Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Chefe da Investigação Covid-19 do The Lancet está ‘Convencido’ que ‘Vírus Saiu’ de um Laboratório

Acusações de que uma investigação real sobre o vírus está sendo bloqueada. O professor Jeffrey Sachs   disse ao Current Affairs que está “bastante convencido de que [o COVID-19] saiu da biotecnologia laboratorial dos EUA” e alertou que pesquisas em andamento podem levar a outro surto de pandemia. Sachs aponta para a pesquisa de ‘ganho de função’ e os marcadores genéticos encontrados no coronavírus SARS-Cov-2 que indicam que ele foi manipulado geneticamente para ser mais mortal.

O chefe da proeminente revista científica The Lancet’s COVID-19 Origins Commission está ‘convencido’ de que o vírus saiu de um laboratório e diz que uma investigação real está sendo bloqueada.

Fonte: Summit News

Sachs observa que os cientistas que rejeitaram a teoria do vazamento de laboratório o fizeram “antes de fazer qualquer pesquisa”, acrescentando que “estão criando uma narrativa. E eles estão negando a hipótese alternativa sem olhar de perto.”

Sachs aponta para a pesquisa de ‘ganho de função’ e os marcadores genéticos encontrados no coronavírus SARS-Cov-2 que indicam que ele foi manipulado geneticamente para ser mais mortal.

“Uma coisa que está bastante clara para mim é que há tantas pesquisas perigosas em andamento agora sob o guarda-chuva da biodefesa ou outras coisas que não conhecemos, que não estão sendo devidamente controladas. Isso é certo.”

“O que é interessante, e preocupante, se assim posso dizer, é que a pesquisa que estava em andamento muito ativamente e sendo promovida era inserir locais de clivagem de furina em vírus do tipo SARS para ver o que aconteceria. Ops!” afirma Sachs.

“Eles não estão olhando para isso”, diz Sachs sobre os cientistas que descartam o vazamento do laboratório, acrescentando: “Eles continuam nos dizendo: ‘Olhe para o mercado, olhe para o mercado, olhe para o mercado!’ Mas eles não abordam essa alternativa. Eles nem olham para os dados. Eles nem fazem perguntas. E a verdade é que, desde o início, eles não fizeram as perguntas reais.”

Sachs ainda rotula os esforços para desviar a atenção da pesquisa de laboratório como “direcionamento errado” e “prestidigitação”.

“Há uma enorme quantidade de razões para acreditar que essa pesquisa estava em andamento. Porque existem trabalhos publicados sobre isso. Há entrevistas sobre isso. Existem propostas de pesquisa. Mas o NIH não está falando nada. Não está pedindo. E esses cientistas também nunca perguntaram”, afirma Sachs.

Ele continua: “Desde o primeiro dia, eles mantiveram a alternativa escondida. E quando discutem a alternativa, não discutem o programa de pesquisa. Eles discutem espantalhos completos sobre o laboratório, não o tipo real de pesquisa que estava em andamento, que era inserir locais de clivagem de furina em vírus semelhantes ao SARS de uma maneira que poderia ter criado o SARS-Cov-2”.

“O que estou pedindo não é a  conclusão. Estou pedindo a investigação”, salienta Sachs, acrescentando: “Finalmente, depois de dois anos e meio disso, é hora de confessar que pode ter saído de um laboratório e aqui estão os dados que precisamos saber para encontrar para saber se aconteceu.”

Sachs também aborda a EcoHealth Alliance e Peter Daszak, observando que ele originalmente nomeou pessoalmente Daszak para presidir a força-tarefa da  comissão de pandemia da Lancet.

Sachs diz: “Percebi que ele [Daszak] não estava me dizendo a verdade. E demorei alguns meses, mas quanto mais eu via, mais eu me ressentia. E então eu disse a ele: ‘Olha, você tem que sair’”. Sachs acrescenta que, uma vez que ele demitiu Daszak, outros cientistas começaram a atacá-lo.

“Perguntei a eles: “Quais são suas conexões com tudo isso? Eles não me disseram. Então, quando o Freedom of Information Act divulgou alguns desses documentos que o NIH estava escondendo do público, vi que as pessoas que estavam me atacando também faziam parte dessa coisa. Então eu dissolvi toda essa força-tarefa”, observa Sachs.

“Então, minha própria experiência foi testemunhar de perto como eles não estão falando. E eles estão tentando manter nossos olhos em outra coisa. E longe de fazer as perguntas sobre as quais estamos falando”, alerta Sachs.

Sachs conclui que “não confia” nos governos e cientistas que estão descartando a teoria do vazamento de laboratório, acrescentando “eu quero saber. Porque mesmo o que sabemos sobre a pesquisa perigosa é suficiente para levantar muitas questões de responsabilidade pelo futuro. E para fazer a pergunta: ‘Ei, em quais outros vírus vocês estão trabalhando? O que devemos saber?’”

“Quero saber o que está sendo feito. Também quero saber o que outros governos estão fazendo, não apenas o nosso. Eu quero algum controle global sobre essas coisas”, Sachs insiste ainda mais.

O professor finalmente pede “uma investigação bipartidária de supervisão do Congresso que tenha poder de intimação”, pedindo “Dê-nos seus registros de laboratório, seus cadernos, seus arquivos de dados de cepas de vírus e assim por diante”. Como já destacamos, é isso também que o senador Rand Paul está buscando incansavelmente.

Após uma audiência inicial na semana passada perante o subcomitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado, Paul revelou que existe um comitê que deveria supervisionar a experimentação com vírus potencialmente letais, mas que ele está acima da supervisão do Congresso.

“Não sabemos os nomes. Não sabemos se eles já se encontraram e não temos nenhum registro de suas reuniões”, observou o senador, acrescentando: “É ultra-secreto. O Congresso não pode saber. Então, se o comitê realmente existe, não temos certeza.”


Ao pesquisar os arquivos de registros de patentes nos EUA on-line, foi descoberto o registro de uma patente de Coronavírus concedida para o C.D.C. –  Centers for Disease Control and Prevention[se trata do principal instituto nacional de saúde pública dos EUA. O C.D.C. é uma agência federal dos EUA sob o United States Department of Health & Human Services (HHS)] que tem sua sede em Atlanta, Geórgia.  Assim emerge um fato indiscutível, o de que o “DONO” DESSE VÍRUS MORTAL E SEU CRIADOR é o PRÓPRIO C.D.C. (Centro de Controle e Prevenção de Doenças)

Dr. Francis Boyle, criador da lei BioWeapons dos EUA, diz que o coronavírus é uma arma de guerra biológica

Francis Boyle é professor de direito internacional na Faculdade de Direito da Universidade de Illinois. Ele elaborou a legislação de implementação doméstica dos EUA para a Convenção de Armas Biológicas, conhecida como Lei Antiterrorismo de Armas Biológicas de 1989, que foi aprovada por unanimidade pelas duas Casas do Congresso dos EUA e sancionada pelo presidente George H.W. Bush. FONTE

O coronavírus do surto atual não teve origem na China, mas FOI IMPLANTADO neste país asiático com a clara intenção de causar o maior dano possível aos chineses. A consequência natural, quando  [se já não descobriu] a China perceber que a eclosão do surto pode ter sido um ataque de BIOWEAPON ao seu território e contra seu povo, qual será o tipo de resposta a ser dada pela China aos [ir]responsáveis pela contaminação. Começamos a ano de 2020 com muitos que operam nas sombras desejando aumentar o caos no planeta.

PATENTE de criação de um CORONAVÍRUS fornecida ao CDC (Centers for Disease Control and Prevention)  US7220852B1 – SOBRE A CRIAÇÃO DE CORONAVÍRUS [SARS] ….

Na patente acima, do registro de um CORONAVÍRUS [uma BIOWEAPON], você encontrará 72 páginas de conteúdo para poder julgar esse letal “surto repentino e desconhecido de coronavírus” na ChinaLeia a patente nesse link primeiro, faça o download e compartilhe este artigo amplamente antes que os AGENTES do DEEP STATE a excluam. Mantenha-se sábio, com discernimento e saudável!


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *