browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Dois Cientistas europeus confirmam que vírus Covid foi criado em laboratório

Posted by on 31/05/2021

Dois virologistas notáveis dizem que as “Impressões Digitais” genéticas provam que o COVID-19 é artificial, foi criado em laboratório  Um novo estudo explosivo afirma que os cientistas chineses criaram o COVID-19 em um laboratório de Wuhan e, em seguida, tentaram cobrir seus rastros com versões de engenharia reversa do vírus para fazer com que parecesse ter evoluído naturalmente dos morcegos. Os autores do artigo, o virologista e professor britânico Angus Dalgleish e o cientista norueguês Dr. Birger Sørensen, escreveram que há um ano tiveram “evidências prima facie de retroengenharia do vírus na China ” – mas foram ignorados por acadêmicos e jornais [PRE$$TITUTE$] importantes. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Fontes:  Mail Online  –  Zero Hedge

Dois virologistas notáveis da Europa afirmam ter encontrado “impressões digitais únicas” em amostras do COVID-19 que só poderiam ter surgido de manipulação feita em laboratório, de acordo com um artigo explosivo de 22 páginas obtido pelo Daily Mail .

Os autores do artigo, o cientista norueguês Dr. Birger Sørensen (à esquerda) e o professor britânico Angus Dalgleish (à direita), via Daily Mail

O professor britânico Dr. Angus Dalgleish – mais conhecido por criar a primeira ‘vacina contra o HIV’ do mundo , e o cientista virologista norueguês Dr. Birger Sørensen – presidente da empresa farmacêutica Immunor, que publicou 31 artigos científicos revisados ​​por pares e detém várias patentes, escreveram que enquanto analisavam o vírus no ano passado, a dupla descobriu “impressões digitais únicas” na forma de “seis inserções” criadas por meio de pesquisas de ganho de função no Instituto de Virologia de Wuhan, na China.

Eles também concluíram que “o SARS-Cov-2 não tem” nenhum ancestral natural confiável “e que está “além da dúvida razoável “que o vírus foi criado por meio de” manipulação genética em laboratório”.

No ano passado, Sørensen disse à emissora norueguesa NRK que o COVID-19 tem propriedades que ‘nunca foram detectadas na natureza’ e que os Estados Unidos têm ‘colaborado por muitos anos na pesquisa do coronavírus por meio de estudos de “ganho de função” em vírus em conjunto com a China.


Um diagrama do coronavírus mostra seis ‘impressões digitais’ identificadas pelos dois cientistas, que eles dizem mostrar que o vírus deve ter sido criado geneticamente em um laboratório (Daily Mail)

Um segundo diagrama mostrou como uma linha de quatro aminoácidos encontrados no pico SARS-Cov-2 tem uma carga positiva que se agarra às células humanas como um ímã, tornando o vírus extremamente infeccioso (Daily Mail)

O artigo detalhando sua “análise forense” de meses de duração, que analisou experimentos feitos no Wuhan Institute of Virology entre 2002 e 2019, está programado para ser publicado na revista científica Quarterly Review of Biophysics Discovery.Mais pelo Daily Mail :

Pesquisando arquivos de periódicos e bancos de dados, Dalgleish e Sørensen juntaram como os cientistas chineses, alguns trabalhando em conjunto com universidades americanas, supostamente construíram as ferramentas para criar o coronavírus. 

Muito do trabalho foi centrado em torno da polêmica pesquisa de ‘ganho de função ‘ – “temporariamente” proibida nos Estados Unidos durante o governo Obama.

O ganho de função envolve ajustes de vírus que ocorrem naturalmente para torná-los mais infecciosos e virulentos, de modo que possam se replicar em células humanas em um laboratório, permitindo que o efeito potencial do vírus em humanos seja estudado e melhor compreendido. 

Dalgleish e Sørensen afirmam que os cientistas que trabalham em projetos de ganho de função pegaram uma ‘espinha dorsal’ de coronavírus natural encontrada em morcegos das cavernas chineses e uniram nela uma nova ‘ponta’, transformando-a no mortal e altamente transmissível SARS-Cov-2, o atual Covid-19.

Um sinal revelador de suposta manipulação que os dois cientistas destacaram foi uma fileira de quatro aminoácidos que encontraram no SARS-Cov-2.

Em uma entrevista exclusiva ao DailyMail.com, Sørensen disse que todos os aminoácidos têm carga positiva, o que faz com que o vírus se adira firmemente às partes negativamente carregadas das células humanas como um ímã, tornando-se mais infeccioso . 

Mas porque, como ímãs, os aminoácidos carregados positivamente se repelem, é raro encontrar até mesmo três em uma linha em organismos que ocorrem naturalmente, enquanto quatro em uma linha é “extremamente improvável”, disse o cientista.

“As leis da física significam que você não pode ter quatro aminoácidos carregados positivamente em uma fileira. A única maneira de conseguir isso é fabricando-o artificialmente’, disse Dalgleish ao DailyMail.com.

Seu novo artigo diz que essas características do SARS-Cov-2 são ‘impressões digitais únicas’ que são ‘ indicativas de manipulação intencional em laboratório’, e que ‘a probabilidade de ser o resultado de processos naturais é muito pequena.’

“Seria de se esperar que uma pandemia de vírus natural sofresse mutação gradual e se tornasse mais infecciosa, mas menos patogênica, o que muitos esperavam com a pandemia de COVID-19, mas o que não parece ter acontecido”, escreveram os cientistas. “A implicação de nossa reconstrução histórica, postulamos agora além de qualquer dúvida razoável, do vírus quimérico propositalmente manipulado em laboratório SARS-CoV-2 torna imperativo reconsiderar que tipos de experimentos de ganho de função é moralmente aceitável empreender”.

O estudo concluiu que o ‘SARS-Cov-2 não tem ancestral natural confiável’ e que está ‘fora de qualquer dúvida’ que o vírus foi criado por meio de ‘manipulação de laboratório’ (Daily Mail)

Quando Sørensen e Dalgleish divulgaram suas descobertas no ano passado, elas foram ‘desmascaradas’ com a mais tênue lógica – no entanto, o ex-chefe do MI6, Sir Richard Dearlove, apontou as descobertas do par como um desenvolvimento “importante” que poderia provar que a pandemia pode ter se originado nos laboratorios do Instituto de Virologoa de Wuhan, na China.

Sørensen e Dalgleish não foram os primeiros cientistas a encontrar características incomuns no COVID-19. Em junho passado, o Daily Telegraph relatou que existem dois recursos exclusivos do COVID-19:

Primeiro, o vírus se liga mais fortemente às enzimas ACE2 humanas do que qualquer outra espécie, incluindo morcegos.

Em segundo lugar, o SARS-CoV-2 tem um “local de clivagem da furina” ausente em seu parente coronavírus de morcego, RaTG-13, o que o torna significativamente mais infeccioso – uma descoberta que relatamos no final de fevereiro.

De acordo com o geneticista israelense, Dr. Ronen Shemesh, o localFurin é o achado mais incomum.

“Eu acredito que a questão mais importante sobre as diferenças entre os tipos de coronavírus ALL é a inserção de um local de clivagem da protease Furin na proteína Spike do SARS-CoV-2”, disse ele. “Tal inserção é muito rara na evolução natural, a adição desses 4 aminoácidos por si só no curso de apenas 20 anos é muito improvável.”

“Há muitas razões para acreditar que o COVID-19 que gera o SARS-CoV-2 foi gerado em um laboratório. Muito provavelmente por métodos de engenharia genética”, disse ele, acrescentando “Eu acredito que esta é a única maneira de uma inserção como a o local de clivagem da protease FURIN poderia ter sido introduzido diretamente no lugar certo e tornar-se eficaz”. 

O Dr. Shemesh, que tem um PhD em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Hebraica de Jerusalém, e mais de 21 anos de experiência no campo da descoberta e desenvolvimento de medicamentos, disse que é ainda “mais improvável” que essa inserção tenha acontecido exatamente no lugar certo. lugar do local de clivagem da proteína spike – que é onde ela precisaria ocorrer para tornar o vírus mais infeccioso. – Daily Telegraph

“O que torna ainda mais suspeito é o fato de que essa inserção não só ocorreu no lugar certo e na hora certa, mas também mudou o local de clivagem de um local de clivagem de protease Serina para um local de clivagem FURIN“, acrescentou.

Em janeiro de 2020, uma equipe de cientistas indianos escreveu em um artigo agora retratado que o coronavírus pode ter sido geneticamente modificado para incorporar partes do genoma do HIV, escrevendo “Esta estranha semelhança de novas inserções na proteína spike 2019- nCoV com HIV- É improvável que 1 gp120 e Gag sejam fortuitos por natureza “, ou seja, era improvável que ocorresse naturalmente.

No mês seguinte, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Nankai observou que o COVID-19 tem uma ‘mutação semelhante ao HIV’ que permite que ele entre rapidamente no corpo humano ao se ligar a um receptor chamado ACE2 em uma membrana celular.

Outros vírus altamente contagiosos, incluindo HIV e Ebola, têm como alvo uma enzima chamada furina, que funciona como um ativador de proteína no corpo humano. Muitas proteínas ficam inativas ou dormentes quando são produzidas e precisam ser “cortadas” em pontos específicos para ativar suas várias funções.

Ao examinar a sequência do genoma do novo coronavírus, o professor Ruan Jishou e sua equipe da Universidade Nankai em Tianjin encontraram uma seção de genes mutantes que não existiam em Sars, mas eram semelhantes aos encontrados no HIV e no Ebola. – SCMP

De acordo com o estudo da Universidade Nankai, o método de ligação da furina é “100 a 1.000 vezes mais eficiente” do que o SARS na entrada nas células.

“Esta proteína de clivagem de proteína é altamente promíscua, é encontrada em muitos tecidos humanos e tipos de células e está envolvida em muitos outros tipos de vírus de ativação e mecanismos de infecção (ela está envolvida nos mecanismos dos vírus HIV, Herpes, Ebola e Dengue)”, disse o Dr. Shemesh. “Se eu estivesse tentando criar uma cepa de vírus com maior afinidade e potencial infeccioso para humanos, eu faria exatamente isso: adicionaria um local de clivagem Furin diretamente no local de clivagem menos eficaz e mais específico da célula original.”

Enquanto isso, o professor da Flinders University, Nikolai Petrovsky, descobriu no ano passado “uma notável coincidência ou um sinal de intervenção humana” dentro do COVID-19, dizendo ao Telegraph que o COVID-19 é “primorosamente adaptado aos humanos”.

O professor da Flinders University, Nikolai Petrovsky

“Nós realmente não sabemos de onde esse vírus veio – essa é a verdade. As duas possibilidades são que foi uma transmissão casual de um vírus … a outra possibilidade é que foi uma liberação acidental do vírus fabricado em um laboratório”, disse ele, acrescentando “Uma das possibilidades é que um hospedeiro animal tenha sido infectado por dois coronavírus ao mesmo tempo e COVID-19. O mesmo processo pode acontecer em uma placa de Petri”.

“Em outras palavras, COVID-19 poderia ter sido criado a partir desse evento de recombinação em um hospedeiro animal ou poderia ter ocorrido em um experimento de cultura de células. Eu certamente sou a favor de uma investigação científica. Seu único objetivo deveria ser descubrir como essa pandemia aconteceu e como podemos prevenir uma futura pandemia”. 

Lembrem-se – relatar o que aconteceu no ano passado era punível com banimento da mídia social, desmonetização e artigos de sucesso de propagandistas que vendiam pontos de discussão do PCC.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda manteve o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“O futuro será encontrar uma forma de reduzir a população … Claro, não seremos capazes de executar pessoas ou construir acampamentos [campos de concentração]. Livramo-nos deles fazendo-os acreditar que é para o seu próprio bem … Vamos encontrar ou causar alguma coisa, uma pandemia que atingirá certas pessoas, uma crise econômica real ou não, um vírus que afeta os idosos, tanto faz, os fracos e os medrosos sucumbirão a ela. O estúpido vai acreditar nisso e pedir para ser tratado.  Teremos cuidado de ter planejado o tratamento, um tratamento que será a solução.A seleção dos idiotas [para abate], portanto, será feita por si mesmos: eles irão para o matadouro sozinhos”.  – Excerto de livro de 1981 de Jacques Attalli [Membro do Grupo Bilderberger, num exemplo de mentalidade dos psicopatas da Elite]


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

3 Responses to Dois Cientistas europeus confirmam que vírus Covid foi criado em laboratório

  1. Keanu Reeves

    Ou seja HIV & Ebola foram criados também em laboratório.

  2. Silvio J. B. Maia

    Isso já está pra lá de notório mas -principalmente os chefes de nações (mesmo incapacitados)- deve-se tomar cuidado com pronunciamentos públicos..

  3. Keanu Reeves

    “O professor britânico Dr. Angus Dalgleish – mais conhecido por criar a primeira ‘vacina contra o HIV’ do mundo”, pode me mostrar se isso é verdade mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.