Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Historiador descobre túmulos de Cavaleiros Templários perdidos há muito tempo

Um historiador inglês descobriu sepulturas pertencentes a membros da Ordem dos Cavaleiros Templários em uma igreja no vilarejo inglês de Staffordshire em uma das “descobertas mais importantes nacionalmente” desse tipo. O pesquisador Edward Spencer Dyas tem investigado a descoberta no estilo do filme Código Da Vinci depois de encontrar as tumbas medievais na Igreja de Santa Maria em Enville, Staffordshire, no interior da Inglaterra.

Historiador descobre túmulos de Cavaleiros Templários perdidos há muito tempo

Fonte: Catholicherald.co.uk

Edward Spencer Dyas, um pesquisador e historiador, descobriu cinco sepulturas pertencentes a membro da Ordem dos Cavaleiros Templários na Igreja de Santa Maria em Enville, em Staffordshire. É sua segunda descoberta em apenas dois anos. Em 2021 ele encontrou três sepulturas templárias no mesmo local.

Cada uma das sepulturas é gravada com uma cruz templária com círculos duplos no desenho dos templários, bem como com uma cruz dos cruzados.

A presença de um total de oito sepulturas templárias encontradas em uma única igreja rural inglesa está sendo saudada como uma das “descobertas mais importantes nacionalmente” desse tipo.

O Sr. Dyas, de Stourbridge em West Midlands, disse ao Daily Telegraph: “Esta descoberta foi confirmada para mim como sendo uma descoberta única.

“A Sociedade Templária mais antiga da Grã-Bretanha, que mantém registros de todos os sítios templários, confirmou que nunca havia sido registrada anteriormente. “Acredito que essas descobertas fazem de Enville uma das igrejas de maior importância nacional do país.

“Isso se deve aos seus laços estreitos com William Marshal1.º Conde de Pembroke (1146 — 14 de maio de 1219) que foi um nobre, um soldado e estadista anglo-normando. Ele tem sido descrito como o “maior cavaleiro que já viveu” (Stephen Langton). Ele serviu quatro reis – Henrique IIRicardo Coração de LeãoJoão e Henrique III de Inglaterra – e passou da obscuridade para se tornar regente da Inglaterra e um dos homens mais poderosos da Europa e considerado um dos maiores guerreiros que a Inglaterra já produziu.

“Mas há um mistério de por que cavaleiros templários europeus está enterrado em Enville e por que eles eram secretamente tão proeminentes lá.”

O historiador Edward Spencer Dyas fez a descoberta no estilo Código Da Vinci de oito sepulturas de Cavaleiros Templários na Igreja de Santa Maria em Enville, Staffordshire”.

Ele disse: “Pesquisando levantamentos históricos de Staffordshire e Enville, tivemos a sorte de encontrar uma série de desenhos, datados de 1820, de túmulos dentro da igreja de Enville, desenhados por um dos arquitetos mais renomados da Inglaterra, John Chessell Buckler.”

Ele acrescentou: “Temos sorte de Buckler ter feito esses desenhos. Sem seus esforços, esses túmulos templários encontrados dentro da igreja de Enville continuariam perdidos para nós.” O historiador Dyas trabalhou com Darius Radmanish, seu parente, para localizar as sepulturas.

Ordem dos Cavaleiros Templários foi formada em 1118, logo após a Primeira Cruzada como uma das várias ordens militares religiosas católicas que defendiam os peregrinos da Terra Santa na época das Cruzadas.

Eles tiraram o nome do Monte do Templo em Jerusalém, cedido para ocupação da ordem pelo rei Balduíno IV de Jerusalém.

No final do século XIII  quando as Cruzadas chegaram ao fim, eles formaram os maiores e mais eficazes exércitos permanentes nos estados cristãos do Mediterrâneo Oriental em conjunto com outras ordens Cavaleiros hospitalários, cavaleiros teutônicos e ordens menores.

William Marshal, 1º Conde de Pembroke, é considerado um dos Templários mais importantes da história e é referido como “o maior cavaleiro da Inglaterra” da Idade Média.

A Igreja de Santa Maria foi construída no início do século XII, numa época em que os Templários estavam criando preceptorias [Comendas] por toda a Inglaterra.

A ordem dos Templários foi dissolvida na França pelo rei Filipe, o Belo, em meio a controvérsias quase duas décadas após a queda do Acre no final do século XIII.


“Non nobis Domine, non nobis, sed nomini tuo ad gloriam” – Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade. – Salmos 115:1 (Vulgata Latina)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *