Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Grafeno nas Vacinas Covid: Plano de Extermínio em massa da população

A história do grafeno nos soros das injeções, impropriamente chamados de “vacinas”, é uma história proibida, escondida pelas pre$$tituta$ da mídia, máquina de propaganda dos controladores do sistema. As atuais conclusões são muito chocantes e as consequências muito devastadoras para aqueles que permitiram que essas drogas fossem distribuídas e injetadas em bilhões de pessoas.

EVIDÊNCIA DE GRAFENO EM VACINAS: O PLANO DE EXTERMÍNIO EM MASSA

por Cesare Sachetti – Fonte: La Cruna de’llAgo

Tudo começou no ano passado, quando o biólogo espanhol, professor Pablo Campra, da Universidade de Almeria, revelou os resultados sensacionais de suas análises sobre a “vacina” mRNA da Pfizer . O veredicto do microscópio falou com bastante clareza. No soro havia uma e apenas uma substância altamente tóxica para o nosso organismo, o GRAFENO.

Um ano depois dessas conclusões desconcertantes, chega outra pesquisa realizada pela médica hindu Poormina Wagh. Antes que a máquina de propaganda das pre$$tituta$ da imprensa e mídia seja acionada, é imperativo salientar que a Drª. Wagh possui um extenso currículo nos ramos de virologia e imunologia.

A cientista possui dois doutorados nestas duas áreas pela Universidade Britânica da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres e suas publicações estão todas visíveis no site do Research Gate . A imunologista e virologista hindu também colaborou com o Cincinnati Children’s Hospital. Ela é uma cientista de pleno direito, mas isso não impedirá que os profissionais da pre$$tituição de desinformação desacreditem e ataquem a sua reputação.

A Dra. Wagh decidiu realizar esta pesquisa sobre grafeno em pseudo vacinas porque quer tentar levar ao grande público a verdade silenciada pela mídia firmemente prostrada ao culto da vacina.

Juntamente com um grupo de pesquisadores de todo o mundo, ele realizou análises em 2.305 amostras de soro de doze marcas de vacinas diferentes. A lista inclui as marcas de vacinas mais amplamente distribuídas nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, como Pfizer, Moderna, Astrazeneca e Johnson & Johnson. Existem também vacinas chinesas, como Novavax e outras vacinas cubanas.

Não parece haver estudo da vacina russa Sputnik desenvolvida pelo instituto Gamaleya e, portanto, isso leva a excluir que a Rússia tenha colocado em sua preparação as substâncias que foram encontradas nos outros soros.

As conclusões desta extensa pesquisa são concomitantes e perturbadoras ao mesmo tempo. Nada afirmado nos folhetos infames dos laboratórios acaba por ser verdade. Nas injeções Pfizer e Moderna não há mRNA nem a chamada proteína Spike, enquanto nas de Astrazeneca e J&J não há adenovírus que teoricamente deveria estar lá.

Ingredientes como água, hidróxido de alumínio, nanopartículas metálicas e nanopartículas de óxido de grafeno foram encontrados em cada medicamento individual. Esses ingredientes não são um composto que serve para prevenir um possível “contágio” do chamado “COVID-19” ou de qualquer outro vírus.

É bastante claro que são substâncias tóxicas para o nosso corpo, como o grafeno e o hidróxido de alumínio. Uma vez que este composto entra no corpo de uma pessoa, ele começa a fazer seu “trabalho”, que nada mais é do que deteriorar o sistema imunológico natural do receptor do soro.

A Dra. Wagh é bastante inequívoca em suas conclusões. Essas “vacinas” foram impostas como parte de um programa para provocar o “despovoamento maciço” da população da Terra.

Parece não haver outro propósito, dados os ingredientes usados ??para desenvolver esses pseudo medicamentos. Ao mesmo tempo, estão surgindo outros elementos que parecem confirmar as conclusões dessas análises laboratoriais.

É o caso do embalsamador americano Richard Hirshman. Hirshman conhece seu ofício muito bem, há mais de 20 anos. O embalsamador disse ao jornal americano “The Epoch Times” que nos cadáveres que conseguiu tratar nos últimos meses encontrou a presença de uma substância que nem ele nem os seus colegas “nunca viram” durante a carreira.

Estes são “tecidos fibrosos brancos” e isso sugere que pode haver alguma ligação com as substâncias colocadas nas injeções, especialmente o grafeno. O grafeno pode, de fato, ser preto e branco. Mas esta não é a única evidência que apoia as conclusões de Campra e Wagh.

Na Itália, uma pesquisa foi realizada por três cirurgiões , Dr. Franco Giovannini, Dr. Benzi Cipelli e Dr. Pisano, no sangue de pessoas que foram vacinadas e apresentaram efeitos colaterais múltiplos.

Mais uma vez, os resultados foram chocantes para dizer o mínimo. No relatório que os três médicos prepararam consta que no sangue dos vacinados existem “inclusões evidentes presumivelmente grafénicas no meio de glóbulos vermelhos fortemente conglomerados em torno das partículas exógenas “.

Estaríamos na presença de uma mutação real no sangue da pessoa “vacinada” [envenenada] que tem composição e características diferentes do normal daqueles que não receberam o soro.

Falha ao isolar o vírus

Outro aspecto fundamental explorado pela cientista hindu é o referente ao isolamento do coronavírus. O isolamento é o princípio da “emergência”, pois sem ele a existência de um vírus não pode ser determinada ou não.

A Drª. Wash pediu ao Centro de Prevenção e Tratamento de Doenças dos EUA, o famoso [e infame] CDC, que fornecesse uma amostra isolada e purificada do vírus Sars-cov-2 da Covid, mas não havia nada que pudessem fazer. O CDC não conseguiu atender a essa solicitação. O vírus isolado não EXISTE.

Outros ainda tentaram pedir provas do isolamento do vírus como fez a investigadora canadense Christine Massey, que abriu um site dedicado ao assunto no qual mostra todas as suas cartas às diferentes instituições internacionais de saúde.

Massey escreveu para autoridades de saúde canadenses, britânicas, americanas e europeias, mas nenhuma delas, quando solicitada a produzir uma amostra do vírus isolado, conseguiu fornecer provas do isolamento do chamado COVID-19.

Neste ponto, uma pergunta está latente. É de se perguntar quais vacinas para prevenir o “contágio” contra o COVID-19 foram capazes de desenvolver as empresas farmacêuticas se até agora o vírus chamado COVID-19 nem parece ter sido isolado?

Ugur Sahin, cofundador da BionTech, revelou que a vacina da Pfizer foi concebida em poucas horas em janeiro de 2020.

Mas uma vacina certamente não se desenvolve em poucas horas e requer anos de pesquisa e vários testes. Acima de tudo, há outro aspecto a considerar. Naquela época ainda não havia pânico “pandêmico” real. A OMS nem sequer havia feito a sua declaração formal de “estado pandêmico” que só ocorreria em 11 de março de 2020.

Isso leva a uma única conclusão. Os “grandes” grupos farmacêuticos Big Pharma já estavam trabalhando antecipadamente para preparar essas injeções e as análises de Pablo Campra e Poormina Wagh revelam que o objetivo certamente não era melhorar ou proteger a saúde pública.

O objetivo não foi outro senão o anunciado abertamente por Bill [Hell’s] Gates em 2010 em uma conferência da série TEDx .

Foi nessa ocasião que Bill [Hell’s] Gates disse que no que diz respeito à redução da população mundial “se tivesse sido feito um bom trabalho com vacinas” este número poderia ter sido reduzido em 10 a 15% da população.

E, portanto, os investimentos milionários que o fundador da Microsoft, o homem das vacinas, fez nos últimos anos neste campo são perfeitamente explicados. Foi também Gates quem anunciou em 2018 , dois anos antes do início da “emergência COVID”, que o mundo teria de se preparar para um evento pandémico como se tivesse “enfrentado uma guerra”.

A chamada “pandemia”, portanto, nunca foi um fato real. Foi uma operação planejada, minuciosa e meticulosamente preparada para alcançar a sociedade que homens como Gates e os membros do WEF de Davos tinham em mente.

Nesta sociedade distópica, o número da população mundial deve ser reduzido para se adequar aos cânones da filosofia neo-malthusiana liberal “acordada”, transgênero, LGBTQ+, pedófila, transhumanista e satanista, na qual a ideologia globalista se baseia.

A própria existência do ser humano é vista como uma “ameaça” pelos oligarcas psicopatas dessas potências que se caracterizam por seu ódio feroz contra toda a humanidade, considerada como uma massa de “comedores inúteis”, expressão cunhada pelo clube de Roma financiado pela família Rockefeller.

E nessa história sempre encontramos esses nomes. Bill Gates, Rockefeller, Soros, Klaus Schwab, Jacques Attali e outros psicopatas dementes. Encontramos os nomes daqueles que conceberam este mundo distópico.

Sem placebo nas vacinas

Há também outro mito espalhado por alguns desinformadores para dissipar, a saber, que os placebos foram incluídos nos vários lotes de vacinas. Nada disso é verdade, como a cientista hindu explicou em seu relatório. Se alguns vacinados não sentem sintomas negativos por enquanto, é apenas devido ao fato de que em alguns soros a quantidade de grafeno é um pouco menor do que a encontrada em outros.

A distribuição de um soro com mais ou menos grafeno faz parte do que pode ser definido como uma perversa roleta russa em que alguns “sortudos” evitam doenças imediatamente, mas nenhuma delas escapará dos graves efeitos colaterais a longo prazo.

A Drª. Wagh explica que a expectativa de vida daqueles que receberam essas substâncias mesmo em quantidades menores do que outras é encurtada em média “de 10 para 15 anos”.

A administração posterior da segunda, terceira e quarta doses serve apenas para acelerar o processo de deterioração progressiva do organismo. Quanto mais doses entram em nossos corpos, mais eles são definitivamente comprometidos pelo que só pode ser definido como venenos para nossa saúde.

Em todo esse desconcertante projeto de ataque à saúde pública, a única nota “positiva” parece ser a dos efeitos colaterais dos soros que, segundo a Drª. Wagh, não podem ser repassados ??a quem não foi “envenenado” pelas pseudo vacinas Covid.

No entanto, o corpo tenta expelir algumas das substâncias tóxicas que recebeu, mas quando estas saem do corpo, ficam inertes e não podem causar danos a quem está em contato com os “envenenados”.

Então, essas são as verdades que cientistas independentes estão tentando transmitir ao público e que ainda não conseguiram transmitir a um grande número de pessoas. Muitas pessoas vacinadas provavelmente ainda não sabem que foram enganadas e defraudadas por um sistema que lhes disse que essas injeções eram seguras.

E assim chegou a hora de se fazer perguntas a quem implementou a campanha de vacinação na Itália. É necessário pedir um relato do que aconteceu com os governos dos marionetes Conte e Draghi que promoveram essas vacinas e obrigaram as pessoas a receber essas substâncias em seu corpo por meio de obrigações de vacinação e certificados de vacinação compulsórios.

Os italianos foram submetidos a uma administração de massa que os fatos expostos revelaram ser nada mais do que uma tentativa deliberada de reduzir a população italiana. A AIFA também deve ser solicitada, que autorizou a distribuição dessas injeções mortais.

Devemos perguntar aos responsáveis ??pelo que foi um ataque sem precedentes à saúde pública dos italianos. O sangue daqueles que perderam e estão perdendo suas vidas neste massacre aguarda justiça.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

2 respostas

  1. O real motivo das Pedras da Geórgia terem sido destruídas. Os próprios globalistas o fizeram, pois alcançaram seu objetivo de extermínio em massa com as vacinas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *