Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Como o Ocidente foi ‘Derrotado’, em livro de historiador, demógrafo, antropólogo, sociólogo e cientista político francês

Emmanuel Todd, historiador, demógrafo, antropólogo, sociólogo e cientista político, faz parte de uma raça em extinção: um dos poucos expoentes remanescentes da intelectualidade francesa da velha escola – um herdeiro de pessoas como Braudel, Sartre, Deleuze e Foucault que deslumbraram sucessivas Gerações de jovens durante a Guerra Fria, do Ocidente ao Oriente. A primeira informação sobre seu último livro, La Défaite de L’Occident (“A Derrota do Ocidente”) é o pequeno milagre de ter sido publicado na semana passada na França, mesmo sendo esfera da OTAN.

Como o Ocidente foi ‘Derrotado’, em livro de historiador, demógrafo, antropólogo, sociólogo e cientista político francês

Fonte: Sputnik

Uma granada de mão de um livro explosivo, de um pensador independente, baseado em fatos e dados verificados, explodindo todo o edifício da Russofobia [do Hospício Ocidental] erguido em torno da “agressão” do “Czar” Putin à Ucrânia.

Pelo menos alguns setores da mídia corporativa [as Pre$$tituta$] estritamente controlada pelos oligarcas na França simplesmente não puderam ignorar Todd desta vez por vários motivos. Sobretudo porque foi o primeiro intelectual ocidental, já em 1976, a prever a queda da URSS, quinze anos depois, no seu livro La Chute Finale, com a sua pesquisa baseada nas taxas de mortalidade infantil soviéticas.

Outro motivo importante foi seu livro de 2002 “Apres L’Empire“, uma espécie de prévia do declínio e queda do Império hegemom publicado alguns meses antes da invasão do Iraque pelos EUA [o “Império”]. Agora, Todd, no que definiu como o seu último livro (“Eu fechei o círculo”), permite-se arriscar e retratar meticulosamente a derrota não só dos EUA, mas do Ocidente como um todo – com a sua investigação focada e em torno da guerra na Ucrânia.

Considerando o ambiente tóxico da OTAN, onde a russofobia, a censura e a cultura do cancelamento reinam supremas, e cada desvio é punível, Todd tem sido muito cuidadoso em não enquadrar o processo atual como uma vitória russa na Ucrânia (embora isso esteja implícito em tudo o que ele descreve, desde vários indicadores de paz social à estabilidade global do “sistema Putin”, que é “um produto da história da Rússia, e não o trabalho de um homem”).

Em vez disso, Todd concentra-se nas principais razões que levaram à queda do Ocidente. Entre eles: o fim do Estado-nação; a desindustrialização (que explica o déficit da OTAN na produção de armas para a Ucrânia); o “grau zero” da matriz religiosa do Ocidente ‘liberal e acordado’, o protestantismo; o aumento acentuado das taxas de mortalidade nos EUA (muito mais elevadas do que na Rússia), juntamente com suicídios e homicídios; e a supremacia de um niilismo imperial expresso pela obsessão pelas Guerras Eternas.

O colapso do protestantismo

Todd analisa metodicamente, em sequência, a Rússia, a Ucrânia, a Europa Oriental, a Alemanha, a Grã-Bretanha, a Escandinávia e, finalmente, o “Império”. Vamos nos concentrar em quais seriam os 12 Greatest Hits de seu notável exercício de reflexão sobre o estado de caos atual:

1. No início da Operação Militar Especial (SMO) em fevereiro de 2022, o PIB combinado da Rússia e da Bielorrússia era de apenas 3,3% do Ocidente combinado (e neste caso, a esfera da OTAN mais o Japão e a Coreia do Sul). Todd está surpreso como esses 3,3% são capazes de produzir mais e melhores armas e munições do que todo o colosso ocidental, e não apenas estão vencendo a guerra, mas reduzindo as noções dominantes da “economia política neoliberal” (taxas do PIB) a um caos generalizado.

2. A “solidão ideológica” e o “narcisismo (psicose) ideológico” do [Hospício do] Ocidente – incapaz de compreender, por exemplo, como “todo o mundo muçulmano [são cerca de 1,6 bilhões de pessoas] parece considerar a Rússia como um parceiro e não um adversário”.

3. Todd evita a noção de “Estados weberianos” – evocando uma deliciosa compatibilidade de visão entre Putin e o praticante da realpolitik dos EUA, John Mearsheimer. Porque são forçados a sobreviver num ambiente onde apenas as relações de poder importam, os Estados atuam agora como “agentes hobbesianos”. E isso leva-nos à noção russa de um Estado-nação, centrado na sua “soberania”: a capacidade de um Estado definir de forma independente as suas políticas internas e externas, sem qualquer interferência estrangeira.

4. A implosão, passo a passo, da cultura WASP [Branco, anglo-saxão e protestante], que conduziu, “desde a década de 1960”, a “um império desprovido de centro e de projeto, um organismo essencialmente militar gerido por um grupo sem cultura (no sentido antropológico) ou completamente depravado na atualidade”. Isto é Todd definindo os neoconservadores dos EUA.

5. Os EUA como uma entidade “pós-imperial”: apenas uma concha de maquinaria militar privada de uma cultura orientada para a inteligência, levando a uma “expansão militar acentuada numa fase de contração maciça da sua base industrial”. Como sublinha Todd, “a guerra moderna sem indústria é um oxímoro”.

6. A armadilha demográfica: Todd mostra como os estrategos [do Deep State] de Washington DC “esqueceram que um estado cuja população goza de um elevado nível educacional e tecnológico, mesmo que esteja diminuindo, não perde o seu poder militar”. Este é exatamente o caso da Rússia durante os anos de Putin.

7. Aqui chegamos ao cerne do argumento de Todd: sua reinterpretação pós-Max Weber de “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo“, publicada há pouco mais de um século, em 1904/1905: “Se o protestantismo foi a matriz da ascensão do Ocidente, a sua morte, hoje, é a causa da desintegração e da derrota.” Todd define claramente como a “Revolução Gloriosa” inglesa de 1688, a Declaração de Independência Americana de 1776 e a Revolução Francesa de 1789 foram os verdadeiros pilares do Ocidente liberal. Consequentemente, um “Ocidente” expandido não é historicamente “liberal”, porque também projetou o “fascismo italiano, o nazismo alemão e o militarismo japonês”[além de criação do comunismo de Karl Marx].

Em poucas palavras, Todd mostra como o protestantismo impôs a alfabetização universal às populações que controlava, “porque todos os fiéis devem aceder diretamente às Sagradas Escrituras. Uma população alfabetizada é capaz de desenvolvimento econômico e tecnológico. A religião protestante modelou, por acidente, uma força de trabalho superior e eficiente.” E é neste sentido que a Alemanha protestante esteve “no centro do desenvolvimento ocidental”, mesmo que a Revolução Industrial tenha ocorrido na Inglaterra.

A formulação chave de Todd é indiscutível: “O fator crucial da ascensão do Ocidente foi o apego do protestantismo à alfabetização.” Além disso, o protestantismo, sublinha Todd, está duas vezes no centro da história do Ocidente: através do impulso educativo e do impulso econômico – com o medo da condenação e a necessidade de se sentir escolhido por Deus, gerando uma ética de trabalho e uma moralidade coletiva forte [que virou um arco íris] – e através da ideia de que os homens são desiguais (lembre-se do fardo do homem branco). O colapso do protestantismo não poderia deixar de destruir a ética do trabalho em benefício da ganância das massas: isto é, do neoliberalismo.

Transgenerismo e o culto ao falso

8. A crítica contundente de Todd ao espírito de 1968 mereceria um livro totalmente novo. Refere-se a “uma das grandes ilusões da década de 1960 – entre a revolução sexual anglo-americana e o revolucionário Maio de 68 na França”; “acreditar que o indivíduo seria maior se se libertasse do coletivo”. Isso levou a um desastre inevitável: “Agora que estamos livres, em massa, de crenças metafísicas, fundacionais e derivadas, comunistas, socialistas ou nacionalistas, vivemos a experiência do vazio”. E foi assim que nos tornamos “uma multidão de anões miméticos que não ousam pensar por si próprios – mas revelam-se tão capazes de intolerância como os crentes dos tempos antigos”.

9. A breve análise de Todd sobre o significado mais profundo do transgenerismo abala completamente a religião do Wokism dos “acordados” [doentes mentais] – de Nova Iorque à esfera da UE, e provocará ataques de raiva em série. Ele mostra como o transgenerismo é “uma das bandeiras deste niilismo que agora define o [Hospício do] Ocidente, este impulso para destruir, não apenas as coisas e os humanos, mas a própria realidade”.

E há um bónus analítico adicional: “A ideologia transgénero diz que um homem pode tornar-se uma mulher e uma mulher pode tornar-se um homem. Esta é uma afirmação falsa e mesmo impossível, neste sentido, próxima do coração teórico do niilismo ocidental.” Fica pior quando se trata das ramificações geopolíticas. Todd estabelece uma ligação mental e social divertida entre este culto da falsificação e o comportamento vacilante do Hegemon nas suas relações internacionais. Exemplo: o querido nuclear iraniano foi conquistado sob Obama, tornando-se um regime de sanções graves sob Trump. Todd: “A política externa americana é, à sua maneira, fluida em termos de gênero.”

10. O “suicídio assistido” da Europa. Todd nos lembra como a Europa no início era o casal franco-alemão. Depois da crise financeira de 2007/2008, isso transformou-se num “casamento patriarcal, com a Alemanha, como cônjuge dominante, a não ouvir mais a sua companheira”. A UE abandonou qualquer pretensão de defender os interesses da Europa – isolando-se da energia e do comércio com a sua parceira, a Rússia, e auto-sancionando-se. Todd identifica, corretamente, o eixo Paris-Berlim substituído pelo eixo Londres-Varsóvia-Kiev: esse foi “o fim da Europa como ator geopolítico autônomo”. E isso aconteceu apenas 20 anos depois da oposição conjunta da França-Alemanha à guerra neoconservadora no Iraque.

11. Todd define corretamente a OTAN mergulhando no “seu inconsciente”: “Notamos que o seu mecanismo militar, ideológico e psicológico não existe para proteger a Europa Ocidental, mas para controlá-la e subjugar seus povos”.

12. Em conjunto com vários analistas na Rússia, China, Irã e entre independentes na Europa, Todd está certo de que a obsessão dos EUA – desde a década de 1990 – em isolar a Alemanha da Rússia levará ao seu fracasso: “Mais cedo ou mais tarde, eles irão colaborar, pois “suas especializações econômicas os definem como complementares”. A derrota na Ucrânia abrirá o caminho, pois uma “força gravitacional” seduz reciprocamente a Alemanha e a Rússia. Antes disso, e diferentemente de praticamente qualquer “analista” ocidental na esfera dominante da OTAN, Todd entende que a Rússia está preparada para vencer toda a OTAN, não apenas a Ucrânia, aproveitando uma janela de oportunidade identificada por Putin no início de 2022. Todd aposta numa janela de 5 anos, ou seja, um fim de jogo até 2027. É esclarecedor comparar com o que disse o Ministro da Defesa Shoigu, oficialmente, no ano passado: o SMO terminará em 2025. Seja qual for o prazo, está embutida em tudo isto uma vitória total da Rússia – com o vencedor a [Rússia] ditar todos os termos. Sem negociações, sem cessar-fogo, sem conflitos congelados – enquanto o Hegemon está agora a rodopiar desesperadamente sob si mesmo.

Os psicopatas do WEF em Davos encenam “O Triunfo do Ocidente”

O amplo mérito de Todd, tão evidente no livro, é usar a história e a antropologia para levar para o divã a falsa [falta de] consciência da sociedade ocidental. E é assim que, concentrando-se, por exemplo, no estudo de estruturas familiares muito específicas na Europa, ele consegue explicar a realidade de uma forma que escapa totalmente à lavagem cerebral coletiva das massas ocidentais que permanecem sob o turbo-neoliberalismo.

Escusado será dizer que o livro baseado na realidade de Todd não será um sucesso entre as elites de Davos. O que está acontecendo esta semana em Davos foi imensamente esclarecedor. Tudo está aberto. De todos os suspeitos do costume – da tóxica Medusa von der Leyen da UE;  Stoltenberg, belicista da OTAN; os khazares BlackRock e JP Morgan e diversos chefões apertando as mãos de seus moletons suados em Kiev – a mensagem deles é monolítica de que o “Triunfo é do Ocidente”.

Guerra é Paz. A Ucrânia não (itálico meu) está perdendo e a Rússia não está ganhando. Se discordar conosco – em qualquer coisa – será censurado por “discurso de ódio”. Queremos a Nova Ordem Mundial – independentemente do que vocês, camponeses humildes, pensem – e queremos isso agora”.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp