Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

É Fato Comprovado: Ocidente está Diretamente Envolvido no Planejamento Militar da Ucrânia, diz ex-oficial sueco

Em recentes declarações à Sputnik, Mikael Valtersson, ex-oficial das Forças Armadas/Defesa Aérea sueca e ex-chefe da equipe dos Democratas Suecos, ressaltou a importância das evidências emergentes que indicam o envolvimento direto do Ocidente no planejamento das operações militares ucranianas. Valtersson comentou em cima da divulgação de uma gravação de conversa entre militares alemães, na qual discutiram o ataque à ponte russa na Crimeia com mísseis alemães Taurus.

É FATO COMPROVADO: o Ocidente está Diretamente Envolvido no Planejamento Militar da Ucrânia, diz ex-oficial sueco

Fontes: Sputnik

“[A gravação] É uma evidência concreta do envolvimento direto do Ocidente no planejamento das operações militares ucranianas. Muitos já suspeitavam disso, mas agora temos as provas”, declarou Mikael.

O impacto dessas revelações está alterando a percepção do conflito por parte dos ocidentais, que inicialmente viam o embate como a Rússia contra Ucrânia. Agora há uma nova compreensão de que se trata de Rússia contra os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), destacando a complexidade das dinâmicas em jogo.

“Muitos automaticamente apoiam a parte mais fraca nos conflitos. E se o conflito for visto como uma luta existencial da Rússia contra todo o poder do Ocidente, isso fortalecerá o apoio à Rússia no mundo“, ressalta Valtersson.

A transcrição vazada de uma gravação da conversa entre representantes da Bundeswehr, publicada on-line pela editora-chefe do grupo Rossiya Segodnya, da qual a Sputnik faz parte, Margarita Simonyan comprova o envolvimento direto dos militares alemães no conflito, contradizendo as declarações do chanceler alemão, Olaf Scholz. Scholz afirmou anteriormente que não desejava a presença militar alemã na Ucrânia, levantando questões sobre a “coerência” das ações alemãs no cenário internacional.

FOTO DO ARQUIVO: Míssil ar-superfície de longo alcance Taurus. ©  Ministério da Defesa da Coreia do Sul via Getty Images

Valtersson destaca a aparente contradição entre as afirmações de Scholz e a presença de oficiais alemães na Ucrânia, envolvidos no planejamento de ataques ucranianos. Essa discrepância levanta questionamentos sobre a transparência das políticas internacionais envolvendo a crise ucraniana e reforça a necessidade de uma análise mais aprofundada das ações dos países ocidentais no conflito.

Discussão alemã sobre ataques à Rússia: o que surgiu até agora

Generais da Luftwaffe supostamente falaram sobre ajudar secretamente a Ucrânia a bombardear a ponte da Crimeia.

Moscou exigirá uma explicação de Berlim sobre supostos planos de fornecer mísseis Taurus à Ucrânia e ajudar os ucranianos a atacar a ponte da Crimeia e outros alvos na Rússia, disseram altas autoridades russas na sexta-feira. 

A editora-chefe da RT, Margarita Simonyan, publicou uma transcrição da conversa entre oficiais superiores do Bundeswehr discutindo o assunto, seguida por uma gravação de áudio de 38 minutos. O governo alemão ainda não respondeu ao vazamento da gravação. 

ENQUANTO ISSO, NAS FORÇAS ESPACIAIS DOS EUA . . .A (o) tenente-coronel Bree Fram, um(a) oficial transgênero da Força Espacial dos EUA, falou à Força Aérea dos EUA sobre inclusão e EXIGIU que todos respeitassem as pessoas LGBTQ+ e usassem pronomes CORRETOS. O mundo está rindo de nós

Aqui está o que sabemos até agora SOBRE O IMBROGLIO da Alemanha na Ucrânia.

Uma transcrição e uma gravação de áudio, tornadas públicas

Simonyan postou a transcrição do telefonema de 19 de fevereiro em sua página VK, identificando os participantes como o chefe da força aérea alemã (Luftwaffe), general Ingo Gerhartz, o vice-chefe do Estado-Maior para operações da filial, brigadeiro-general Frank Graefe, e outros dois militares alemães.

Logo depois, Simonyan também publicou a gravação de áudio da discussão, em alemão, em seu canal Telegram.

O que foi dito na ligação

Os oficiais discutiram os detalhes operacionais e de direcionamento dos mísseis de longo alcance Taurus que a Alemanha estava debatendo enviar para a Ucrânia, como se isso já tivesse sido acordado – e como manter uma negação plausível para que a Alemanha pudesse evitar cruzar a “ linha vermelha” do seu envolvimento em ataque direto à Rússia.

Gerhartz mencionou vários “truques” que a Luftwaffe poderia usar, incluindo contar com “muitas pessoas [na Ucrânia] à paisana que falam com sotaque americano”,  mas Graefe insistiu que “não há linguagem que nos torne parte do conflito.” 

Outros oficiais falaram sobre fornecer aos ucranianos os mísseis e o treinamento para usá-los, bem como as informações de direcionamento por satélite, possivelmente através da Polônia.

Obsessão pela Ponte do Estreito de Kerch

Os alemães notaram a fixação dos ucranianos na Ponte da Crimeia, principalmente por razões políticas. Eles notaram que a ponte era robusta o suficiente para que nem mesmo 20 mísseis fossem capazes de destruí-la. Os cerca de 50 mísseis que Berlim poderia fornecer a Kiev – em lotes – “não mudarão o curso da guerra”, admitiu o próprio Gerhartz.

As Reações da Rússia

“Exigimos uma explicação da Alemanha. Berlim oficial deve fornecê-lo imediatamente. As tentativas de evitar a questão serão consideradas uma admissão de culpa”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

Ponte da Crimeia em chamas após sofrer ataque com mísseis da Ucrânia

O ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, disse que a OTAN estava com “ovo na cara” devido à gravação. Ele também observou que os oficiais alemães sabiam perfeitamente que estavam discutindo o envolvimento direto da Alemanha, como evidenciado pelas tentativas de disfarçá-lo ou ocultá-lo, e destacou a parte sobre os americanos que operam na Ucrânia.

O presidente da Duma, Vyacheslav Volodin, disse que a legislatura abordará a gravação quando se reunir novamente em 11 de março. O assunto “merece a discussão mais séria” e Moscou certamente precisa “enviar uma exigência ao Bundestag para conduzir uma investigação”, acrescentou. .

Os alemães “mais uma vez se transformaram em nossos arquiinimigos”, disse o ex-presidente russo Dmitry Medvedev. “Basta ver quão minuciosamente e com que detalhe os Krauts estão discutindo ataques com mísseis de longo alcance no território da Rússia, e estão escolhendo alvos e as formas mais viáveis ​​de prejudicar a nossa Pátria e o nosso povo.” Ele encerrou sua postagem com o slogan da Segunda Guerra Mundial, “Morte aos Fascistas!”

Reações ocidentais

Quando questionado sobre a gravação e a transcrição na sexta-feira, o Pentágono se recusou a comentar, dizendo aos repórteres americanos que, em vez disso, contatassem os militares alemães.

Analise: plano alemão de ataque à Ponte da Crimeia é ‘Quase uma Declaração de Guerra’

O comandante Robinson Farinazzo, especialista militar e oficial da reserva da Marinha do Brasil, comentou à Sputnik Brasil o recente escândalo provocado pelo vazamento de uma gravação de uma conversa entre oficiais alemães sobre planos de ataque à Ponte da Crimeia com mísseis Taurus.

Ele expressou preocupação com as possíveis ramificações do plano alemão, o que levantaria questões sobre o conhecimento do governo da Alemanha. Vale ressaltar que o Ministério da Defesa germânico se recusou a comentar o caso.

“Ou o governo alemão sabia de tudo e está envolvido até o pescoço, ou ele não sabia de nada e é uma conspiração.”

Caso se trate de uma dissidência dentro do Exército alemão, o especialista entende que os militares envolvidos deverão passar por conselhos de Justiça e cortes marciais. No entanto, “se o governo da Alemanha tiver ciência disso, é mais grave ainda e quase uma declaração de guerra da Alemanha”.

Além disso, ele avalia que a reação russa pode determinar o desenrolar dos fatos. “O fato realmente é grave, é uma intenção de agressão de um país contra outro. Essa situação pode sair do controle, se não for bem administrada, se as respectivas chancelarias não jogarem água nessa fogueira.”

“Se a Rússia encarar isso como uma provocação bastante séria, eu não sei quais são as medidas que o governo russo pode adotar.”

A Guerra híbrida já ocorria antes da operação militar russa

Farinazzo também ressalta o contexto mais amplo do conflito na região. Segundo ele, a guerra híbrida em andamento, com participação de países ocidentais, já existe há tempos — citando eventos como a Revolução Laranja e o Euromaidan em 2014, por exemplo.

Silêncio do governo alemão

Farinazzo entende que a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, tem feito seu papel diplomático, enquanto o governo alemão, em silêncio, estaria admitindo a culpa ou buscando tempo. “Não podemos descartar a possibilidade de os backchannels [interlocutores não públicos] russos e alemães estarem conversando no sentido de ajeitar as coisas.”

“[Olaf] Scholz [chanceler alemão] já se pronunciou contra [o uso de mísseis], a maior parte dos políticos é contra. Agora, se existe uma rebeldia nas Forças Armadas alemãs, já está mais do que na hora de o Poder Executivo fazer valer sua autoridade”, opina.

O especialista militar explica que os mísseis Taurus — utilizados no ataque considerado terrorista pela Rússia — têm alcance maior que o Storm Shadow e o Scalp, devido a um motor mais eficiente. “O Storm Shadow e o Scalp têm motor turbojet e o Taurus tem um motor turbofan. Especula-se que a ogiva destrutiva do Taurus seria mais efetiva.”

“Mas a grande preocupação da Rússia é justamente o alcance — o Taurus pode chegar a uns 500 quilômetros de alcance, ou seja, os ucranianos poderiam em tese atingir localidades no oeste da Rússia para além da fronteira entre os dois países.”


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *