Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘BIOPOWER’ [Biopoder] na Era da ‘Grande Reinicialização’ [Great Reset]

Uma “reconfiguração do poder” está em processo de implantação há algum tempo e agora está emergindo rapidamente como parte de um complexo médico – político – econômico institucionalizado que chamarei de BIOPOWER [Biopoder – Poder Biológico] .  Os atuais bloqueios, lockdowns, mascaramento e distanciamento social e medidas de quarentena e “Passaportes de Vacinação” para viagens são apenas uma amostra do que está por vir, uma vez que os novos regimes de Biopower se tornem totalmente estabelecidos. O Biopower está agora batendo às nossas portas e derrubando-as para ganhar entrada e controle sobre todo o domínio da nossa soberania pessoal. 

BIOPOWER [Biopoder] na Era da “Grande Reinicialização” [o Great Reset]

Fonte:  New Dawn Magazine

O que estamos vendo se desdobrar – depois que o ‘gatilho’ da [arma biológica do vírus criado em laboratório]  COVID-19 foi acionado – é uma alteração radical das narrativas jurídicas e de poder que controlam e categorizam a vida e a morte. Com o caos da “paisagem pandêmica” agora em formação[1], somos testemunhas de um mundo pós-soberano onde a biopolítica legitima e consolida uma rede de regimes de socialização do biocapitalismo à biossegurança. 

Klaus Schwab, do Fórum Econômico Mundial – WEF, diz que esses “tempos de COVID” são “nosso momento decisivo” e que “estaremos lidando com suas consequências por anos e muitas coisas mudarão para sempre”. Nas páginas de seu livro The Great Reset, ele descaradamente declara a vinda da “disrupção econômica de proporções monumentais, criando um período perigoso e volátil em múltiplas frentes – política, social, geopoliticamente – levantando profundas preocupações sobre o meio ambiente e também estendendo o alcance da influência e [controle pela] tecnologia em nossas vidas. ”Dizem que a vida de muitos está “se desfazendo em uma velocidade alarmante”.[2]

Afirmo que veremos formas de Biopower recentemente definidas e amplamente empregadas nesta era da ‘Grande Reinicialização’.

Uma era pós-soberana

O filósofo e teórico social francês Michel Foucault é responsável por cunhar o termo Biopower em sua obra em meados da década de 1970. Foucault atribuiu o desenvolvimento e a aplicação do poder ao surgimento de medidas e instituições “disciplinares” estabelecidas pelos governos para regular as populações nos séculos XVIII, XIX e início do século XX.

Uma série de “instituições corretivas” começou a se espalhar pelo campo social – asilos, prisões, fábricas, escolas, hospitais, universidades, etc. – cada uma servindo para inculcar um modo de conduta na consciência humana. 

Acima dessas instituições de socialização estava o Soberano (o Monarca) que mais tarde se tornou o Estado. De acordo com Foucault, o privilégio clássico do poder soberano é o “direito de tirar a vida ou deixar viver”. Foi o modelo codificado na política clássica e permaneceu essencialmente inalterado durante a transição do poder soberano tradicional (monárquico) para o poder do Estado moderno. 

“Para Foucault, o Biopower é uma tecnologia de poder para gerir humanos em grandes grupos; o diferencial dessa tecnologia política é permitir o controle de populações inteiras”, observa o estudioso Mark Kelly.[3]

A descrição de Foucault do poder disciplinador como exercido por instituições é novamente relevante para o que está acontecendo agora. Vemos uma administração de poder difusa, fluida, quase flutuante – nos níveis municipal, estadual e global – para controlar as sociedades na era pós-soberana. Bem-vindos a uma nova era de Biopower .

Produzir o que Foucault chamou de “corpos dóceis” (as massas de pessoas) – a unidade básica do poder disciplinador – é agora a competência dos estados modernos. A condição humana moderna é tal que o indivíduo não é o objeto, mas sim o sujeito do Biopower . 

BIOPOWER [Biopoder]

Dentro do contexto de uma ameaça biológica, a subsequente ‘pandemia’ covid está estabelecendo uma construção sócio-política – o ‘novo normal’ – para a sociedade humana. Esse “novo normal” exagerado está sendo promulgado por uma série de medidas que concedem autoridade de Biopower sobre o corpo físico individual e coletivo. Em suma, o Biopower exerce controle sobre a administração da vida.

Biopoder sobre o corpo humano significa que o Estado tem o direito legal de colocar os indivíduos sob vigilância e punir com prisão. Vimos isso em vários casos, como na mulher de Perth, de 28 anos, que quebrou as regras de quarentena da Austrália Ocidental e foi condenada a seis meses de prisão.[4] A forma de Biopower exercida sob o ‘estado de emergência’ pandêmico se preocupa com o mapeamento de toda a vida – social, política e econômica. 

O Biopower surgiu hoje por meio da resposta à pandemia COVID-19. Ele utiliza uma linguagem de “riscos à saúde” para intervenção e intrusão na vida privada de todos. Isso inclui a jurisdição para entrar na casa de uma pessoa sem sua permissão para remover à força pessoas consideradas um risco para a saúde ou que não estejam ‘obedecendo’ às medidas de quarentena. 

O Dr. Michael Ryan, Diretor Executivo do Programa de Emergências de Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 30 de março de 2020, afirmou que as autoridades podem ter que entrar nas casas das pessoas para remover membros da família suspeitos para uma “instalação  isolada designada” [campos de concentração covid]. Essas medidas já foram promulgadas em lei. Por exemplo, sob o estado de emergência da Nova Zelândia, os policiais agora têm o poder de entrar nas casas para fazer cumprir as regras de auto-isolamento.[5] Em um movimento semelhante, o estado australiano de Victoria implantou 2.000 militares para fazer cumprir o que eles chamam de “medidas de controle de vírus”.[6]

Em uma reviravolta irônica, os cidadãos que se opõem a tais medidas draconianas são rotulados negativamente como “cidadãos soberanos”. O termo indivíduo soberano costumava significar o direito moral ou natural de uma pessoa de fzer sua própria escolha, de ter integridade corporal e manter o controle exclusivo de seu próprio corpo e vida. Aqui vemos uma distorção deliberada da linguagem para apoiar e fazer cumprir os regimes e ditames tirânicos de Biopower . 

Biopower se refere a uma gama de estratégias apoiadas por “conhecimento médico especializado” e adotadas pelo Estado junto com uma rede de apoio de instituições, a mídia pre$$titute$, agências, as mídia sociais Big Tech, e atores não estatais [como o psicopata e oligarca, louco por vacinação, Bill {Hell’s} Gates]. Uma tendência perturbadora é o empoderamento de atores militares privados e ‘oficiais autorizados’ para fazer cumprir novas orientações de saúde pública.[7] 

Num breve futuro, esses policiais podem receber poderes no nível da polícia para impor diretivas estaduais, como revistar casas e carros sem um mandado (por exemplo, esses policiais podem deter e prender alguém que eles acreditam representar uma ‘ameaça’ à saúde pública). Esse estado de coisas emergente já levou a muitos relatos de policiamento excessivo e zeloso (especialmente no estado de Victoria, Austrália). 

Contínuos bloqueios localizados, imposições de rastreamento, distanciamento social, uso de focinheiras, vigilância constante, “Passaportes de Vacina”, a perda do direito de protestar e outras medidas estão agora se estabelecendo no regime ‘novo normal’ de Biopower exercido por Estados em todo o mundo. Essas formas de controle e regulamentação não têm precedentes a nível global e servem para afetar cada vez mais o bem-estar psicológico dos cidadãos. 

O Biopower também é visto na regulação da vida social (uso de máscaras, distanciamento social, ‘dobbing in’ e denúncia de violações de regras, etc.) e o autopoliciamento da paisagem mental (pensamento correto, autocensura). 

Severas penalidades financeiras são outra forma do Biopower se intrometer na vida cotidiana, por exemplo, as novas regras do coronavírus promulgadas no estado australiano de Victoria no início de outubro. ‘Reuniões ilegais’, como trazer pessoas para uma família acima do limite estabelecido pelo Estado, ou mais de cinco pessoas se reunindo em um parque local (até mesmo da mesma família), podem gerar uma multa de $ 5.000 por violação. 

O “estado” quer o controle total da sociedade humana

Biopolítica

O novo campo da biopolítica une o indivíduo e o coletivo em uma mistura de fortalecimento do estado, tecnológico, do político, do jurídico e do financeiro. A biopolítica moderna está ligada à reestruturação global do poder (‘The Great Reset’ – coberto na New Dawn Special Issue Vol 14 No 5) e novos regimes criados em resposta à emergência pandêmica. 

Estamos sendo alinhados por um totalitarismo médico do século XXI. Biopower e biopolítica, juntamente com Biocapital e Biossegurança, combinando-se para criar uma forma de poder totalizado, tirânico e singular. 

Em termos de humanidade coletiva, a biopolitização da raça humana está desenvolvendo novas formas de gestão populacional. Para ser claro, a agenda biopolítica é o controle das sociedades e a representação da vida humana como “corpos dóceis” que não resistem à intervenção e mandatos do estado. Para enquadrar a vida humana sob um regime de poder biopolítico total, as autoridades do Estado procuram tornar a vida consciente sob seu domínio. O que ‘pensamos’ e quem somos no sentido físico está sendo colocado sob a jurisdição do Estado. O Estado assume automaticamente o poder de ditar nosso pensamento e comportamento desde o nascimento. 

A partir dessa perspectiva, vemos por que o atual regime de censura (em particular, levado à cabo pelas Big Tech, em toda a Internet, onde a informação pode circular livremente em todo o mundo) e a restrição da liberdade de expressão tem sido tão dominante e opressor. O poder total requer dominação total – controle externo sobre o corpo de um indivíduo e seus processos de pensamento – mental (manipulação pelo medo constante, condicionamento, programação) e biológico (tratamento de saúde, vacinação). 

A agenda biopolítica incorpora órgãos não-estatais para implementar estratégias – principalmente organizações filantrópicas [como a Fundação Bill & Melinda Gates], grupos de pressão social, ONGs e diversas organizações globalistas em mãos de oligarcas psicopatas. Este campo se estende desde check-ups anuais de saúde, seguro saúde e medicina preventiva para incorporar medidas pandêmicas de testes aleatórios, isolamento forçado e vacinação. 

Toda a vida humana é ‘biopolitizada’. Não há refúgio de seu alcance quando a vida exterior e interior de um indivíduo estão sob a jurisdição do controle total do Estado. O corpo, a saúde e a felicidade de uma pessoa – até mesmo seu direito como um ‘eu soberano individual’ – devem ser incluídos no domínio do Biopower autoritário. 

Biopower e biopolítica é uma mistura perigosa de narrativas baseadas no monopólio do chamado ‘conhecimento científico’. Nesse sentido, a biopolítica aproveita a ‘ciência’ e uma série de [pseudos] ‘especialistas’ para formular ‘evidências’ que justificam a formulação de implantação de suas agendas e políticas. 

Biocapitalismo

Órgãos não-estatais desempenham um papel fundamental na agenda biopolítica, especialmente com a ascensão da grande indústria farmacêutica [Big pharma], estratégias globais de saúde e gigantes da tecnologia de mídias sociais [Big Tech]. O campo do biocapitalismo abrange as estratégias e políticas que desenvolvem e maximizam os lucros para os mercados farmacêuticos e outras intervenções de saúde. 

Com o COVID-19, a administração de políticas de biocapital sobre a maioria da população mundial é tecnologicamente viável de maneiras que não eram possíveis no passado. Isso deve ser motivo de preocupação para todas as pessoas que pensam [uma minoria]. Agora é urgente que desenvolvamos ferramentas conceituais para analisar criticamente como a biopolítica se desenvolverá em relação ao biocapital. Esta é a fusão da saúde (e da economia da saúde) com os dados do capitalismo de vigilância. 

Com a expansão acelerada dos conjuntos de dados – rastreamento pessoal de seus dados – vemos uma ascensão crescente do capitalismo de vigilância.[8] Os aplicativos de rastreamento de contatos desenvolvidos por empresas como Google e Apple estão reunindo quantidades colossais de novos dados, aumentando as crescentes cadeias de suprimento de dados. A coleta de dados biomédicos e de saúde está dobrando a cada 12-14 meses. Em 2012, um estudo do Ponemon Institute descobriu que o setor de saúde utilizava 30% de todo o armazenamento de dados digitais do mundo.[9]

Imagine o quanto esse número aumentou nos anos que se passaram. A mudança para o digital foi rápida na última década; por exemplo, as taxas de adoção de Electronic Healthcare Records (EHR) para hospitais dos EUA aumentaram de 10 para 90% naquele período.[10] A gama de wearables médicos no mercado é extensa e está crescendo. Agora é possível monitorar a maioria dos aspectos da saúde de um indivíduo. Estima-se que o monitoramento remoto de pacientes e rastreadores de saúde irão gerar US$ 20 bilhões de receita anualmente até 2023.[11]

A análise de dados digitais de saúde e seu uso para análises preditivas está mudando completa e profundamente a maneira como os pacientes são gerenciados, já que os dispositivos de vestir para saúde fazem parte dos planos de tratamento dos pacientes. Os dados de saúde do paciente influenciarão fortemente os modelos de negócios do mercado de biocapitais. Esses dados só aumentarão a partir dos aplicativos de rastreamento que a maioria dos governos está implementando em suas populações. 

O biocapitalismo está firmemente integrado à expansão do portfólio dos gigantes da tecnologia.  Uma olhada rápida na lista de projetos pertencentes ou investidos pelos gigantes da tecnologia FAMGA (Facebook, Amazon, Microsoft, Google e Apple) revela uma gama inquietante de projetos de saúde – bancos de dados de pacientes médicos, dados de pesquisa de hospitais, colaborações de varejo farmacêutico, pesquisa de IA de instalações e seguros. No outono de 2018, a empresa controladora do Google, a Alphabet, investiu US$ 375 milhões na Oscar Health, uma seguradora de saúde de “próxima geração”.[12] Segundo o CEO Oscar Health, o objetivo é gerenciar a saúde das pessoas a partir de uma perspectiva tecnológica reinventada e reconstruída do zero.[13]

O biocapitalismo está ligado à biopolítica. Em março de 2020, o Secretário de Estado de Saúde e Assistência Social do governo do Reino Unido, Matt Hancock, assinou um acordo para fornecer suporte jurídico para o Serviço Nacional de Saúde (NHS), que deixa de lado seu dever de confidencialidade nos acordos de compartilhamento de dados. O chamado ‘Propósito Covid-19’ é um novo acordo de compartilhamento de dados para organizações do NHS e médicos gerais (GPs) para compartilhar dados de pacientes com qualquer organização de sua escolha, desde que seja com o propósito de “combater o surto de coronavírus.[14]

A indústria farmacêutica também está claramente na vanguarda do biocapitalismo. A Big Pharma terá enormes lucros com a atual situação de pandemia, especialmente com as vendas de suas vacinas experimentais. O alerta da Big Pharma aos governos de que eles precisam de um financiamento inicial substancial – se as vacinas e os testes devem ser lançados mais rapidamente – foi atendido. [15]

Espera-se que a maioria dos custos de fabricação da vacina COVID-19 sejam compensados ??por financiamento governamental. Um exemplo é a gigante farmacêutica AstraZeneca, que chegou a um acordo com a Inclusive Vaccines Alliance (IVA) para fornecer até 400 milhões de doses de sua vacina COVID-19. A AstraZeneca também concluiu acordos semelhantes com o Reino Unido, os EUA, a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations e a Gavi the Vaccine Alliance, para 700 milhões de doses. O governo australiano, que visa uma taxa de vacinação de 95%, garantiu 85 milhões de doses de uma vacina (34 milhões da AstraZeneca e 51 milhões da CSL, Queensland), embora tendo apenas uma população de 25 milhões. A AstraZeneca concordou com uma licença com o Serum Institute of India para o fornecimento de um bilhão de doses adicionais. Esta é uma empresa entre muitas, 

Em um relatório de 2020, 16 ‘especialista em saúde’  Dr. Antony Fauci e o epidemiologista David Morens afirmaram que a humanidade “entrou em uma era de pandemia”. O relatório afirma que a atual pandemia é apenas a primeira de outras que estão por vir e é provável que vejamos uma taxa acelerada de surtos futuros nos próximos anos.[17] O que isso indica é que o futuro do lançamento de vacinas deve ser garantido juntamente com a continuação de poderes de emergência tirânicos sobre a população.

Uma consequência dos bloqueios é a enorme bomba econômica para empresas em dificuldades.  Muitas empresas, principalmente de médio a pequeno porte, já quebraram ou estão à beira do colapso ou já faliram.  Jogadores maiores provavelmente buscarão intervenção [ajuda] financeira do Estado. Algumas grandes empresas corporativas – especialmente se forem vistas como fornecedores de suprimentos ou serviços essenciais – podem ficar sob o controle do guarda chuva do Estado ou nas mãos dos oligarcas psicopatas. Uma trajetória que imita o controle do estado [do governo] da China sobre o setor comercial do pais comunista. 

A mudança na arena biopolítica do século XXI , com sua agenda econômica biocapitalista, implica uma necessidade crescente de biossegurança.

Biossegurança

Não é surpresa que as instituições do Estado estejam determinadas a preservar o monopólio do uso da força para garantir a biossegurança da população. Em 18 de março de 2020, o Governador-Geral da Austrália declarou que existia uma ‘emergência de biossegurança humana’. Esta declaração deu ao Ministro da Saúde um poder sem precedentes para emitir qualquer requisito ou orientação ao abrigo da Lei de Biossegurança de 2015.

Por exemplo, durante o período de emergência de biossegurança humana, o Ministro da Saúde pode emitir qualquer orientação a qualquer pessoa e determinar qualquer requisito que o Estado considere necessário para prevenir ou controlar a disseminação de COVID-19 na Austrália. Cada um e todos os indivíduos devem cumprir os requisitos de emergência. Qualquer pessoa encontrada em conduta que “viole uma exigência ou uma orientação” pode enfrentar uma pena máxima de prisão por cinco anos e / ou uma multa de 300 unidades de pena ($ 63.000).[18]

Esses novos poderes sob a Lei de Biossegurança 2015 foram rapidamente colocados em vigor. Em julho, 3.000 pessoas que viviam em prédios residenciais públicos em Melbourne foram confinados em um bloqueio policial sem aviso prévio. Caixas de comida eram deixadas na porta para os inquilinos mais vulneráveis.

No novo regime de biossegurança, ninguém tem liberdade concedida a menos que sucumba às novas regras de jurisdição de ‘imunidade’, provavelmente incluindo um ”Passaporte de Vacinação”.  Isso criará espaços reconfigurados de mobilidade e acesso nos quais viagens, eventos públicos e sociais, e serviços do Estado, podem ser fechados para aqueles que, sem imunidade de biossegurança verificada, são persona non grata e não aceitas. 

Viajar dentro das nações e através das fronteiras internacionais só se tornará possível por meio de uma arquitetura altamente regulamentada de vigilância e rastreamento corporal. Se uma pessoa não enviar bio-dados vivos, as viagens provavelmente serão proibidas ou altamente limitadas. Os primeiros sinais desse exercício de biossegurança já estão surgindo em Estados como Cingapura, que está marcando cidadãos para biovigilância e na França que adotou um “Passaporte Covid”.[19]

O perigo é que essas estratégias draconianas silenciam e sufocam a vida das pessoas, incluindo os direitos básicos à liberdade de expressão e protesto. A ameaça e o medo de sermos “cortados” ou punidos por não obedecermos nos colocam no caminho para uma relação doentia com o poder. As medidas de biossegurança tornam-se os instrumentos de uma ditadura autoritária biopoderosa que opera oculta e justificada pela fachada da saúde e segurança. A vida biológica humana se funde com as estruturas físico-digitais do Biopower do Estado.

O que é uma vida humana?

Caminhamos perigosamente em direção a um futuro no qual, nas palavras de um CEO, “Os seres humanos são perigos biológicos, as máquinas não”.[20] O cidadão está sujeito à autoridade externa de formas nunca antes possíveis. Os humanos são alvejados como objetos – ou ‘unidades’ – a serem controlados, tanto nossos corpos quanto nossas mentes – as novas colônias a serem conquistadas.

Isso significa que a única forma de escapar é renunciar à cidadania – ser um ‘não cidadão’? Poderão existir lugares sem a presença do estado no mundo contemporâneo? Isso desencadeará o surgimento de novas ‘repúblicas’ populares? À luz dos eventos recentes, somos compelidos a perguntar – o que é um ser humano autêntico? É possível viver autenticamente quando submetido aos regimes de poder externo de autoridade que negam a uma pessoa a sua soberania individual?

Devemos reconhecer que existe o ‘Biopower’ do coletivo humano que se opõe ao controle estatal de cima para baixo. Como indivíduos, temos nosso poder de livre arbítrio muito real.

A biopolítica está rapidamente sendo usada para nos transformar em “corpos [animais] dóceis” para a agenda da ‘Grande Reinicialização’ e seu futuro tecnocrático. Não é um exagero que o futuro da humanidade está sobre a mesa. O modo como os próximos anos se desdobrarão determinará não apenas a direção de nosso futuro humano, mas também, o que é mais importante, o ambiente físico e mental desse futuro humano.

Parece que muitos se esqueceram do juramento de Hipócrates que afirma: “Nem vou administrar um veneno a ninguém quando solicitado, nem vou sugerir tal curso.” A política da vida (e da morte) está sendo usurpada por uma agenda que mostra pouca ou nenhuma compaixão e companheirismo humanos.

O Biopower estatal se preocupa com exercer o controle e o poder sobre a vida, e não com a própria vida. A imaginada ‘Grande Reinicialização’ do Fórum Econômico Mundial fala de renovação e recalibragem, mas esta era dominada pela tecnologia está anulando as qualidades essenciais do ser humano em um mundo vivo e orgânico. Enfrentamos a questão central: o que ser humano significa para mim? Esperançosamente, com a resposta a esta pergunta, cada um de nós pode encontrar sua própria fonte de poder e força interior.

Notas de rodapé:


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

0 resposta

    1. – Assiste o canal do Augusto Backes pra ter uma base
      – Faz uma conta na binance (ou outra corretora) para conseguir comprar
      – Aprende o que é uma hardwallet (trezor) e compra uma para guardar tuas moedas
      – Não investe em porcaria….só bitcoin é realmente uma proteção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *