browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Descoberta antiga árvore com registro da inversão do campo magnético da Terra em seus anéis

Posted by on 04/05/2020

 Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Descoberta antiga árvore com registro da inversão do campo magnético da Terra em seus anéis

Fonte:  https://themindunleashed.com/2020/04/ancient-tree-discovered-with-a-record-of-earths-magnetic-field-reversal-in-its-rings.html

Por Jade Small

A árvore Kauri fossilizada estava enterrada a 7,92 metros de profundidade e mede 19,81 metros de comprimento, com diâmetro de 2,44 metros e pesa cerca de 60 toneladas. A datação por carbono revelou que a árvore existiu por cerca 1.500 anos entre o período histórico de 41.000 e 42.500 anos atrás. Alan Hogg, da Universidade de Waikato, na Nova Zelândia, disse que:

Não há nada parecido com isso em nenhum lugar do mundo. Este Ngāwhā kauri é único”.

As árvores Kauri estavam vivas durante um longo período de tempo na história da Terra, quando o campo magnético quase [os polos norte e sul magnéticos] quase se inverteram. O norte e o sul magnéticos não completaram uma reversão completa de 180 graus.

A árvore antiga contém um registro de reversão do campo magnético da Terra, e foi descoberta na Nova Zelândia. A árvore – uma Agathis australis, mais conhecida como nome maori kauri – foi encontrada em Ngawha, na ilha norte da Nova Zelândia, durante trabalhos de escavação para a expansão de uma usina geotérmica. A árvore, que havia sido enterrada em 26 pés de solo, mede oito pés de diâmetro e 65 pés de comprimento. A datação por carbono revelou que viveu por 1.500 anos, entre 41.000 e 42.500 anos atrás. “Não há nada parecido com isso em nenhum lugar do mundo”, Alan Hogg, da Universidade de Waikato da Nova Zelândia ‘”Este Ngāwhā kauri é único.” A vida útil da árvore kauri cobre um ponto na história da Terra quando o campo magnético quase se inverteu. Nesse momento, o norte e o sul magnéticos fizeram uma excursão, mas não completaram completamente uma reversão completa.

Acredita-se que o ferro no núcleo da Terra gere o nosso campo magnético planetário, que permite que a vida surja e se desenvolva na superfície do planeta. O movimento da Terra causa correntes elétricas que se estendem para o espaço e o campo magnético cria uma barreira energética para proteger a Terra do vento solar e dos raios cósmicos do espaço profundo. O vento solar, uma corrente de partículas carregadas [pela energia] do Sol, poderia potencialmente remover a camada de ozônio se impactasse nossa atmosfera diretamente.

Quando o campo e os polos magnéticos da Terra reverte, com sucesso ou não, mais radiação do Sol pode passar e atingir os seres vivos na superfície. Os cientistas associaram eventos de extinção anteriores  a reversões de campos magnéticos do planeta que são eventos cíclicos.

A árvore Kauri fossilizada é a primeira árvore encontrada que passou por uma inversão quase total do campo magnético e os anéis das árvores mostram evidências completas da reversão magnética dos polos e do campo magnético . “É o tempo que leva para que esse movimento ocorra, que é crucial. Nós mapearemos essas alterações com muito mais precisão usando os anéis das árvores”,  disse Hogg.

O campo magnético que se estende do interior da Terra para o espaço, interage com o vento solar , um fluxo de partículas carregadas que emanam do Sol . O campo magnético da Terra é gerado por correntes elétricas devido ao movimento das correntes de convecção de uma mistura de ferro fundido e níquel no núcleo externo da Terra : essas correntes de convecção são causadas pela fuga de calor do núcleo, um processo natural chamado geodinamismo.

Chris Turney, especialista em paleoclimatologia e mudanças climáticas da Universidade de New South Wales, lidera um grupo de cientistas que está analisando amostras da árvore kauri. Compreender o que aconteceu com a árvore durante o evento de reversão magnética pode ser útil. Hogg explicou: Se acontecer uma reversão dos polos/campo magnético da Terra nos dias atuais “Teremos aumentado da radiação cósmica. O evento destruirá satélites e poderá remover as outras infra-estruturas de comunicação, interromper a geração de eletricidade e deixar tudo que for eletrônico inoperante”.

Turney disse:  “O precioso é que essa enorme e solitária árvore cresceu por cerca de 1700 anos ao longo de um período notável na história do nosso planeta, quando o campo magnético da Terra se inverteu há cerca de 42 mil anos, um período conhecido como Evento Laschamp. Financiados pelo Conselho Australiano de Pesquisa, estamos realizando medições detalhadas da forma radioativa do carbono através dos anéis dessa árvore”.

De acordo com a NASA, as inversões magnéticas dos polos parecem ter acontecido uma vez a cada 200.000 a 300.000 anos nos últimos 20 milhões de anos, e a última reversão total ocorreu cerca de 780.000 anos atrás. No entanto, isso também pode acontecer aleatoriamente.

A árvore Kauri fossilizada estava enterrada a 7,92 metros de profundidade e mede 19,81 metros de comprimento, com diâmetro de 2,44 metros e pesa cerca de 60 toneladas. 

O cientista revelou, no ano passado, que o atual  pólo norte magnético esta se movendo inesperadamente . O rastreamento do Ártico canadense à Sibéria geralmente é constante, mas acelerou o número de pesquisadores que tiveram que renovar o Modelo Magnético Mundial (MMM) no final de 2019 do que teria sido o período habitual de cinco anos. Utilizado mundialmente por sistemas de localização via GPS, o WMM é uma representação do campo magnético da Terra e sua precisão é crucial para garantir uma navegação segura na aviação e na navegação marítima, principalmente nas regiões polares.

“Como o campo magnético da Terra tem um grande efeito sobre a quantidade de radiocarbono formado na atmosfera superior, essas preciosas análises nos permitirão investigar a magnitude e a taxa de mudança quando o campo magnético reverteu durante a Evento Laschamp; algo que não era possível antes e de grande interesse, dadas as recentes e bruscas mudanças no campo [e nos polos] magnético da Terra ”,  explicou Turney.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.