Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

BRICS e o Eixo da Resistência: uma Convergência de Objetivos Multipolares

A guerra (o Genocídio) de Israel em Gaza acelerou a cooperação entre os países gigantes do Sul Global [o mundo menos os países do Ocidente] que resistem ao conflito apoiado pelo (Hospício do) Ocidente. Juntos, os BRICS liderados pela Rússia e o Eixo de Resistência liderado pelo Irã podem moldar uma Ásia Ocidental livre do “imperialismo LGBTQ+, ‘acordado’ e transgênero” [do Deep State] dos EUA.

BRICS e o Eixo da Resistência: uma Convergência de Objetivos Multipolares

Fonte: The Cradle – por Pepe Escobar

MOSCOU – Na semana passada, o presidente russo, Vladimir Putin, fez uma visita notável aos Emirados Árabes Unidos-EAU e na Arábia Saudita para se encontrar, respectivamente, com o presidente dos Emirados, Mohammad bin Zayed (MbZ), e com o príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman (MbS), antes de voar de volta a Moscou para se encontrar com o Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, que foi visitá-lo em Moscou na sequencia de sua visita [de Putin} ao Oriente Médio. 

As três questões principais nas três reuniões, confirmadas por fontes diplomáticas, foram Gaza, OPEP+ e a expansão dos BRICS. Eles estão, é claro, todos os três interligados. 

A parceria estratégica Rússia-Irã está se desenvolvendo a uma velocidade vertiginosa, ao lado da Rússia-Arábia Saudita (especialmente na OPEP+) e da Rússia-Emirados Árabes Unidos (investimentos). Isso já está levando a mudanças drásticas na interconexão de defesa em toda a Ásia Ocidental. As implicações de longo prazo para Israel, muito além da tragédia de Gaza, são gritantes e alarmantes, [o jogo judeu khazar com os psicopatas do Hospício do Ocidente estão com os dias contados].

Putin disse a Raisi algo extraordinário em muitos níveis: 

“Quando sobrevoei o território do Irã, queria pousar em Teerã e conhecer você. Mas fui informado que você queria visitar Moscou. As relações entre os nossos países estão crescendo rapidamente. Por favor, transmita meus melhores votos ao Líder Supremo, que apoia nossas relações.”

A referência de Putin a “sobrevoar sobre o território do Irã” [uma necessidade] se conecta diretamente com quatro caças russos Sukhoi Su-35 armados “até os dentes” voando em formação, escoltando o avião presidencial sobre 4.000 km (se medido em linha reta) de Moscou a Abu Dhabi, sem qualquer pouso ou reabastecimento. 

Como observou todo atordoado analista militar, um caríssimo caça F-35 americano é capaz de voar no máximo 2.500 km sem reabastecer. No entanto, o elemento mais importante é que tanto MbZ como MbS e o governo do Irã autorizaram as escoltas russas dos caças Su-35 sobre os seus territórios – o que é algo extremamente incomum nos círculos diplomáticos. 

E isso nos leva à conclusão principal. Com um único movimento no tabuleiro de xadrez aéreo e internacional, combinado com o subsequente argumento decisivo com Raisi, Moscou realizou quatro tarefas: 

Putin provou – falando graficamente – que esta é uma nova Ásia Ocidental onde a antiga hegemonia dos EUA é um ator secundário; destruiu o mito político neoconservador do hospício ocidental do “isolamento” russo; demonstrou ampla supremacia militar; e, por último, à medida que se aproxima o início da presidência russa dos BRICS, mostrou que mantém todas as suas cartas geopolíticas e geoeconômicas cruciais com mão firme.   

Mate-os, mas suavemente 

Os cinco BRICS originais – liderados pela parceria estratégica Rússia-China – abrirão suas portas para três grandes potências da Ásia Ocidental Irã, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos em 1º de janeiro de 2024. [mais Egito, Etiópia e a Argentina em suspense por causa de seu novo “presidente”]. A sua adesão à potência multipolar oferece a estes países uma plataforma excecional para mercados mais amplos e é provável que acompanhe uma enxurrada de investimentos e intercâmbios tecnológicos.

O jogo sofisticado e de longo prazo jogado pela Rússia-China está conduzindo a uma mudança tectônica completa na geoeconomia e na geopolítica da Ásia Ocidental. A liderança do BRICS+5 – considerando que o 11º membro, a Argentina, no momento, é, na melhor das hipóteses, um curinga – tem até o potencial, sob uma presidência russa, para se tornar uma contrapartida eficaz da desdentada ONU. 

E isso leva-nos à complexa interacção entre os BRICS e o Eixo da Resistência. No início, havia motivos para suspeitar que a condenação branda do genocídio em Gaza pela Liga Árabe e pela Organização de Cooperação Islâmica (OIC) era um sinal de covardia. 

No entanto, uma avaliação renovada pode revelar que tudo está evoluindo organicamente quando se trata da intersecção do Grande Quadro concebido pelo falecido Comandante da Força Quds iraniana, General Qassem Soleimani, com o meticuloso microplanejamento do líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, quem sabe revisamos a mentalidade israelense de dentro para fora e analisamos detalhadamente a sua resposta militar devastadora. 

Indiscutivelmente, o foco mais incandescente das discussões detalhadas em Moscou nos últimos dias é que podemos estar nos aproximando do ponto em que “um sinal” desencadeará uma resposta concertada do Eixo de Resistência.

No momento, o que temos são ataques esporádicos: o Hezbollah destruindo as torres de comunicação de Israel voltadas para a fronteira sul do Líbano, as forças de resistência do Iraque atacando bases dos EUA no Iraque e na Síria, e o Ansarallah do Iémen bloqueando concretamente o Mar Vermelho para navios israelenses. Tudo isso não constitui uma ofensiva concertada e coordenada – ainda

E isso explicaria o desespero dentro da administração (de ‘Dementia’ Joe) Biden em seu circo “acordado” em Washington, juntamente com os rumores de que precisa que Israel termine o Genocídio em Gaza entre o Natal e o início de Janeiro. Não só a ótica global do ataque a Gaza se tornou terrivelmente insustentável, mas, acima de tudo, uma campanha militar mais longa aumenta dramaticamente a probabilidade de um “sinal” para o Eixo da Resistência AGIR. 

E isso resultará no fim de todos os planos elaborados do Hegemon para a Ásia Ocidental. Os objetivos geopolíticos do sionismo judeu khazar de Israel são bastante claros: restabelecer a sua aura de domínio autoconstruída na Ásia Ocidental e manter o controle constante sobre a política externa dos EUA e a aliança militar. 

A depravação, hipocrisia e a corrupção são componentes chaves para atingir esses objetivos. É tão fácil bombardear e queimar alvos civis ultraleves, incluindo milhares de mulheres e crianças sendo despedaçados diariamente, transformando Gaza em um vasto cemitério, enquanto o “Clube do Fardo do Homem Branco” insta as forças de ocupação israelenses a matá-los, é claro, mas de forma mais silenciosa e oculta. 

Sugestão para a tóxica presidente atlantista e da Comissão Europeia, a psicopata acordada Ursula von der Leyen, oferecer subornos, pessoalmente, aos líderes do Egito e da Jordânia – $ 10 bilhões de dólares para o Cairo e $ 5 bilhões de dólares para Amã – como confirmado pelos diplomatas de Bruxelas. Esta é a solução entorpecente da UE para pôr fim ao genocídio de Gaza.  

Tudo o que o Presidente Egípcio Abdel Fattah el-Sisi e o Rei Jordaniano Abdullah bin al-Hussein precisariam de fazer é “facilitar” o êxodo forçado e a Limpeza Étnica Final de Gaza para os seus respectivos territórios a favor dos desejos do “povo eleito”. 

Porque o objetivo escatológico do sionismo judeu khazar continua a ser uma solução final não diluída, aconteça o que acontecer no campo de batalha. E, claro, como sugere a operação Al-Aqsa Flood de 7 de Outubro, liderada pelo Hamas, bombardear e destruir a Mesquita Islâmica Al-Aqsa de Jerusalém e construir um Terceiro Templo Judaico sobre as suas cinzas.  

O que acontece quando “o sinal” acontecer 

Portanto, o que temos é essencialmente o plano de Emigração ou Aniquilação para o povo palestino de Gaza do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu – versus o que o veterano especialista na Ásia Ocidental, Alastair Crooke, cunhou de forma memorável como “Sykes-Picot está morto”. Esta frase significa que a inclusão árabe e iraniana nos BRICS acabará por reescrever as regras na Ásia Ocidental, em detrimento do projeto [de expansão do território de Israel] sionista.  

Há até uma forte possibilidade desta vez de que os crimes de guerra certificados de Israel em Gaza finalmente sejam processados, à medida que palestinos, árabes e nações de maioria muçulmana, com total apoio do BRICS em expansão, formam uma comissão reconhecida pelo Sul Global para tomar Tel Aviv e as suas forças armadas ao tribunal internacional por crimes contra a humanidade.

Esqueça o contaminado e ridículo TPI, que permanece servil à Ordem Baseada em Regras do Hegemon. Os BRICS ajudarão a trazer o direito internacional de volta à vanguarda da cena global, como pretendido quando a ONU nasceu em 1945, antes de ser estuprada.

O genocídio de Gaza também está forçando todas as latitudes ao longo do Sul Global a serem mais inclusivas – como ao aprofundar a sabedoria da nossa história pré-moderna comum e interligada. Todos com consciência foram forçados a se aprofundar em si mesmos para encontrar explicações para o Indesculpável. Neste sentido, somos todos palestinos agora.  

Tal como está, não há poder – o Ocidente porque se recusa; os BRICS e o Sul Global porque ainda não fizeram a sua jogada – capaz de impedir uma Solução Final conduzida por uma ideologia racista e etnocentrista dos sionistas de Israel 

No entanto, isso também abre a possibilidade surpreendente de que nenhum poder será forte o suficiente para parar o Eixo da Resistência quando o “sinal” chegar para fechar de uma vez por todas a cortina do Projeto Sionista. Nessa altura, o Eixo terá um imperativo moral supremo, reconhecido, e até instado, pelas populações de todo o mundo.

Então é aí que estamos agora: avaliando a simetria incandescente entre impotência e imperativo. O impasse será resolvido – talvez mais cedo do que todos esperamos

Isso evoca uma comparação com um impasse anterior. O atual impasse entre uma versão perversa e inútil da “civilização” hebraica e o nacionalismo islâmico emergente – chamemos-lhe “Islã civilizacional” – reflete onde estávamos em Dezembro de 2021, quando os tratados propostos pela Rússia sobre a “indivisibilidade da segurança” foram rejeitadas por Washington. Em retrospectiva, essa foi a última chance de uma saída pacífica do conflito entre o leste e o oeste

O Hegemon rejeitou-o. A Rússia fez a sua jogada – e acelerou exponencialmente o declínio da Hegemonia dos psicopatas do hospício ocidental e dos judeus khazares. A canção permanece a mesma, desde as estepes do Donbass até aos campos petrolíferos da Ásia Ocidental. Como pode o Sul Global multipolar – cada vez mais representado pelos BRICS expandidos – gerir um Ocidente imperialista furioso, insano, medroso e descontrolado, que encara o próprio abismo do seu colapso moral, político, econômico e financeiro?    

Pepe Escobar, é um jornalista brasileiro, correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp