Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Encontros com ‘Mundos e Seres Invisíveis’: uma Jornada Pessoal de Descobertas

Ele está muito doente e naquela tarde percebe que está morrendo. Ele fica confuso por um momento enquanto é arrancado de seu corpo atormentado pela dor. Ele olha para baixo e pode ver seu corpo deitado a algumas dezenas de metros abaixo dele. Quando olha para cima, encontra-se dentro de uma pequena cabine, talvez um monotrilho. Oito ou dez outros sentam-se confortavelmente lado a lado. Um homem negro, à sua frente, toca suavemente uma trombeta. Ocorre-lhe que este pequeno grupo também está morrendo ao mesmo tempo que ele.

Encontros com ‘Mundos e Seres Invisíveis’: uma Jornada Pessoal de Descobertas

Fonte: New Dawn Magazine – Por TIMOTHY WYLLIE (1940-2017)

Uma luz brilhante, mas não ofuscante, aparece à sua esquerda, no final da cabine. Há uma sugestão de uma forma dentro da luz. Uma voz masculina vem até ele, íntima e totalmente imparcial. Ele não sabe se está dentro de sua cabeça, ou se os outros também ouviram. A “voz” assegura-lhe que ele está realmente morrendo, mas neste caso ele está tendo a escolha de continuar ou retornar à sua vida anterior. Então, para seu espanto contínuo, ele é informado de que completou o que veio fazer. Ele tem 33 anos. Ele é livre para escolher.

Após alguns momentos de profunda lucidez, ele decide voltar à vida. Após a qual a cabine se dissolve até que todo o seu campo visual seja preenchido com cantos, celebrando anjos. Ele é escoltado por seus dois anjos companheiros, através de uma ampla planície e levado a uma grande estrutura para ser curado.

Algum tempo depois, depois de ser mostrado ao redor e dito que ele não se lembraria do que estava vendo, ele é devolvido ao seu corpo para se encontrar totalmente saudável novamente.

Ele está andando em uma praia em Israel quando o anoitecer está começando a cair. Sentado por um momento em uma grande pedra, ele olha para as ondas. É nesse ponto durante o pôr do sol que o ar pode ficar quase violeta. As ondas rolam com a arrebentação jogando folhas de spray que ficam no ar antes que a próxima onda as substitua.

Sua mente está vazia enquanto ele olha preguiçosamente para a névoa violeta. No entanto, todo o seu corpo estremece quando ele de repente se dá conta de que está observando um grupo de dez ou doze seres, muito altos – cerca de duas vezes a altura dos humanos – com um par de crianças entre eles, caminhando lentamente em fila indiana por uma ligeira inclinação.

Esse estranho cenário, tão real quanto qualquer coisa que ele já viu em uma tela de cinema, persiste na névoa violeta enquanto as ondas substituirem o spray. À medida que a luz muda e o spray não refrata mais um brilho violeta, as figuras se dissolvem e desaparecem.

Não é mais uma alucinação do que as imagens em movimento de um filme. Os seres se movem. Eles andam devagar e deliberadamente por pelo menos 20 segundos. Ele está deitado em sua banheira depois de um dia fisicamente extenuante. Olhando para cima, ele vê as duas figuras de pé em seu banheiro, logo após a porta.

A figura mais alta das duas é definitivamente feminina, de cabelos escuros, bem mais de um metro e oitenta e muito bonita. Na frente dela está um caso muito mais curioso. Ele não sabe dizer qual é o gênero. É bípede, certamente, pequeno, talvez um metro e meio de altura e aparentemente mais cristalino do que orgânico.

O mulher alta fala-lhe. Ele descobre que os dois seres são extraterrestres e que eles têm uma grande nave-mãe estacionada na quinta dimensão sobre as montanhas que ele pode ver da janela do seu banheiro. Ela explica como raças intergalácticas muito diferentes muitas vezes adotam umas às outras, e ela gesticula para a pequena figura angular, quando eles estão prontos para se mudar para a comunidade maior do Universo. 

Ela fala do sistema estelar de Arcturus [Constelação de Bootes], novamente gesticulando para a pequena figura à sua frente, e diz a ele como um planeta nesse sistema está alguns milhares de anos à frente da Terra e queria estar aqui para observar e aconselhar quando solicitado. A linguagem que ela usa é correta, fluida e mais cantada do que falada. Uma conversa detalhada e lúcida de 20 minutos segue antes que o par pareça desaparecer diante de seus olhos.

Três encontros com mundos invisíveis. Todos totalmente improváveis, sem qualquer evidência, exceto como eles podem ter influenciado a consciência do protagonista. E não é esse o problema com esse tipo de história? 

Até que algo assim aconteça conosco individualmente, essas experiências podem parecer estranhas ou auto-ilusórias. Eles podem simplesmente ser inventados? Talvez nosso pobre protagonista seja louco?  Qualquer um que tenha tentado contar à pessoa errada sobre seus encontros com os mundos invisíveis terá encontrado essas reações. Mas tente escrever sobre eles publicamente!

Bem, talvez louco aos olhos de algumas pessoas, mas pelo menos posso garantir a autenticidade dos três eventos. Eles aconteceram conforme relatado. Eles estavam entre os encontros que tive com os mundos invisíveis, o que me levou a acreditar que há muito mais acontecendo ap nosso ‘lado’, por assim dizer, do que aparenta.

Como muitos outros que tiveram esse tipo de experiência, nunca senti necessidade de provar aos outros que esses estranhos eventos aconteceram. Eles aconteceram. Eu sei. Eu estava lá. E para o materialista científico, que pode descartar uma Experiência de Quase Morte como um disparo aleatório de neurônios moribundos, só posso dizer: espere até ter uma EQM completa! O que quer que seja uma Experiência de Quase-Morte, ela não é aleatória. Pode ser um caso surpreendentemente lúcido.

O problema é que tal experiência não se enquadra no atual paradigma científico ou materialista. Não há linguagem para descrever com precisão o que não pode ser facilmente percebido e medido. Assim, a ciência tem pouco tempo para a possibilidade de outros reinos de existência. A percepção assustadora de que pode haver outros planetas habitados no Universo só agora está começando a se intrometer nos pensadores de ponta.

Os físicos flertaram com os conceitos de mundos múltiplos e universos paralelos; as diferentes teorias de Cordas sugerem a existência de outras dimensões; e a mecânica quântica, se nada mais, nos mostra que a natureza da matéria é muito mais estranha e improvável do que imaginávamos em nossas certezas.

No entanto, pouco disso abriu a mente científica contemporânea para a possível realidade de outros reinos da existência. Além das vacilantes explorações de visão remota da CIA e algumas pesquisas psíquicas mais detalhadas na União Soviética, houve pouco avanço no estudo dos fenômenos parapsicológicos ao longo do último meio século. Aparentemente, não tem sido rentável. Além disso, é um pouco assustador.

Uma vez que essa abordagem embrutecida tão claramente nega a realidade persistente do transcendente na experiência humana, somos deixados para descobrir por nós mesmos, se estivermos tão inclinados. Filmes, TV e romances de terror nos excitam com histórias imaginativas de fantasmas e vampiros. Alguns se voltam para a astrologia, a numerologia ou o I Ching; talvez sejam cartas de tarô ou bolas de cristal, ou qualquer outro sistema de adivinhação, para perscrutar por um momento os reinos invisíveis. Assim como as pessoas desde os primórdios do registro histórico tentaram falar com os mortos por meio de médiuns e sibilas, ligue a TV em qualquer noite e você poderá encontrar médiuns transmitindo mensagens de parentes mortos para uma platéia emocionada.

Outros, ao longo da história e em muitas culturas, procuraram falar com seus anjos, seus espíritos ancestrais ou guias espirituais. Sistemas inteiros foram criados categorizando e tentando ordenar os reinos angélicos. Essas não eram operações noturnas. A Cabala, o misticismo judaico, por exemplo, tradicionalmente não permite que uma pessoa estude anjos a menos que sejam homens maduros com mais de 50 anos. Também para o sufismo, os anjos passaram a desempenhar um papel essencial na vida espiritual de seus devotos.

Embora possamos ser gratos que o ceticismo científico moderno eliminou as superstições de eras anteriores, não há como negar que ao longo da história humana houve e continua a haver uma profunda aceitação intuitiva da existência de outros níveis de realidade.

UMA BREVE HISTÓRIA DO INVISÍVEL

Há pouca dúvida de que os primeiros humanos devem ter sido muito nervosos. Se não fosse um tigre atrás de cada árvore, eram trovões e relâmpagos ou a escuridão aterrorizante e inesperada de um eclipse total. Espíritos malignos espreitavam na escuridão bruxuleante, fora da segurança do fogo. Os eventos naturais tinham que ser entendidos de alguma forma; forças invisíveis por trás deles precisavam ser apaziguadas. A adoração de fantasmas certamente surgiu para aplacar os espíritos malignos.

Então, à medida que os milênios passaram para a história humana registrada e a humanidade começou a se agrupar em comunidades maiores e depois em cidades, pode-se ver em seus registros que algo profundo estava mudando. Como se os fantasmas e espíritos de eras anteriores tivessem se tornado os panteões mais definidos das culturas suméria e egípcia primitiva, deuses e deusas tornaram-se a característica central da vida das pessoas.

Fácil, claro, de descartar como mera superstição; como alucinações, ou algum tipo de arquétipo gerado internamente. Mas espere um momento. Nossos antepassados, nossos pais ??e mães não eram estúpidos. Eles tiveram que seguir seu caminho pela vida assim como nós, enfrentando e lidando com muitos dos mesmos problemas. 

Se devemos creditar nossos ancestrais com algum grau razoável de inteligência, temos que admitir que quem quer que fossem esses deuses e deusas, eles eram realmente muito reais para nossos ancestrais. Eles influenciaram profundamente a vida dos indivíduos, bem como culturas inteiras. Eles deram aos homens suas identidades e parecem ter tido filhos com mulheres mortais. Cidades surgiram e caíram enquanto quase divindades guerreiras incitavam seus adoradores humanos a matanças vingativas.

Deuses e deusas, dizem-nos, iam e vinham à vontade. Em um momento eles eram visíveis – no próximo, eles haviam desaparecido. Eles exigiam adoração e sacrifício. Eles eram astutos, muitas vezes cruéis e indiferentes e, para a mente moderna, muito humanos em seus atributos. 

É condescendente descartar a preocupação de nossos antepassados ??com essas aparentes divindades como ilusórias. Ou, como meras “vozes” alucinadas de seus hemisférios não dominantes, como Julian Jaynes tenta mostrar em seu elegantemente escrito, The Origins of Consciousness in the Breakdown of the Bicameral Mind . 

O Dr. Jaynes, um psicólogo de Princeton, baseia grande parte de seu raciocínio em observações feitas de alucinações de pacientes esquizofrênicos e, no entanto, nunca explica como a alucinação pessoal de um indivíduo pode se manifestar a grupos inteiros de pessoas. E embora sua pesquisa seja enciclopédica e sua escrita seja linda e persuasiva, Jaynes nunca parece considerar a possibilidade de que o hemisfério não dominante do cérebro possa ser onde processamos a entrada telepática, em vez de simplesmente ser o gerador de vozes alucinadas.

Temos que procurar em outro lugar uma compreensão mais profunda do que poderia estar acontecendo naqueles primeiros dias da história humana.

Voltando ao livro de Julian Jaynes; ele apresenta um caso sólido de que foi de fato a remoção, ou pelo menos a ausência gradual, das vozes alucinadas desses deuses e deusas que lançaram diretamente as grandes civilizações do segundo milênio antes de Cristo em tal caos. Os humanos, sempre vulneráveis ??a ceder nosso poder àqueles que consideramos mais poderosos, aparentemente passaram a confiar em suas divindades enganosas para todas as decisões, grandes e pequenas.

Então, gradualmente, os deuses deixaram de falar com eles. Deve ter sido uma época desesperadamente confusa.

Entramos na era moderna, com a memória racial dessas criaturas como muito real e exigente de adoração e obediência. O desaparecimento dos deuses e deusas levou então à adoração de tronos vazios e estátuas que não falavam mais conosco; então, novamente, em uma tentativa cada vez mais desesperada de despertar as vozes ausentes dos deuses, havia cada vez mais ênfase em adivinhos e augúrios, em oráculos e astrologia.

Por volta do século VI aC, os seres humanos estavam começando a substituir as vozes indisponíveis dos Intermediários, conforme descrito no Livro de Urântia (veja a história na página 7). Profetas e sacerdotes, reis e rainhas, todos alegando representar Deus, ou os deuses, contribuíram diretamente para que a cultura ocidental oscilasse descontroladamente entre a idade das trevas da superstição e os breves tempos de iluminação.

À medida que as principais religiões ocidentais se tornaram mais formais e dogmatizadas, todas elas reivindicaram uma divindade onipotente e invisível no centro de seus credos e teologias. Com os sacerdotes assumindo o papel de intérpretes da vontade divina e as vozes dos deuses não mais guiando o caminho, os seres humanos foram deixados sozinhos para desvendar os mistérios do Universo.  Indivíduos inspirados, homens e mulheres que perscrutaram os mundos invisíveis e retornaram, surgiram nos próximos dois milênios para lembrar os humanos de uma realidade transcendente.

Nos últimos dois séculos, nos orgulhamos de ter explicado as superstições das épocas anteriores. No entanto, apesar de todo o nosso materialismo realista, é um tanto irônico que sejam esses mesmos indivíduos inspirados, com suas reivindicações das dimensões invisíveis da vida, a quem mais reverenciamos.

DESAFIO DA SUPERAÇÃO DOS SENTIDOS HUMANOS

Acontecimentos ocorrem no curso da vida que parecem acontecer no limite de nossa capacidade de percebê-los. As pessoas muitas vezes saberão, por exemplo, o momento exato em que um ente querido morre quando estão longe. Círculos nas plantações autênticos questionam nossa compreensão de como o mundo material funciona. 

O fenômeno de abdução alienígena, com seus relatos de flutuação e passagem através de sólidas paredes, empurra os limites de nossa suposta relação com a realidade física. Uma experiência Fora do Corpo, se não ocorrer em um estado de sonho e, portanto, puder ser facilmente descartada, desafia o que significa estar em um veículo físico. 

Uma Experiência de Quase Morte não apenas convencerá o sujeito de que a consciência sobrevive à morte, mas também que o Multiverso é povoado em seus muitos níveis e dimensões com outros seres inteligentes. Anjos apareceram em praticamente todas as culturas ao longo da história registrada, sob nomes diferentes, mas com características surpreendentemente semelhantes. A própria continuidade desses relatos ao longo do tempo sugere que eles são mais do que mera superstição.

Todos esses relatos e experiências provavelmente serão explicados, ou descartados como fantasia, pelo cético, o cientista, o intelectual erudito ou pelo materialista puro, e ainda assim a convicção de que a vida tem uma dimensão espiritual continua, com a experiência pessoal se tornando cada vez mais o critério de crença.

UM MODELO DE TRABALHO DAS DIMENSÕES INVISÍVEIS

Ninguém pode dizer com qualquer grau de certeza de evidência como os misteriosos mundos invisíveis realmente funcionam, ou mesmo como eles surgem. Tudo o que realmente emergiu das sondagens e testes é que o potencial humano é muito mais substancial do que se pensava. Os cientistas arriscam o escárnio de seus pares e uma súbita escassez de financiamento se tentarem pesquisar seriamente essas áreas enigmáticas da realidade humana.

Suspeito que esse nível de ceticismo excessivo encobre não apenas um terror do ridículo, mas talvez um medo mais legítimo de que possa haver algo nisso. Se os anjos realmente existem; se os médiuns realmente falam com os mortos; se os golfinhos são telepáticos; se extraterrestres estão visitando nosso planeta; se os Intermediários estão ativamente envolvidos na formação de nossas vidas; se todas essas coisas são verdadeiras, então o que isso significaria para a maneira como os cientistas conduzem suas pesquisas?

Para sublinhar essa suspeita está a corajosa pesquisa do célebre professor de psicologia da Universidade do Arizona, Gary E. Schwartz, e seus associados. Relatados em The Afterlife Experiments, eles demonstraram em estudos duplo-cegos, que médiuns selecionados muitas vezes podem atingir uma taxa de precisão de 80% a 90% ao transmitir mensagens de parentes ou amigos falecidos, ou descrever suas personalidades para o sujeito.

Por mais consolador que seja para uma pessoa saber que a vovó vive e ainda a ama, quase nada de valor geral ou duradouro foi comunicado pela boca dos médiuns. Para os pesquisadores, a pouca informação que surgiu ao longo dos anos foi tornada arbitrária por sua própria impossibilidade de comprovação.

Tudo isso nos joga mais uma vez de volta aos nossos próprios recursos. Realmente não há nada em que confiar a não ser nas nossas próprias intuições, discernimento e aquele senso interior que todos possuímos, de conhecer a verdade se a experimentarmos.

O INVISÍVEL: UMA ABORDAGEM PESSOAL

Agora considero uma sorte ter começado minha jornada como cético, tão cabeça-dura quanto possível.  Quando criança, eu tinha sido completamente desligado da religião anglicana pelo tédio de seus serviços e pela incapacidade raivosa de um padre de responder às minhas perguntas perfeitamente razoáveis. Isso me configurou muito bem como um jovem cético arrogante na época em que eu era adolescente.

Ao longo dos anos, no entanto, foi como se o mundo invisível fosse provocado por minha teimosia para romper minha concha de realidade. Uma série de experiências enteogênicas poderosas em meus vinte e poucos anos destruiu minha visão materialista do mundo para demonstrar inequivocamente que havia muito mais acontecendo por trás da tela da realidade do que eu tinha ideia.

Muito do que vi e senti achei impossível de racionalizar, mas o que logo entendi foi que essas experiências estranhas que estavam abrindo minha mente racional não estavam ali para serem explicadas ou provadas. Eles estavam lá para serem experimentados e aprendidos, não para serem excessivamente sondados e separados.

Formada como arquiteto, eu me considerava bastante prático e racional, então, quando essas experiências ocorreram, concentrei-me em trazer o máximo possível de meus sentidos para os eventos; isso, e registrando o essencial dos eventos depois tão honestamente quanto pude. É uma área de pesquisa tão sutil e efêmera que eu sabia que, se meus relatos tivessem algum valor para os outros, eu teria que registrá-los da maneira mais perceptiva e precisa possível.

Essa abordagem, logo descobri, me permitiu perceber que havia embarcado no que agora sei ser uma série de iniciações, cada uma levando em um fio invisível até a próxima abertura.

A Experiência de Quase-Morte que relato no início deste ensaio ocorreu na metade de minha vida até agora, e foi esse evento que iniciou o que se tornou um interesse primordial em inteligências não humanas; em golfinhos, espíritos da natureza, anjos e extraterrestres.

O que se pode aprender com tudo isso? Uma vida terrestre pode parecer intrigante e complexa o suficiente, alguns diriam, sem ter que levar em consideração a possibilidade de realidades invisíveis. No entanto, se estas são experiências pessoais autênticas, que acontecem por uma razão e claramente têm integridade espiritual, então certamente há valor a ser derivado de explorações nos reinos invisíveis.

Comprimir uma grande quantidade de informações experienciais duramente conquistadas em uma série de pontos de bala corre o risco de serem descartados apenas como clichês da Nova Era. Só posso esperar que minhas palavras ressoem com a experiência do leitor o suficiente para reafirmar a autenticidade de seus próprios vislumbres do mundo invisível.

Tendo em mente que todo conhecimento verdadeiro deve ser experimentado pessoalmente, essas são algumas das coisas, e sem nenhuma ordem particular, que aprendi por mim mesmo em meus próprios encontros com outros reinos do ser.

  • Realmente ajuda a aprofundar e animar a qualidade da vida terrestre saber, saber realmente, que a vida continua após a morte.
  • Compreender a mecânica da crença; saber que os sistemas de crenças são apenas degraus na escada do conhecimento.
  • Saber como é sair da estrutura egocêntrica da minha mente pessoal e entrar na mente coletiva.
  • Saber que toda a matéria é até certo ponto animada em seu nível subatômico mais básico.
  • Saber que o Multiverso está repleto de vida inteligente, tanto nos reinos internos quanto externos.
  • Saber que estar em contato com meus anjos companheiros é lançar-se em uma das aventuras mais intrigantes e desafiadoras da vida.
  • Saber que posso me curar pela intenção focada de me comunicar com o princípio organizador do meu corpo – meu corpo Deva – aquele que conhece intimamente como meu veículo físico funciona.
  • Para confiar na minha intuição. Nem sempre está certo, mas pelo menos eu cometo meus próprios erros.
  • Para levar em conta que, em geral, o mundo parece estar de cabeça para baixo. Quase tudo o que o mundo acredita é o oposto da verdade. Esta é uma fórmula conveniente para desconstruir as muitas confusões da realidade consensual.
  • Perceber que a maior parte do que é proibido contém verdades essenciais.
  • Essa confiança na autenticidade de uma experiência transcendente encoraja mais sincronicidades.
  • Essa dúvida é saudável em seu lugar; ainda para saber como deixá-lo para trás no calor do momento. A dúvida sempre pode ser tirada mais tarde.
  • Para saber isso do ponto de vista dos anjos, eles consideram perfeitamente natural falar conosco. É a nossa dúvida e falta de autoconfiança que bloqueia a comunicação.
  • Compreender que a inteligência emocional está distribuída por todo o mundo natural, cada espécie possuindo-a na medida de suas necessidades.
  • Apreciar visceralmente que na realidade consensual estamos todos nadando em um mar de medo.
  • Saber que cada momento apresenta a cada um de nós a escolha de responder à vida com medo ou com amor.
  • Saber que os anjos são seres poderosos e inteligentes e não os caprichosos bebês voadores da iconografia vitoriana.
  • Ter observado que ao redor de cada espaço sagrado há um anel de demônios. Saber que os demônios podem ser neutralizados pelo amor focalizado do centro do coração.
  • Saber que temos o que merecemos se não ouvirmos; e obtemos o que precisamos se o fizermos.
  • Para saber se encontro um anjo flamejante, para abraçá-lo.
  • Saber que, apesar das aparências, tudo está profundamente bem; que o que parece ser o caos de um mundo frenético é bem compreendido e guiado por mãos invisíveis em direção a um destino verdadeiramente extraordinário.
  • Saber que por razões que pouco têm a ver com os humanos, este planeta é considerado de extrema importância [para os COMPLETAMENTE IGNORANTES É UM “PLANETA PRISÃO”] para o contexto do Universo maior.
  • Saber dedicar tempo e atenção para mergulhar o mais profundamente possível na verdadeira natureza dos golfinhos e das baleias; que eles são uma chave para a natureza das inteligências não humanas.
  • Conhecer a alegria de compartilhar o planeta com outra espécie de inteligência comparável ou superior.

Não é uma lista exaustiva, de forma alguma, mas, com poucas exceções, não acredito que teria a chance de saber essas coisas sem o acesso que me foi dado ao longo dos anos aos reinos sutis.

Não acredito que, como ser humano, eu esteja fora do comum, apenas entusiasmado ou curioso o suficiente para ter me lançado de todo o coração e com o máximo de mente aberta que pude convocar para explorar o que estava sendo mostrado. Na verdade, cheguei a acreditar que o acesso a esses reinos invisíveis é, na verdade, nossa herança espiritual legítima que foi bloqueada, sem nenhuma causa nossa. Os reinos invisíveis estão lá para serem vistos. Com um pouco de intenção focada de nossa parte, e um coração e mente abertos, eles estão tão próximos quanto um batimento cardíaco.

O artigo acima, ligeiramente abreviado, apareceu originalmente na Edição Especial New Dawn Vol 6 No 2. 

A série de livros de Timothy Wyllie sobre suas interações com um anjo rebelde está disponível em  www.innertraditions.com/author/timothy-wyllie. Este artigo foi publicado no New Dawn Special Issue Vol 13 No


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“, “acordado” . . .}


0 resposta

  1. Tema profundo, com nova geração de holísticos, com o elevado aumento de canalizações de diversas consciências (iluminadas e de planetas e planos superiores), muitos até protegendo e evitando, intervindo em catástrofes), acho que organizações sérias deveriam já esta estudando, investindo, unificando os afins, pois como já adentramos no ciclo do verão de Sírios, este gigantesco SOL Central vai tribular toda nossa realidade atômica, como sempre fez, e como eles que possuem tecnologias multidimensionais e podem ajudar, jamais o fariam sem que o coletivo de nossa humanidade permita, pois a Lei do livre arbítrio é respeitada por estes seres, e sem que peçamos e ou aceite de coração aberto e conquiste merecimento, será bem limitada a ajuda!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *