browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

E se o “ET” não vier em paz? Três cenários de encontro com seres alienígenas

Posted by on 13/02/2019

Existe vida lá fora? Muitos se perguntam sobre isso, mas há opiniões diferentes quanto à probabilidade de tal coisa. Mas há outra questão importante além de saber se existe vida lá fora. Se houver contato entre terráqueos e extraterrestres, como seria esse encontro? E quando acontecer contato entre terráqueos e seres alienígenas, como seria esse encontro? Os sociólogos Michael Schetsche e Andreas Anton tentaram responder a essas perguntas em seu livro Die Gesellschaft der Außerirdischen: Einführung in Die Exosoziologie” {A Sociedade Alienígena, Introdução à Exosociologia} 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

E se os “ETs” não vierem em paz? Três cenários de encontro com seres alienígenas

Fonte: https://sputniknews.com/  e  https://exonews.org/

• O primeiro a falar de Exossociologia (e usando o termo) foi o astrônomo soviético Samuil Aronovich Kaplan no final dos anos 60. A exosociologia é o estudo de possíveis caminhos que a futura interação entre nossa civilização terrestre e uma civilização extraterrestre poderia levar, estendendo assim a sociologia para além da humanidade, dando-lhe uma escala universal.

• De acordo com os exosociologistas, existem três cenários possíveis para um encontro entre a humanidade da Terra e uma civilização extraterrestre: a primeira é o “contato remoto”, onde a Terra recebe um sinal distante de uma civilização extraterrestre. O segundo é o “Contato Indireto”, onde descobrimos algum tipo de sonda ou artefato antigo que demonstra a presença de uma entidade extraterrestre que teria visitado o sistema solar há muito tempo. A terceira é pelo ‘Contato Direto’, onde nos encontramos e nos comunicamos diretamente com os extraterrestres que chegam à Terra em suas espaçonaves.

Reptiliano da Casta inferior, soldados, com cerca de 2,20 a 2,50 metros de altura, fotografia de um exemplar empalhado em uma base subterrânea

• Na história da humanidade na Terra, sempre que uma civilização tecnologicamente superior encontrou uma civilização inferior (tecnologicamente), o grupo menos desenvolvido foi reprimido, resultando em conseqüências econômicas, políticas e religiosas negativas e, por fim, na destruição da civilização menos evoluída tecnologicamente. Portanto, Schetsche acredita que entrar em contato com uma civilização extraterrestre tecnologicamente superior à nossa poderia ter “sérias conseqüências” para a humanidade.

• Por outro lado, a descoberta de artefatos de tecnologia avançada extraterrestre provavelmente desencadearia uma corrida e até guerras entre estados e corporações que buscam aproveitar a tecnologia alien descoberta {o que vem sendo feito nos últimos 70 anos, em segredo}. Então, de qualquer forma, a interação humana com uma raça extraterrestre tecnologicamente avançada resultaria em “… conseqüências negativas”, concluiu Schetsche. 


{[Nota do editor]   É uma visão depreciativamente estreita e ingênua da potencial interação humana com seres extraterrestres para basear tal encontro {como se ele ainda não tivesse ocorrido} em nosso próprio histórico humano de guerra e conquista neste planeta. Na verdade, seres extraterrestres avançados estão aqui há centenas de milhões de anos ou mais, e ainda estarão aqui. Alguns são seres positivos que primariamente mantêm um olho em nós, esperando que façamos as escolhas evolutivas certas para avançar na consciência até um nível em que eles possam interagir conosco. Outros são seres negativos que ignoraram o edital universal da Lei de Não-Interferência com civilizações em desenvolvimento, e já manipularam nossa {inclusive geneticamente} sociedade terrestre para nos manter em estado de violência e guerra perpétua e a subjugação econômica que experimentamos hoje.  Ironicamente, a descoberta da tecnologia alienígena avançada durante e após o final da Segunda Guerra Mundial resultou na utilização desta tecnologia por parte dos poderes ocultos que controlam os governos em uma competição por programas espaciais secretos, enquanto mantém tudo oculto e em segredo de uma população de zumbis que é condicionada a se orgulhar de sua própria ignorância e imbecilidade. Ao contrário da suposição auto-proclamada dos exosociologistas de que uma civilização negativa avançada desejaria devastar nossa civilização terrestre, na verdade, nós humanos somos mais valiosos para eles como recursos alheios, como gado num curral, completos ignorantes, não iluminados e controlados por um sistema de controle mental {criado por eles mesmos}, presos mentalmente em uma teia como zumbis salivando, em uma cultura subdesenvolvida no fundo do poço do sistema evolutivo.}


Existe vida lá fora? Muitos se perguntam sobre isso, mas há opiniões diferentes quanto à probabilidade de tal coisa. Mas há outra questão importante além de saber se existe vida lá fora. Se houver contato entre terráqueos e extraterrestres, como seria esse encontro? Os sociólogos Michael Schetsche e Andreas Anton tentaram responder a essas perguntas em seu livro Die Gesellschaft der Außerirdischen: Einführung in Die Exosoziologie”{A Sociedade Alienígena, Introdução à Exosociologia} . O Sputnik falou com Michael Schetsche, um dos autores do estudo.

A Exosociologia, a doutrina sobre a qual Schetsche e Anton basearam seu livro, estuda os possíveis caminhos que a futura interação entre a civilização terrestre e outra, também inteligente, mas extraterrestre, poderia tomar. Como Schetsche apontou, o primeiro a falar de exossociologia foi o astrônomo soviético Samuil Aronovich Kaplan no final dos anos 1960. No livro “Civilizações Extraterrestres. Problemas da comunicação interestelar ”ele e seus colegas analisaram todas essas questões e foram os primeiros a chamar esse programa de exosociologia. A ciência estuda os alienígenas do ponto de vista terrestre, estendendo assim a sociologia para além da humanidade, dando-lhe uma escala universal.

Planetas habitados e vida em condições adversas – as causas da Exosociologia

Segundo Schetsche, a questão das civilizações extraterrestres tornou-se mais importante nas últimas décadas por dois motivos. Por um lado, a humanidade passou a conhecer muito mais sobre possíveis planetas habitáveis. 
Aproximadamente 1% de t ”Nós sabemos há cerca de 20 anos que os planetas do Universo estão espalhados por toda parte. Segundo as estimativas atuais, temos 200-300 bilhões de planetas {somente} em nossa galáxia Vioa Láctea”, disse o cientista. Esses planetas orbitam uma estrela em uma área onde a vida é possível {vida como a conhecemos aqui na Terra} – conhecida como “zona habitável”. Como resultado, somente em nossa Galáxia {e existem infinitas galáxias} teríamos algo em torno de um a três bilhões de planetas que poderiam ser habitados.

Por outro lado, a pesquisa mostrou que a vida é um fenômeno “extremamente robusto”. “Em todo o mundo, onde as condições apropriadas existem, diferentes formas de vida se desenvolvem”. É por isso que a vida pode existir no Universo, apesar das condições às vezes muito severas. “Hoje em dia, nossas concepções científicas do Universo dizem que é muito provável que existam outras inteligências {espalhadas pelas incontáveis estrelas} além do ser humano, e isso significa que poderíamos encontrá-las algum dia”, disse Schetsche. 

Sinais, artefatos e contato direto

Os “exosociólogos” usaram certos métodos de futurologia e criaram uma série de cenários, isto é, determinaram alguns parâmetros básicos e diferentes cenários para um encontro entre humanos da Terra e extraterrestres.  Segundo os cientistas, existem três cenários possíveis.

1. Contato remoto Neste cenário, a Terra receberia um sinal distante de uma civilização extraterrestre.  Atualmente, este é o único cenário de pesquisa do programa SETI {Search for extraterrestrial intelligence} americano, que busca encontrar evidencias da existência de inteligência extraterrestre.  Schetsche considera que esta pesquisa tem defeitos porque o contato também pode ser feito de outras maneiras.

2. Contato indireto através de um artefato. Nesse cenário, nós entraríamos em contato com alienígenas na vizinhança da Terra quando descobríssemos alguma sonda antiga ou detritos espaciais suspeitos. Seriam artefatos que demonstram a presença de uma entidade extraterrestre que teria visitado o sistema solar há muito tempo.

3. Contato direto. Neste cenário, entraríamos em contato diretamente com seres extraterrestres, com uma espaçonave trazendo os alienígenas. Não está descartado, no entanto, que tal espaçonave possa ser dirigida por inteligência artificial ou por algum tipo de tecnologia. O que é mais importante aqui é que através disso pode haver a nossa comunicação com uma civilização alienígena.

É mais provável que o Contato será perigoso

Como não temos exemplos de civilizações extraterrestres disponíveis para pesquisa, devemos fazer uso de analogias históricas que ocorreram na Terra quando civilizações “mais avançadas” entraram em contato com outras “menos desenvolvidas”, explicou Schetsche. É o que é chamado de “contato cultural assimétrico”.

“Os conquistadores espanhóis e portugueses representaram” a civilização tecnologicamente mais poderosa “e reprimiram os representantes da civilização mais fraca”, lembrou o sociólogo {e sabemos as consequências deste fato}.

Devemos lembrar também que, nesses casos, o encontro entre duas culturas diferentes sempre teve conseqüências econômicas, políticas e religiosas negativas para a civilização mais fraca, que não foi capaz de “introduzir novos conhecimentos em sua própria concepção de mundo”, disse ele. No final, tudo isso leva à destruição daquela civilização mais rudimentar. Levando em conta os exemplos desse tipo, Schetsche acredita que entrar em contato com uma civilização extraterrestre tecnologicamente superior à nossa poderia ter “sérias conseqüências” para a humanidade.

Quanto ao cenário de artefatos tecnológicos, também levanta alguma preocupação, pois a descoberta de tecnologia extraterrestre no cinturão de asteróides, por exemplo, provavelmente colocaria em marcha uma corrida entre estados e corporações aqui da Terra que buscariam aproveitar essa tecnologia. Esses confrontos podem até se transformar em guerras.

“Tememos que enfrentaremos conseqüências bastante negativas”, concluiu o exossociologista.

LEIA MAIS:  Dark ‘Shadow’ Spotted Over Earth Spawns Alien Planet teorias da conspiração

O interesse de Michael Schetsche por esse tipo de pesquisa se deve a dois motivos. Por um lado, ele próprio quase se tornou um astrofísico, mas depois “decidiu contra isso em tempos politicamente turbulentos” e tornou-se um sociólogo. Por outro lado, ele é um dos alunos do russo Ossip Flechtheim, que teria fundado o ramo alemão da futurologia.

“A futurologia sempre foi um tópico fundamental para mim. É por isso que não estou apenas perguntando o que acontece agora, que é a questão clássica da sociologia; também me pergunto o que acontecerá em dez, vinte ou cinquenta anos. Diferentes aspectos entram em foco. E um desses aspectos é a questão: e se fôssemos confrontados com uma inteligência extraterrestre?” o pesquisador pergunta. 


A MATRIX, O SISTEMA de CONTROLE MENTAL“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Muito mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

One Response to E se o “ET” não vier em paz? Três cenários de encontro com seres alienígenas

  1. Antonio Oliveira

    Como não temos outro referencial, tendemos a fazer nossos prognósticos sob o estrito ponto de vista humano; exatamente por isso que há um certo temor de como seria o contato com extraterrestres. Esse temor pode ser originado da característica xenófoba de nós humanos, que é até compreensível, afinal, até aonde sabemos todo ser vivo envida esforços para manter a sua sobrevivência.
    Em meu entender, chegará um momento – não sabemos quando – que esse contato ocorrerá, queiramos ou não. O termo “Maktub” significa “assim estava escrito”, ou seja, estamos fadados a um processo evolutivo e a Lei do Livre Arbítrio nos permite decidir apenas o momento para isso ocorrer.
    E por que essa evolução é necessária? porque a tendência de todos nós é nos tornarmos Mestres ascencionados, Mestres co criadores e, como no cosmos ha muitas raças e, muitas delas em processo de evolução, como a nossa, temos uma missão pela frente. Portanto, nesse momento, a pergunta que cada um deve fazer a si mesmo é: QUAL A MINHA MISSÃO AQUI NESSA ESFERA?
    Descobrir a resposta a essa pergunta é primordial e levará cada um de nós a aquele propósito da Criação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.