Deep State: Negação Plausível Ensandecida

Quais são as consequências de eleições fraudulentas? Invasão de imigrantes ilegais, inflação elevada, impostos e mais guerra. Se não fosse a manipulação [fraude] dos procedimentos eleitorais em 2020, que permitiu aos democratas inundar os estados decisivos com cédulas fraudulentas enviadas pelo correio e outros votos emitidos ilegalmente, os americanos não estariam hoje  sofrendo  com uma invasão estrangeira sem precedentes, uma inflação descontrolada, impostos mais altos, regulamentos paralisantes, ou o espectro de uma nova guerra global.

Impérios em colapso se afogam em mentiras e os americanos estão aprendendo quantas dessas mentiras matam indiscriminadamente – a “Negação Plausível” ainda é a forma favorita de engano do Estado Profundo

Fonte: American Thinker

O Estado -Deep State – Profundo que controla permanentemente as manobras quotidianas do governo dos EUA de acordo com as suas agendas queria fronteiras abertas, impressão de dinheiro sem restrições, mais controle com a pandemia Covid, envenenar quantos pudessem com as injeções mRNA, confisco de rendimentos no país, censura e prisão dos dissidentes e construção de impérios no exterior. Tudo o que precisava fazer era fraudar as eleições de 2020.

Fico sempre em gargalhadas quando vejo as PRE$$TITUTA$ The New York Times ou algum outro órgão de propaganda do Estado Profundo hiperventilando sobre o quanto a população acredita que as eleições de 2020 foram uma farsa total.

Quase todos os artigos que discutem o presidente Trump, o protesto do Capitólio de 06/01 pela integridade eleitoral ou os eleitores do MAGA geralmente incluem uma ou duas frases obrigatórias sobre como os apoiantes de Trump insistem – “sem provas” – que as eleições de 2020 foram fraudadas.

O Times passou anos promovendo a farsa da Rússia e fingindo que as eleições de 2016 foram roubadas da satanista Hillary Clinton. Depois encobriu e desacreditou o “laptop do Inferno” de Hunter Biden para proteger as perspectivas eleitorais de Joe Biden.

E quando o presidente Trump aumentou significativamente a sua contagem de votos entre as disputas de 16 e 20 e venceu quase todos os condados tradicionais do país por amplas margens, o “jornal oficial” da América fechou os olhos e afirmou não ver nada de suspeito na “vitória” na votação de Biden.

Se o Times tivesse alguma credibilidade residual, reconheceria em negrito acima da dobra da primeira página: “Nós promovemos a propaganda, suprimimos a verdade e negamos eleições quando fazer o contrário iria ‘desencadear’ os nossos escritores e leitores”.  

O que o roubo eleitoral de 2020 realmente representa é outro exemplo da forma de engano favorita do Estado Profundo:  a negação plausível . As autoridades eleitorais em estados decisivos podem ter violado leis legais, enviado inúmeras cédulas para os mesmos endereços, criado caixas de coleta em redutos democratas, ignorado requisitos de verificação de residência e assinatura, facilitado o voto de estrangeiros ilegais, impedido observadores eleitorais de supervisionar a contagem de votos, coordenou atrasos misteriosos na contagem, incluiu cédulas descobertas tardiamente, convenientemente enviadas pelo correio sem carimbos de data, e criou o sistema perfeito para agentes políticos preencherem e devolverem ilicitamente um grande número de cédulas de ausentes,  mas você pode provar, sem sombra de dúvida, que a fraude roubou as eleições de 2020?   

Antes de responder a essa pergunta, você deve saber que o Estado Profundo aprisiona “negacionistas eleitorais” como “insurrecionistas”, usa a guerra jurídica para levar rivais à falência em tribunais civis, dispensa advogados por iniciarem casos relacionados a eleições, intimida juízes para que nunca investiguem irregularidades eleitorais, pressiona os empregadores a demitir funcionários por questionarem a legitimidade de Biden e denuncia pessoas comuns por exercerem sua liberdade de expressão. O Estado Profundo pode negar plausivelmente que as eleições de 2020 foram fraudadas porque é especializado em censura, encobrimento, manipulação e coerção.

Quando este terrível capítulo da história americana é escrito como parte de um conto de advertência contra os efeitos desestabilizadores da corrupção governamental desenfreada, um título preciso seria “Negação plausível enlouquecida”.

Você já ouviu depoimentos no Congresso do ex-diretor do FBI Jim Comey, do ex-diretor da CIA John Brennan, do ex-diretor da Inteligência Nacional James Clapper ou de qualquer outro idiota fuinha da Comunidade de Inteligência do ex-presidente Obama que conduziu operações ilegais de espionagem contra Donald Trump e seus aliados políticos?

Eles respondem a quase todas as perguntas com algum tipo de declaração, alegando não ter “nenhuma lembrança” das atividades que ocorreram sob sua autoridade. Estes homens obtiveram alguns dos cargos mais poderosos dos Estados Unidos e ficam perfeitamente felizes em testemunhar perante o resto do mundo que ou são demasiado burros para se lembrarem do que disseram e fizeram no passado recente ou são demasiado incompetentes para saber o que estava realmente acontecendo em seus departamentos e agências.

Eles talvez sentem vergonha de se apresentarem publicamente como idiotas ou ternos vazios? Claro que não – porque  eles sabem  que os seus inquisidores do Congresso  sabem  que eles estão contando mentiras descaradas destinadas a criar “negação plausível” suficiente para estabelecer imunidade legal para os seus crimes. Considere que tipo de pessoa covarde e desonrosa se sente confortável se escondendo atrás da defesa: “Sou estúpido demais para ser punido”.  

Ah, certo, essa é exatamente a defesa que o Departamento de Justiça de Biden usou para evitar processá-lo por ele ter mantido ilegalmente documentos governamentais confidenciais em locais não seguros nas últimas décadas. Mesmo enquanto os promotores do Estado Profundo usam os tribunais para manipular as eleições de 2024 e tentar prender Trump, o principal oponente político de Biden, esses mesmos especialistas em lawfare encontraram espaço de manobra suficiente para poupar Joe Biden de tratamento semelhante, identificando-o  como um “homem idoso com memória fraca”[tadinho de dementia Joe].

Veja isso, América? Embora Trump e Biden tenham aproximadamente a mesma idade, a robustez mental e física de Trump fazem dele um alvo legal, enquanto a demência e a enfermidade do senil e demente Biden conferem imunidade geral para ele. Essa é uma justificativa plausível para uma justiça em dois níveis?

Este tipo de jogo retórico é endêmico não apenas entre os oficiais mais graduados do DoJ e de outras agências de espionagem, mas em todo o governo dos EUA. O secretário do Departamento de Segurança Interna, o judeu khazar cubano Alejandro Mayorkas, presidiu a maior invasão estrangeira dos Estados Unidos. Milhões e milhões de cidadãos estrangeiros (incluindo números alarmantemente elevados de homens em idade militar provenientes de países hostis) cruzaram as fronteiras abertas da América desde que Biden assumiu o cargo.

Dementia Joe Biden cancelou dezenas de ordens executivas do presidente Trump relativas à segurança nacional e redirecionou fundos para a construção do muro da fronteira sul. Como esta invasão continuou inabalável, Mayorkas testemunhou rotineiramente perante comissões do Congresso, bem como em entrevistas à imprensa, que a fronteira é totalmente segura . . .claro que para os imigrantes ilegais atravessarem.

Como pode o homem encarregado de proteger a pátria contar mentiras tão demonstráveis? Ele simplesmente redefiniu os invasores como “refugiados climáticos” em busca de asilo. Esta é outra mentira. Os requerentes de asilo legais não entram furtivamente no país; identificam-se nos postos de fronteira e nos portos de entrada. Dito isto, os apócrifos “requerentes de asilo” de Mayorkas não estão a violar a lei de imigração americana por causa do mau tempo.

Essa desculpa risível é apenas a maneira da administração Biden de induzir psicologicamente a culpa aos americanos idiotas, fazendo-os acreditar que o seu consumo de carne e o gosto por SUVs de alguma forma os tornam responsáveis ​​por fornecer comida e alojamento gratuitos a estrangeiros criminosos.

Por outras palavras, Mayorkas e Biden construíram uma justificação manifestamente absurda para as suas ações traidoras na fronteira. Eles ajudam e incentivam o crime ilegal de estrangeiros em todo o país, enquanto se escondem atrás da pretensão de que estão agindo humanamente. E espera-se que o povo americano ignore a criminalidade do governo federal; engula as mentiras que lhes são fornecidas; e concluir sem pensar: “Isso parece plausível”.

O pior certamente virá em relação às “vacinas” de mRNA. Seria mais “plausível” que o novo vírus COVID tivesse origem num mercado húmido de Wuhan do que no laboratório de investigação biológica que alberga microrganismos altamente patogénicos mesmo ao fundo da rua?   Certamente não!   Mas essa desculpa conveniente proporcionou ao Partido Comunista Chinês e aos seus parceiros do governo dos EUA um grau de “negação plausível” que persiste mesmo após quatro anos.

Não é também conveniente que o aumento das taxas de câncer, danos cardíacos e mortes precoces sejam atribuídos diretamente à COVID, enquanto um corpo crescente de investigação médica estabelece uma ligação causal entre as “vacinas” experimentais mRNA e o aparecimento de doenças potencialmente fatais?

Se estivéssemos vivendo numa época de razão e convicção ética, os médicos e os cientistas do governo estariam gritando aos quatro ventos que as injeções de mRNA não são seguras e eficazes. Em vez disso, as empresas farmacêuticas e os organismos globais de saúde parecem empenhados em culpar o vírus e agarrar-se ao seu tênue véu de “negação plausível”. 

Impérios em colapso afogam-se em mentiras implausíveis. Como infelizmente os americanos estão aprendendo, muitas dessas mentiras  matam indiscriminadamente.


  

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth