Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Cofundador do Google admite falha na ‘Acordada” IA Gemini

Sergey Brin reconheceu que a gigante da tecnologia “errou” no desenvolvimento de seu sistema “acordado” de inteligência artificial Gemini. O cofundador do Google, nascido na Rússia, respondeu à reação pública sobre o produto de inteligência artificial  “acordado” da empresa , dizendo que o sistema de IA Gemini não foi testado ‘adequadamente’ antes de ser lançado no mês passado.

Cofundador do Google admite falha na ‘Acordada” IA Gemini

Fonte: Rússia Today

Um clipe postado nas redes sociais pretende mostrar Sergey Brin, ainda o maior acionista individual da controladora do Google, falando no chamado “Gemini 1.5 Hackathon” no sábado em Hillsborough, Califórnia.

Questionado sobre os aparentes preconceitos políticos do aplicativo Gemini AI do Google, o bilionário brincou: “Eu realmente não esperava falar sobre isso hoje”. Ele acrescentou: “Definitivamente erramos na geração de imagens e acho que isso se deveu principalmente a testes não completos”.

Os comentários de Brin surgiram em meio a reclamações públicas não apenas sobre as respostas de imagens racialmente distorcidas (acordadas) do aplicativo – como retratar vikings, pais fundadores dos EUA e soldados nazistas como negros ou asiáticos, e se recusar a mostrar a foto de uma família branca – mas também suas respostas bizarramente tendenciosas a consultas informativas.

Por exemplo, o chatbot de IA recusou-se a condenar a pedofilia e alertou contra rotular a Antifa como “violenta”. Também se recusou a fazer um julgamento decisivo quando questionado se a cantora Barbara Streisand ou o ditador soviético Joseph Stalin eram “piores para a humanidade”.

O CEO do Google admitiu em um e-mail interno na quarta-feira que o aplicativo Gemini era  “problemático” e “demonstrou preconceito”. Ele reconheceu respostas tendenciosas de texto e imagem, que chamou de “completamente inaceitáveis”, e disse que a empresa está “trabalhando ininterruptamente para resolver esses problemas”.

A gigante da tecnologia suspendeu a capacidade do chatbot de gerar imagens em 22 de fevereiro, citando “imprecisões” nas representações de figuras históricas e outras pessoas. A controladora do Google, Alphabet, perdeu quase US$ 100 bilhões em valor de mercado uma semana após a suspensão do Gemini, sofrendo da sindrome “Go Woke, Go Broke”.

Sergey Brin aborda a geração de imagens “acordadas” do Gemini. Mas preste atenção na camisa daquele cara.

A reação ao clipe do “hackathon” de sábado foi além dos comentários de Brin. Os observadores também se concentraram no traje estranho usado pelo homem que perguntou sobre os problemas da AI Gemini .

Ele é mostrado vestindo uma camisa com estampa de corpo inteiro do torso nu de uma mulher, incluindo seios. “Brin também está vestindo uma camisa (‘acordada’) arco-íris”, disse um usuário do X (ex-Twitter). “Boa sorte em consertar a AI Gemini.”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *