Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

De Bukhara, no Uzbequistão, aos BRICS, em busca de Luz na Escuridão da insanidade

Bukhara ‘A Nobre’, a “Cúpula do Islã”, com uma história que remonta a 2.500 anos, carrega muitas maravilhas para se mencionar: desde a Arca de dois milênios, uma fortaleza em torno da qual a cidade se desenvolveu, até o minarete Kalyan (Kalon) de 48 metros de altura, construído em 1127, que impressionou tanto Genghis Khan que ele ordenou que não fosse destruído. A elegante faixa turquesa única perto do topo do minarete é o exemplo mais antigo de azulejos vitrificados em todo o Heartland [a Eurásia].

De Bukhara, no Uzbequistão, aos BRICS, em busca de Luz na Escuridão da insanidade

Fonte: Strategic-Culture.org – De autoria de Pepe Escobar

Na SCO, Rússia, China, Índia, Irã e Paquistão sentam-se à mesma mesa…

De acordo com o Shanameho épico persa, o herói Siyavush fundou a cidade de Bukhara depois de se casar com a filha do vizinho Afrasiab. Mesmo antes das Antigas Rotas da Seda estarem em atividade, Bukhara prosperou como uma encruzilhada de caravanas – seus portões da cidade apontando para Merv (no atual Turcomenistão), Herat (no oeste do Afeganistão), Khiva e Samarcanda.

O ápice de Bukhara foi nos séculos IX a X sob a dinastia [Império] Samânida, quando se transformou em uma Meca da cultura e ciência persas. Essa foi a época de al-Biruni, do poeta Rudaki e, claro, de Avicena: todos eles tinham acesso ao lendário Tesouro da Sabedoria, uma biblioteca que no mundo islâmico só seria rivalizada pela Casa da Sabedoria em Bagdá.

Bukhara foi amplamente arrasada por Genghis Khan e os mongóis em 1220 (sim: apenas o minarete foi poupado). Quando o grande viajante marroquino Ibn Battuta a visitou em 1333, a maior parte da cidade ainda estava em ruínas.

Mas então, em 1318, alguém muito especial nasceu em Kasri Orifon, uma vila fora de Bukhara. A princípio, ele era simplesmente conhecido como Muhammad, em homenagem a seu pai e avô, cujas origens chegavam a Hazrat Ali [primo de Maomé]. Mas a História determinou que Maomé acabaria se tornando famoso em todas as terras do Islã como o santo sufi Bahauddin Naqshbandi.

O que há em um nome? Tudo. Bahauddin significa “a luz da religião” e Naqshbandi significa “caçador”.  Sua educação foi enriquecida por vários pirs (“santos”) e xeques que viviam em Bukhara e arredores.  Passou quase toda a sua vida nestes oásis, muito pobre e contando sempre com o seu próprio trabalho braçal, sem escravos nem criados.

Bahauddin Naqshbandi acabou fundando uma  tariqa  – escola islâmica – altamente influente baseada em um conceito muito simples: “Ocupe seu coração com Allah e suas mãos com o trabalho”. O conceito foi desenvolvido em outras 11 regras, ou  rashas  (“gotas”).

O mausoléu de Baha al-Din Naqshband em Bukhara , atual Uzbequistão

O que está saindo desses “cinco dedos”

Uma visita ao complexo do mausoléu de Bahauddin Naqshbandi fora de Bukhara, centrado em torno da tumba do santo sufi do século XIV, que é de fato o protetor espiritual da cidade, é uma experiência esclarecedora: uma atmosfera tão pacífica envolvendo uma rede apaziguadora de pedras sagradas, “árvores dos desejos ” e a estranha oferta de sacrifício.

Esta é a essência do que poderia ser definido como um Islã paralelo infundindo tantas latitudes em todo o Heartland, combinando um passado animista com ensinamentos islâmicos formais.

No complexo, encontramos dezenas de mulheres uzbeques adoráveis ​​e coloridas de todas as regiões e peregrinas de toda a Ásia Central, mas também do oeste e sul da Ásia. O presidente uzbeque Mirzoyoyev, extremamente popular, esteve aqui no final da semana passada e veio direto do novo aeroporto próximo.

Este oásis de paz e meditação oferece não apenas um forte contraste com a turbulência tóxica dos tempos, mas também nos inspira a buscar a sanidade em meio à loucura EM TERRAS OCIDENTAIS “CIVILIZADAS”. Afinal, um dos rashas de Naqshbandi afirma, “nosso caminho é conversa, boas ações são encontradas apenas em comunicação mútua, mas não em isolamento”.

Então, vamos aplicar a sabedoria sufi ao próximo momento, possivelmente inovador, que deve solidificar o caminho da Maioria Global em direção a um padrão de relações internacionais mais equitativo e menos perturbado: a 15ª cúpula do BRICS na África do Sul na próxima semana.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, cunhou uma definição concisa que incorpora uma mistura fascinante de confucionismo e sufismo:

“Os países do BRICS são como cinco dedos: curtos e longos se estendidos, mas um punho poderoso se cerrados.”

Como cerrar esses dedos em um punho poderoso tem sido o trabalho de alguns sherpas em preparação para a cúpula na África do Sul. Mas logo isso não será um assunto relacionado a um punho, mas a punhos, braços, pernas e, na verdade, um corpo inteiro. É aí que entra o BRICS+.

Entre a rede de novas organizações multilaterais envolvidas na preparação e atuação de um novo sistema de relações internacionais, o BRICS é agora visto como a principal plataforma do Sul Global, ou Maioria Global, ou “Globo Global” (copyright Lukashenko). Ainda estamos longe da transição para um novo “sistema mundial” – para citar Wallerstein –, mas sem os BRICS nem os passos de bebê seriam impossíveis.

A África do Sul selará as primeiras coordenadas para a expansão do BRICS+ – que pode se estender por tempo indeterminado. Afinal, grandes porções do “Globo Global” já manifestaram, formalmente (23 nações) e informalmente (inúmeras “manifestações de interesse”, segundo o Ministério das Relações Exteriores sul-africano) que querem entrar no grupo.

A lista oficial – sujeita a alterações – das nações que querem fazer parte do BRICS+ o mais rápido possível é um quem é quem do Sul Global: 

Argélia , Argentina, Bahrein, Bangladesh, Belarus, Bolívia, Cuba,  Egito ,  Etiópia , Honduras, Indonésia, Irã, Cazaquistão, Kuwait,  Marrocos,  Nigéria , Estado da Palestina, Arábia Saudita,  Senegal , Tailândia, Emirados Árabes Unidos, Venezuela e Vietnã.

Depois, há a África: os “cinco dedos”, por meio do presidente sul-africano Cyril Ramaphosa, convidaram nada menos que 67 líderes da África e do Sul Global para acompanhar o BRICS-Africa Outreach e os BRICS+ Dialogues.

Isso tudo explica o que seria o rasha chave do BRICS, para evocar Naqshbandi: inclusão total da África e do Sul Global – todas as nações engajadas em conversas lucrativas e igualmente respeitadas na afirmação de sua soberania.

Os persas [hoje o Irã] contra-atacam

Pode-se argumentar que o Irã está em uma posição privilegiada para se tornar um dos primeiros membros do BRICS+. Ajuda o fato de Teerã já gozar do status de parceria estratégica com a Rússia e a China e também ser um parceiro importante da Índia no Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC).

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, já declarou, oficialmente, que “a parceria entre o Irã e os BRICS de fato já começou em algumas áreas. No campo dos transportes, o corredor de transporte Norte-Sul que liga a Índia à Rússia via Irã é, na verdade, parte do projeto de transporte do BRICS.”

Paralelamente aos avanços do BRICS+, os “cinco dedos” serão relativamente cautelosos na frente da desdolarização. Os sherpas já confirmaram, em off, que não haverá anúncio oficial de uma nova moeda, mas de mais comércio bilateral e multilateral usando as próprias moedas dos membros: por enquanto o famigerado 5Rs (renminbi, rublo, real, rupia e rand).

O líder bielorrusso Lukashenko, que cunhou o termo “Global Globe” como um lema tão forte, se não mais sedutor quanto o Sul Global, foi o primeiro a evocar um golpe político crucial [aos psicopatas do hospício ocidental, cada vez mais isolados em seu manicômio “acordado”] que pode ocorrer mais adiante, com o BRICS+ em vigor: a fusão dos BRICS e da Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

Agora Lukashenko está sendo ecoado em público pelo ex-embaixador sul-africano Kingsley Makhubela – bem como dezenas de diplomatas e analistas do “Global Globe”: “No futuro, BRICS e SCO se uniriam para formar uma entidade (…) ter os BRICS e a SCO funcionando em paralelo com os mesmos membros não faria sentido”.

Não há dúvida sobre isso. Os principais impulsionadores do BRICS são a Rússia e a China, com a Índia um pouco menos influente por uma série de razões complexas. Na SCO, Rússia, China, Índia, Irã e Paquistão sentam-se à mesma mesa. O foco da Eurásia da SCO pode ser facilmente transplantado para o BRICS+. Ambas as organizações são centradas no “Globo Global”; dirigindo-se para a multipolaridade; e acima de tudo, comprometidos com a desdolarização em todas as frentes.

É realmente possível ter uma leitura sufi de todas essas placas tectônicas geopolíticas e geoeconômicas em movimento. Por mais que os promotores do “Dividir para reinar”, bem como vários cães de guerra, não tenham noção de visitar o complexo Naqshbandi fora de Bukhara, o “Global Globe” pode encontrar todas as respostas que procura ao se envolver em um processo de conversa, negócios e respeito mútuo. .

Abençoemos e oremos por essas almas globais – e que elas possam encontrar conhecimento como se estivessem revisitando o Tesouro da Sabedoria de Bukhara do século X.


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante.  Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *