Futuro da América? As táticas militares de ‘Alta Tecnologia de Israel’ indicam o ‘Caminho’

“Eu não sabia que Israel estava capturando ou gravando meu rosto. [Mas Israel] nos observa há anos do céu com seus drones. Eles têm nos observado fazendo jardinagem, indo às escolas e beijando nossas esposas. Sinto que estou sendo observado há muito tempo.” — Mosab Abu Toha, um poeta palestino.

Fonte: The Rutherford Institute

Se quisermos ter uma ideia da próxima fase da transformação da América num Estado policial totalitário, basta olharmos para a forma como Israel – um beneficiário de longa data de centenas de bilhões de dólares em ajuda externa dos EUA [sem a qual o minúsculo estado do “Povo Eleito” não existiria] – utiliza as suas táticas militares [genocidas] de alta tecnologia, vigilância e armamento para fazer avançar a sua agenda autoritária.

Postos de controle militares. Vigilância em massa de parede a parede. Policiamento Preditivo. Vigilância aérea que ras em geral ignorantetreia seus movimentos onde quer que você vá e faça o que fizer. Programas biométricos e de reconhecimento facial alimentados por IA, realizados com o conhecimento ou consentimento das pessoas visadas por eles. Ciberinteligência. Centros de detenção. Táticas brutais de interrogatório. Drones armados. Robôs de combate.

Já vimos muitas destas destas tecnologias e táticas militares implantadas em solo americano e usadas contra a população que ignora, especialmente ao longo das regiões fronteiriças, num testemunho da forte influência que o complexo militar-industrial judeu khazar de Israel TEM no policiamento dos EUA .

Na verdade, Israel tornou-se um dos maiores criadores e exportadores de armas militares e tecnologias de opressão de governos totalitários em todo o mundo, sendo o primeiro país a produzir drones militares.

O jornalista Antony Loewenstein alertou que o Pegasus, um dos spywares mais invasivos de Israel , que permite a qualquer governo, inteligência militar ou departamento de polícia espionar o telefone de alguém e obter todas as informações desse telefone, tornou-se a ferramenta favorita dos regimes opressivos ao redor do mundo. O FBI e o NYPD também receberam essa tecnologia de vigilância que promete transformar qualquer smartphone de alvo numa mina de ouro de inteligência.

No entanto, não são apenas as armas militares que Israel exporta. Os judeus khazares stão também ajudando a transformar as agências policiais locais em extensões das forças armadas.

De acordo com o The Intercept, milhares de agentes da lei norte-americanos viajam frequentemente para formação em Israel, que é “um dos poucos países onde o policiamento e o militarismo estão ainda mais profundamente interligados do que nos EUA”, como parte de um programa de intercâmbio contínuo que, em grande parte, foge ao o radar do escrutínio do público ignorante.

Um relatório investigativo de 2018 concluiu que as técnicas militares importadas dos judeus khazares através destes programas de intercâmbio que permitem à polícia estudar em Israel mudaram o policiamento americano para pior.

“Após o seu regresso, os delegados responsáveis ​​pela aplicação da lei dos EUA implementam práticas aprendidas com o uso de vigilância invasiva por parte de Israel, discriminação racial flagrante e força repressiva contra a dissidência”, afirma o relatório. “Em vez de promover a segurança para todos, estes programas khazares facilitam o intercâmbio de métodos de violência e controle estatal que colocam a todos nós em perigo.”

“No mínimo”, observa o jornalista Matthew Petti, as visitas a Israel ajudaram a polícia americana a justificar mais espionagem sobre os cidadãos e um sigilo mais rigoroso. Os críticos também afirmam que o treino israelita encoraja o uso excessivo da força contra a população.”

Petti documenta como a NYPD criou um escritório de ligação permanente em Israel após o 11 de Setembro, acabando por implementar “um dos primeiros programas de contraterrorismo pós-11 de Setembro que seguiu explicitamente o modelo judeu khazar israelita. Em 2002, o NYPD encarregou uma “Unidade Demográfica” secreta de espionar comunidades muçulmanas-americanas. ‘Rastejadores de mesquitas’ dedicados infiltraram-se nas congregações muçulmanas locais e tentaram atrair os fiéis com conversas sobre revolução violenta.”

Isto foi apenas o início do treino das forças policiais americanas em lei marcial por nações estrangeiras sob o pretexto de um teatro de segurança nacional . Tudo foi piorando nos EUA a partir daí.

Como explica Alex Vitale, professor de sociologia que estudou a ascensão do policiamento global: “O foco deste treinamento está na supressão de motins, contra-insurgência e contraterrorismo – todos os quais são essencialmente irrelevantes ou deveriam ser irrelevantes para a grande maioria dos departamentos policiais. Eles não deveriam reprimir os protestos, não deveriam se envolver em contra-insurgência e quase nenhum deles enfrenta qualquer ameaça real do terrorismo”.

Essa transformação contínua da pátria americana em um campo de batalha tecnológico e totalitário acompanha de maneira enervante as visões cinematográficas distópicas de filmes como “Minority Report” [Tom Cruise], de Steven Spielberg, e “Elysium” [Matt Damon], de Neill Blomkamp, ​​ambos ambientados daqui a 30 anos, no ano de 2054.

No Minority Report”as agências policiais coletam informações de vigilância generalizada, tecnologias de previsão de comportamento, mineração de dados, tecnologia precognitiva e programas de delação de vizinhança e de membros da família, a fim de capturar possíveis criminosos antes que eles possam causar qualquer dano.

Embora o “Elysium” de Blomkamp atue como um veículo para levantar preocupações sobre a imigração, o acesso aos cuidados de saúde, os direitos dos trabalhadores e a estratificação socioeconómica, o que foi mais impressionante foi a sua descrição sinistra de como o governo irá empregar tecnologias como drones, tasers e scanners biométricos para rastrear, visar e controlar a população, especialmente os dissidentes.

Com os judeus khazares de Israel no comando e situações de Minority Report e Elysium surgindo no horizonte, não é tão absurdo imaginar como o estado policial americano usará essas tecnologias emergentes para confinar a população, erradicar os dissidentes e estabelecer ostensivamente um “sistema de prisão aberto aérea” com semelhanças desconcertantes com a ocupação tecnológica da atual Palestina pelos sionistas judeus khazares de Israel.

Para aqueles que insistem que tais coisas são fantasias de filmes sem qualquer ligação com o presente, oferecemos o seguinte como um aviso do futuro totalitário chutando a nossa porta.

Reconhecimento Facial

Ficção: Uma das cenas mais chocantes de Elysium ocorre no início do filme, quando o protagonista Max Da Costa espera para embarcar no ônibus a caminho do trabalho. Enquanto está na fila, Max é abordado por dois grandes policiais robóticos, que rapidamente examinam a biometria de Max, comparam seus dados com os arquivos do governo e o identificam como um ex-presidiário que precisa de uma inspeção minuciosa. Eles exigem revistar sua bolsa, pedido ao qual Max resiste, insistindo que não há nada para eles verem. Os policiais robóticos respondem maltratando Max, jogando-o no chão e quebrando seu braço com um cassetete. Depois de determinar que Max não representa nenhuma ameaça, eles o deixam no chão e continuam a patrulha. Da mesma forma, no  Minority Report , a polícia utiliza ecrãs de dados holográficos, câmaras de vigilância em toda a cidade, mapas dimensionais e feeds de bases de dados para monitorizar os movimentos dos seus cidadãos e visar preventivamente suspeitos para interrogatório e contenção.

Posto de controle israelense nos arredores da cidade palestina de Ramallah. Agosto de 2004 (do domínio público)

Fato: Encontramo-nos agora na posição nada invejável de sermos monitorados, geridos, encurralados e controlados por tecnologias que respondem aos políticos governamentais e corporativos. Foi exatamente assim que o poeta palestino e colaborador nova-iorquino Mosab Abu Toha se viu, poucos minutos depois de passar por um posto de controle militar israelense em Gaza com sua esposa e filhos a reboque, solicitado a sair da fila, apenas para ser vendado, algemado, interrogado, depois foi preso num centro de detenção israelita durante dois dias, espancado e posteriormente interrogado. Toha foi finalmente libertado, no que os soldados israelenses consideraram um “erro”, mas não havia dúvidas sobre a tecnologia de reconhecimento facial alimentada por IA que foi usada para tirá-lo da linha, identificá-lo e rotulá-lo (erroneamente) como uma pessoa. de interesse .

Os Drones

Ficção: Em outra cena do filme Elysium, Max é caçado por quatro drones enquanto tenta escapar das autoridades. Os drones, equipados com câmeras de raios X, leitores biométricos, scanners e armas, são capazes de escanear bairros inteiros, identificar indivíduos à distância – mesmo através de edifícios, relatar suas descobertas aos policiais, perseguir um suspeito e atacá-lo com tasers e uma série de armas letais.

Fato: Os drones [criados por cientistas de Israel], alguns aparentemente pequenos, mas poderosos o suficiente para capturar as expressões faciais de pessoas a centenas de metros abaixo deles, inauguraram uma nova era de vigilância. Nem mesmo quem está dentro de casa, na privacidade de suas casas, estará a salvo desses espiões aéreos, que podem ser equipados com tecnologia capaz de espiar através das paredes. Além de suas capacidades de vigilância, os drones também podem ser equipados com armas automáticas, lançadores de granadas, gás lacrimogêneo, tasers e podem lançar armas biológicas e químicas invisíveis na atmosfera sobre uma população alvo.

Scanners biométricos e identidades nacionais

Ficção: Em todo o Elysium , os cidadãos são identificados, classificados e tratados por meio de vários dispositivos de digitalização que leem sua biometria – íris, DNA, digitais, etc. – bem como seus números de identificação nacionais, impressos por um laser em sua pele [o número da Besta]. Desta forma, os cidadãos são rastreados, contados e classificados, como gado. Da mesma forma, no filme Minority Report, minúsculos robôs-aranha guiados sensorialmente convergem para um suposto criminoso, escaneiam seus dados biométricos e os alimentam em um banco de dados do governo central. O resultado final é que não há para onde correr nem para onde se esconder para escapar aos olhos que tudo vêem do governo.

Fato: Dados os vastos tesouros de dados que vários governos mundiais, incluindo Israel e os EUA, estão recolhendo sobre os seus cidadãos e não-cidadãos, não estamos longe de um futuro onde não haja para onde correr e onde se esconder. Na verdade, entre a tecnologia de reconhecimento facial distribuída às autoridades, a instalação de leitores de matrículas nas viaturas policiais, a criação de bases de dados de ADN pela polícia local extraindo ADN de não criminosos, incluindo vítimas de crimes, e a recolha cada vez maior de dados biométricos pela polícia, dados como varreduras de íris, estamos nos aproximando do fim do anonimato. Não demorará muito para que os policiais sejam capazes de obter instantaneamente uma biografia completa de qualquer pessoa, incluindo seu histórico familiar e médico, contas bancárias e pecadilhos pessoais. Já está rapidamente avançando nessa direção em regimes mais autoritários, como o de Israel em relação aos árabes e palestinos.

Policiamento Preditivo

Ficção: Em Minority Report , John Anderton [Tom Cruise], Chefe do Departamento de Pré-Crime, é identificado como o próximo suposto criminoso e alvo de medidas preventivas pela própria tecnologia em que confia para seu policiamento preditivo. Consequentemente, Anderton vê-se não só tentando provar a sua inocência, mas também forçado a tomar medidas drásticas para evitar a captura num estado de vigilância que utiliza dados biométricos e redes informáticas sofisticadas para localizar os seus cidadãos.

Fato: O pré-crime, que visa prevenir crimes antes que eles aconteçam, justificou o uso de vigilância generalizada, tecnologias de previsão de comportamento, mineração de dados, tecnologia precognitiva e programas de delação. Como documenta o professor de ciências políticas Anwar Mhajne, Israel utilizou todas estas ferramentas nos seus compromissos militares contra a Palestina: implantação de vigilância por IA e sistemas de policiamento preditivo nos territórios palestinos; utilização de tecnologia de reconhecimento facial para monitorar e regular o movimento dos palestinos; submeter os palestinos a scanners de reconhecimento facial nos postos de controle, com um mecanismo codificado por cores para ditar quem deve ser autorizado a prosseguir, estar sujeito a mais interrogatórios ou detido.

Dando o salto da ficção para a realidade

Quando Aldous Huxley escreveu “Admirável Mundo Novo” em 1931, ele estava convencido de que “ainda havia muito tempo” antes que sua visão distópica se tornasse uma realidade de pesadelo. Não demorou muito, porém, para que ele percebesse que suas profecias estavam se tornando realidade muito mais cedo do que ele imaginava.

A influência militar dos judeus khazares de Israel sobre os Estados Unidos, os seus avanços em armamento tecnológico e a sua rígida exigência de bovina conformidade estão empurrando-nos para um mundo acorrentado e escravizante. Através do uso opressivo e massivo da tecnologia de vigilância, Israel ergueu a primeira prisão ao ar livre mas a mais vigiada do mundo e, no processo, tornou- se um modelo para os Estados Unidos, um país sobre o controle dos judeus khazares.

O que não podemos dar-nos ao luxo de ignorar, contudo, é até que ponto o Estado Policial Americano está seguindo as sugestões de Israel.

Como deixo claro no meu livro Battlefield America: The War on the American People e no seu homólogo fictício The Erik Blair Diaries , podemos não ser um território ocupado [ainda], mas isso não torna o campo de concentração eletrônico numa prisão que está sendo implantada à nossa volta menos importante.


Uma resposta

  1. Gente estes caras que escreveram isso, são loucos. Quem manda em tudo é Deus e na hora certa ele vai detonar tudo. Quem caminha com Deus nada tem a temer, mas quem vive uma vida ditada pelas regras do dragão, serão os primeiros a serem detonados quando o caldo engrossar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth