Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Guerra Israel-Hamas está implantando Agenda ‘Great Reset’ do WEF

Há poucos dias publicamos um artigo discutindo como a agenda do WEF da “Grande – Great Reset – Reinicialização” ainda avança nos bastidores, enquanto as manchetes estão cheias de sangue do conflito Israel-Palestina. Mas também é verdade que, nos seus quinze dias de existência, a própria guerra na Faixa de Gaza já fez avançar essa mesma agenda. Criar uma cultura de medo perpétuo, fazer com que as pessoas tenham receio de se expressar ou de expressarem as suas opiniões políticas, é apenas uma das muitas coisas que a pandemia Covid, a Ucrânia, as alterações climáticas e agora Israel têm em comum.

Guerra Israel-Hamas está implantando Agenda ‘Great Reset’ do WEF

Fonte: Off-Guardian.org – Por Kit Knightly

A CENSURA

Normalizar a supressão da dissidência, as vozes discordantes da narrativa e agenda oficial e criar uma cultura de medo em torno da liberdade de expressão são uma parte importante da “Grande – Great Reset – Reinicialização“, afinal os outros passos são muito mais fáceis se você proibir protestos inconvenientes.

E, naturalmente, apelos à supressão da liberdade de expressão surgiram em todo o lado desde o início da guerra. Abordamos isso em nosso artigo ““Guerra” Israel-Hamas – outra desculpa para acabar com a liberdade de expressão”

Desde que esse artigo foi publicado, esta campanha ganhou impulso. O Comissário da União Europeia, Thierry Breton, enviou cartas de advertência a todas as principais plataformas de redes sociais , alegando que precisavam de “combater a desinformação” em relação ao estado de Israel e ameaçando-as com pesadas multas.

Em mais um golpe na narrativa “a China está do nosso lado”, o serviço chinês de partilha de vídeos TikTok concordou ansiosamente em “combater a desinformação” .

Estudantes de Harvard e Berkeley foram ameaçados de serem colocados na “lista negra” por manifestarem apoio ao povo da Palestina. As polícias alemã, inglesa e francesa estão dispersando as manifestações pró-Palestina, enquanto – tanto no Reino Unido como nos EUA – há apelos para prender pessoas por agitarem bandeiras palestinas, ou para deportar aqueles que “apoiam o Hamas” .

Criar uma cultura de medo, fazer com que as pessoas tenham medo de se expressar ou de expressarem as suas opiniões políticas, é apenas uma das muitas coisas que a Covid, a Ucrânia, as alterações climáticas e agora Israel têm em comum.

SOFTWARE DE RECONHECIMENTO FACIAL-TRF

É sempre curioso quando uma história supostamente “de esquerda” surge e se encaixa perfeitamente com uma questão que já está no noticiário das pre$$tituta$ da mídia mainstream. A ascensão do software de reconhecimento facial – uma ameaça ao direito de todos à privacidade – é uma delas.

Antes do “ataque surpresa” do Hamas, o uso da tecnologia de reconhecimento facial-TRF por Israel era chamado de “apartheid automatizado” pela Anistia Internacional. Nos EUA, os estados opõem-se à utilização do TRF há muito tempo, tendo alguns apresentado projetos de lei para proibi-lo totalmente .

Agora, porém, Israel tem alegadamente utilizado tecnologia de reconhecimento facial para identificar mortos e feridos. O Jerusalem Post chama-o de “ferramenta para ajudar Israel a recuperar da guerra do Hamas”.

E numa coincidência “muito curiosa” – três dias antes do alegado “ataque surpresa” , o governo da Suécia teria sido “forçado” a aumentar a sua utilização devido à “violência de gangues” nas ruas. No Reino Unido, isso coincidiu perfeitamente com os planos do governo de enviar todas as fotos de passaporte de seu banco de dados para um programa de reconhecimento facial [abordamos isso aqui ].

Os planos geraram protestos silenciosos, principalmente porque ninguém ouviu falar deles. Depois, no sábado, durante a marcha pró-Palestina em Londres, a Polícia Metropolitana aplicou os poderes da secção 60AA, exigindo que os participantes não cobrissem os rostos, para facilitar a TRF ao vivo. (A propósito, lá se foi a Suécia, outro dos [pseudo]países dos “mocinhos”.)

Ninguém disse uma palavra contra isso. De repente, o que era “orwelliano” em Abril está agora – graças à última guerra no Oriente Médio – totalmente bem.

A polícia introduziu os poderes da Secção 60AA nas manifestações pró-Palestina no centro de Londres. Eles pediram aos manifestantes que removessem qualquer cobertura facial para que sua identidade não pudesse ser ocultada, relata @AmeliaHarperTV

O fato de serem as mesmas pessoas que agora exigem que ninguém cubra o rosto as que gritavam nos últimos três anos “use uma máscara!”[por causa da covid], é a mais poética das ironias e hipocrisia total.

E, igualmente irônico mas muito mais trágico, as mesmas pessoas que se opuseram à utilização desta tecnologia durante os protestos de confinamento, estão aplaudindo os “simpatizantes do terrorismo”, o que nos leva claramente ao ponto três…

DIVIDINDO A MÍDIA ALTERNATIVA (Alt-Média)

A comunicação social independente foi a principal razão pela qual a narrativa da “pandemia” ficou aquém dos seus objetivos grandiosos de massacrar a humanidade. A narrativa perdeu o seu ímpeto face a um retrocesso da resistência solidificada de todo o espectro político – abrangendo a esquerda anarquista até à direita libertária.

Desde então, um braço importante da estratégia globalista tem minado essa solidariedade e o alcance dos meios de comunicação alternativos, atacando o seu financiamento, limitando o seu alcance e – mais obviamente – costurando a discórdia com distrações divisivas ao afagar grandes egos.

Não foi por acaso que a invasão russa da Ucrânia quebrou a resistência da Covid ao meio, fragmentando-a ao longo das antiquadas falhas.

A “guerra” Israel-Hamas já dividiu esses dois lados em mais dois. A ação coletiva e o pensamento independente foram banidos para o reino das sombras em favor do tribalismo e fanatismo. As pessoas [os ignorantes, a grande maioria] estão sendo manipuladas para abandonarem uma postura antiglobalista, optando por defender firmemente os “bons globalistas” dos maus.

Não apenas quebrou a aliança dos dissidentes anti-lockdown/antivacinas, mas também quebrou os seus princípios e desacreditou as suas opiniões.

Muitos – principalmente na direita conservadora – esqueceram que o estado de Israel esteve na vanguarda da mentira da Covid, esqueceram que foram os primeiros a vacinar sua população e os primeiros a impor “passes verdes”, e saltaram em sua defesa (ou, mais precisamente, aproveitou a oportunidade para promover uma agenda anti-islâmica).

Eles agora pressionam pela punição coletiva e – como mencionado acima – aplaudem a anulação da liberdade de expressão dos “simpatizantes do terrorismo”. Considere Douglas Murray, por exemplo, que é considerado um “absolutista da liberdade de expressão”, mas que na sequência do “ataque surpresa” está a escrever colunas com manchetes como esta …

Por que permitimos protestos que glorificam o massacre?

Quer estas pessoas tenham sido genuínas no protesto pela liberdade ou não, a sua credibilidade nessa frente está agora quebrada para sempre.

Acho que este tweet diz melhor:

Aqueles que antes permaneciam unidos, devido às suas experiências de uma Pandemia de Covid-19 manipulada e subsequente lançamento de vacinas experimentais, estão agora todos divididos sobre uma situação manipulada envolvendo a Palestina e Israel. Por favor, dêem um tapinha nas costas. Todos vocês merecem uma medalha.

“O MUNDO MULTIPOLAR”

O outro lado do fragmentação que continua a fraturar o movimento cético da Covid é a promoção concomitante do chamado “mundo multipolar”.

O fato de a força dominante do mundo ser uma elite globalista que não considera nenhum pais o seu lar ficou brutalmente claro pela falsa “pandemia”. Desde então, um dos principais objetivos dessa elite globalista tem sido obliterar esse fato da nossa mente coletiva.

Está a ser vendida uma falsa narrativa de que o Império dos EUA em ruínas é “globalismo” e que existe um eixo aproximado de oposição na forma da Rússia, China, Irão e outros. Esta narrativa tem sido vendida tanto pelos meios de comunicação tradicionais como pelos alternativos desde o início da “operação militar especial” da Rússia.

É uma narrativa simplista e binária entre mocinho e bandido, concebida para tirar da mente das pessoas 2 anos de cooperação global em grande escala entre estes supostos “inimigos”.

O conflito Hamas-Israel já está a fazer a sua parte para promover esta narrativa enganosa. Cria a impressão de um mundo dividido em linhas desgastadas (mas cada vez mais sem sentido). A pandemia deixou claro que as elites do mundo estão todas seguindo o mesmo roteiro.

A guerra foi projetada para nos fazer esquecer esse fato.

E se isso significa que alguns milhares de pessoas terão de morrer no processo – e daí? Tanto o Ocidente como o Oriente ficaram felizes por matar o seu próprio povo com confinamentos e injeções tóxicas – então porque não com mísseis e talvez armas nucleares?

Eles estão vendendo memes desgastados da Guerra Fria para persuadi-lo de que não são seus inimigos – são aquelas pessoas “lá” – os muçulmanos, os judeus, os russos…

…você pode preencher qualquer um conforme necessário.

A Coreia do Norte foi responsabilizada, primeiro por fornecer armas à Rússia, e agora por fornecer armas ao Hamas. Diz-se que o Irã financiou – e até planejou – o ataque do Hamas.

Até a Rússia, que tradicionalmente se opõe fortemente a todo e qualquer “terrorista” islâmico, está mostrando sinais de comprometer a sua habitual “neutralidade” em relação à Palestina. Estão enviando carregamentos de ajuda para Gaza e a discutir resoluções de cessar-fogo no Conselho de Segurança da ONU (que os EUA vetaram instantânea, obviamente).

Por seu problema, os deputados israelenses estão ameaçando a Rússia com a guerra ao vivo na RT.

No seu discurso de ontem à nação, [‘Dementia’ Joe] Biden equiparou deliberadamente a Rússia de Putin ao Hamas. O presidente ucraniano, Vlodomyr Zelensky, fez o mesmo quase imediatamente após o “ataque surpresa” de 07 de outubro.

As linhas de batalha globais para uma suposta “3ª Guerra Mundial” estão sendo já traçadas. Tudo isto alimenta a ilusão de que enormes diferenças ideológicas sísmicas separam estes Estados-nação, quando na realidade partilham a grande maioria dos objetivos do “Novo Normal” dos oligarcas sem pátria.

Lembre-se que tanto Israel como o Hamas alegremente sacrificaram o seu povo no altar da Pfizer Inc..  Quaisquer reivindicações de preocupação com a vida civil agora – de ambos os lados – devem ser encaradas com o mais absoluto ceticismo.

Como podem ver, o “ataque surpresa” do Hamas deu um novo impulso a alguns dos objetivos dos globalistas, do WEF, et caterva, que estavam na lista de tarefas do sistema há algum tempo. E isso é só até agora, há outros que ainda não se materializaram, mas poderiam facilmente em breve.

Fala-se de [mais] uma crise de refugiados – aumentando a imigração ilegal e estimulando mais aquela desejada retórica divisionista, ao mesmo tempo que fornece aos governos ocidentais uma esponja de culpa pela miséria financeira que criaram deliberadamente.

Os preços do petróleo já estão subindo e a qualquer momento poderão desencadear a próxima “crise energética”.

Talvez sejam as nações do Golfo que embarguem Israel, ou as nações ocidentais que sancionem quem quer que seja, mas elas estão a lançar as bases. O Wall Street Journal alerta para “ecos da crise do petróleo de 1973”, os EUA hoje venderam metade das suas reservas e podem não estar “preparados para uma crise” no preço do petróleo.

Duas histórias desta manhã alertam para uma “crise potencial” .

Se (quando?) acontecer, poderá (e quase certamente deverá) ser imediatamente aproveitado para servir a agenda das “alterações climáticas”. Dir-nos-emos que há uma fresta de esperança porque estamos“ aumentando a nossa dependência das energias renováveis”.

É um imenso emaranhado de mentiras, mas todas levam na mesma direção.

Já há muita discussão, nos círculos da mídia alternativa, sobre a natureza do Hamas. Até que ponto foram criadas por Israel, ou pelo menos permitiram que acontecessem? E até que ponto isto se estende ao próprio “ataque surpresa”? Cui bono?

Alguns chamaram-lhe um “trabalho interno” desde o momento em que a notícia foi divulgada, e ele apresenta as características habituais do seu tradicional ataque de “bandeira falsa”. “Falhas de inteligência” inexplicáveis do melhor serviço de inteligência do mundo, o Mossad de Israel, avisos ignorados [do Egito] e respostas atrasadas. Talvez tenha sido um caso de “deixar acontecer de propósito”, ou talvez eles tenham feito acontecer de propósito.

Quem sabe até onde vai a elite na gestão da realidade e na criação de cada vez maiores “crises” de que necessita para levar os seus planos e impor a implantação de sua agenda ao mundo.

Qualquer que seja a verdade desta situação, não há como negar que já estão trabalhando diligente e arduamente para promover uma agenda distópica muito familiar aos mais conscientes.


“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores.  –  Apocalipse 13:16


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *