Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Colapso Econômico do Ocidente (EUA-OTAN) pode significar Fim do Apoio à Ucrânia

De acordo com o portal 19FortyFive, o colapso econômico no (Hospício do) Ocidente EUA-OTAN em geral pode provocar o fim do apoio militar e a guerra por procuração via Kiev. O portal destaca  que, apesar dos EUA e da Europa estarem altamente focados no conflito com a Rússia e manterem um “apoio fiel” à Ucrânia, a população ocidental e europeia em particular está demonstrando sinais de insatisfação e cobrando dos políticos dos seus governos um maior empenho na solução dos problemas internos e de seus interesses nacionais, já que está sentindo um resultado catastrófico das sanções à Rússia na economia.

Colapso Econômico do Ocidente (EUA-OTAN) pode significar Fim do Apoio à Ucrânia

Fontes: Le MondeSputnik19FortyFive

Caso o descontentamento e a insatisfação da população submetida aos caprichos dos políticos marionetes do Ocidente venha a aumentar ainda mais, o apoio incondicional a Kiev pode “se evaporar” rapidamente, destaca o portal.

Além disso, o 19FortyFive ressalta que o conflito na Ucrânia não terminará por razões militares, mas sim por fatores possivelmente econômicos, políticos, energéticos ou em resultado da pressão da população  dos países ocidentais afetados.

Outro fator que pode pôr fim ao apoio ocidental é que os ucranianos seguem pedindo cada vez mais armas e dinheiro, o que pode afetar negativamente e enfraquecer as defesas dos países envolvidos, como é o caso dos EUA, que já estariam sentindo o peso dos fornecimentos de armas a Kiev.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é russia-ucrania-guerra.png

De acordo com o portal, muitos países, apesar de serem contra a operação russa, temem que o apoio a Kiev chegue a um ponto que ameace a segurança de seus próprios países, fazendo com que os mesmos cruzem a linha e se tornem parte do conflito.

União Europeia esgotou suas capacidades de impor sanções contra Rússia, diz o Le Monde

Os europeus adotaram uma nova salva de sanções contra a Rússia na quinta-feira, 21 de julho. Ao contrário dos seis pacotes anteriores que, entre outras coisas, prevêem um embargo ao carvão e ao gás russos, até Agosto no primeiro caso e até ao final do ano no segundo, este não contém nenhuma medida emblemática e simbólica.

“Chegamos ao fim do que podíamos fazer, observa um diplomata, já que os Vinte e Sete países da UE não planejam se privar voluntariamente do gás russo. Eles já estão lutando para lidar com as interrupções de fornecimento da Gazprom e, embora a Polônia e os países bálticos gostariam de dar esse passo, não pretendem infligir tal punição a si mesmos. Especialmente porque, eles sabem, colocar esse assunto na mesa seria expor suas divisões em plena luz do dia [com as máscaras caindo], para a maior satisfação de Vladimir Putin.

Alinhamento com o G7

Neste contexto, as novas sanções destinam-se principalmente a corrigir as que já foram impostas, de modo a torná-las mais eficazes e prevenir, na medida do possível, a sua evasão. Assim, a proibição de acesso aos portos da União Europeia (UE) para navios russos foi alargada a portos vizinhos de países terceiros, onde alguns deles descarregavam as suas mercadorias.

Outro objetivo dessas últimas medidas de retaliação contra Moscou: a UE quer se alinhar com as decisões dos países do G7. Enquanto este último decidiu no final de junho não mais importar ouro russo, os europeus decidiram seguir. Esperando que o Reino Unido, que é o maior comprador deste metal precioso no Velho Continente e que faz parte do G7, não dê calote. “A atividade das joalherias também é afetada por este embargo”, acrescenta um alto funcionário. Antes da qualificação: “Se você usar um broche russo enquanto viaja, você tem o direito de fazê-lo”. 

Como termina a guerra da Ucrânia?  

Na última quarta-feira, no Fórum de Segurança de Aspen, o diretor da CIA, William Burns, argumentou  que “a visão de Putin sobre os americanos é que sempre sofremos de transtorno de déficit de atenção e nos distraímos com outra coisa”

Burns acha que Putin está errado. Mas ele pode perder o que Vladimir Putin realmente pensa. O líder russo pode não estar apostando que os americanos simplesmente se distraiam, mas que as populações dos EUA e da Europa se concentrem em um quadro mais amplo, favorecendo seus próprios interesses nacionais e medindo a dor doméstica causada pelo apoio ocidental ao esforço de guerra da Ucrânia. 

Se o descontentamento civil atingir níveis suficientes , o apoio político a Kiev pode evaporar rapidamente nas capitais ocidentais com sua população afetada.

As economias do Ocidente já estão mostrando sinais de que uma recessão está chegando . Em parte como resultado de sanções maciças impostas à Rússia, os preços da gasolina subiram para máximos históricos , o abastecimento global de alimentos subiu para níveis próximos da crise (aumentando o preço de quase todos os mantimentos) e a inflação nos EUA . e no Reino Unido permanece em uma alta de quatro décadas. Mas a situação do gás na Europa pode ser o gatilho para a redução do apoio ocidental à Ucrânia.

Há temores na Alemanha – que ainda recebe quase 30% de seu gás diário da Rússia – de que Moscou  possa cortar todos os suprimentos antes do inverno. Esse medo cresceu na segunda-feira, quando a russa Gazprom anunciou uma redução pela metade do gás que flui através de seu gasoduto Nord Stream 1, até 20% da capacidade . Berlim está tentando mitigar agressivamente a perda de gás russo, mas a Alemanha e outros países da UE já estão pensando em racionar o gás e energia para os seus cidadãos neste outono e inverno, o que pode ser a gota d’água final que transbordará o copo da paciência popular europeia. 

Se a guerra se prolongar durante o inverno e outono [dezembro a junho] do hemisfério norte, o impacto em praticamente todo o mundo ocidental será agudo. As pressões sobre governos individuais por cidadãos furiosos e com frio para encerrar o apoio à Ucrânia e pressionar por um acordo provavelmente aumentarão e poderão atingir níveis decisivos.

A realidade é que as forças convencionais russas representam uma ameaça pouco credível para os países da OTAN. Mesmo os países bálticos, que são mais vulneráveis ??militarmente do que qualquer outro membro da OTAN, têm pouco a temer de um exército russo que mostrou severas limitações na projeção de poder – e agora perdeu capacidade significativa devido às perdas de combate nos primeiros cinco meses de guerra. 


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *