EUA Pressionam Israel para Terminar Guerra em Gaza até Final do Ano

Washington apelou ao Estado judeu khazar para acelerar as suas operações à medida que Aumenta a Condenação Internacional sobre a sua ofensiva (Genocídio). Israel deve encerrar a sua guerra contra o Hamas até ao final deste ano ou corre o risco de perder o apoio de Washington à sua ofensiva militar em Gaza, informou o The Economist, citando fontes com conhecimento das discussões diplomáticas entre os dois aliados.

EUA Pressionam Israel para Terminar Guerra em Gaza até ao Final do Ano

Fontes: The EconomistRússia Today

A massiva condenação internacional da operação militar de Israel no enclave palestino densamente povoado tem crescido constantemente nas últimas nove semanas.

Vários líderes mundiais expressaram preocupações de grupos de ajuda sobre o agravamento da crise humanitária na área sitiada, à medida que se intensificava o bombardeamento de Israel após o ataque transfronteiriço do Hamas em 7 de Outubro. Israel afirmou que 1.147 dos seus cidadãos morreram no ataque, enquanto cerca de 240 pessoas foram sequestradas.

Mas aparecem sinais de que a paciência de Washington para a ofensiva está esgotando-se, já que as autoridades de saúde palestinianas dizem que o número de mortos em Gaza se aproxima dos 18.000, a maioria dos quais eram civis [mulheres e crianças], de acordo com um relatório do The Economist no domingo.

Citando fontes anônimas, o meio de comunicação informou que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, emitiu um aviso a portas fechadas durante uma recente viagem a Israel: termine até o final do ano, ou o apoio dos EUA poderá diminuir.

Publicamente, nenhum dos governos referiu qualquer tipo de prazo para a conclusão da ofensiva militar. Falando à CNN no domingo, Blinken disse que a duração da guerra foi uma “decisão a ser tomada por Israel”. No entanto, o chefe da diplomacia dos EUA também admitiu foram realizadas discussões com autoridades israelenses sobre como o país estava “prosseguindo esta campanha com o Hamas”.

Blinken afirmou que Israel tinha a “intenção” de minimizar o sofrimento civil, mas admitiu que “os resultados” nem sempre refletiam isso.

The Economist acrescentou que a administração Biden apelou ao governo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, para reduzir ao máximo o sofrimento dos palestinos, especialmente no sul de Gaza. Um grande número de civis deslocados concentrou-se no sul, onde uma falha nos sistemas de saneamento suscitou preocupações sobre um surto de doenças.

Na semana passada, os EUA foram o único membro do Conselho de Segurança da ONU a vetar uma resolução de emergência que apelava a um cessar-fogo de emergência em Gaza – uma medida vista como um sublinhado do apoio de Washington a Israel face à condenação internacional. O Reino Unido absteve-se da votação.

O Departamento de Estado dos EUA também aprovou recentemente o fornecimento de 14.000 cartuchos de tanques de 120 mm a Israel, uma das principais munições utilizadas pelas forças das FDI em Gaza [contra civis desarmados].


Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth