browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Ataque para Aniquilar as Pequenas Empresas e os empregos que elas geram

Posted by on 13/12/2020

Este ano, o medo de uma pandemia [fake] mortal levou a classe dominante a espalhar ordens de bloqueio autoritário, distanciamento social, uso forçado de “focinheiras”, etc. O deus da ciência, como uma sarça ardente, disse-lhes que tirassem as sandálias e adotassem políticas de recessão generalizada.  Um público paranoico, com medo e em pânico obedeceu rápida e bovinamente [como sempre acontece com a respostas das massas aos “problemas criados pela elite”].

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Ataque Sistemático para Aniquilar as Pequenas Empresas e os empregos que elas geram

Os seres humanos têm lutado contra todos os tipos de vírus muito antes da roda ser inventada. De acordo com os arqueólogos, uma epidemia de movimento rápido há cerca de 5.000 anos destruiu uma aldeia pré-histórica no que hoje é o nordeste da China. Os cadáveres foram colocados dentro de uma residência – o Hamin Mangha – que mais tarde foi incendiada.

Outro sepultamento em massa, no local de Miaozigou, ocorreu mais ou menos na mesma época e na mesma área geral. Juntas, essas descobertas sugerem que houve um rápido surto de uma doença infecciosa aguda. Uma epidemia devastou toda a região.

A disseminação viral de patógenos submicroscópicos tem o potencial de alterar o fluxo da história. Os soldados que retornaram ao Império Romano após a guerra contra a Pártia [região que hoje abrange parte da Turquia, o Irã e Paquistão] em 165 d.C. trouxeram de volta à “cidade eterna” mais do que os despojos da conquista. 

Junto eles levaram para Roma a Peste Antonina, que se suspeita ter sido varíola ou sarampo, custou cerca de 5 milhões de vidas. A epidemia teve consequências devastadoras em todo o Império Romano; talvez antecipando o fim da Pax Romana e o seu império.

Cerca de 1.350 anos depois, as forças espanholas, lideradas por Hernán Cortés, entregaram o presente da varíola ao conquistar Tenochtitlán, capital asteca de Montezuma. Cerca de uma década depois, os conquistadores espanhóis espalharam a praga aos Incas. Estima-se que 90 por cento da população nativa dos Andes foi morta pela peste. As civilizações asteca e inca foram rapidamente varridas do mapa e substituídas pela “Nova Espanha católica”.

Tribunal do Sinistro

Peste de Atenas. Praga de Cipriano. Peste de Justiniano. Morte negra. Epidemia de Cocoliztli.  Grande praga de Londres. Grande praga de Marselha. Peste russa. Epidemia de febre amarela na Filadélfia. Epidemia de pólio americana. Gripe espanhola. Gripe asiática. Gripe suína. Epidemia de Ebola [criada em laboratório] na África Ocidental. Epidemia do vírus Zika. E muitas outras. [a doença epidêmica que mais dizima a humanidade, É A IGNORÂNCIA…]

Na verdade, as pragas vêm e vão. No entanto, elas podem dispensar consequências duradouras. Às vezes, como é o caso do atual coronavírus, as pandemias têm muito menos a ver com o vírus do que com a mudança social que o vírus ativa. Marco Aurélio [mostrado no ótimo filme “Gladiator” com Russel Crowe], o último dos Cinco Bons Imperadores romanos, na época da Peste Antonina, escreveu o seguinte em suas Meditações :

“Ter sempre em mente que tudo isso já aconteceu antes. E acontecerá de novo – a mesma trama do começo ao fim, a encenação idêntica. Produza-os em sua mente, como você os conhece por experiência ou pela história: a corte de Adriano, de Antonino. As cortes de Filipe, Alexandre [o Grande] e Creso. Tudo igual. Apenas as pessoas são diferentes”.

Talvez sim. Mas a trama em 2020 é encenada no sinistro tribunal das trevas. O medo de uma pandemia mortal abriu a porta para os loucos passarem. Ao entrar no tribunal, eles colocam em prática os seus planos sinistros de controle populacional e de aumento da dependência do governo em troca de suas liberdades.

De acordo com os governos estaduais e municipais, os direitos constitucionais não são mais direitos de forma alguma; eles agora são privilégios [para os camponeses que usam focinheiras]. E eles foram suspensos em seu melhor interesse. Para mantê-lo “seguro”.

Além disso, se você quer trabalhar, convidar outros parentes para jantar, adorar seu deus em uma congregação ou andar na natureza sem focinheira, você é um grande egoísta. Você não está fazendo a sua parte para impedir a propagação do vírus.

Klaus Schwab, um louco e fundador do Fórum Econômico Mundial (WEF), é um homem de governo totalitário baseado nas ciências sociais. Indivíduos que pensam por si mesmos e pagam por sua própria vida não fazem parte de seu plano mestre. Ele prefere um público bovinamente dócil, subsistindo um degrau acima da miséria, sem posses e direitos que seja totalmente dependente de um estado global em um governo estilo Nova Ordem Mundial.

Em seu novo livro, “COVID-19: The Great Reset”, Schwab e seu co-autor admitem que a COVID-19 é “uma das pandemias menos mortais dos últimos 2.000 anos”[e esta correto pois o índice de mortes é de menos de 0,30%]  No entanto, a classe dominante agiu como se fosse a uma nova varíola. O que aconteceu?

Um ataque intencional e viral às pequenas empresas

A pandemia fake pelo COVID-19 forneceu a cobertura perfeita para os discípulos de Schwab atacarem uma das expressões remanescentes de liberdade e independência da América e do ocidente: a livre iniciativa e as pequenas empresas. Com os bloqueios, locdowns, distanciamento social, imposição do uso de focinheiras para os camponeses, os políticos podem escolher quais empresas sobrevivem e quais não existirão mais, sempre de acordo com os seus mestres de marionetes. Eles decidem quem é essencial e quem não é.

Em geral, as grandes corporações, tendo os seus interesses alinhados [impostos] aos dos políticos, sempre são consideradas essenciais. As pequenas empresas não. O Walmart vive e cresce em meio a crise. A barbearia de Dick morre e o Dick também. O McDonald’s sobrevive e cresce. O Tacos de Tito não sobrevive e ele também morre e seus funcionários ficam sem emprego e dependentes da ajuda do estado.

Além do mais, a legislação com a suposta intenção de impedir a disseminação do coronavírus devastou todas as pequenas empresas. Cerca de 100.000 pequenas empresas nos EUA fecharam definitivamente. Ao mesmo tempo, as grandes corporações estão obtendo lucros recordes.

Uma das leis mais tirânicas, que está agindo como um ataque viral às pequenas empresas, é algo calorosamente chamado de Ato de Resposta ao Coronavírus das Famílias Primeiro (FFCRA). O advogado Ash Staub explica:

“O FFCRA, aprovado em março deste ano, exige que as empresas forneçam duas semanas de licença médica remunerada para funcionários em quarentena e / ou funcionários com sintomas relacionados ao COVID-19. Também requer duas semanas de licença por doença remunerada a dois terços da taxa normal de pagamento para funcionários que precisam cuidar de indivíduos em quarentena, como parentes idosos ou cônjuges. Além disso, os empregadores também devem conceder dez semanas de licença prolongada, também a dois terços do salário normal, para funcionários que cuidam de seus filhos devido ao fechamento de escolas.

“O FFCRA se aplica apenas a empregadores/empresas com menos de 500 funcionários.

“Assim, o FFCRA impôs obrigações financeiras às pequenas empresas enquanto isentava as grandes empresas das mesmas obrigações. As pequenas empresas são forçadas a pagar os custos de conformidade com o FFCRA, enquanto as grandes empresas não. As pequenas empresas correm o risco de processos judiciais relacionados ao FFCRA; grandes empresas, não. O FFCRA claramente representa uma desvantagem para as pequenas empresas, e esperar que elas incorram nos custos do FFCRA enquanto suas receitas despencam e seus lucros de competição corporativa é uma receita para a falência generalizada de pequenas empresas. ”

E para cada pequena empresa que é esmagada por regras autocráticas, há a correspondente perda dos sonhos e das iniciativas do proprietário e do sustento de todos os seus funcionários. Mas isso não é tudo. Também denota outro passo em troca de abdicar à liberdade em direção ao controle e dependência do estado… e para um mundo mais escuro, medieval e mergulhado em trevas onde os camponeses usando focinheiras dependerão cada vez mais dos seus mestres ….

Atenciosamente, MN Gordon – para Economic Prism


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.