terra.

“Cerca de 10% dos asteroides giram muito rápido, ou seja, com um período de rotação de duas a três horas, e é provavelmente devido ao sol que os gira”, diz Marsset.

Esse fenômeno de rotação é conhecido como o efeito YORP (ou o efeito Yarkovsky-O’Keefe-Radzievskii-Paddack, em homenagem aos cientistas que o descobriram), que se refere ao efeito da radiação solar, ou fótons, em corpos pequenos e próximos como asteroides. 

Enquanto os asteroides refletem a maior parte dessa radiação de volta ao espaço, uma fração desses fótons é absorvida, depois reemitida como calor e também como momento. Isso cria uma pequena força que, ao longo de milhões de anos, pode fazer com que o asteroide gire mais rápido.

meteororússia1
Explosão de asteroide em Chelyabinsk, em 15/02/2013, Rússia.com 20 metros e 17 mil toneladas de peso.

Os astrônomos observaram o efeito YORP em um punhado de asteroides no passado. Para confirmar que um efeito semelhante está agindo no Asteroide 6478 Gault, os pesquisadores terão que detectar seu giro através de curvas de luz – medições do brilho do asteroide ao longo do tempo. O desafio será ver através da considerável cauda de poeira do asteroide, que pode obscurecer partes importantes da luz dele.

A equipe de Marsset, juntamente com outros grupos, planeja estudar o asteroide para obter mais pistas sobre a atividade, quando ela se tornar visível no céu.

“Acho que [o estudo do grupo] reforça o fato de que o cinturão de asteroides é um lugar realmente dinâmico”, diz DeMeo. “Enquanto os campos de asteroides que você vê nos filmes, todos se chocando, são um exagero, definitivamente há muita coisa acontecendo por aí a cada momento.”

Esta pesquisa foi financiada, em parte, pelo Programa de Astronomia Planetária da NASA.


“E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar. E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte dos navios. E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas”.  –   Apocalipse 8:8-11


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *