browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cientistas alertam sobre perigo de ‘Tempestades Solares Massivas’

Posted by on 27/07/2019

Cientistas alertam que “precisamos estar mais bem preparados” para eventos meteorológicos espaciais poderosos, já que o estudo sobre os núcleos de gelo da Groenlândia encontrou sinais de três super-tempestades solares nos últimos 3.000 anos. Evidências surgiram de um estudo de núcleos de gelo de 100.000 anos da Groenlândia. Pesquisadores detectaram os sinais de uma enorme tempestade solar que ocorreu em 660 a.C. Também confirmou duas outras tempestades que atingiram a Terra nos anos de 775 e 994 d.C.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Cientistas alertam sobre tempestades solares MASSIVAS: “Precisamos estar melhor preparados”

Fontes:  https://www.naturalnews.com/    https://www.dailymail.co.uk/


“E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a Lua tornou-se como sangue;”  Apocalipse 6:12

“E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da Lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e (ficasse) semelhantemente a noite”.  Apocalipse 8:12


Pesquisadores suecos encontraram evidências de que três tempestades solares engolfaram a Terra durante os últimos 3.000 anos. Os primeiros exemplos de clima espacial turbulento superaram os registrados nos livros de história.

Se uma daquelas antigas tempestades ocorresse nos atuais tempos modernos, devastaria os sistemas elétricos e eletrônicos. Especialistas alertaram que as comunicações, as tecnologias baseadas em computadores, as redes elétricas e os satélites são extremamente vulneráveis ​​ao mau humor solar.

Quando o sol experimenta uma atividade severa, libera grandes quantidades de energia através da emissão de flares pela coroa solar em grandes quantidades de partículas excitadas. A tempestade solar (vento solar) resultante cobre vastas distâncias a altas velocidades. Suas partículas altamente energizadas podem queimar os circuitos eletrônicos dos satélites. Também irá desencadear surtos elétricos que desligam grandes seções de redes elétricas terrestres.

Incidências recentes de tempestades solares incluem duas tempestades solares severas nos tempos modernos que causaram cortes extensivos de energia em Quebec, no Canadá, em 1989, e em Malmo, na Suécia, em 2003. Mas uma tempestade muito mais antiga de 660 a.C. fez com que eles parecessem positivamente menores.

Salem

Acima: Um Transformador da Public Service Electric and Gas (PSE&G) na Salem Nuclear Generating Station em New Jersey, nos Estados Unidos, queimado pelas correntes elétricas geomagneticamente induzidas, causadas pela tempestade geomagnética de 13-14 de março de 1989. O custo total do dano foi de US$ 20 milhões. Na frente do transformador está Peter Balma, co-autor do estudo sobre os danos ao transformador.

“Se essa tempestade solar tivesse ocorrido hoje, ela poderia ter efeitos severos em nossa sociedade de alta tecnologia , explicou o pesquisador da Universidade de Lund, Raimund Muscheler.

Muscheler e sua equipe descobriram as evidências da antiga tempestade solar enquanto estudavam antigos núcleos de gelo escavados na Groenlândia. A análise de outros núcleos de gelo e anéis de crescimento de árvores antigas mostrou que outras duas enormes tempestades ocorreram em 775 d.C. e 994 d.C.

Felizmente, as tempestades solares desse tamanho são raras. Mas os pesquisadores de Lund acreditam que as manchas solares grandes do clima espacial (Sunspots) ocorrem com regularidade.

Space Sun GIF

“É por isso que precisamos aumentar a proteção da sociedade contra as tempestades solares”, advertiu Muscheler. “Nossa pesquisa sugere que os riscos estão subestimados atualmente. Precisamos e deveríamos estar melhor preparados”.

(Relacionado: As mudanças climáticas na Terra é “significativamente” impactada pela atividade solar, confirma novo estudo profundo.)

Uma tempestade solar tem quatro meios de afetar a Terra

Uma tempestade solar desenvolve quatro eventos diferentes. Flares solares, Ejeções de Massa Coronal (CMEs), correntes de vento solar e partículas energéticas solares afetam a Terra de diferentes maneiras. Uma erupção solar é uma grande erupção que ocorre na atmosfera do sol. Ela dispara uma torrente de fótons para longe da estrela.

Em comparação, uma CME (Coronal Mass Ejection-Emissão de Massa Coronal) arremessa grandes massas de plasma e campos magnéticos no espaço. A nuvem de energia estelar pode viajar em qualquer direção e se move rápido o suficiente através do vento solar.

O QUE SÃO AS TEMPESTADES SOLARES TÃO PERIGOSAS?

Tempestades solares, ou atividade solar, podem ser divididas em quatro componentes principais que podem ter impactos na Terra:

  1. Flares solares: uma grande explosão na atmosfera do sol. Essas chamas são feitas de fótons que saem diretamente do local do flare. As explosões solares só causam impacto na Terra quando ocorrem ao lado do Sol, de frente para a Terra.
  2. Ejeções de massa coronal (CME): Grandes nuvens de plasma e campo magnético que surgem do sol. Essas nuvens podem entrar em erupção em qualquer direção, e então continuar pelo espaço, arando através do vento solar. Essas nuvens só causam impactos na Terra quando as explosões solares que as originam estão do lado do sol voltado para a Terra.
  3. Fluxos de vento solar de alta velocidade: Estes vêm de buracos coronais do sol, que se formam em qualquer lugar do Sol e geralmente somente quando estão mais próximos do equador solar, os ventos atingem a Terra.
  4. Partículas energéticas solares: Partículas carregadas de alta energia, supostamente liberadas principalmente por choques formados na frente de ejeções de massa coronal e erupções solares. Quando uma nuvem CME arar através do vento solar, partículas energéticas solares podem ser produzidas e, por serem carregadas, elas seguem as linhas do campo magnético entre o Sol e a Terra. Apenas partículas carregadas que seguem as linhas do campo magnético que cruzam a Terra terão um impacto.

Embora estes eventos de clima espacial possam parecer perigosos, os astronautas não estão em perigo imediato desses fenômenos por causa da relativamente baixa órbita das missões tripuladas. No entanto, eles precisam se preocupar com a exposição cumulativa durante as caminhadas espaciais.

This photo shows the sun's coronal holes in an x-ray image. The outer solar atmosphere, the corona, is structured by strong magnetic fields, which when closed can cause the atmosphere to suddenly and violently release bubbles of gas and magnetic fields called coronal mass ejections

Esta foto mostra os buracos coronais do sol em uma imagem de raio-x. A atmosfera solar externa, a coroa, é estruturada por fortes campos magnéticos, que quando fechados podem fazer com que a atmosfera libere repentina e violentamente bolhas ou línguas de gás e campos magnéticos chamados de Ejeções de Massa Coronal, altamente energéticas.

Uma explosão solar pode danificar ou destruir satélites caros. Também pode atrapalhar o campo geomagnético que guia os aviões e navios e o sistema de localização GPS para os seus destinos. Por último, pode sobrecarregar as redes de distribuição de energia e causar falhas elétricas por causa da queima de transformadores e outros equipamentos e instrumentos elétricos.

Uma CME irá desencadear tempestades geomagnéticas em toda a Terra. Ele interferirá nos sinais de rádio, afetará os sistemas de navegação por satélite e queimará as redes elétricas. É possível nos protegermos contra os efeitos destrutivos das tempestades solares. Pense no clima solar como uma contraparte natural de um pulso eletromagnético (EMP) e prepare-se de acordo.

Montando gaiolas de Faraday em volta de contêineres ou salas que armazenam istemas com componentes elétrico-eletrônicos. Prepare-se para quedas de energia armazenando alimentos, água, iluminação, suprimentos médicos e outros itens básicos. E enquanto você está nisso, considere adquirir habilidades de sobrevivência para quando a rede elétrica cair devido a uma tempestade solar, pois uma consequência desse fato é também ficarmos sem combustíveis.

Fontes incluem: Dailymail.co.uk Phys.org


{Nota de Thoth: O que é uma ejeção de massa coronal ou CME-Coronal Mass Ejection? A ANATOMIA DE UM FLARE SOLAR GIGANTE

Os choques resultantes ondulam através do sistema solar e podem interromper satélites e derrubar e destruir redes elétricas na Terra. Durante um FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol), enormes bolhas de gás superaquecido – chamado plasma – são ejetadas do sol. Ao longo de várias horas, bilhões de toneladas de material carregado energeticamente são levantadas da superfície do sol e aceleradas a velocidades superiores a um milhão de milhas por hora.

Isso pode acontecer várias vezes ao dia quando o sol está mais ativo. Durante os períodos mais calmos, as CMEs FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol) ocorrem apenas uma vez a cerca de cada cinco dias. O próprio plasma solar é uma nuvem carregada energeticamente de prótons e elétrons levados pelo vento solar.  SAIBA MAIS:

Viajando a um milhão de milhas por hora, a energia liberada por uma ejeção de massa coronal do sol pode atravessar a distância de 93 milhões de milhas para a Terra em apenas alguns dias. Uma aeronave à jato movendo-se tão rápido poderia levá-lo de Los Angeles a Nova York em 18 segundos.}


“E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória”.   Apocalipse 16:8,9


Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto já dentro do sistema solar.

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o tempo da GRANDE COLHEITA se aproxima rapidamente  ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS,e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol) que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI


Muito mais informações, LEITURA ADICIONAL:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

One Response to Cientistas alertam sobre perigo de ‘Tempestades Solares Massivas’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.