Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Futuro da Ásia toma forma em Fórum de Vladivostok, no Pacífico russo

Sessenta e oito países se reuniram na costa leste do Oceano Pacífico da Rússia para ouvir a visão econômica e política de Moscou para a Ásia-Pacífico. O Fórum Econômico do Leste (EEF) em Vladivostok é um dos marcos anuais indispensáveis ??para acompanhar não apenas o rápido e complexo processo de desenvolvimento do Extremo Oriente russo, mas também criar peças importantes para a integração dos países da Eurásia.

Futuro da Ásia toma forma em Fórum de Vladivostok [Fórum Econômico do Leste – EEF], no Pacífico russo

Fonte: The Sakerpor Pepe Escobar

Espelhando um 2022 imensamente turbulento, o tema atual em Vladivostok é ‘No caminho para um mundo multipolar’. O próprio presidente russo, Vladimir Putin, em uma curta mensagem para participantes de negócios e governos das 68 nações participantes, preparou o cenário:

“O obsoleto modelo unipolar [do Hospício do ocidente] está sendo substituído por uma nova ordem mundial baseada nos princípios fundamentais de justiça e igualdade, bem como no reconhecimento do direito de cada Estado e povo ao seu próprio caminho soberano de desenvolvimento. Poderosos centros políticos e econômicos estão tomando forma aqui mesmo na região da Ásia-Pacífico, atuando como uma força motriz neste processo irreversível”.

Em seu discurso na sessão plenária do EEF, a Ucrânia quase não foi mencionada. A resposta de Putin quando perguntado sobre isso: “Este país faz parte da Ásia-Pacífico?”

O discurso foi amplamente estruturado como uma mensagem séria para o [hospício do] ocidente coletivo ‘liberal’, bem como para o que o principal analista Sergey Karaganov chama de “maioria global”. Entre vários tópicos, estes podem ser os mais relevantes:

  • A Rússia como estado soberano defenderá os seus interesses.
  • A ‘febre’ das sanções ocidentais está ameaçando o mundo – e as crises econômicas não estão desaparecendo após a pandemia.
  • Todo o sistema de relações internacionais mudou. Há uma tentativa de manter a ordem mundial mudando as regras.
  • Sanções contra a Rússia estão fechando negócios em todas as áreas na Europa. 
  • A Rússia está lidando com a agressão econômica e tecnológica do Ocidente.
  • A inflação está batendo recordes nos países desenvolvidos. A Rússia está esperando algo em cerca de 12% ao ano.
  • A Rússia tem desempenhado seu papel nas exportações de grãos que saem da Ucrânia, mas a maioria dos embarques foi desviado para países da UE e não destinados para países pobres e em desenvolvimento.
  • O “bem-estar do ‘Bilhões de Ouro’ está sendo ignorado”.
  • O [Hospício liberal, ‘acordado’, transgênero, LGBTQ+, Transhumanista, satânico, pedófilo do] Ocidente não está em posição de ditar os preços da energia para a Rússia.
  • O rublo e o yuan serão usados ??para pagamentos de petróleo e gás.
  • O papel econômico e político da Ásia-Pacífico aumentou significativamente.

Em poucas palavras: a Ásia é o novo epicentro do progresso tecnológico e da produtividade.

Não mais um ‘objeto de colonização’ do imperialismo ocidental

Ocorrendo apenas duas semanas antes de outro encontro anual essencial – a cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) em Samarcanda – não é de admirar que algumas das principais discussões do fórum da EEF girem em torno da crescente interpolação econômica entre a SCO e a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Esse tema é tão crucial quanto o desenvolvimento do Ártico russo: com a posse natural de 41% do território total desta região inexplorada, essa é a maior base de recursos da federação russa, espalhada por nove regiões e abrangendo a maior Zona Econômica Especial (ZEE) do planeta, ligada ao porto franco de Vladivostok, no Pacífico. O Ártico está sendo desenvolvido por meio de vários projetos estrategicamente importantes de processamento de recursos naturais minerais, energéticos, hídricos e biológicos.

Portanto, é perfeitamente apropriado que a ex-ministra das Relações Exteriores da Áustria, Karin Kneissel, autodescrita como “uma historiadora apaixonada”, tenha falado sobre seu fascínio pela forma como a Rússia e seus parceiros asiáticos estão lidando com o desenvolvimento da Rota do Mar do Norte no Ártico: “Uma das minhas expressões favoritas é que as companhias aéreas e oleodutos estão se movendo para o leste. E eu continuo dizendo isso por vinte anos.”

Em meio a uma variedade de mesas redondas explorando tudo, desde o poder territorial, cadeias de suprimentos e educação global até “as três baleias” (ciência, natureza, humanas), sem dúvida a principal discussão desta terça-feira no fórum foi centrada no papel da SCO.

Além dos atuais membros plenos – Rússia, China, Índia, Paquistão, e mais quatro países da Ásia Central (Cazaquistão, Uzbequistão, Tadjiquistão, Quirguistão), além da recente adesão do Irãnada menos que 11 outras nações querem se juntar à SCO, desde o observador Afeganistão ao parceiro de diálogo, a Turquia.

Grigory Logvinov, vice-secretário-geral da SCO, enfatizou como o potencial econômico, político e científico dos países atores que compõem “o centro de gravidade” da Ásia – com mais de um quarto do PIB mundial, e cerca de 50% da população mundial – não foi totalmente colhido ainda.

Kirill Barsky, do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, explicou como a SCO é na verdade o modelo de multipolaridade, de acordo com sua carta, em comparação com o pano de fundo de “processos destrutivos” lançados pelo [hospício do] ocidente.

E isso leva à agenda econômica no progresso da integração da Eurásia, com a União Econômica da Eurásia (EAEU), liderada pela Rússia, configurada como o parceiro mais importante da SCO.

Barsky identifica a SCO como “a estrutura central da Eurásia, formando a agenda da Grande Eurásia dentro de uma rede de organizações de parceria”. É aí que entra a importância da cooperação com a ASEAN.

Barsky não poderia deixar de evocar Mackinder, Spykman e Brzezinski – que viam a Eurásia “como um objeto a ser posto em ação segundo os desejos dos estados ocidentais, confinados dentro do continente, longe das costas oceânicas, para que o mundo ocidental pudesse dominar em um confronto global de terra e mar. A SCO como se desenvolveu pode triunfar sobre esses conceitos negativos e imperialistas.”

E aqui chegamos a uma noção amplamente compartilhada desde Teerã a Vladivostok:

A Eurásia não mais como “objeto de colonização pela ‘Europa civilizada’, mas novamente como agente da política global”.

‘A Índia quer um século XXI asiático’

Sun Zuangnzhi, da Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS), falou sobre o interesse da China na SCO. Ele se concentrou em conquistas: nos 21 anos desde sua fundação, um mecanismo para estabelecer a segurança entre a China, a Rússia e os estados da Ásia Central evoluiu para “mecanismos de cooperação multi-níveis e multissetoriais”.

Em vez de “se tornar um instrumento político”, a SCO deve capitalizar seu papel de fórum de diálogo para Estados com histórico difícil de conflitos – “as interações são às vezes difíceis” – e focar na cooperação econômica “em saúde, energia, segurança alimentar, redução da pobreza”.

Rashid Alimov, ex-secretário geral da SCO, agora professor do Instituto Taihe, enfatizou as “altas expectativas” das nações da Ásia Central, o núcleo da organização. A ideia original permanece – baseada na indivisibilidade da segurança em nível trans-regional na Eurásia.

Bem, todos nós sabemos como [os psicopatas do manicômio ocidental] os EUA e a OTAN reagiram quando a Rússia no final do ano passado propôs um diálogo sério sobre “indivisibilidade da segurança”.

Como a Ásia Central não tem saída para o mar, é inevitável, como Alimov enfatizou, que a política externa do Uzbequistão privilegie o envolvimento no comércio acelerado intra-SCO. A Rússia e a China podem ser os principais investidores, e agora “o Irã também desempenha um papel importante. Mais de 1.200 empresas iranianas estão trabalhando na Ásia Central.”

A conectividade, mais uma vez, deve aumentar: “O Banco Mundial classifica a Ásia Central como uma das economias menos conectadas do mundo”.

Sergey Storchak, do banco russo VEB, explicou o funcionamento do “consórcio interbancário SCO”. Os parceiros usaram “uma linha de crédito do Banco da China” e querem assinar um acordo com o Uzbequistão. O consórcio interbancário SCO será liderado pelos hindus de forma rotativa – e eles querem intensificar seu jogo. Na próxima cúpula em Samarcanda, no Uzbequistâo, Storchak espera um roteiro para a transição para o uso de moedas nacionais [em detrimento do dólar] no comércio regional.

Kumar Rajan, da Escola de Estudos Internacionais da Universidade Jawaharlal Nehru, articulou a posição da Índia. Ele foi direto ao ponto: “A Índia quer um século XXI asiático. É necessária uma cooperação estreita entre a Índia e a China. Eles podem fazer o século asiático acontecer.”

Rajan observou como a Índia não vê a SCO como uma aliança, mas comprometida com o desenvolvimento e a estabilidade política da Eurásia.

Ele destacou o ponto crucial sobre a conectividade que gira em torno da Índia “trabalhando com a Rússia e a Ásia Central com o INSTC – International North South Transport Corridor – o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul, e um de seus principais hubs, o porto de Chabahar no Irã: “A Índia não tem conectividade física direta com a Ásia Central. O INSTC conta com a participação de uma linha de navegação iraniana com 300 navios, com ligação a Mumbai. O presidente Putin, na [recente] reunião do Cáspio, se referiu diretamente ao INSTC.”

Fundamentalmente, a Índia não apenas apóia o conceito russo de Parceria da Grande Eurásia, mas está empenhada em estabelecer um acordo de livre comércio com a EAEU: o primeiro-ministro Narendra Modi, aliás, veio ao fórum de Vladivostok no ano passado.

Em todas as intervenções matizadas acima, alguns temas são constantes. Após o desastre no Afeganistão e o fim da ocupação dos EUA, o papel estabilizador da SCO não pode ser exagerado o suficiente. Um roteiro ambicioso para a cooperação é uma obrigação – provavelmente para ser aprovado na Cúpula de Samarcanda. Todos os jogadores mudarão gradualmente do uso do dólar para negociar em moedas bilaterais. E a criação de corredores de trânsito está levando à integração progressiva dos sistemas nacionais de trânsito.

Que haja Luz

Uma mesa redonda importante sobre o ‘Gateway to a Multipolar World’ expandiu o papel da SCO, descrevendo como a maioria das nações asiáticas são “amigáveis” ou “benevolentemente neutras” quando se trata da Rússia após o início da Operação Militar Especial (SMO) na Ucrânia .

Assim, as possibilidades de expansão da cooperação em toda a Eurásia permanecem praticamente ilimitadas. A complementaridade das economias é o principal fator. Isso levaria, entre outros desenvolvimentos, ao Extremo Oriente russo, como um centro multipolar, transformando-se na “porta de entrada da Rússia para a Ásia” na década de 2030.

Wang Wen, do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros, enfatizou a necessidade de a Rússia redescobrir a China – encontrando “confiança mútua no nível médio e nas suas elites”. Ao mesmo tempo, também há uma espécie de corrida global para se juntar aos BRICS, desde a Arábia Saudita e Irã ao Afeganistão e Argentina:

“Isso significa um novo modelo de civilização para economias emergentes como China e Argentina, porque elas querem se erguer pacificamente (…) Acho que estamos na nova era da civilização.”

BK Sharma, da United Service Institution of India, voltou a Spykman classificando a nação como um estado de Rimland. Não mais: a Índia agora tem várias estratégias, desde a conexão com a Ásia Central até a política de ‘Agir no Oriente’. No geral, é um alcance para a Eurásia, já que a Índia “não é competitiva e precisa diversificar para obter melhor acesso à Eurásia, com ajuda logística da Rússia”.

Sharma enfatiza como a Índia leva a SCO, BRICS e RICs muito a sério enquanto vê a Rússia desempenhando “um papel importante no Oceano Índico”. Ele matiza a perspectiva do Indo-Pacífico: a Índia não quer uma aliança militar, privilegiando em vez disso a “interdependência e complementaridade entre Índia, Rússia e China”.

Todas essas discussões se interligam com os dois temas dominantes em várias mesas redondas de Vladivostok: energia e desenvolvimento dos imensos recursos naturais do Ártico.

Pavel Sorokin, Primeiro Vice-Ministro da Energia da Rússia, descartou a noção de uma tempestade ou tufão nos mercados de energia: “Está muito longe de ser um processo natural. É uma situação criada pelo homem.” A economia russa, em contraste, é vista pela maioria dos analistas como lenta, mas segura, projetando seu futuro de cooperação Ártico/Ásia – incluindo, por exemplo, a criação de uma sofisticada infraestrutura de transbordo de Gás Natural Liquefeito (GNL).

O ministro da Energia, Nikolay Shulginov, garantiu que a Rússia realmente aumentará sua produção de gás, considerando o aumento das entregas de GNL e a construção do gasoduto Power of Siberia-2 [Altai gas pipeline] para a China: “Não apenas aumentaremos a capacidade do gasoduto, mas também expandiremos a produção de GNL : tem mobilidade e excelentes compras no mercado global.”

Na Rota do Mar do Norte no Ártico, a ênfase está na construção de uma poderosa e moderna frota de quebra-gelos – incluindo navios nucleares. Gadzhimagomed Guseynov, primeiro vice-ministro para o Desenvolvimento do Extremo Oriente e do Ártico, é inflexível: “O que a Rússia precisa fazer é tornar a Rota do Ártico no Mar do Norte em uma rota de trânsito sustentável e importante”.

Há um plano de longo prazo até 2035 para criar infraestrutura para navegação marítima segura, seguindo as ‘melhores práticas do Ártico’ de aprendizado passo a passo. A NOVATEK, de acordo com seu vice-presidente Evgeniy Ambrosov, vem conduzindo nada menos que uma revolução em termos de navegação no Ártico e construção naval nos últimos anos.

Kniessel, a ex-ministra austríaca, lembrou que sempre sentia falta do quadro geopolítico mais amplo em suas discussões quando era ativa na política europeia (ela agora mora no Líbano):

“Escrevi sobre a passagem da tocha do atlantismo [o manicômio EUA-OTAN] para o Pacífico.  Companhias aéreas, oleodutos e hidrovias estão se movendo para o leste. O Extremo Oriente é na verdade a Rússia do Pacífico.”

O que quer que os [psicopatas] ‘atlanticistas’ pensem sobre isso, a última palavra no momento pode ser de Vitaly Markelov, do conselho de administração da Gazprom: a Rússia está pronta para o inverno. Nela haverá CALOR e ELETRICIDADE para todos em todos os lugares.”


Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid WarRed Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estava contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *