Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Experiência de Quase Morte de Neurologista muda sua compreensão da Consciência

O neuropatologista Dr. Peter Cummings estava convencido de que tudo sobre a consciência, incluindo profundas experiências de quase morte (EQMs), poderia ser “explicado” pela ciência e estava enraizado no cérebro – até que ele teve sua própria EQM. Cummings era um homem voltado para a carreira que estava indo bem em seu trabalho como médico e como professor assistente no Departamento de Anatomia e Neurobiologia da Escola de Medicina da Universidade de Boston.

Experiência de Quase Morte de Neurologista muda sua compreensão da Consciência

Fonte: The Epoch Times

“Na época [era] muito agradável viver para esse tipo de coisa naquele mundo”, disse Cummings em um vídeo postado na Associação Internacional para Estudos de Quase-Morte.

Uma viagem à Costa Rica para o aniversário de 50 anos de sua esposa mudou completamente sua perspectiva. Enquanto estava lá, ele decidiu fazer rafting com sua esposa e filho. Cummings sempre teve medo de água, embora não soubesse por quê. Ele frequentemente praticava prender a respiração porque sentia que um dia isso seria útil.

“Eu costumava ficar muito entediado na escola e uma das coisas que eu fazia era prender a respiração. Ver quanto tempo eu poderia prender a respiração e tentar bater esse recorde. E sempre pensei que algum dia precisaria disso”, lembrou Cummings.

Sempre encontrava desculpas para não entrar na água, porque sempre sentia que ia me afogar”, disse Cummings. E ele chegou perto naquele dia na Costa Rica, quando a jangada em que ele e sua família estavam capotou. Ele quicou na água por um tempo, até que foi puxado para baixo pela corrente.

“Houve um ponto em que eu estava me afogando. E eu sabia disso”, disse Cummings. Ele ficou surpreso com a calma que sentiu diante da morte. “Pensei nas autópsias que fiz em pessoas que se afogaram. Supõe-se que esta seja uma maneira muito pacífica de morrer. E então eu estou pensando, ‘Por que diabos está demorando tanto?’”

No fundo do rio, Cummings experimentou algo que a neurociência provavelmente chamaria de alucinação.

Nesse ponto, tudo parou e eu estava ao lado dessa pedra enorme e todas as bolhas pararam. E eu movi minha mão pelas bolhas e todas elas meio que se moveram em volta da minha mão de uma forma muito estranha. E então havia essa luz brilhante”, disse ele.

Então ele sentiu “uma incrível sensação de amor”. Ele ouviu uma voz falar com ele. “Fiquei muito emocionado não porque é perturbador, mas porque estou naquele momento daquela beleza. E eu sabia que minha família ficaria bem. E a voz dizia “eles não precisam de você, eles vão ficar bem’”, lembrou.

De alguma forma, ele também sabia que sua esposa e filho já haviam sido retirados da água. Eles realmente estavam bem. Então seu “cérebro científico” entrou na conversa.

“Você está apenas hipóxico. Prenda a respiração. Você tem que bater o seu recorde. E nesse ponto, a luz meio que desapareceu”, disse ele.

Cummings foi puxado para fora da água e lentamente disse a si mesmo para relaxar para que pudesse recuperar o fôlego. Naquela noite no hotel, Cummings, que sempre esteve atento ao seu batimento cardíaco, verificou seu relógio Apple e descobriu que, enquanto estava debaixo d’água, seu coração havia parado.

“Lembro-me de olhar para o meu relógio da Apple porque sou meio louco por saúde e obcecado com minha frequência cardíaca. Olhei para o meu Apple Watch e tive oito minutos de frequência cardíaca não registrada naquele período”, disse Cummings.

Os aparelhos eletrônicos não são 100% precisos e registram os batimentos cardíacos em intervalos, mas Cummings acredita que naqueles oito minutos houve um período em que ele não teve batimentos cardíacos.

Após a experiência de quase morte, Cummings descobriu que sua intensa vida acadêmica não era mais o que ele queria.

“Fiquei muito desconfortável com minha carreira. Essas coisas não eram mais importantes para mim. Digo que escrevi alguns romances muito ruins. E eu não conseguia mais me identificar com nenhuma dessas coisas”, disse Cummings.

Sentindo que não era mais adequado para sua vida em Boston, ele e sua família voltaram para o Maine, onde ele cresceu. A experiência transformou Cummings em um médico mais atencioso. Como patologista, ele conversou com muitos familiares do falecido que examinava.

“A pergunta número um que sempre me fazem é ‘Eles sofreram?’ E como médico, você sempre diz ‘Não, claro que não’. Mas sempre me senti um mentiroso. Porque eu não sei”, disse Cummings.

E depois de sua experiência de quase morte, ele sabia como era morrer.

“Gostaria de poder falar com essas pessoas novamente e dizer, olha, isso é lindo. Mesmo nessas circunstâncias horríveis, mas uma circunstância horrível é um segundo. O processo depois disso é incrível. E não há com o que se preocupar,” compartilhou Cummings.

Na medicina, a morte é o fim. Mas Cummings agora sentia que a morte não era algo para se evitar falar.

“Nós a tornamos tão estéril e a mantemos atrás dessa cortina. Que não tenhamos a chance de realmente experimentar e celebrar a transformação que está acontecendo”, disse ele.

Após o incidente, Cummings compartilhou que isso não apenas mudou sua perspectiva sobre o trabalho, mas “realmente me ajudou a entender quem eu sou como marido e pai, meu lugar como humano no planeta”.

A mudança de Cummings após sua experiência de quase morte não é solitária. O Dr. Bruce Greyson fez uma extensa pesquisa sobre experiências de quase morte (EQMs) e suas observações lhe disseram que essas experiências muitas vezes mudam completamente a pessoa para melhor.

“O Dr. Greyson acompanhou casos ao longo de décadas e descobriu que em cerca de 95% dos casos, permanece como se a EQM tivesse acabado de acontecer”, disse Greyson ao Epoch Times em 2015.

“Em um caso, um homem era alcoólatra e abusava da esposa. Depois de uma EQM, ele se tornou um bom samaritano completo. Ele não bebia mais, passou a ser bom para a esposa, ajudava os outros. Por exemplo, ele correu para Nova Orleans para unir esforços após o furacão Katrina”, descreveu o Dr. Greyson.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


3 respostas

  1. Já passei por essa experiência. A paz que se segue é muito profunda e o silêncio, indescritível. Não dá vontade de voltar. O medo de morrer desaparece após esse evento e é uma sensação de ressureição mesmo, que não se sabe explicar o como e o porquê. Gratidão pela matéria..!

  2. Superar o medo é uma meta que pode ser conquistada através das pesquisas e estudos sobre EQM (Experiência de Quase Morte). Apos a superação do medo é possivel reavaliar e compreender que a morte é apenas mais uma experiência entre as milhares aqui vividas e torna-se então a ponte para às experiências inusitadas do imaterial (pós matéria). Continue bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *