browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Big Pharma, Merck é processada por mentir sobre a mortal Vacina Gardasil HPV

Posted by on 28/08/2020

Uma jovem de 19 anos entrou com um processo contra a gigante farmacêutica Merck, alegando que a empresa enganou o FDA, legisladores, os médicos e mães sobre a segurança e eficácia de sua vacina Gardasil e causou-lhe lesões permanentes. De acordo com o Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS), mais de 64.000 notificações de eventos adversos foram relatados depois que as pessoas receberam a vacina Gardasil da Merck. Apenas um por cento dos ferimentos da vacina são relatados. Por que exigir esta vacina?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Processo contra a Merck KGaA por mentir para médicos e mães sobre a mortal vacina HPV Gardasil

Fonte:  https://www.collective-evolution.com/

Por Arjun Walia


Grupo Merck: a marca é comumente conhecido como Merck, é uma empresa alemã transnacional químicafarmacêutica e de ciências da vida com sede em Darmstadt , com cerca de 56.000 funcionários e presente em 66 países. O grupo inclui cerca de 250 empresas; a principal empresa é a Merck KGaA na Alemanha. A Merck foi fundada em 1668 e é a empresa química e farmacêutica mais antiga do mundo, bem como uma das maiores empresas [Big Pharma] farmacêuticas do mundo. A Merck opera na Europa , África , Ásia , Oceania e Américas.  Possui importantes centros de pesquisa e desenvolvimento em Darmstadt, Boston , Tóquio e Pequim. A Merck foi pioneira na fabricação comercial de morfina no século 19 e por um tempo deteve o monopólio virtual da cocaína.


O que aconteceu:  o escritório de advocacia nacional Baum Hedlund Aristei & Goldman abriu um processo em 19 de agosto contra a gigante farmacêutica Merck, em nome de uma mulher de 19 anos que alega que a empresa enganou o F.D.A., legisladores, os médicos e mães sobre o segurança e eficácia de sua vacina Gardasil. De acordo com o Children’s Health Defense:

“o processo afirma que a Merck minimizou propositalmente o risco dos ingredientes da VACINA Gardasil, incluindo um composto de alumínio patenteado (uma neurotoxina potente) e partículas de DNA secretas e potencialmente perigosas”. 

O nome da demandante é Julia Balasco, e ela alega que sofreu e continua a sofrer “lesões físicas graves e permanentes, como uma doença autoimune conhecida como síndrome de taquicardia ortostática postural (POTS) após receber múltiplas injeções  da vacina ) Gardasil contra o papilomavírus humano (HPV”

Os advogados  Bijan Esfandiari ,  Nicole KH Maldonado ,  Michael L. Baum , o  co-advogado Robert F. Kennedy, Jr  e o advogado local  Christopher E. Hultquist,  da Hultquist Law in Providence, entraram com o processo no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Rhode Island em nome da Sra. Balasco, que alega que os ferimentos da vacina foram tão graves e debilitantes que ela ficou fisicamente incapaz de frequentar a maior parte do ensino médio. O número do caso judicial contra a Merck é  1: 20-cv 00364 .

Aparentemente, a Merck falhou em testar adequadamente a vacina Gardasil antes que essa vacina contra o HPV fosse acelerada e depois administrada a milhões de meninas e meninos em todo o mundo. Além disso, a Merck sabia ou tinha motivos para saber que sua vacina nem mesmo era eficaz, mas não alertou a comunidade médica nem o público. “A empresa ocultou informações erroneamente e fez declarações falsas sobre a segurança e eficácia do Gardasil.”

Por que isso é importante:  Isso é importante porque não é um incidente isolado. Lesões como resultado da vacinação contra o HPV aconteceram bastante, e isso inclui várias mortes. A vacina contra o HPV está constantemente sob o escrutínio de publicações científicas revisadas por diversos pesquisadores independentes.

Por exemplo, um estudo   publicado na  Clinical Rheumatology  expõe como os fabricantes de vacinas usaram placebos falsos em ensaios clínicos para ocultar uma ampla gama de riscos devastadores associados às vacinas contra o HPV. Em vez de usar placebos inertes genuínos e comparar os impactos à saúde ao longo de vários anos, como é necessário para a maioria das novas aprovações de medicamentos, a Merck e a GlaxoSmithKline aumentaram seus placebos com a adição de um adjuvante neurotóxico de alumínio e reduziram os períodos de observação para alguns meses.

Mary Holland, Mary Holland, JD, que recentemente se aposentou como diretora da Escola de Direito da NYU, publicou um livro sobre esse tipo de atividade por uma grande indústria farmacêutica. O livro é intitulado “The HPV Vaccine On Trial: Seeking Justice For A Generation Betrayed”.

Novamente, existem vários exemplos de lesões da vacina contra o HPV, razão pela qual o Japão, por exemplo, parou de recomendá-la. “Sacrificial Virgins” é um dos vários filmes que aborda uma questão que continua a não ser reconhecida e fornece mais exemplos.

Jennifer Robi é uma ex-atleta e acadêmica de 24 anos que está confinada a uma cadeira de rodas desde que recebeu sua terceira vacina do Gardasil aos dezesseis anos. Ela sofre contínuas contrações neuro / musculares não controladas (espasmos) e síndrome de taquicardia ortostática postural (POTS) e muitos outros sintomas de desregulação autoimune sistêmica. Você pode ler mais sobre essa trágica história aqui .

Um novo estudo  publicado na  The Royal Society of Medicine é um dos vários estudos que surgiram ao longo dos anos questionando a eficácia da vacina contra o HPV. Os pesquisadores realizaram uma avaliação dos ensaios de eficácia de fase 2 e 3 publicados em relação à prevenção do câncer cervical e sua análise mostrou que “os próprios ensaios geraram incertezas significativas que minam as alegações de eficácia” nos dados que usaram. 

Os pesquisadores enfatizaram que “ainda é incerto se a vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) previne o câncer cervical, pois os ensaios não foram projetados para detectar esse resultado, que leva décadas para se desenvolver”. Os pesquisadores apontam que os ensaios usados ​​para testar a vacina podem ter “superestimado” a eficácia da vacina. Os autores apontam que era até questionável se a vacina previne lesões pré-cancerosas, quanto mais câncer. Veja aqui .

Na verdade, há evidências que sugerem que as taxas de câncer cervical aumentaram desde a introdução da vacina, e já sabemos que se uma mulher foi exposta a uma infecção por HPV antes da vacina, suas chances de desenvolver câncer com a inoculação da vacina aumentam em quase 50 por cento .

Também escrevi recentemente sobre a mãe e o pai de Christopher Bunch, na época um menino de 14 anos, que eles afirmam ter morrido como resultado direto da vacina contra o HPV. A família recebeu recentemente uma carta da Merck, fabricante das vacinas. Você pode ler mais sobre essa história aqui .

Outro caso sobre quem escrevemos é Colton Barrett, que tirou a própria vida depois de ser incapaz de lidar com as sequelas da vacina Gardasil. Você pode ler mais sobre isso e assistir a uma entrevista com ele aqui .

Um estudo  publicado em 2013 na  Current Pharmaceutical Design  realizou uma revisão dos testes de vacinascontra o HPV pré e pós-licenciamento para avaliar as evidências de sua eficácia e segurança. Eles descobriram que:

O desenho dos ensaios clínicos da vacina contra o HPV e a interpretação dos dados dos resultados de eficácia e segurança foram amplamente inadequados. Além disso, observamos evidências de relatórios seletivos de resultados de ensaios clínicos (ou seja, exclusão de números de eficácia de vacina relacionados a subgrupos de estudo nos quais a eficácia pode ser menor ou mesmo negativa de publicações revisadas por pares). Diante disso, o otimismo generalizado em relação aos benefícios de longo prazo das vacinas contra o HPV parece se basear em uma série de suposições não comprovadas (ou que estão em desacordo com a evidência factual) e na interpretação incorreta significativa dos dados disponíveis.

Por exemplo, a alegação de que a vacinação contra o HPV resultará em uma redução de aproximadamente 70% dos cânceres cervicais é feita apesar do fato de que os dados dos ensaios clínicos não demonstraram até o momento que as vacinas realmente preveniram um único caso de câncer cervical (muito menos a morte por câncer cervical), nem que as extrapolações baseadas em marcadores substitutos excessivamente otimistas sejam justificadas. Da mesma forma, a noção de que as vacinas contra o HPV têm um perfil de segurança impressionante só é apoiada por um design altamente falho de ensaios de segurança e é contrária ao acúmulo de evidências de bancos de dados de vigilância de segurança de vacinas e relatos de casos que continuam a vincular a vacinação contra o HPV a resultados adversos graves (incluindo morte e deficiência permanente).

Concluímos, portanto, que a redução adicional dos cânceres cervicais não pode ser melhor alcançada otimizando o rastreamento cervical (que não apresenta tais riscos) e visando outros fatores da doença, em vez de confiar em vacinas com eficácia e perfis de segurança questionáveis.

A Children’s Health Defense explica :

Os sintomas de Julia após receber a vacina Gardasil estão longe de ser únicos. De acordo com dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS), mais de 64.000 notificações de casos de eventos adversos foram relatados depois que os indivíduos receberam a vacina Gardasil da Merck.  Os especialistas estimam que apenas um por cento dos eventos adversos da vacina são realmente relatados.

De acordo com a denúncia,  a Gardasil agora tem mais lesões relatadas do que qualquer outra vacina existente, e o Programa de Compensação de Lesões por Vacina pagou milhões de dólares em danos por lesões e mortes induzidas pela Gardasil .

Gardasil também é a vacina mais cara do mercado; duas doses de Gardasil 9 custam atualmente cerca de US $ 450, mais o custo de duas consultas. Em 2018, a Merck faturou $ 2,2 bilhões com as vendas do Gardasil apenas nos Estados Unidos. Em 2019, a Merck obteve US $ 3,7 bilhões em receita mundial do Gardasil.

Então temos a questão do alumínio, altamente TÓXICO, que a vacina contra o HPV tem em grande quantidade.

Muitas pessoas afirmam que a quantidade de alumínio que ingerimos de outras fontes é maior do que o alumínio das vacinas, mas não percebem que o alumínio que ingerimos das vacinas pode não sair do corpo. O professor Christopher Shaw, da University of British Columbia, no Canadá, explica que o alumínio injetado não tem os mesmos métodos de excreção do alumínio que ingerimos dos alimentos, por exemplo. Quando injetamos alumínio, ele permanece no corpo, pode atravessar a barreira hematoencefálica, entrar nas células e em vários órgãos do corpo.

Quando você injeta alumínio, ele vai para um compartimento diferente do seu corpo. Não entra no mesmo mecanismo de excreção. Então, e é claro que não pode, porque essa é toda a ideia dos adjuvantes de alumínio, os adjuvantes de alumínio são feitos para ficar por aí e permitir que o antígeno seja apresentado repetidamente de forma persistente, caso contrário, você não colocaria um adjuvante em primeiro lugar. Não pode ser inerte, porque se fosse inerte não poderia fazer as coisas que faz. Não pode ser excretado porque, novamente, se fosse não poderia fornecer aquela exposição prolongada do antígeno ao seu sistema imunológico. – Dr. Christopher Shaw – neurocientista canadense e professor de oftalmologia na University of British Columbiafonte )

Em 2018, o Dr. Christopher Shaw publicou um artigo no Journal of Inorganic Biochemistry que descobriu que quase 100 por cento do alumínio injetado por via intramuscular em camundongos como adjuvantes da vacina foi absorvido pela circulação sistêmica e viajou para diferentes locais do corpo, como o cérebro, as articulações, e o baço, onde se acumulou e foi retido por anos após a vacinação. ( fonte )

Um grupo de cientistas de vários países publicou recentemente  um artigo  no  Journal of Trace Elements in Medicine and Biology  intitulado “ O papel dos adjuvantes de alumínio nas vacinas levanta questões que merecem ciência independente, rigorosa e honesta”. Em sua publicação, eles fornecem evidências para sua posição de que “a segurança dos adjuvantes da vacina à base de alumínio, como a de qualquer fator ambiental que apresenta risco de neurotoxicidade e ao qual a criança está exposta, deve ser avaliada seriamente sem demora, particularmente em um momento em que o CDC está anunciando uma prevalência ainda crescente de transtornos do espectro do autismo, de 1 criança em cada 54 nos EUA [1,85% da população infantil do pais]”.

Um  estudo publicado em 2015 enfatizou que:

Evidências de que as partículas revestidas de alumínio fagocitadas no músculo injetado e seus linfonodos de drenagem podem se disseminar nos fagócitos por todo o corpo e se acumular lentamente no cérebro sugere ainda que a segurança do alumínio deve ser avaliada em longo prazo.

Você pode ler mais especificamente sobre o mortal alumínio aqui .

Conclusão:  no final do dia, está bastante claro que as vacinas não são um produto de tamanho único, isso é evidente pelo fato de que quase US$ 4 bilhões já foram pagos  a famílias de crianças afetadas por vacinas por meio do National Childhood Vaccine Injury Act (NCVIA).  Por mais astronômicos que sejam os prêmios monetários, eles são ainda mais alarmantes, considerando que apenas  cerca de 1% das lesões causadas pela vacina são relatadas  ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS).

Se os números do VAERS estiverem corretos – apenas 1% das lesões por vacinas são relatadas e apenas 1/3 das petições são compensadas – então até 99% das lesões vacinais não são relatadas e as famílias da grande maioria das pessoas feridas pelas vacinas estão pagando os custos, mais uma vez, para produtos defeituosos dos fabricantes de vacinas. De acordo com uma   pesquisa MedAlerts do banco de dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas do FDA (VAERS), a partir de 5/2/19, a contagem bruta cumulativa de eventos adversos de vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola sozinha foi: 93.929 eventos adversos, 1.810 deficiências , 6.902 hospitalizações e 463 mortes.

Estes são produtos isentos de responsabilidade que nos são exigidos. A liberdade de escolha não deve permanecer sempre quando se trata de substâncias que colocamos em nosso próprio corpo? As crianças e pessoas não vacinadas são realmente uma ameaça para as vacinadas?

Essas são perguntas importantes para se fazer e responder. Talvez o que nos está sendo dito e comercializado fortemente nem sempre seja verdade.

E agora com a “pandemia” [e o pandemônio] do coronavírus e a urgência em conseguir fabricar a primeira vacina contra a atual “peste”, quais serão os riscos, consequências e “efeitos colaterais para as pessoas que primeiro se exporem a ser vacinados por um medicamento desenvolvido às pressas e provavelmente não tendo sido testado nos níveis de segurança necessários? Em breve saberemos ….


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.