Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Cientista inglês está convencido de que Ciborgues irão dominar o planeta em 80 anos

Por que o mais eminente cientista da Grã-Bretanha está convencido de que os ciborgues irão dominar o planeta dentro de 80 anos (se tanto)- mas não devemos nos “preocupar”, porque eles “cuidarão de nós” assim como cuidamos de espécies menores … como as plantas! De todos os “eruditos pensadores” com quem tenho interagido, ele é o mais fértil em ideias que desafiam a maneira como pensamos sobre o mundo e o nosso lugar como seres humanos nele.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Por que o mais eminente cientista da Grã-Bretanha está convencido de que os ciborgues irão dominar o planeta dentro de 80 anos – mas não se preocupe, eles “cuidarão de nós” assim como cuidamos de espécies menores … como as plantas!

Por John Gray – Fonte:  https://www.dailymail.co.uk/

  • A teoria de Gaia de James Lovelock vê a Terra como um organismo único auto-regulador;
  • Nos últimos 50 anos, revolucionou a maneira pela qual vemos nosso mundo;
  • Agora é amplamente aceito que a Terra funciona como um sistema conectado complexo;
  • Mas a nova teoria de Lovelock deve ser recebida com alguma incompreensão;
  • Está argumentando que o próximo estágio da evolução é um mundo em que ciborgues são dominantes.
Artificial intelligence — Image by © Colin Anderson/Blend Images/Corbis

São oito e meia da manhã e o mais eminente cientista da Grã-Bretanha faz um passeio varrido pelo vento pelas colinas de Dorset. Parece difícil acreditar que James Lovelock – alegre apesar de uma bengala e eriçado com uma inteligência feroz e de olhos brilhantes – completará 100 anos esta semana.

Mas o homem conhecido por propor uma das teorias científicas mais visionárias do século passado começa o dia como ele sempre faz, com uma rápida caminhada da cabana de sua guarda costeira às margens da Praia de Chesil com sua amada esposa, Sandy.

Que Lovelock esteja consciente de sua própria mortalidade é de se esperar. Mas que ele também está refletindo sobre o futuro da Terra que ele nunca viverá para ver – um que envolve ciborgues e robôs, não menos – é, talvez, um pouco mais surpreendente.

“Estou mais do que consciente de que só tenho mais alguns anos para viver e isso não me incomoda”, ele me diz. ‘É uma daquelas coisas que acontece. Eu acho que é muito mais difícil para Sandy do que para mim”.

Estou me encontrando com meu querido amigo em sua pequena cabana para discutir seu novo livro, Novacene: The Coming Age Of Hyperintelligence (Novacene: A Era da Alta Hiperinteligência). Tendo-o conhecido por mais de 25 anos, sempre considerei Jim (como ele é conhecido por seus amigos) como o único gênio verdadeiro que eu conheci em uma vida de me misturar com grandes mentes.

De todos os pensadores com quem tenho interagido, ele é o mais fértil em ideias que desafiam a maneira como pensamos sobre o mundo e o nosso lugar nele como seres humanos.

Considerado há muito tempo como um dissidente na comunidade científica, Lovelock criou a teoria de Gaia, em homenagem à deusa da Terra na mitologia grega. Gaia, que foi um nome sugerido por William Golding, autor de Lord Of The Flies durante um passeio noturno e bebida no pub da vila, descreveu a Terra como um organismo único auto-regulador que mantém as condições necessárias para a vida.

Depois que ele propôs a teoria pela primeira vez na década de 1960, muitos cientistas foram altamente céticos, até porque o título literário sugeria que era algum tipo de misticismo da Nova Era, e não uma teoria científica séria. Nos últimos 50 anos, porém, o conteúdo do livro revolucionou a maneira pela qual vemos nosso mundo. Agora é amplamente aceito que a Terra funciona como um sistema complexo no qual tudo está conectado.

Não pela primeira vez em sua longa e ilustre carreira, sua nova teoria provavelmente será recebida com incompreensão. Porque, para acreditar, o próximo estágio da evolução é um mundo em que a forma dominante da vida não é o homem, mas a tecnologia “altamente inteligente”.

Esse novo tipo de vida, ele acredita, virá da inteligência artificial que já construímos e na qual confiamos. Como Lovelock coloca: “Nossos filhos (a inteligência artificial) já estão ao nosso redor”Termostatos que ligam e desligam o aquecimento de nossas casas já mostram alguma autonomia, argumenta ele. Nossos telefones celulares ainda muito mais.

Mas, apesar do fato de “ainda não termos inventado”, esses programas evoluirão e começarão a pensar mais rápido, sozinhos – e poderão em breve tornar-se dezenas de milhares de vezes mais rápidos do que nós – ultrapassando de longe o intelecto do cérebro humano.

Além do mais, eles irão evoluir muito mais rapidamente do que as formas orgânicas da vida. Para colocar isso em perspectiva, atualmente temos a capacidade de pensar cerca de 10.000 vezes mais rápido que uma planta. Isso significa que a vida biológica ocupará um lugar secundário na tecnologia.

Não que precisemos nos preocupar com essa nova geração de máquinas inteligentes, argumenta Lovelock – elas só serão posicionadas mais altas na cadeia alimentar. Eles vão precisar de nós, ele acredita, assim como precisamos de plantas. Eu pressiono Jim sobre essa nova forma de vida não orgânica – como ela evoluirá? Será consciente e capaz de pensar como um ser humano?

“Eu vejo a hiper inteligência como o próximo estágio na evolução de Gaia”, explica ele. É assim que as coisas estão indo. “O principal é que nos afastamos da era em que os humanos tiveram um efeito significativo no ecossistema, no que chamei de Novacene – onde a forma predominante de vida não será orgânica”.

‘Será consciente? Eu acho que sim. Mais conscientes do que somos, porque será muito mais rápida – 10.000 vezes ou mais rápida que o cérebro humano – há muito mais tempo para obter impressões, sentidos, sentimentos, tudo”.

Ele também acredita que os ciborgues estarão no comando de tudo. “Eu fico muito irritado quando as pessoas pensam em nossos sucessores como sendo mordomos ou escravos convenientes que farão tudo o que queremos e estarão sob nosso controle“, diz ele.

‘Os ciborgues serão muito mais que nossos filhos, porque serão totalmente diferentes e têm suas próprias origens.  Mas a ideia de que eles nos substituirão é boba. Nós coexistiríamos com eles assim como coexistimos com plantas.  ‘Eles vão nos ver muito da maneira que vemos plantas – mais lentas. Eles podem muito bem achar certos aspectos de nós interessantes, da mesma forma que podemos ir a Kew Gardens’.

Claro, já nos deparamos com grande parte disso em ficção científica. Desde o Frankenstein de Mary Shelley, há 200 anos, até os Cybermen modernos e Robocop, a idéia de vida artificial há tempos tem uma ameaça sinistra. Lovelock prefere denominar as criações hiperinteligentes de “ciborgues” e “robôs” – porque elas não se parecem em nada com réplicas mecânicas de seres humanos que conhecemos em livros e filmes.

Seria fácil descartar a ideia do Novacene. No entanto, Lovelock, que foi agraciado com todos os prêmios acadêmicos e que no final do mês será o centenário Fellow da Royal Society, tem uma história de acertar as coisas. Por exemplo, ele foi o primeiro a detectar clorofluorocarbonetos nocivos (conhecidos como CFCs) na atmosfera que destrói a camada de ozônio.

E quando se trata de design inteligente, Lovelock também é um dos melhores. De fato, por muitos anos ele foi um inventor trabalhando como um “Q” da vida real para os serviços de inteligência britânicos. Como filósofo e historiador de idéias, fiquei profundamente impressionado com a maneira como Lovelock desafiou uma parte fundamental da visão predominante do mundo – a ideia de que os seres humanos estão no centro das coisas e podem moldar seu futuro como quiserem.

A teoria de Gaia, e ainda mais sua nova teoria do Novaceno, mostra a humanidade sob uma luz mais modesta. Nós, humanos, somos parte de um mundo muito maior do que nós, que não podemos controlar. Humanos não podem ser mestres da Terra. Mas isso não significa que estamos completamente desamparados. Podemos tentar entender nossa posição no esquema das coisas e considerar como podemos tirar o melhor de nossa situação. Ao longo dos anos em que o conheço, e durante boa parte de sua longa vida, Jim tem feito exatamente isso.

Lovelock (na foto) também acredita que não podemos ter certeza de que o mundo poderia sobreviver a outro evento climático devastador, como a extinção em massa que ocorreu antes da era dos dinossauros.
James Lovelock

James Lovelock nasceu em 26 de julho de 1919 e cresceu em Londres em uma família Quaker. Ele acredita ter tido um golpe de boa sorte em inicialmente não ter condições de ir à universidade (embora mais tarde tenha passado 18 meses na Manchester University e feito doutorado na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres), uma vez que o ajudou a evitar ser confinado a uma única disciplina no início de sua carreira.

Em vez disso, ele começou sua educação lendo na biblioteca pública de Brixton e visitando o Museu da Ciência em South Kensington. Apesar de ter sido registrado como um objetor de consciência quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial, de acordo com suas crenças Quaker, ele foi movido pelas extensas perdas navais e juntou-se ao esforço de guerra como inventor.

Ele logo percebeu que sua posição era insustentável. “O que mais me emocionou foram as taxas de mortalidade entre os marinheiros que morriam em navios”, diz ele.  ‘Eles estavam nos alimentando (transportanto alimentos para o Reino Unido) e você não podia deixar de participar de alguma forma. Parecia um privilégio demais’.

Na tentativa de encontrar maneiras de evitar que os marinheiros fossem queimados até a morte quando seus navios eram atingidos pelos submarinos nazistas, ele descobriu que cobertores de lã molhada eram mais protetores do que o amianto que havia sido usado anteriormente.

Ele permaneceu um inventor desde então. Entre muitos outros dispositivos, ele criou um lápis que poderia escrever sobre o vidro molhado de uma placa de Petri e um detector de captura de elétrons que foi usado no estudo da depleção atmosférica do ozônio. Entre as invenções mais notáveis ??de Lovelock estavam pequenos instrumentos sensíveis para testar a atmosfera que foram usados ??pela NASA em Marte. Ele acreditava que o Planeta Vermelho não poderia suportar a vida – uma visão que parece ter sido confirmada por evidências posteriores.

Enquanto conversamos em seu chalé, ele me diz com um sorriso juvenil que alguns desses aparelhos estão em uma prateleira logo atrás de mim. Aqui na Terra, enquanto isso, Lovelock acredita que até o final deste século – pouco mais de 80 anos a partir de agora – os ciborgues estarão no comando.

Claro, sua teoria pode parecer absurda, mas a revolução é, ele alega, já aqui. Dois anos atrás, o Facebook encerrou um experimento quando dois bots de bate-papo – programas de inteligência artificial projetados para se comunicarem uns com os outros – começaram a falar em um idioma que criaram para si mesmos.

Enquanto isso, em um desenvolvimento semelhante, o Google descobriu que o programa usado por sua ferramenta de tradução criara sua própria linguagem... sozinho. Ainda mais notavelmente, o programa do Google, DeepMind, que combinava aprendizado de máquina com informações de humanos, produziu dois “sucessores” que não utilizavam nenhuma entrada humana.

A teoria de Gaia, e ainda mais sua nova teoria do Novaceno (foto, a capa de seu novo livro), mostra a humanidade sob uma luz mais modesta. Nós, humanos, somos parte de um mundo muito maior do que nós, que não podemos controlar
A teoria de Gaia, e ainda mais sua nova teoria do Novaceno (foto, a capa de seu novo livro), mostra a humanidade sob uma luz mais modesta. Nós, humanos, somos parte de um mundo muito maior do que nós, que não podemos controlar

Um deles, o AlphaZero, transformou-se em um jogador de xadrez super-humano. Em seu livro, Lovelock escreve: “Agora parece provável que uma nova forma de vida inteligente emergirá de um precursor da IA ??feito por um de nós, talvez de algo como AlphaZero”.

O ponto chave que Lovelock faz sobre os ciborgues é que eles são o resultado da evolução – assim como nós. Em vez de uma força alienígena dedicada à nossa destruição, eles são nossos “sucessores naturais”Ainda não sabemos como serão as aparências, ou mesmo se elas tomarão uma forma física, quanto mais uma humana, seremos capazes de detectar.

Eles podem tomar a forma de esferas, ou mesmo mudar para algo como névoas sugere ele. Eles podem simplesmente ser digitais. Mas seja qual for a aparência deles, eles evoluirão muito rapidamente. Pressiono Jim por que ele acha que os ciborgues hiper-inteligentes poderiam estar administrando as coisas neste já neste final de século XXI. Muitos podem aceitar que isso seria perfeitamente possível em centenas – ou mesmo milhares – de anos, mas apenas 80 anos à frente, talvez menos.

“Qualquer coisa que comece 10.000 vezes mais rápido tem um bom começo”, ele responde com confiança.

A nova maneira de compartilhar e difundir informações entre si será muito mais rápida. Portanto, a evolução deles será muito mais rápida. Também estão evoluindo as teorias ambientais de Lovelock – e os ciborgues são, de fato, centrais para seu sucesso. Sua hipótese Gaia levou-o a ser considerado como um guru ambiental por muitos no movimento verde.

No entanto, ele tem pouco tempo para o que ele considera o pensamento “equivocado” de grupos como a Rebelião da Extinção. Enquanto isso, seu apoio à energia nuclear o afastou ainda mais do movimento verde. Para Lovelock, os últimos 200 anos de expansão industrial, urbanização e tecnologia têm sido um florescimento glorioso na evolução da vida na Terra, ao invés da catástrofe ecológica condenada pelos ambientalistas modernos.

Certamente houve danos ambientais, e Lovelock concorda com os Verdes de que devemos parar de queimar combustíveis fósseis o mais rápido possível. Mas, ao considerar as alternativas, ele está muito mais aberto ao uso da energia nuclear. “De certa forma, o movimento verde é como uma religião fundamentalista”, diz ele.

”As pessoas devem ter algo para se preocupar e brigar, e elas não se importam muito com o que é, desde que seja uma crença. A maioria dos verdes não são cientistas. Ambientalistas afirmam que querem salvar o mundo, mas os seres humanos não podem salvar o mundo, apenas se adaptar a ele, um processo que requer ciência e tecnologia, não fé e emoção”.

“É um fato extraordinário que os Verdes quase ignoram criminalmente que a taxa de mortalidade de pessoas que trabalham na indústria nuclear é uma pequena fração de qualquer outra indústria no mundo. É muito seguro ”, ele diz. Lovelock também acredita que não podemos ter certeza de que o mundo poderia sobreviver a outro evento climático devastador, como a extinção em massa que ocorreu antes da era dos dinossauros.

É por isso que ele está tão animado com a ascensão dos ciborgues. Longe de ser a maior ameaça à humanidade tantas vezes retratada na ficção científica produzida por Hollywood, ele acredita que os ciborgues podem, de fato, ser a nossa melhor “esperança”.

Sua inteligência e processamento de informações em rápida evolução poderiam encontrar uma nova maneira de manter o planeta fresco e sustentável. Em qualquer caso, Lovelock acredita que eles serão obrigados a unir forças para que possamos manter sua sobrevivência. Isso torna a guerra entre o homem e os ciborgues de aprendizado de máquina improvável – puramente por causa de seu próprio interesse próprio.

Fundamentalmente, é simplesmente um futuro que temos que aceitar e nos adaptar – gostemos ou não.


“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome”. Apocalipse 13:16,17


Image result for the end gifs

Isto é tudo pessoal, o Tempo acabou!

A Matrix, o SISTEMA de CONTROLE MENTAL:   “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *