browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cientistas confirmam que a causa das mudanças climáticas é externa ao sistema solar

Posted by on 19/10/2019

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Todo o sistema solar está esquentando! Todos os planetas estão apresentando mudanças em seus padrões climáticos. Cientistas culpam mudanças no sol, influenciado por forte campo de energia externa ao sistema solar. AS MUDANÇAS SÃO IRREVERSÍVEIS

Muitos cientistas suspeitam que o sistema solar esteja atravessando uma região da galáxia com alta energia. Temos a ilusão de que o sol é uma bola nebulosa de gás fixada no céu em que o resto do sistema solar dança ao redor. Na realidade, o sol é uma estrela entre muitos outras sentadas nos arredores da Via Láctea, cerca de 55 mil anos luz do centro da galáxia, percorrendo o espaço à velocidade de  72.000 quilômetros por hora. Embora a quantidade total de energia dentro do universo seja conservada, bolsões de energia na Via Láctea variam em intensidade. O sistema solar pode estar transitando por uma dessas regiões de altíssima energia.

Resultado de imagem para gases del sistema solar

As décadas de afirmação de que nosso sistema solar entraria em breve em uma faixa de fótons (Cinturão de Fótons) com a consequente alteração (evolução) da vida eletromagneticamente carregada em torno do sistema estelar das Plêiades foram regularmente descartadas como pseudo-ciência.  Apesar da validação científica periódica, tem sido continuamente afastada pela ciência convencional.  Até agora …

O campo magnético do Sol aumenta em força

O fenômeno de mudanças climáticas e aquecimento acontecendo em todos os corpos em todo o sistema solar foi apoiado por alguns cientistas. Uma mudança dramática que está ocorrendo é a força do campo eletromagnético do sol. De acordo com um estudo realizado pelo Dr. Mike nos Laboratórios Nacionais Lockwood Rutherford Appleton, na Califórnia, o campo magnético do sol aumentou 230% nos últimos 100 anos. As mudanças energéticas no sol irradiam para fora através do vento solar, aumentando assim a carga de energia do espaço interplanetário.

Outra evidência a favor da mudança solar é o repentino aumento da poeira estelar galáctica. A Ulysses, uma sonda espacial, monitora a quantidade de poeira estelar que flui através do sistema solar desde 1992. O campo magnético do sol afeta a quantidade de poeira estelar que passa pelo sistema solar. O campo magnético atrai mais poeira estelar à medida que se fortalece.

O que é intrigante para os cientistas é a quantidade de poeira estelar que continua inundando o sistema solar, mesmo que o sol tenha se acalmado, pois estamos no princípio de um ciclo de Minimum Solar na atividade do sol. 

Detectado excesso de poeira estelar no sistema solar

Um reversão nos pólos magnéticos do sol abriu as comportas: o sistema solar está passando por um excesso de poeira estelar. O sol reverte sua polaridade magnética a cada onze anos. A reversão ocorre durante o período chamado de Maximum solar, que é o pico de atividade de um ciclo solar de 11 anos. À medida que o campo magnético do sol cresce, ele atrai mais poeira. Consequentemente, a quantidade de poeira estelar no sistema solar aumentou três vezes desde 2003, o que está aquecendo o espaço interplanetário.

O que é intrigante para os cientistas é a quantidade de poeira estelar que continua inundando o sistema solar, mesmo que o sol tenha se acalmado, pois estamos no princípio de um ciclo de Minimum Solar na atividade do sol. Os cientistas acreditam que a polaridade do sol pode não ter se revertido completamente em 2001. Em vez de inverter, de norte a sul, os pólos podem ter virado apenas pela metade e agora residem ao longo do equador do sol. Essa configuração mais fraca do campo magnético do sol permitiu duas a três vezes mais poeira estelar entrar no sistema solar do que no final dos anos 90 (2).

O aquecimento de Plutão

Outra afirmação da mudança solar vem de Plutão. Plutão reside nos arredores gelados do sistema solar, perto de uma concha gigante de corpos astronômicos conhecida como Nuvem de Oort. Embora Plutão resida nas regiões mais frias do sistema solar, o planeta anão está esquentando apesar da sua enorme distância do sol. Especificamente, a pressão atmosférica de Plutão aumentou 300%, o que é mais do que qualquer outro planeta do sistema solar. Ainda mais paradoxal, a atmosfera de Plutão está se tornando mais densa à medida que se afasta do sol. Devido a isso, os cientistas suspeitam que Plutão está na vanguarda de uma região de alta energia da galáxia em que o sistema solar está começando a penetrar com mais intensidade.

NASA graphic showing the area of Pluto that has seen ice retreat

Foto da Nave espacial New Horizons, da NASA mostrando a área de Plutão que viu recuo acentuado de sua cobertura de gelo, no planeta mais afastado do sol …

Não há dúvida de que a atividade humana está impactando as mudanças climáticas aqui na Terra. No entanto, existem outras forças extremamente importantes e possivelmente, ainda não compreendidas pelo establishment científico, vindo de fora do sistema solar que estão afetando o clima em todos os corpos dentro do sistema solar. Seja qual for o caso, a Terra e a humanidade pode esperar uma viagem difícil, enquanto navega junto com o sol por águas “mais agitadas e mais quentes” em seu passeio pela galáxia.

Este é um fato que poucas pessoas conhecem e poucas pessoas gostariam que não houvesse evidências para apoiar esse fato, porque algumas pessoas gostariam que o mundo acreditasse que apenas a atividade humana é a causa do aquecimento global e das mudanças climáticas na Terra. Não estou defendendo que a liberação de gases nocivos, queimadas de florestas, e liberação de produtos químicos e petróleo nos oceanos e na atmosfera seja boa, mas depois de alguns anos de pesquisa, percebemos que o aquecimento global está acontecendo em todo o Sistema Solar, não apenas na Terra.

Algumas pessoas querem apenas ouvir o que alguns ambientalistas estão reivindicando, que o aquecimento global está acontecendo por causa da atividade humana, e somos a causa das mudanças extremas no clima que temos visto ultimamente cada vez pior. Esse comportamento também existe porque muitos indivíduos ocultam suas verdadeiras agendas, ao defenderem que apenas a atividade humana é a causa de tudo.

Vou deixar agora que os fatos falem por si mesmos sobre o que realmente está acontecendo em todo o sistema solar:

MARTE pode estar passando por um período de mudanças climáticas, sugerem novas descobertas da sonda Mars Odyssey da NASA. 

A Odyssey tem mapeado a distribuição de materiais na superfície e perto da superfície de Marte desde o início de 2002, quase um ciclo anual completo em Marte. Além de rastrear mudanças sazonais, como o avanço e a retirada do gelo seco polar, o orbitador está retornando evidências úteis para aprender sobre a dinâmica de longo prazo. (mars.jpl.nasa.gov …)

Marte pode estar passando por um período de mudanças climáticas, sugerem novas descobertas da sonda Mars Odyssey da NASA

Gelo marciano encolhe dramaticamente

Novas ravinas que não existiam em meados de 2002 apareceram em dunas de areias marciana. Essa é apenas uma das descobertas surpreendentes que resultaram da vida prolongada do Mars Global Surveyor da NASA, que este mês começou seu nono ano em órbita em torno de Marte. Pedregulhos caindo em uma encosta marciana deixaram rastros que não existiam há dois anos atrás. Novas crateras de impacto formadas desde a década de 1970 sugerem mudanças nos modelos de estimativa de idade. E durante três verões consecutivos em Marte, os depósitos de dióxido de carbono congelado perto do pólo sul de Marte diminuíram em relação ao tamanho do ano anterior, sugerindo uma mudança climática em andamento.  (mars.jpl.nasa.gov …)

Previsão de uma mudança climática global em Júpiter – Philip S. Marcus

A atmosfera de Júpiter, como observada nas imagens da nave espacial Voyager de 1979, é caracterizada por 12 fluxos de jatos zonais e cerca de 80 vórtices, os maiores dos quais são a Grande Mancha Vermelha e três Ovais Brancos formados na década de 1930. A Grande Mancha Vermelha é observada continuamente desde 1665 e, dadas as semelhanças dinâmicas entre a Grande Mancha Vermelha e as Ovais Brancas, o desaparecimento de duas Ovais Brancas em 1997-2000 foi inesperado. Sua longevidade e sua morte súbita foram explicadas, no entanto, pela captura de vórtices anticiclônicos nas calhas das ondas de Rossby, forçando-os a se fundirem. Proponho aqui que o desaparecimento dos ovais brancos não foi um evento isolado, mas parte de um ciclo climático recorrente que fará com que a maioria dos vórtices de Júpiter desapareça na próxima década. Nas minhas simulações numéricas, a perda dos vórtices resulta em uma mudança global de temperatura de cerca de 10 K, que desestabiliza a atmosfera e, portanto, leva à formação de novos vórtices. Após a formação, os grandes vórtices são corroídos pela turbulência durante um período de 60 anos – consistente com as observações dos ovais brancos – até que desapareçam e o ciclo recomeça. (www.nature.com …)

O Telescópio Espacial Hubble da NASA está dando aos astrônomos sua visão mais detalhada de um segundo ponto (Red Spot) vermelho emergente em Júpiter. Pela primeira vez na história, os astrônomos testemunharam o nascimento de um novo ponto vermelho no planeta gigante, localizado a meio bilhão de quilômetros de distância. A tempestade tem aproximadamente a metade do diâmetro de seu primo maior e lendário Red Spot, os pesquisadores da Grande Mancha Vermelha sugerem que o novo local pode estar relacionado a uma possível grande mudança climática na atmosfera de Júpiter. Essas imagens foram tiradas com a Câmera Avançada do Hubble. Crédito NASA ESA Simon-Miller (Centro de Vôo Espacial Goddard) e I de Pater (Universidade da Califórnia em Berkeley) FONTE

Plutão está passando por aquecimento global, descobrem os pesquisadores

BIRMINGHAM, Alabama – Plutão está passando por aquecimento global, como evidenciado por um aumento de três vezes na pressão atmosférica do planeta nos últimos 14 anos, uma equipe de astrônomos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Williams College, Universidade do Havaí, Lowell Observatory e Cornell University anunciaram numa conferência de imprensa na reunião anual da Divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana (AAS) em Birmingham, AL.

A equipe, liderada por James Elliot, professor de astronomia planetária do MIT e diretor do Observatório Wallace do MIT, fez essa descoberta observando o escurecimento de uma estrela quando Plutão passou à sua frente em 20 de agosto. A equipe realizou observações usando oito telescópios no Observatório Mauna Kea, Haleakala, Observatório Lick, Observatório Lowell e Observatório Palomar. Os dados foram registrados com sucesso em todos os locais.

Uma tentativa anterior de observar uma ocultação de Plutão em 19 de julho no Chile não teve muito sucesso. As observações foram feitas em apenas dois locais com telescópios pequenos, porque os telescópios gigantes e outros pequenos telescópios envolvidos perderam-se devido ao mau tempo ou por estarem no local errado naquele dia. Essas duas ocultações foram as primeiras a serem observadas com sucesso em Plutão desde 1988.(web.mit.edu …)

Gigantescas tempestades foram captadas em imagens de Netuno

Foi constatado um aumento de 300% na pressão atmosférica em Plutão, que é o aumento mais alto em qualquer planeta do sistema Solar, e continua aumentando à medida que Plutão orbita para longe do Sol. Se o Sol é a causa do aquecimento global no sistema solar, como dizem alguns cientistas, por que é que Plutão, o planeta que está mais distante do Sol, e experimentando os efeitos mais graves, e está ficando cada vez pior e orbita longe do sol?  www.abc.net.au …

A seguir, um site que foi feito por vários cientistas que não têm links com nenhum governo ou empresa, suas descobertas são muito interessantes e dão uma imagem diferente do que está causando o aquecimento global. Não posso citar nenhum trecho, pois há uma questão de direitos autorais, mas vou postar o link. Qualquer pessoa interessada nessas informações deve ler esse site. biocab.org …    biocab.org … – adsabs.harvard.edu …


A Terra e os seres humanos EM EVOLUÇÃO estão respondendo ao aumento das emissões de energia do SOL CENTRAL da Galáxia, e do Cinturão de Fótons.


dinokraspedonA seguir citamos passagem de um livro (Contato com Discos Voadores, de Dino Kraspedon, páginas 33 a 37) publicado ainda em 1957, sobre encontros com extraterrestres vindos das luas de Júpiter, Ganimedes e Io, em que são feitas referências (há 62 anos atrás) à chegada de um SEGUNDO SOL ao nosso sistema solar:

— “Em breve os terrestres terão outros problemas a resolver. Se até agora não tem solução para o problema dos três corpos, brevemente haverá maior dificuldade com a inclusão de um outro sol no nosso sistema. Agora são três; depois serão quatro corpos, representados pela Terra, dois sóis e o centro magnético do sistema.

P. Não estou compreendendo bem o que você se está referindo.Que outro sol é esse que fará parte do nosso sistema?

— É o que lhe estou afirmando: um outro sol penetrará, dentro em breve, no nosso sistema planetário, e teremos um invejável sistema de sóis duplos Aliás, essa é uma das razões porque aqui nos encontramos, além de vir preveni-los contra os perigos a que estão expostos com o advento da era atômica e de vir saudá-los.

P: Sim, eu quero saber quais os perigos a que estamos expostos com o advento da idade atômica, mas primeiro seria interessante ouvir mais a respeito desse novo sol.

— Esse corpo é um monstro, que em breve poderá ser visto na direção (da Constelação) de Câncer, de luz apagada ainda. A luz de um sol só passa a brilhar quando penetra num campo magnético secundário como o nosso. Penetrando no sistema, toma um movimento de rotação, deforma o espaço e gera correntes que lhe darão brilho. Se viesse luminoso, sua luz (e energia) provocaria forte repulsão e seria desviado da sua rota. Sem brilho, ele sofre a pressão do nosso sol mas o seu momento cinético lhe garantirá a penetração no sistema solar. De inicio será uma luz avermelhada, depois azul. Após vencer a zona das grandes massas planetárias (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), terá a oposição solar pela frente, mas na retaguarda terá o peso das grandes massas a impulsioná-lo por uma ação repulsiva. A repulsão contra os planetas, pela retaguarda, a sua luz brilhando e o volume de sua massa descomunal fará o nosso sol atual deslocar-se das proximidades do centro magnético, situando se mais longe. Então os dois sóis demarcarão as suas órbitas, ficando o de maior massa e menos luz mais próximo do centro (E sucederá naquele dia, diz o Senhor, que farei que o sol se ponha ao meio dia, e a Terra se entenebreça em dia de luz. (Amos: 8-9). 

A penetração desse novo corpo foi predita por Nostradamus nas suas célebres Centúrias, II, quadra 41, onde se lê: “La grande estoille par sept jours bruslera. Nuee fera deux soleils apparoir”. 

Traduzido, significa: Por sete dias a GRANDE ESTRELA brilhará, nuvem fará dois sóis aparecer.

Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto já dentro do sistema solar.

Vídeo de uma explosão solar, feito pela sonda STEREO da NASA, no dia 28 de novembro de 2013, que revelou a existência de um imenso objeto já dentro do sistema solar.

— Dois sóis no sistema criarão problemas MUITO difíceis. Todos os planetas terão as suas atuais órbitas modificadas. Mercúrio cairá na zona hoje compreendida entre Vênus e a Terra. Vênus irá para o lugar que medeia entre a Terra e Marte. A Terra sentirá o efeito, antes que o novo sol  se coloque no seu lugar definitivo. À medida que esse corpo começar a brilhar, a pressão da luz fará com que a Lua se desloque da sua órbita e vá situar-se num ponto que passe à categoria de planeta. Com esse deslocamento conduzirá uma quantidade da massa etérea da Terra, que lhe garantirá uma estabilização de movimento. A Terra, por sua vez, sob a pressão combinada de dois sóis, irá se situar na zona hoje ocupada pelos asteroides (entre Marte e Júpiter).

— Em suma, haverá um deslocamento generalizado (todos os planetas e luas assumirão uma NOVA ÓRBITA) de todos os corpos que povoam o nosso atual sistema solar. Plutão será lançado para fora, e vagará errante pelo espaço, até que um seio acolhedor o recolha. Um dos satélites de Marte será arrancado da sua atual posição e será projetado no espaço. De massa bastante densa, em vez de repelido será atraído para o interior. Sua trajetória será de tal forma que viria a constituir-se em novo satélite da Terra. Depende do sentido em que ele tomar contato com o planeta. Se isso se der contra o sentido de rotação da Terra, o choque provocado pelo encontro da sua massa com o éter fá-lo-á em pedaços; se for a favor, ficará ligado ao planeta.

sol-duplo-sistema-binário-maldek

Foto batida recentemente, em 24 dezembro de 2015, em infravermelho, do sol e do seu novo companheiro que ainda não esta completamente visível em nossa realidade tridimensional

P: Quando será isso? Ainda levara muito tempo?

— A Terra não sofrerá com um choque direto, pois a sua camada etérea (atmosfera) oferece proteção. Pelos nossos cálculos, apenas cairá uma chuva de pedras (Nota de Thoth: queda de meteoros, previstas no livro de João, Apocalipse:

“E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva; porque a sua praga era mui grande.   Apocalipse 16:21

Conhecemos pessoas que já tiveram sonhos com meteoros caindo em grandes cidades com muita destruição, haverá queda de muitos aviões durante este momento…)sobre a superfície deste globo, principalmente na zona compreendida pelo sul europeu, norte da África, Ásia Menor, o norte da América do Sul e o sul da América do Norte. O impacto transformará o atual esplêndido satélite marciano em pedacinhos de uns 20 kg cada um, que devastará as zonas acima descritas. Depois tudo se normalizara. Nós teremos um novo céu onde viajar, e vocês uma nova Terra.

— Será muito em breve, no fim deste século XX. A Terra começará o seu novo milênio com uma nova fonte de luz a iluminar os seus prados. Muitos desaparecerão para sempre do cenário terrestre, mas um pequenino rebanho restará, obediente às leis de Deus, e não haverá mais as lágrimas que aqui existem. Haverá paz e abundância, justiça e misericórdia. As almas injustas terão o castigo merecido, e só os bons terão guarida. Nesse dia o homem compreenderá o triunfo dos justos, e verá porque Deus não puniu imediatamente os maus. O Sol, que há de vir, será chamado o “Sol da Justiça”.  O seu aparecimento nos céus da Terra será o sinal precursor da vinda d’Aquele que brilha ainda mais que o próprio Sol.

maldek-secchi-imagem

P: E o que tem a ver a vinda dos discos voadores (extraterrestres) à Terra com o Sol que há de vir?

— Estudamos todos os efeitos que o seu aparecimento trará. Se nos fosse permitido, poderíamos enviar, por meio de aparelhos apropriados, pulsações eletromagnéticas contra ele, e evitaríamos a sua entrada, fazendo que a sua luz acendesse fora do sistema. Mas evitar a sua Vinda seria querer nos opor contra à vontade de Deus e deixar que a injustiça aqui se perpetuasse. Quem está com a sua consciência tranqüila e em paz com o seu Criador nada precisa temer. Deixemo-lo vir.

— Viemos com finalidade de estudos e também, para fazer um supremo apelo ao homem para que evitem a catástrofe e vivam em paz. A Terra não é o centro do sistema planetário, como antes pensavam, mas é o atual centro do mal. Se os homens se tornassem bons, talvez que o Criador tivesse ainda mais compaixão. Evitem a guerra, porque pode dar-se o caso que o homem destrua o seu próprio planeta com as suas próprias mãos evitando assim, que as forças da natureza o façam. Não é difícil ser bom; já é o bastante não fazer o mal. O restante Deus suprirá.” (Fim de citação)}


Um telescópio espacial que a NASA lançou (o WISE-Wide-field Infrared Survey Explorer), em breve poderá detectar esse companheiro {ainda} invisível do nosso Solse ele realmente existir, chegando via o distante reino de gelo da nuvem de Oort, o berçário e sala de parto de todos os cometas que penetram o nosso sistema estelar local e que circunda e envelopa o nosso sistema solar, com bilhões de objetos gelados dos mais variados tamanhos.

Há 36 anos “ALGO GRANDE” foi detectado pela NASA, que provocou manchete no The Washington Post, para nunca mais ser noticiado algo a respeito, a NASA apenas silenciou:

A seguir a tradução da notícia publicada no jornal The Washington Post, da equipe de redação. Por Thomas O’Toole, – sexta-feira dia 30 dezembro, 1983; Página A1 . 

“Um corpo celeste possivelmente tão grande como o gigantesco planeta Júpiter e, possivelmente, tão perto da Terra que seria parte deste sistema solar foi encontrado na direção da Constelação de Órion por um telescópio em órbita a bordo do satélite astronômico infravermelho dos EUA (Infrared Astronomical Satellite-IRAS). Tão misterioso é o objeto que os astrônomos não sabem se ele é um planeta, um cometa gigante, uma “proto-estrela” próxima que nunca ficou quente o suficiente para se tornar uma estrela, uma galáxia distante tão jovem que ainda está em processo de formação de suas primeiras estrelas ou uma galáxia tão envolta em poeira que nenhuma das suas estrelas ainda é visível. 

Tudo o que posso dizer é que não sabemos o que é”, disse em uma entrevista, o Dr. Gerry Neugebauer, o cientista chefe do IRAS para o JPL-Laboratório de Propulsão a Jato da Califórnia e diretor do Observatório Monte Palomar, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a explicação mais fascinante deste misterioso corpo, que é tão frio que não lança luz e nunca foi visto por telescópios ópticos na Terra ou no espaço, é que ele é um planeta gigante gasoso tão grande como Júpiter e tão perto da Terra em 50 trilhões de quilômetros. Embora isso possa parecer uma grande distância em termos terrestres, é uma curta distância em termos cosmológicos, tão perto, de fato, que seria o corpo celeste mais próximo da Terra além do mais externo planeta Plutão. “Se ele esta realmente tão perto, seria uma parte do nosso sistema solar”, disse o Dr. James Houck do Centro de Rádio Física da Universidade Cornell. FONTE


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

One Response to Cientistas confirmam que a causa das mudanças climáticas é externa ao sistema solar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.