Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Ciência e a Prática da Medicina foi totalmente Militarizada

Estou pensando em uma determinada indústria. Veja se você consegue adivinhar qual é…Esta indústria é enorme, constituindo uma grande parte do PIB do país. Milhões de pessoas ganham a vida através dela, direta ou indiretamente. As pessoas que estão no topo desta indústria (que operam sobretudo nos bastidores, claro) estão entre os super-ricos. As empresas desta indústria exercem pressão incansável junto do governo do país, no valor de bilhões de dólares por ano, tanto para garantir contratos lucrativos como para influenciar a política nacional a seu favor. Este investimento compensa muito, o resultado chegando por vezes a trilhões de dólares.

A Ciência e a Prática da Medicina foi totalmente Militarizada

Fonte: Instituto Brownstone – De autoria de Clayton Baker através do Instituto Brownstone

As empresas que fornecem material a esta indústria realizam pesquisas avançadas e altamente técnicas que estão muito além da compreensão do cidadão médio. Os cidadãos financiam esta investigação, no entanto, através do dinheiro dos seus impostos. Sem que eles saibam, muitos dos lucros obtidos com os produtos desenvolvidos com o dinheiro dos impostos são mantidos pelos executivos e investidores das empresas.

Esta indústria aborda questões fundamentais de vida ou morte que a nação enfrenta. Como tal, promove-se incansavelmente como uma força global para o bem, alegando proteger e salvar inúmeras vidas. Porém, também mata muita gente e esse equilíbrio nem sempre é favorável.

O lado operacional desta indústria é enfaticamente descendente na sua estrutura e função. Aqueles que trabalham no nível básico devem passar por um treinamento rigoroso que padronize suas atitudes e comportamento. Devem seguir códigos de prática rigorosos e estão sujeitos a uma severa disciplina profissional caso se desviem das políticas e procedimentos aceites, ou mesmo se os questionarem publicamente.

Finalmente, esse pessoal de base é tratado de maneira peculiar. Publicamente, são frequentemente elogiados como heróis, especialmente em períodos declarados de crise. Privadamente, eles são mantidos completamente no escuro em relação às decisões de alto nível da indústria, e muitas vezes são enganados abertamente por aqueles que estão em níveis mais altos de comando. Os “grunhidos” perdem significativamente algumas liberdades civis fundamentais pelo privilégio de trabalhar na indústria.

Que setor estou descrevendo?

Se você respondeu “os militares”, é claro que estaria correto. No entanto, se você respondesse “a indústria da medicina”, estaria igualmente certo.

No discurso de despedida do Presidente Eisenhower,  de 17 de Janeiro de 1961, ele afirmou que “… nos Conselhos de Governo, devemos precaver-nos contra a aquisição de influência injustificada, procurada ou não, pelo complexo industrial militar”. Sessenta e três anos depois, muitos americanos entendem a que ele se referia.

Eles vêem o ciclo interminável de guerras não declaradas e de ocupações estrangeiras que duram décadas, empreendidas sob pretextos nebulosos ou mesmo completamente falsos. Eles vêem a mega-indústria de armas e munições sempre faminta que produz dispositivos mortíferos super caros e de alta tecnologia de todas as formas imagináveis e eficazes na matança, bem como o fluxo constante de soldados traumatizados que ela cospe. A guerra (ou, se você preferir o apelido orwelliano, “defesa”) é um grande negócio. E, como advertiu Eisenhower, enquanto aqueles que lucram com isso conduzirem a política e o fluxo de dinheiro, não só continuará, como continuará a crescer.

Mas outras mega indústrias – a indústria médica em particular – tiveram geralmente melhores resultados na percepção pública do que o complexo industrial militar. Então veio [liberaram o vírus da] o COVID.

Entre as suas muitas lições duras, a COVID ensinou-nos isto: se substituirmos as farmacêuticas Pfizer e a Moderna pelas fabricantes de armas Raytheon e a Lockheed Martin, e trocarmos o NIH e o CDC pelo Pentágono, obteremos o mesmo resultado. O “Complexo Industrial Médico” é tão real quanto o seu homólogo Complexo Industrial Militar, e é um problema igualmente real.

Como médico, tenho vergonha de admitir que, até a erupção da “pandemia” COVID, eu tinha apenas uma vaga ideia de que isso acontecia – ou, mais precisamente, eu sabia disso, mas não percebi o quão ruim era e não me preocupava muito com isso também. Claro (pensei), a indústria farmacêutica se envolveu em “práticas desonestas”, mas sabíamos disso há décadas e, afinal, eles fabricam alguns medicamentos eficazes.

Sim, os médicos tornavam-se cada vez mais empregados e os protocolos do “Complexo Industrial Médico” ditavam cada vez mais os cuidados aos pacientes enfermos, mas a profissão ainda parecia administrável. É verdade que os planos de saúde eram demasiado caros ( devorando 18,3% do PIB dos EUA em 2021), mas os cuidados de saúde são inerentemente caros. E afinal, estamos salvando vidas.

Até que não estávamos mais.

Do início a meados de 2020, tornou-se óbvio para aqueles que prestavam atenção que a “resposta” à COVID, embora promovida como uma iniciativa médica, foi na verdade uma operação militar. A lei marcial foi efetivamente declarada aproximadamente nos idos de Março de 2020, depois de o Presidente Trump ter sido misteriosamente convencido a ceder a resposta à COVID (e, na prática, levou junto o controle da nação) ao Conselho de Segurança Nacional. As liberdades civis – liberdade de reunião, de culto, o direito de viajar, de ganhar a vida, de prosseguir os estudos, de obter assistência jurídica – foram anuladas e sem efeito.

Os tirânicos ditames de cima para baixo sobre como tratar os pacientes com COVID foram transmitidos aos médicos de cima para baixo e foram aplicados com uma rigidez militarista nunca vista na vida profissional dos médicos. Os protocolos obrigatórios não faziam sentido. Eles ignoraram princípios fundamentais tanto da boa prática médica quanto da ética médica. Eles mentiram descaradamente sobre medicamentos bem conhecidos e testados e comprovados, que eram considerados seguros e pareciam funcionar. Esses protocolos tirânicos mataram pessoas.

Os médicos e outros profissionais que se manifestaram foram censurados, perseguidos, cancelados e efetivamente levados à corte marcial. Conselhos médicos estaduais, conselhos de certificação de especialidades e grandes empregadores de sistemas de saúde praticamente tropeçaram uns nos outros na pressa de deslicenciar, cancelar a certificação e demitir os médicos dissidentes da narrativa oficial.

Médicos genuínos e corajosos que realmente tratam os seus pacientes, como Peter McCullough, Mary Talley Bowden, Scott Jensen, Simone Gold e até mesmo ganhadores do Prêmio Nobel, como o francês Luc Montagnier, médico virologista que descobriu o vírus HIV e outros, foram perseguidos, enquanto burocratas não praticantes como o senil, demente, mas psicopata, Herr Dr. Anthony Fauci [do HIN} foram aclamados com títulos falsos como “Melhor Médico da América”. A propaganda era tão nauseante quanto flagrante. E então vieram os golpes.

Como isso aconteceu com a medicina?

Tudo parecia tão repentino, mas na verdade já estava em andamento há anos.

A COVID nos ensinou (aliás, a COVID tem sido uma tutora tão dura, mas não aprendemos tanto com ela!) que, ambos, o “Complexo Industrial Médico” e o “Complexo Industrial Militar” estão profundamente conectados e interligados. Eles não são apenas gêmeos, ou mesmo gêmeos idênticos. Eles são  gêmeos siameses  e a chamada “Saúde Pública” é o tecido compartilhado e dilacerado entre eles.

Afinal, o vírus SARS CoV-2 é uma arma biológica, desenvolvida ao longo de anos, financiada por impostos dos EUA, num esforço conjunto entre o NIH de Fauci e o Departamento de Defesa para manipular geneticamente em laboratório a transmissibilidade e a virulência e letalidade dos coronavírus (tudo feito em nome da “Saúde Pública”, claro).

Assim que essa arma biológica saiu [foi liberada] do laboratório [do Intituto de Virologia de Wuhan-China] onde foi desenvolvida e chegou à população, iniciou-se a corrida dentro do “Complexo Industrial Médico” para desenvolver e comercializar o antídoto extremamente rentável para a arma biológica. Vejamos a tomada militar total da medicina: os bloqueios da lei marcial, a supressão de tratamentos baratos e eficazes, a perseguição de dissidentes, a propaganda incessante e a prática da anti-ciência, e a prostituição descarada da maioria dos sistemas hospitalares pelo dinheiro da Lei CARES [tudo isso potencializado pelo pânico e histeria incentivado nas pessoas pelas Pre$$tituta$ da mídia, como uma máquina de propaganda da narrativa oficial sobre a pandemia].

Nós sabemos o resto. O mal concebido e tóxico “antídoto de terapia genética” mRNA, falsamente anunciado como uma “vacina”, foi imposto à população através de chantagem (“a vacina é a forma como acabamos com a pandemia”), do suborno eficaz das autoridades médicas e dos políticos, assim como outras operações psicológicas dirigidas pelo Estado Profundo, concebidas para dividir a população e transformar dissidentes em bodes expiatórios (“a pandemia dos não vacinados-“NEGACIONISTAS”).

O resultado final até parece o resultado de uma gigantesca operação militar. Milhões estão mortos, muitos outros milhões estão psicologicamente traumatizados, e milhões sofrem de “GRAVES EFEITOS COLATERAIS” provocados pela milagrosa vacina, as economias estão em frangalhos e alguns fomentadores dessa guerra biológica estão fantasticamente ricos. O CEO da Moderna, Stephane Bancel (que, aliás, supervisionou a construção do Instituto de Virologia de Wuhan anos atrás) é um bilionário recém-formado. E nenhum dos que causaram todos os danos está na prisão.

No momento em que escrevo este artigo, praticamente todos os principais sistemas de saúde, conselhos reguladores de especialidades, associações especializadas e escolas médicas estão em posição de sentido, ainda em sintonia com a narrativa recebida – e agora clara e visivelmente falsa. Afinal de contas, o seu financiamento, seja da indústria farmacêutica ou do governo, depende da sua obediência. Salvo mudanças dramáticas, eles responderão da mesma forma quando as ordens vierem de cima no futuro. A medicina foi totalmente corrompida, estuprada e militarizada.

Em seu discurso de despedida, Eisenhower disse outra coisa que acredito ser muito presciente aqui.

Ele descreveu que um complexo industrial militar fomentava “uma tentação recorrente de sentir que alguma ação espetacular e dispendiosa poderia tornar-se a solução milagrosa para todas as dificuldades atuais” .

Digite a nova DOENÇA X. [que já esta, ou já foi produzida em laboratório, apenas aguardando o momento de ser liberada. Mas não se preocupem AS VACINAS JÁ ESTÃO PRONTAS, é só entrar na fila de novo….].


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1


2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *