Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

França: Agricultores em Fúria semeando revolução contra as ‘Elites Acordadas’ em Paris

A tirania dos psicopatas de Bruxelas sobre as ‘alterações climáticas’ e o apoio à Ucrânia são vistos como mais importantes do que os agricultores franceses que realmente alimentam o país. O governo francês está esforçando-se para retirar os muitos tratores das principais autoestradas do país. Boa sorte quando 89% dos cidadãos franceses apoiam os agricultores do país que protestam, de acordo com uma nova pesquisa da Odoxa.

França: Agricultores em Fúria semeando revolução contra as ‘Elites Acordadas’ em Paris

Fonte: Rússia Today

Os agricultores franceses estão aderindo a um movimento de protestos que abrange agora quase 20% da UE, com agricultores de cinco dos 27 países do bloco a transportarem-se e a bloquearem as estradas principais dos seus países.

Aos agricultores da Polônia, Roménia, Alemanha e Países Baixos [Holanda] juntaram-se agora os seus homólogos franceses no que é praticamente um sinônimo de revolução à caminho de Paris e seu governo “acordado”. E um incidente específico aqui na França acabou de acelerar e aumentar o movimento nascente. 

Alexandra Sonac, uma criadora de gado e milho de 35 anos do sul de França, e dois dos seus três familiares foram atropelados por um carro nas primeiras horas da manhã num bloqueio de uma estrada agrícola perto de Toulouse. Sonac e sua filha de 12 anos foram mortas, enquanto seu marido está na UTI. O incidente ainda está sob investigação, mas para piorar a situação, os três ocupantes armênios do veículo que atingiu a família estariam alegadamente sob ordem de expulsão do país como imigrantes ilegais.

O simbolismo aqui é gritante. Um agricultor produtivo que resistiu à opressão econômica do governo foi morto por alguém que usufruiu dos benefícios da negligência do governo. Apenas 12% das ordens de expulsão foram executadas pela França entre 2015 e 2021, uma das taxas mais baixas da Europa, segundo estatísticas recentes.

As queixas dos agricultores franceses convergem com as dos seus homólogos em toda a UE. Estão zangados com os políticos corruptos dos seus próprios governos, mas apenas porque estes responsáveis ​​eleitos insistiram em vestir a camisa-de-forças que lhes foi imposta pelos tiranos tecnocratas não eleitos em Bruxelas e pelas suas políticas ideologicamente orientadas de cima para baixo.

Há uma boa razão pela qual os agricultores franceses rasgaram e queimaram esta semana  a mesma bandeira da UE que o presidente Emmanuel Macron insiste em colocar ao lado da bandeira tricolor francesa nas suas várias aparições.

Os agricultores de todo o bloco econômico político da União Europeia têm exigências semelhantes. Querem um preço justo para a energia e combustíveis, enquanto a UE não só impôs políticas climáticas dispendiosas que tratam os combustíveis fósseis como uma praga, mas também decidiu, “pela Ucrânia”,  em destruir o seu próprio abastecimento de gás russo barato que impulsionava a economia europeia.

Depois, novamente no caso da Ucrânia, decidiram suspender os direitos de importação sobre bens e serviços da Ucrânia, permitindo que a UE fosse inundada com caminhoneiros que subcotavam os preços dos fornecedores locais e com igualmente subcotavam produtos agrícolas que nem sequer cumprem as normas da UE com as quais os agricultores europeus são forçados a cumprir às suas próprias custas.

Os agricultores europeus não querem esmolas, mas querem que os governos abandonem a tributação cada vez mais pesada como solução para encher os cofres do Estado esvaziados em resultado das suas prioridades constantemente mal colocadas.

Agricultores incendiaram galhos e pneus durante uma manifestação em Sainte-Colombe-en-Bruilhois, perto de Agen, França, em 25 de janeiro de 2024.  ©  Christophe ARCHAMBAULT / AFP

Querem também que os seus governos nacionais defendam os seus interesses contra as tentativas de Bruxelas de os substituir por importações estrangeiras baratas através de intermináveis ​​acordos de comércio livre com países cujos agricultores não operam sob os mesmos ditames regulamentares, ao mesmo tempo que Bruxelas pressiona os Estados-membros (nomeadamente os Países Baixos) para comprar propriedades cujos resíduos de gado não servem as suas políticas de alterações climáticas de redução de CO2.

Por tudo isso, não é nenhuma surpresa que o cidadão comum simpatize e seja solidário com os agricultores, uma vez que está igualmente farta do seu governo incompetente e opressor servir de luva branca para o punho de ferro de Bruxelas. Todos percebem que os seus custos de gás e eletricidade estão a subir incessantemente e que o seu poder de compra está indo pelo ralo, enquanto o Ministro da Defesa francês, por exemplo, fala sobre como o conflito na Ucrânia, que serviu de pretexto conveniente para a transferência de riqueza da Europa do povo às elites, é uma oportunidade maravilhosa para o complexo industrial militar do país.

E quando a Assembleia Nacional Francesa aprovou esta semana um aumento de 300 euros (327 dólares) por mês nos seus próprios subsídios, apenas para compensar a inflação que está esmagando todos os cidadãos, isso serviu como mais um exemplo da sua total surdez e estupidez. 

Na tarde de 24 de Janeiro, uma enorme fila de pneus e estrume foi incendiada por agricultores franceses furiosos mesmo em frente à prefeitura de Agen, no sudoeste da França. Alguns agricultores presentes denunciaram a medida, outros manifestaram o seu apoio, mas todos concordaram que estavam fartos.

Mais revelador é o fato de a polícia e os bombeiros presentes no local terem demorado a reagir quando o fumo se estendia quase até à altura do edifício adjacente, considerado um símbolo do Estado francês. Aparentemente, mesmo os trabalhadores da linha da frente que servem as instituições do Estado estão ficando fartos das elites estabelecidas. E não apenas na Europa, mas em outras partes do Ocidente também. 

Os corajosos caminhoneiros do Canadian Freedom Convoy e seus apoiadores foram inocentados no Tribunal Federal Canadense esta semana, quando um juiz decidiu que o governo do primeiro-ministro, o pusilânime Davos’s Boy Justin Trudeau violou constitucionalmente os direitos e liberdades fundamentais ao evocar a Lei de Emergência contra oponentes que protestavam aos mandatos do governo contra as vacinas Covid, que eles consideraram um violação de direitos e liberdades fundamentais.

O fato do governo de Trudeau ter ordenado o bloqueio de contas bancárias como forma de dissuasão contra protestos deveria ter sido o primeiro grande indício de autoritarismo crescente, mas aparentemente foi necessário um juiz federal para o explicar e dar um basta. 

Agricultores e caminhoneiros alemães que começaram a viajar pelo país no início deste mês me disseram em Berlim que foram inspirados pelo Freedom Convoy canadense ao protestarem contra a imposição de mais impostos pelo governo alemão sobre o diesel que abastece seus veículos agrícolas, já caro como resultado das políticas energéticas equivocadas do governo, impulsionadas pela oposição ideológica e instintiva aos combustíveis fósseis e ao gás barato da Rússia.

Tanto no caso do Freedom Convoy como no caso dos agricultores europeus, as tentativas grotescas por parte dos funcionários dos governos de retratar os manifestantes como uma espécie de radicais de direita, para absolver as elites da sua responsabilidade, fracassaram entre a população em geral. 

Caminhoneiros, padeiros, estudantes, bombeiros e policiais já dão sinais de solidariedade para com os agricultores, apoiados por uma maioria silenciosa esmagadora e quantificada. E estes movimentos nacionais estão encontrando uma causa comum entre si em toda a Europa e no mundo ocidental. As tentativas de fomentar a divisão, colocando as grandes explorações agrícolas contra as pequenas ou a direita contra a esquerda, fracassam em todos os lugares.

O primeiro-ministro francês, o militante LGBTQ+ Gabriel Attal, que só começou no cargo em 9 de janeiro e provavelmente ainda não encontrou todos os banheiros em seu novo escritório, caminhou até a região rural do sul do Ródano no fim de semana passado. Attal disse que “nossos agricultores não são bandidos, poluidores, pessoas que torturam animais, como às vezes ouvimos”. 

Michael Theurer (FDP), (L) Secretário de Estado do Ministério Federal de Assuntos Digitais e Transportes, conversa com agricultores que protestam na Ópera de Stuttgart, sul da Alemanha, em 16 de janeiro de 2024 ©  THOMAS KIENZLE / AFP

Mas de onde ele ouviu isso? Em Bruxelas? Suas habilidades de sedução poderiam precisar de algum trabalho. É como aparecer em um encontro e dizer: “Ei, você não é tão maluco quanto ouvi dizer”. Que encantador. Mal posso esperar para ver como esse “sábio” diplomático resolverá toda essa bagunça. 

Uma reunião na segunda-feira passada entre Attal e representantes agrícolas incluiu um delegado do Sindicato dos Jovens Agricultores Franceses. Falei com vários dos seus homólogos em Berlim naquele protesto no início deste mês – jovens empresários, tão bem falantes e educados. Estes jovens agricultores dizem que trabalham 80 horas por semana e sentem que há tanta burocracia ou proibições por parte da UE que isso é paralisante. E, no entanto, a França está desesperada para encorajar os seus jovens a adotarem a agricultura como profissão, numa altura em que esta já é uma atividade em extinção. Nossa, é um grande mistério por que isso acontece, gênios. 

As trágicas mortes de Alexandra Sonac e da sua filha esta semana permanecerão para sempre como um símbolo da luta contra a opressão da classe trabalhadora por uma governança global autoritária que está fomentando o caos, uma vez que atende a interesses especiais cada vez mais divorciados das necessidades do cidadão comum.

Nenhuma quantidade de ajustes por parte dos governos infratores conseguirá reprimir a crescente agitação. Só uma revolução profunda e fundamental da sua relação com os seus cidadãos, para cujos interesses deveriam servir exclusivamente, teria alguma esperança de resolver esta crise cada vez mais profunda. 


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp