Globalistas Querem ‘Choque Financeiro’ e ‘Medidas de Controles Climáticos’ para Impor o seu Great Reset

No final de junho, os líderes governamentais e os poderosos think tanks de todo o mundo se reuniram na Cúpula para um Novo Pacto de Financiamento Global em Paris. Os participantes incluíram o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, e o presidente do Banco Mundial, Ajay Banga. O suposto objetivo da cúpula era encontrar soluções financeiras para os objetivos de ‘combater a pobreza’ e, ao mesmo tempo, reduzir as “emissões de gases que aquecem o planeta” [Energia Verde, Green New Deal, Agenda 2030 da ONU, et caterva). 

Globalistas Querem “Choque Financeiro Global” e “Medidas de Controles Climáticos” para Impor o seu Great Reset

Fonte: alt-market.us

Como em todos os eventos relacionados às mudanças climáticas, a discussão em Paris inevitavelmente se voltou para a centralização internacional do poder e a formação de um consórcio global para resolver os problemas que eles afirmam que as nações soberanas não podem, não querem ou não resolverão.

No entanto, o que tenho visto cada vez mais nos últimos dois anos é uma convergência de narrativas e de AGENDAS – os bancos centrais, OS GRANDES bancos internacionais agora estão repentinamente mais preocupados com a tributação do carbono e o aquecimento global do que com a estagflação e o colapso econômico [intencionalmente criado]. Provavelmente porque esse sempre foi o objetivo o tempo todo e o colapso econômico faz parte do plano deles.

Os globalistas agora estão combinando a questão da mudança climática com as finanças internacionais e a autoridade monetária dos países. Em outras palavras, eles não estão mais escondendo o fato de que a agenda da mudança climática faz mais parte da agenda da “Grande – Great Reset – Reinícialização”. 

Eles estão até sugerindo que a ameaça da mudança climática seja usada como um trampolim para dar aos bancos globais mais poder para ditar a circulação da riqueza e para desconstruir o sistema existente para que possa ser substituído por outra coisa.

O presidente francês, um marionete desses mesmos globalistas, Emmanuel Macron, disse aos delegados na cúpula de Paris que “o mundo precisa de um choque nas finanças públicas” para combater o aquecimento global e, ao mesmo tempo, criar “equidade” para as nações menos ricas. Ele também argumentou que o sistema atual não era adequado para enfrentar os novos e crescentes desafios do mundo.

Os apresentadores do evento observaram que o quadro econômico internacional foi atingido por uma série de crises, incluindo a pandemia e a guerra na Ucrânia, mas focaram no “custo crescente dos desastres climáticos intensificados pelo aquecimento global” como uma razão para a desestabilização em curso dos sistemas financeiros.

Obviamente, isso é um absurdo, mas se encaixa na agenda e na programação narrativa que os globalistas estão tentando engendrar ao vincular o declínio econômico às mudanças climáticas. Na realidade, não há evidência ZERO de que os eventos climáticos globais sejam piores hoje do que eram há mais de cem anos, antes que as indústrias produtoras de carbono fossem generalizadas. 

Não há nenhuma conexão comprovada entre as emissões de carbono e qualquer fenômeno climático específico. A alegação é uma imensa fraude. Não há crise climática provocada pelo homem, como  descrevi e comprovei em artigos anteriores .

Mas quantas pessoas serão enganadas pensando que há uma crise climática, e para que esse medo histérico pode ser explorado contra os próprios medrosos, como sempre?

A primeira-ministra de Barbados, Mia Mottley (como muitos globalistas), defendeu a reimaginação do papel do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional em uma era de perigos climáticos. Ela argumenta: “O que é exigido de nós agora é a transformação absoluta e não a reforma de nossas instituições…”

O líder da ONU, Antonio Guterres, disse que o sistema financeiro global, que foi concebido no final da Segunda Guerra Mundial sob o Acordo de Bretton Woods, não estava conseguindo enfrentar os desafios modernos e agora “perpetua e até piora as desigualdades”. Em outras palavras, ele está em busca de um novo Bretton Woods ‘acordado’, inclusivo, LGBTQ+ e com mais “equidade”.

“Podemos tomar medidas agora e dar um salto gigantesco em direção à justiça global”, disse ele, acrescentando que propôs um estímulo de US$ 500 bilhões por ano para investimentos em desenvolvimento sustentável [ESG] e ação climática. Também foi apresentado um plano para usar a cesta de Direitos Especiais de Saque [SDR] do FMI como um mecanismo para aumentar a liquidez global.

Tenha em mente que as medidas de estímulo fiduciário dos bancos centrais, as políticas de taxa de juros dos banqueiros globais e a enorme emissão de papel moeda sem valor real nenhum são o que causou a atual crise econômica para começar. 

Não foi o covid, não foi a guerra na Ucrânia e certamente não foi a mudança climática. Foram os bancos e seu uso de manipulação monetária que desencadearam a alta inflação de 40 anos, e isso levou os bancos centrais a aumentar as taxas de juros até a fraqueza econômica. Essa estratégia causou consistentemente implosão de dívida e desastres no mercado de ações no passado. Os banqueiros e os globalistas são a fonte do problema, não deveriam ser encarregados de resolvê-lo.

No entanto, aqui estão eles, tentando assumir MAIS controle e instituir um amplo plano de reinicialização para a calamidade que criaram. Mas para onde tudo isso está levando?

No ano passado, a ONU sugeriu que as economias desenvolvidas e emergentes, como os EUA e a China, teriam que pagar uma espécie de imposto sobre riqueza/emissões de pelo menos US$ 2,4 trilhões por ano para um fundo para desenvolvimentos de mudanças climáticas, e essa riqueza seria redistribuída para nações mais pobres. Redistribuído por quem? Bem, pelos globalistas, é claro.

Outras ideias em discussão incluem taxação sobre lucros de combustíveis fósseis e transações financeiras para arrecadar fundos climáticos. Ou seja, eles planejam tributar o petróleo e o gás até que os preços se tornem tão altos que o público em geral não possa mais pagar por eles.

Macron, em particular, apoiou a ideia de um imposto internacional sobre as emissões de carbono do transporte marítimo, ostensivamente para tornar o frete internacional mais caro, a fim de reduzir a demanda de manufatura. Isso expande as rígidas regras de carbono já implementadas na agricultura europeia.

Tudo isso parece planos desconexos para simplesmente inflar os preços por meio de diferentes formas de tributação e forçar o público a consumir menos bens, mas há um esquema muito maior em jogo aqui. É importante entender que a mudança climática nada mais é do que um veículo para entregar um sistema econômico global totalmente centralizado, provavelmente [digital, via CBDCs] sob o controle do FMI, BIS, Banco Mundial e da ONU.

Os pagamentos anuais das nações mais ricas aos cofres institucionais globais é um ato de homenagem, uma demonstração de fidelidade. É também uma forma de grupos como o FMI criarem um sistema de maior interdependência. Se grandes somas de dinheiro estão fluindo através de instituições globalistas e elas se tornam os árbitros de como essa riqueza é redistribuída, elas também podem construir um sistema de recompensas e punições. Eles podem punir os países que não seguem seus ditames e podem dar vantagens aos países que seguem a sua AGENDA.

Em termos de um novo Bretton Woods, suspeito que tudo isso esteja culminando em uma crise monetária que os globalistas ESTÃO FINALIZANDO e a usarão como uma oportunidade para finalmente introduzir seu modelo CBDC (Central Bank Digital Currency). 

E assim que os CBDCs forem implementados, sua capacidade de dominar a população será completa. Um sistema sem dinheiro físico, sem privacidade nas transações e com a capacidade de interromper o poder de compra de indivíduos e grupos à vontade? É o cenário dos sonhos de tirânicos totalitários.

Não é por acaso que o público está sendo constantemente bombardeado com propaganda do aquecimento global hoje em dia – os poderes constituídos precisam de uma crise existencial como geradora de medo, para gerar pânico e impor à sua agenda de controle absoluto. 

Quando as pessoas estão com medo e entram em pânico, elas não pensam racionalmente e muitas vezes recorrem aos piores líderes possíveis para obter alívio de seus temores. E uma ameaça global requer uma resposta global, certo?

As narrativas de desastres da mudança climática (se o público abraçar a propaganda) permitirão uma ampla gama de mudanças sistêmicas que nada têm a ver com o meio ambiente e tudo a ver com o domínio financeiro total.

Tributação e redistribuição da riqueza nacional. A imposição do FMI e do Banco Mundial como mediador dos fundos globais. O uso da cesta SDR do FMI como um guarda-chuva de moeda global de fato. A injeção de CBDCs e uma sociedade sem dinheiro. Nenhuma dessas coisas teria influência sobre a mudança climática, mesmo que fosse uma ameaça legítima.

Mas e o modelo de terra arrasada? Se a intenção final é destruir a economia a ponto de a maior parte da indústria morrer, o comércio se retrair e a população despencar porque a sobrevivência se torna insustentável, então pode-se argumentar que os globalistas estão “salvando o planeta” ao se livrarem das pessoas, e esta é a linha de fundo: despovoamento. Suponho que se você acha que manter a população em perpétuo status de terceiro mundo nos salvará do aquecimento global, então você pode apoiar tal agenda.

Quer o objetivo seja simplesmente a microgestão econômica ou a liquidação forçada da produção, o resultado seria mais poder para os internacionalistas e menos liberdade e prosperidade para todos os demais.

Eles podem girá-lo como quiserem, mas quando as elites pedem um “choque financeiro”, eles estão realmente pedindo um estrangulamento dramático do sistema para que ele não possa mais manter a população existente. Quando eles pedem impostos e tributos globais em nome da “igualdade”, eles não estão tentando tornar todos igualmente ricos, eles querem que todos sejam igualmente pobres. E quando eles pedem a supervisão centralizada das nações para salvar o planeta, o que eles realmente querem é uma governança global, uma NWO, que seja!.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth