Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

EUA e União Europeia conspiram contra Zelensky e querem derrubá-lo, aponta jornal

Políticos ocidentais conspiram contra o presidente ucraniano Vladimir Zelensky e querem traí-lo, escreveu jornalista britânico Con Coughlin em um artigo no The Telegraph. “O [hospício do] Ocidente conspirou para vender a guerra para a Ucrânia. Os líderes norte-americanos e europeus agora estão cansados das demandas de Kiev e estão prontos para trair os combatentes de Zelensky” [e jogá-lo “debaixo do ônibus”], disse ele.

EUA e União Europeia conspiram contra Zelensky e querem derrubá-lo, aponta jornal. Visita em sigilo do chefe da CIA à Ucrânia está ligada ao iminente golpe palaciano contra Zelensky

Fonte: Sputnik

A mídia ocidental tem relatado cada vez mais que os EUA e a União Europeia (UE) estão cansados do conflito ucraniano, e o apoio ao regime de Zelensky está enfraquecendo.

De acordo com Coughlin, a administração de Biden tem pouco interesse em ver o conflito continuar no próximo ano, no contexto das eleições presidenciais nos EUA. Além disso, na própria Ucrânia se questiona até que ponto Zelensky “é a pessoa adequada para a próxima etapa”, concluiu.

Segundo a NBC, as autoridades americanas e europeias já estão discutindo com Kiev as possíveis consequências das negociações de paz com a Rússia, incluindo as linhas gerais sobre o que a Ucrânia pode ter que abdicar para chegar a um acordo.

Visita em sigilo do chefe da CIA à Ucrânia está ligada ao iminente golpe palaciano contra Zelensky

As lutas internas do governo ucraniano já escalaram para assassinatos de tenentes. O analista de assuntos internacionais e segurança Mark Sleboda disse que o diretor da CIA, William Burns, ou “reprimiria” a guerra civil ou diria ao presidente Zelensky para “sair silenciosamente”.

O “espião-chefe” de Washington voou para a Ucrânia em segredo para carimbar a autoridade dos EUA na luta pelo poder dentro de Kiev, disse o especialista em segurança Mark Sleboda. O diretor da CIA, William Burns, teria ido a Kiev na quarta-feira (15) para reuniões “urgentes e secretas” com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky.

Sleboda disse à Sputnik que a visita de Burns “se encaixa” na visita desta semana a Washington de Andrei Yermak, “o poderoso e cinzento cardeal chefe de gabinete de Zelensky”, para se encontrar com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken — que devidamente proferiu promessas de continuidade do apoio militar a Kiev no conflito por procuração dos EUA contra a Rússia.

“A suposição geral é que isso tem a ver com a crescente discórdia entre Zelensky, o presidente do regime de Kiev, e [Valery] Zaluzhny, o principal general do regime”, explicou Sleboda, observando que a grande mídia ocidental estava agora “reportando abertamente a divisão e especulando que eles estão à beira de algum tipo de conflito aberto.”

O analista salientou que os EUA já estavam pressionando o seu Estado vassalo, a Ucrânia, para realizar eleições presidenciais dentro do prazo previsto de 31 de março de 2024 — “com a intenção de substituir Zelensky, que pode parecer ter perdido a confiança de Zaluzhny“.

Zelensky cancelou as eleições na semana passada, alegando que os combates em curso e a secessão de quatro regiões à Rússia em 2022 tornavam isso impossível.

“Primeiro ele disse: ‘OK, se você pagar por isso’. E então, na semana passada, tornou-se: ‘Não, não há eleições'”, disse Sleboda. “E, agora, os principais deputados de Zaluzhny, aqueles próximos a ele, tiveram uma demissão. Tivemos outro explodido [por uma granada enviada como “presente”] em sua festa de aniversário por um acidente idiota ou por um assassinato político direcionado por pessoas próximas a Zelensky”, sugeriu.

O analista especulou que a intervenção de Burns poderia ter um de dois objetivos: ou “reprimir ou resolver ou o que quer que seja, mas dizer que isso não é aceitável, esse é o caminho para o desastre, e seu patrono não permite isso, parar de lutar — ou estão dizendo a Zelensky para ir embora“.

Juntamente com os ataques à ala de Zaluzhny, as autoridades perseguem qualquer pessoa considerada simpática ao ex-presidente dos EUA Donald Trump — que pediu a Zelensky que investigasse o seu rival Joe Biden e o seu filho Hunter por possível corrupção devido ao seu profundo envolvimento na Ucrânia.

Dois políticos e um antigo procurador foram recentemente acusados de traição por ajudarem o advogado pessoal de Trump, o antigo presidente da Câmara de Nova York Rudy Giuliani, nas suas próprias investigações sobre as negociações da família Biden.

“É disso que o regime de Kiev acusa todo mundo. Acusou os líderes dos três maiores partidos da oposição no país — antes de dois deles serem banidos”, sublinhou Sleboda. “Qualquer pessoa que não se curve ao ditador que Zelensky se tornou será considerada culpada de traição ao imperador.”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *