Hospício do Ocidente em Pânico com a Mudança dos Países da África para o leste, para a Rússia

A recente reunião em Moscou entre o Presidente do Chade, Idriss Deby, e o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, é o mais recente sinal de que África está abraçando a ideia da ordem mundial Multipolar emergente. A reação ocidental a esta e a uma série de outras ligações africanas com a Rússia tem estado ao nível de um pânico geopolítico. Uma a uma, e em lotes, as nações da África estão rejeitando os psicopatas imperialistas do hospício do velho mundo, rejeitam especialmente a ‘acordada’ França.

Hospício do Ocidente em Pânico com a Mudança dos Países da África para o leste, a Rússia

Fonte: New Eastern Outlook – Autor: Phil Butler

E o Chade [ex colônia da França] é uma nação fundamental no centro do continente africano.

“O Chade é um dos nossos potenciais parceiros africanos. A gama de oportunidades da nossa cooperação [bilateral] está longe de ser totalmente aproveitada; temos muito trabalho pela frente.” – Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov

Esta primeira reunião entre o presidente interino do Chade e o Sr. Putin é significativa por várias razões. Em primeiro lugar, e talvez mais importante, a visita de Idriss Deby indica que as pressões ocidentais sobre o seu governo já não estão mais funcionando. Alguns poderão recordar-se que Deby pretendia participar na cúpula Rússia-África em São Petersburgo, mas posteriormente cancelou a visita.

Especialistas disseram à TASS e a outras agências de notícias que o Chade reduziu o seu envolvimento com a Rússia devido à forte pressão de Washington e dos seus lacaios europeus. Estas nações ocidentais não estão ajudando nem um pouco as suas ambições africanas ao referirem-se ao Presidente Deby (e outros) como “líderes de junta” e assim por diante.

Outro sinal de que a maré mudou é que o primeiro-ministro do Chade esteve em Moscou uma semana antes, assinando um acordo para desenvolver laços militares com a Rússia. Surpreendentemente, os grupos de reflexão e os decisores políticos do Ocidente parecem estar falhando em todos os esforços para conter a debandada das nações mundiais que se dirigem à adesão aos BRICS e ao estreitamento dos laços com a Rússia e China. Um relatório recente do CFR-Conselho de Relações Exteriores [um dos principais órgãos de manipulação e controle dos globalistas] é um exemplo perfeito da mão perdida que a hegemonia americana detinha como trunfo.

Dê uma olhada no mapa das nações africanas que supostamente estão sucumbindo às chamadas “campanhas de desinformação” russas. Milagrosamente, o Chade está no centro de um ninho de outros países “propagandeados” pelos russos. Curioso, não?

Outra prova de que não existem génios políticos em qualquer lugar da Casa Branca surge sob a forma de uma estúpida admissão de culpa. Parte da conclusão do artigo do CFR-Conselho de Relações Exteriores parece o testemunho de um criminoso tolo em um tribunal americano:

“As consequências da guerra na Ucrânia revelaram falhas diplomáticas. Os analistas dizem que o Ocidente [o jardim] precisa de procurar parcerias mais igualitárias com os países africanos [a selva].”

Assim, os analistas admitem prontamente que o Ocidente tem tido parcerias desiguais com os países africanos! Há um momento “duh” para você. Pode-se examinar a influência remanescente da França no continente e ver como as políticas dos Estados Unidos também estão falhando.

A França tem mantido uma postura paternalista e soberba na África e a maioria dos líderes africanos percebe que os franceses têm feito relativamente pouco para ajudar o seu povo. O desenvolvimento nos países onde a França tem sido mais influente está, na melhor das hipóteses, estagnado. O mesmo se aplica aos interesses dos EUA, do Reino Unido e de outros interesses europeus.

A França é agora “persona non grata” no Níger e muito em breve a América seguirá o mesmo caminho de exclusão. Este excerto da história do The Economist sobre a chamada Cimeira para um Novo Pacto Financeiro Global explica a frustração da liderança africana com seus ex senhores ocidentais:

“A grande presença da África reflete o receio de que o continente esteja sendo prejudicado à medida que as prioridades mudam no sentido de ajudar a Ucrânia [e Israel em seu genocídio, muitos países africanos são muçulmanos] e de lidar com as Alterações Climáticas. Isto está alimentando uma raiva mais profunda – o fato de o continente africano ter pouca voz e muito pouco a dizer nas instituições globais, como o Banco Mundial, o FMI, OMS e a ONU, e de algumas das reformas propostas poderem novamente deixar a África de fora.”

Olhando para a situação da Ucrânia e perguntando-se quão idiota é para os propagandistas ocidentais tentarem incluir a guerra por procuração contra a Rússia naquele país em assuntos relativos a outras nações e continentes, um olhar prático revela quão fracas são as ideias da Elite Liberal ‘acordada’.

Tomemos, por exemplo, os 233 bilhões de dólares dados ao regime de Kiev para lutar às portas da Rússia. Isso é dinheiro suficiente para dar a cada homem, mulher e criança no Chade cerca de 12 mil dólares. Isso equivale a sete vezes a renda per capita anual do pais africano, ou o suficiente para tirar toda a população da pobreza.

Seria o suficiente para aliviar o sofrimento de mais de 1,4 milhões de crianças subnutridas. Os 233 bilhões de dólares despejados na Ucrânia são suficientes para aliviar o sofrimento dos 238 milhões de pessoas subnutridas que vivem no continente africano. Pense sobre isso. A Oxfam América diz:

“A fome que o povo africano enfrenta hoje é um resultado direto de escolhas políticas inadequadas.”

Não há dúvida sobre isso. Mas vejam-se os comentários recentes do secretário de Estado de Joe Biden, Anthony Blinken, apresentando aos países do Sahel o tipo de segurança americano. Em cada contra-ataque americano à crescente influência da Rússia na África, os propagandistas ocidentais apontam para os mercenários da Wagner PMC e nos acordos de armas da Rússia, em vez da energia nuclear ou de outras cooperações em infra-estruturas. Agora, os Estados Unidos querem colocar os seus mercenários à disposição de quem precisar de armas contratadas para o seu próximo golpe.

Finalmente, por mais que os propagandistas ocidentais tenham insistido no fato de a Rússia estar enfraquecida por sanções ridículas e ineficazes, é interessante notar que a África e a Ásia substituíram a Europa como os principais destinos das exportações russas de petróleo bruto e gás. A Europa já foi responsável por 60% das exportações de petróleo da Rússia. E para coroar este relatório, em Novembro, navios carregados com cereais russos gratuitos partiram de portos russos para o Burkina Faso e a Somália.

Os carregamentos também chegarão à Eritreia, ao Zimbabué, ao Mali e à República Centro-Africana, à medida que Vladimir Putin cumpre a sua promessa após o fracasso do acordo de cereais com a Ucrânia. E podem ter a certeza de que todos os líderes africanos sabem que os produtos alimentares provenientes da fracassada iniciativa cerealífera do Mar Negro se destinavam principalmente à Europa.

Estas negociações duplas dos psicopatas ocidentais desempenham um papel proeminente nessa mudança em direção à Rússia. Ainda assim, tudo o que a liderança ocidental parece ser capaz é de bater no peito em pânico e de utilizar tácticas complicadas e imperialistas para tentar resgatar a sua diplomacia na África.

Em Dezembro, a administração Biden repetiu novos acordos comerciais no valor de cerca de 14 bilhões de dólares com nações africanas. Isso é aproximadamente a mesma quantia que o roubo de armas, munições e fundos do corrupto submundo da Ucrânia fornecidos a Zelensky por Biden. O Pentágono perdeu um bilhão de dólares em armas sozinho. Outro erro do Pentágono acabou por fornecer à Ucrânia mais 6,2 bilhões de dólares. E agora a Europa aprovou mais 50 bilhões de euros para manter a guerra da Ucrânia com a Rússia, enquanto os agricultores europeus protestam contra os seus corruptos políticos e incendeiam Bruxelas.

O vento que mudou após o início da operação militar na Ucrânia sopra em rajadas, levando as nações do mundo para outra órbita, para fora do Hospício Ocidental e das elocubrações dos oligarcas do WEF de Davos. Portanto, o pânico dos líderes ocidentais é provavelmente uma coisa natural. Esperem até que os BRICS anunciem uma nova moeda internacional de troca em substituição ao dólar.

Phil Butler é um investigador e analista político, um cientista político e especialista na Europa Oriental, é autor do recente best-seller “ Putin’s Praetorians: Confessions of the Top Kremlin Trolls” e de outros livros. Escreve exclusivamente para a revista online  “New Eastern Outlook” .


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth