browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“House of Cards” da China, qual é sua estratégia geopolítica?

Posted by on 08/10/2020

Um dos desenvolvimentos mais importantes no mundo nas últimas décadas foi a ascensão meteórica da China como uma nova potência mundial. A China, cujo governo do Partido Comunista governa o pais com mão de ferro há mais de 70 anos, em breve terá de tomar importantes decisões geopolíticas estratégicas. Muitos acreditam que a China é um castelo de cartas prestes a cair. Isso é verdade? E se for verdade, o que isso significaria para outros países importantes enquanto lutam e se adequam com essa realidade?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O “House of Cards”[Castelo de Cartas] da China, qual é sua estratégia geopolítica?

Fonte:  Right Wire Report

Deve-se notar que o povo chinês não é o problema. Eles têm um longo lugar de sucesso e respeito na história e no mundo de hoje. Em vez disso, é a liderança comunista (pelo menos partes dela) da China, que as pessoas do pais realmente não têm escolha neste momento a não ser segui-la. 

O ano de 2020 está se tornando um ano crucial na história, à medida que os Estados Unidos escolhem uma direção política potencialmente nova, impulsionada por protestos internos sem precedentes, e o mundo está lutando contra uma pandemia global. Vamos dar uma olhada no passado e no futuro imediato da China e tentar descobrir qual pode ser sua estratégia geopolítica e quais os efeitos que isso pode ter para o resto do mundo hoje. 

Primeiro, vamos dar uma olhada na história mundial em termos de domínio econômico nos últimos 2.000 anos. A ascensão do poder econômico europeu, começando por volta de 1600, e depois na América por volta de 1800, causou grandes mudanças no domínio mundial. O domínio econômico ocorreu principalmente por meio da inovação, das idades do Ferro, Industrial e, posteriormente, da Tecnologia da Informação. 

Esse domínio atingiu o pico na década de 1960, dando origem ao crescimento de países do leste – a China. Em menor grau, a Índia e outros países asiáticos [Japão e Coreia do Sul] também participaram dessa mudança. E como a China conseguiu isso? Principalmente com a arbitragem de trabalho via offshoring dos países desenvolvidos dominantes do Ocidente, embora mais recentemente algumas inovações estejam começando a ocorrer moderadamente na China. O crescimento na China pode continuar?

O argumento é que o fruto mais fácil de ser colhido [mão de obra barata e abundante] para a história do crescimento da China acabou. As oportunidades de offshoring (ou terceirização da mão de obra de cadeias de produção) serão limitadas e agora irão para outros mercados, se for o caso, de acordo com as políticas tarifárias do governo Trump.  Agora, as empresas chinesas estão percebendo o apelo (ou sentindo a dor, dependendo do seu ponto de vista) da terceirização, perdendo empregos em fábricas para o Vietnã, Indonésia e outros países asiáticos de mão de obra de baixo custo, para o México – que combina custos baixos com a proximidade do lucrativo mercado dos EUA – para a África, e agora até mesmo para os próprios Estados Unidos.

A China está começando a ser atingida pela saturação do mercado . A saturação do mercado ocorre quando um mercado específico não demanda mais um produto ou serviço ou quando todo o mercado não tem uma nova demanda. À medida que uma organização cresce, seja um negócio ou mesmo um país que está passando por um rápido crescimento, as taxas de crescimento rápido são mais fáceis de alcançar quando a organização é pequena. 

À medida que a economia cresce, atinge um ponto de saturação do mercado e as taxas de crescimento diminuem.  Isso não significa que a China não continuará a produzir e vender produtos e serviços ao mundo desenvolvido;  acontece que o crescimento não existirá mais como antes. Isso pode não ser verdade se o crescimento puder ser obtido de outra fonte.

De onde virá o novo crescimento econômico da China?

  • O crescimento dos mercados emergentes será um desafio tanto para a China quanto para o mundo desenvolvido. O crescimento global foi estimado em 2,9 por cento em 2019, e no mercado emergente o crescimento deve ser de apenas 4,4 por cento em 2020. Em números brutos, o crescimento do mercado emergente será muito menor do que o necessário para compensar quaisquer deficiências em qualquer perspectiva de crescimento da China . As exportações da China atingiram uma alta de 35% em 2008 e agora caíram para 20% – e continua em declínio.
  • Muitos especialistas sugerem que a melhor opção da China é energizar sua enorme economia doméstica, impulsionada pelo poder de seus consumidores – não pelo comércio, disse Chung Man Wing, diretor de investimentos da Value Partners . Isto está a funcionar? Se alguém acreditar nos dados da China, a resposta é, na melhor das hipóteses, plana. O consumo das famílias chinesas como porcentagem do PIB oscilou em torno de 40% e permaneceu relativamente estável por anos. 
  • A China poderia aumentar a produção com mais crédito? O Instituto de Finanças Internacionais-IIF estima que a dívida total da China atingiu 317 por cento do produto interno bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2020. Esta marca de 300 por cento para muitas economias desenvolvidas sinaliza uma zona de perigo onde essas economias não podem mais sustentar crescimento de dívida sem a erupção de problemas significativos na referida economia. Portanto, qualquer aumento significativo no crédito não é uma opção viável para as perspectivas de crescimento da economia chinesa.
  • A formação bruta de capital mundial como percentual do PIB é de cerca de 24%. Para a China, é cerca de 44% – quase o dobro da taxa do resto do mundo. Esta é uma estatística extraordinária considerando o tamanho econômico da China hoje. À medida que a China atinge a saturação do mercado e opções limitadas para impulsionar o crescimento do seu PIB de outras maneiras, pode a China manter esse nível de formação de capital? Mais provável que não.

A escrita está na parede. A China precisa se preparar para taxas de crescimento muito mais baixas, mais em linha com o resto do mundo desenvolvido de 2 a 4 por cento. O crescimento da China provavelmente diminuirá de 2 a 4 por cento nos próximos anos. Isso seria além de quaisquer outros efeitos globais que possam ocorrer, como o Coronavírus.

Quais poderiam ser os efeitos desse declínio para o trabalhador chinês?

  • O desemprego pode se tornar um problema. Usando a aplicação da Lei de Okun , que diz que há uma redução correspondente de dois por cento no emprego para cada redução de um por cento no PIB. Com a força de trabalho da China de aproximadamente 800 milhões de trabalhadores, uma redução de 4% no PIB se transforma em 64 milhões de empregos estruturais perdidos. E com o entendimento de que o desemprego transitório pode ser o dobro ou até o triplo em tempos de crise – isso se traduz em um momento de crise de quase 200 milhões de empregos perdidos na China.
  • A inadimplência de crédito exige resgates maciços de bancos com problemas, levando à desvalorização da moeda chinesa e à inflação. A transparência nos bancos chineses sempre foi um problema, mas relatos da mídia continuamente mostram que o sistema bancário chinês é um castelo de cartas – veja o exemplo do Zerohedge; “ Um problema de US$ 20 trilhões: mais da metade dos bancos da China falham no teste de estresse do banco central.” Pesquisa do banco central mostrou que cerca de 60% dos ativos das famílias estão estacionados em investimentos imobiliários duvidosos; Cerca de 97% do passivo está vinculado a empréstimos bancários, sendo a hipoteca quase 70% do total. Talvez as coisas hoje pareçam bem, mas quando o castelo de cartas cai nesse tipo de situação, isso acontece rapidamente, acelerando uma espiral descendente. Com o pensamento atual do banco central, a única solução será – monetizar a dívida que leva a uma potencial hiperinflação.
  • Com uma potencial crise econômica à vista, o sistema de pensões da China ficará sob pressão. O fundo de pensão estatal da China deve secar até 2035, à medida que a força de trabalho encolhe devido aos efeitos da política do filho único. Muitos planos de previdência privada com um desafiador mercado de ações chinês também se tornam problemáticos.
  • Uma recessão prolongada, até mesmo depressão, causando uma ruptura social massiva em potencial que poderia desafiar o controle do governo pelos comunistas. 

Quais as Soluções para a China? Obviamente, a liderança comunista chinesa, assim como muitos observadores astutos da China, estão plenamente cientes de sua situação econômica atual. A única questão real é o tempo – mas o tempo é essencial . Então, o que os líderes da China poderiam fazer, dada a situação iminente? Dado que o crescimento interno seria um desafio, a única outra opção seria “aceitar o seu destino na vida” ou … “ocupar o espaço dos outros.” “Aceitar a sorte deles na vida” provavelmente não é uma boa opção para um regime totalitário comunista, pois isso poderia causar o fim da atual liderança da China e do próprio comunismo na China como a conhecemos. Isso nos deixa com a opção de … “ocupar o espaço dos outros”. Os líderes governamentais quase sempre buscam preservar a si mesmos e suas posições.

Volte e olhe para o gráfico de História Econômica das Potências Mundiais mais uma vez. Quem e como a China poderia “ocupar o espaço dos outros” e continuar seu crescimento histórico [e domínio] em expansão? Aqui, devemos colocar nosso limite de pensamento e postular quais ações os chineses já tomaram para ver a possível direção geopolítica estratégica que a China está tomando.

  • Reduzir o domínio econômico mundial europeu e americano para ser substituído pelo seu próprio domínio. A China precisaria de um evento rápido que faria com que a Europa e a América sofressem uma queda repentina em suas economias. Não é isso que o Corona vírus causou e está fazendo? O presidente Trump prometeu que os Estados Unidos continuariam a investigar a origem do Coronavírus e, especificamente, os eventos no laboratório de virologia em Wuhan, na China. No entanto, a China intencional e conscientemente permitiu que COVID-19 infectasse todos os países do mundo e omitiu a responsabilidade por suas ações. A inteligência chinesa está trabalhando horas extras para garantir que as investigações de Wuhan nunca aconteçam e que o Coronavirus cause o máximo de danos às economias ocidentais por meio do controle político e da mídia pre$$titute ? A prova positiva da ocorrência de um nefasto ataque de armas biológicas ao Ocidente ainda não foi estabelecida, mas os incentivos existem para cumprir um objetivo geopolítico estratégico mais amplo para a China.
  • Comprimir a ascensão econômica de outros países asiáticos por meio do expansionismo militar. A recente ascensão da Índia, assim como de outras potências asiáticas, também estão emergindo como potências econômicas mundiais. Isso ameaça o espaço econômico para o crescimento da China.  Enquanto o mundo luta contra o Coronavirus, ao mesmo tempo, o expansionismo militar chinês continua em frente. Afinal, o tempo é essencial. A surpreendente expansão da China no Mar da China Meridional 1,35 milhão de milhas quadradas e sua subsequente militarização da região nos últimos anos cultivou um ambiente de segurança complexo. A disputa na fronteira entre a Índia e a China está se transformando em uma guerra total da mídia, além de capturar território de outro pais .
  • A repressão à dissidência interna com reduções mais draconianas das liberdades civis de sua população. Acontecimentos recentes em Hong Kong e acusações de violações dos direitos civis de suas populações minoritárias [como os Uygures em Xingiang] ocorreram com poucas objeções em todo o mundo. Internamente, a China possui programas abrangentes para monitorar e espionar sua população por meio de várias formas de uso de tecnologia via Inteligência Artificial e Controle de Crédito Social.

O que dizer das elites do mundo? Eles se contentariam em permitir que os chineses executassem esse plano estratégico de dominância global ? Dependeria muito se eles pudessem participar dele e/ou controlá-lo. Quer sejam subordinados à China ou até mesmo usem a China como seu fantoche, essa ideia é o motor central do conceito de globalização e de uma governo global totalitário. No nível da superelite [Illuminati, Khazares, Nazistas, Wall Street, Deep State, et caterva], não há lealdade a qualquer bandeira de qualquer pais. 

Isso pode explicar a pressão das elites pela criação de um poder global centralizado [e o melhor modelo atualmente é o sistema híbrido chinês] para controlar as massas [de zumbis] por meio da globalização coletivista não democrática, onde nos será dito o que é bom para nós e o não cumprimento das determinações do “grande governo” não é uma opção.

Os chineses se infiltraram em todas as partes da vida norte americana [e de outros países] para garantir a execução da sua estratégia geopolítica. Alguns membros do Congresso iniciaram uma investigação parlamentar sobre a infiltração da China nos campi universitários americanos , de acordo com uma carta enviada ao Departamento de Educação. O Congresso também lançou uma investigação sobre as operações de espionagem chinesas destinadas a pesquisas médicas confidenciais realizadas pelos Institutos Nacionais de Saúde. 

Existem relatos de infiltração chinesa que não é apenas americana, mas também europeia; na mídia, em empresas de tecnologia, em entretenimento, nos negóciosmilitaresimplantação militar em solo estrangeiro (mais exemplos  aqui e aqui), segurançainteligênciapropriedade intelectual … para citar alguns. Há até relatos de que a infiltração chinesa atingiu os corredores do governo dos Estados Unidos – veja aquiaqui e aqui. Observem que essa infiltração governamental está ocorrendo em ambos os lados do espectro político dos EUA, Democrata e Republicano.

A pergunta final que se pode fazer; Essa estratégia geopolítica chinesa poderia funcionar? A resposta sóbria é, sim, muito possivelmente. Até agora, está indo bem para a liderança chinesa e as elites participantes desse jogo de controle e poder. A única coisa que está em seu caminho ainda são pequenos bolsões de resistência populista e nacionalista que perceberam essa realidade – ou pelo menos partes dela. As eleições para presidente nos EUA de 2020 sinalizarão para onde a próxima reviravolta nos levará.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. – Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.