Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Capacidade Militar do Irã em ataques com Mísseis surpreende Hospício Ocidental, que ‘Reavalia’ Opções para potencial confronto direto

Quando o Irã lançou uma série de ataques aéreos esta semana no Iraque, na Síria e no Paquistão, não estava apenas exibindo o alcance e a sofisticação de alguns dos seus mais recentes mísseis, mas também afirmando uma reivindicação: esta é uma nova era em que o Irã pode exercitar os seus músculos à vontade e, como benefício adicional, reforçar as suas credenciais como um importante fornecedor de armas. Os sionistas em Israel devem estar muito preocupados.

No ano passado, o mundo descobriu que os drones do Irã estavam tornando-se ameaças de classe mundial e um dos favoritos dos russos. Agora, a sua renovada frota de mísseis também está chamando a atenção.

Fonte: The New York Post

Em pelo menos um dos ataques – um ataque que Teerã alegou ter como alvo o grupo terrorista Estado Islâmico em Idlib, na Síria – o Irã pareceu fazer uso de um dos seus mísseis mais avançados e de maior alcance, o Kheibar Shekan. Tanto o alcance como a aparente precisão chamaram a atenção dos responsáveis ​​de segurança nacional na Europa e claro, em Israel, bem como de especialistas externos que acompanham os rápidos avanços tecnológicos do Irã.

A combinação dos seus mais recentes mísseis e da sua frota de drones, que a Rússia tem adquirido aos milhares para utilização na Ucrânia, ajudou o Irã a tornar-se o produtor de algumas das armas mais sofisticadas do Oriente Médio.

E a vontade de Teerã de intervir – como fornecedor das suas forças por procuração na região e de Moscou – pode muito bem complicar os cálculos americanos e israelenses, à medida que o Pentágono [e Israel] considera a questão que paira sobre o crescente conflito no Oriente Médio: poderá levar a um conflito direto com um Irã muito mais bem armado e com produção própria?

Os planos americanos/israelenses para combater o Irã foram construídos durante muito tempo no pressuposto de que a capacidade de Teerã de infligir dor para além das suas fronteiras tinha os seus limites, isso não existe mais.

Seus mísseis eram de precisão duvidosa e seu programa de drones ainda era novo. As suas armas mais potentes contra os Estados Unidos/Israel e os seus aliados ocidentais eram, em grande parte, armas cibernéticas. Mesmo assim, embora tenha desferido alguns golpes – paralisando, por exemplo, o Sands Casino – a ameaça global representada pelo Irã ficou em segundo plano em relação à China e Rússia.

Mas a capacidade do Irã de produzir drones aos milhares apanhou muitas “autoridades” de surpresa. Agora a sua capacidade de produzir mísseis com precisão e alcance está forçando o [Hospício do] Ocidente e Israel a pensar em suas defesas e capacidade de respostas.

Mark Esper, que atuou como um dos secretários de defesa do presidente Donald J. Trump, observou na quarta-feira que “o Irã está fornecendo, apoiando, inspirando e financiando todas essas atividades” que perturbaram a vida no Oriente Médio e além, incluindo a crescente escalada dos ataques dos Houthis. no Mar Vermelho.

“Temos que nos reunir com as “democracias” ocidentais [Israel] e os estados árabes, francamente, e elaborar um plano para lidar com o Irã para “interromper” esses fluxos”, o Sr. Esper disse à CNN.

O risco para a região e para o mundo é que os ataques desencadeiem uma guerra mais ampla. Depois que o Irã lançou um ataque de drone contra o que disse ser um grupo terrorista no Paquistão na noite de terça-feira, o Paquistão disse na quinta-feira que havia retaliado com ataques de mísseis contra extremistas no Irã.

A vontade do Irã de disparar saraivadas de mísseis contra os seus adversários, concordaram diplomatas e especialistas, é em parte uma manifestação de raiva, em parte um aviso e em parte um discurso de vendas a futuros clientes.

O seu míssil comum, do tipo vendido aos rebeldes Houthi no Iémen ou ao Hezbollah no Líbano, pode ser combinado com drones para sobrecarregar as defesas aéreas. Mas o Kheibar Shekan (Kheibar Shekan significa “Quebra de Fortaleza”, “Kheibar” é a fortaleza judaica que foi conquistada pelos muçulmanos no início do Islã, “Shekan” é igual a “Disjuntor” ou “Destruidor” em árabe) pode atacar mais longe e com mais precisão do que qualquer coisa que os iranianos tenham utilizado no passado.

Lançado em 2022, o míssil Kheibar Shekan é um míssil de propelente sólido guiado com precisão que tem um alcance de 1.500 quilômetros, ou cerca de 900 milhas e carrega cerca de 500 quilos de explosivos – o que significa que pode atingir Israel. Mas o que o distingue do resto do arsenal do Irã é que a sua ogiva pode manobrar agilmente com pequenas barbatanas aerodinâmicas para escapar pelo menos de alguns sistemas tradicionais de defesa aérea.

A utilização do míssil, quando foi implantado pela primeira vez e novamente esta semana, sugere que é um projeto favorito do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, um ramo das forças armadas do Irã que está desenvolvendo mísseis separadamente, mas em paralelo, com um programa administrado pelo Ministério da Defesa do país.

A decisão de utilizar o Kheibar Shekan esta semana na Síria, quando um míssil menos sofisticado teria sido igualmente eficaz, está sendo vista como um sinal de que o Irã pode estar mais interessado em demonstrar o seu poder à Israel e seus apoiadores do Ocidente do que em retaliar contra um grupo terrorista.

O míssil Kheibar Shekan é um míssil de propelente sólido guiado com precisão que tem um alcance de 1.500 quilômetros e carrega cerca de 500 quilos de explosivos

“Foi muito interessante ver esse sistema sendo usado”, disse Fabian Hinz, especialista em mísseis, drones e Oriente Médio do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, em Londres. Ele acrescentou:

“Há uma dúvida sobre se eles poderiam ter escolhido testar um de seus mísseis mais avançados em condições de combate, ou enviar uma mensagem a Israel ou potencialmente fazer as duas coisas ao mesmo tempo”.

No geral, o Irã tem mais de 3.000 mísseis balísticos em seu arsenal e está aumentando constantemente seu estoque de mísseis de cruzeiro, de acordo com estimativas militares e de inteligência de acordo com o Emirates Policy Center, uma organização de investigação com sede em Abu Dabi. Em comparação, suas principais armas de combate, tanques e aeronaves, são amplamente consideradas antigas ou obsoletas.

A produção de mísseis do Irã aumentou consideravelmente ao longo dos últimos 15 anos, uma vez que melhorou significativamente a precisão, a orientação e a tecnologia aerodinâmica das armas.

Ao longo desses anos, o Irã passou de uma postura mais defensiva no Oriente Médio para uma postura mais assertiva em que os Guardas Revolucionários assumiram um papel mais assertivo em toda a região, incluindo a união de forças com outros militantes muçulmanos xiitas no Iraque, Líbano, Síria e Iémen.

Os ataques desta semana terão provavelmente sido tanto uma demonstração agressiva dos avanços tecnológicos do Irã como um lembrete de que é uma potência regional com uma vontade descarada e grande capacidade de atacar [as principais cidades de Israel agora podem ser reduzidas a escombros em questão de dias].

“Provavelmente havia entre os líderes iranianos o sentimento de que precisavam fazer algo depois dos ataques”, disse Hinz, o especialista em mísseis. “Talvez houvesse também a ideia de que, como há tanta tensão na região, o Irã não pode mais ser visto como um país de governo que está sentado de braços cruzados.”

O programa de mísseis balísticos do Irã cresceu de um arsenal de obsoletos mísseis Scud que o Irã adquiriu da Líbia e da Coreia do Norte durante a década de 1980 para armas de precisão que são guiados por satélite e navegação GPS, ou buscadores infravermelhos, para atingir edifícios específicos. Seu estoque é composto por mísseis de médio e curto alcance, incluindo alguns projetados para atingir alvos no campo de batalha a apenas 20 quilômetros (12 milhas) de distância.

O Irã também começou a reforçar o seu programa de mísseis de cruzeiro de ataque terrestre, incluindo um usado pelos Houthis, conhecido como Quds. Hinz disse que os Houthis alegaram que novas versões desse míssil, que foi fornecido pelo Irã ou copiado de um modelo iraniano, tem um alcance de 2.000 quilômetros (1.250 milhas). O Irã afirmou que uma variante do seu próprio arsenal, o míssil Paveh, tem um alcance de cerca de 1.650 quilômetros.

Os programas de mísseis são uma parte vital das forças armadas do Irã e provavelmente uma das principais razões pelas quais o orçamento de defesa de Teerã foi classificado como o décimo maior do mundo em 2022, de acordo com a análise mais recente do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

Em destaque os locais de ataques de mísseis iranianos no Iraque, na Síria e Paquistão

Nas últimas semanas, dizem Hinz e responsáveis ​​dos serviços secretos norte-americanos, o Irã e a Rússia pareciam estar a aproximar-se de um acordo que expandiria os seus acordos sobre o fornecimento iraniano de drones para incluir também mísseis balísticos.

Isso poderá ser decisivo no campo de batalha na Ucrânia, onde os russos adotaram nas últimas semanas uma estratégia de tentar subjugar as defesas aéreas fornecidas pelo Ocidente, lançando barragens de mísseis contra grandes cidades, áreas industriais e portos ucranianos.

Hinz disse que é mais difícil saber com precisão que mísseis o Irã deu aos seus aliados do Hezbollah, que são notoriamente reservados sobre as suas capacidades. Mas o Kheibar Shekan – ou pelo menos uma cópia exata dele – foi exibido pelos Houthis no Iémen. O Kheibar Shekan deve o seu nome a uma batalha do século VII em que as forças muçulmanas derrotaram as tribos judaicas.

“Então você pode perceber a missão do míssil”, disse Hinz.

Lara Jakes, baseada em Roma, relata os esforços diplomáticos e militares do Ocidente para apoiar a Ucrânia na sua guerra com a Rússia. Ela é jornalista há quase 30 anos.

David E. Sanger cobre a administração Biden e a segurança nacional. Ele é jornalista do Times há mais de quatro décadas e escreveu vários livros sobre os desafios à segurança nacional americana.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp