Insetos no Menu? As Mudanças Climáticas, ESG, DEI, ameaçam o Fornecimento de Alimentos, alerta Think-Tank

Um novo relatório do grupo de reflexão [Think-Tank] de direita The Buckeye Institute soou o alarme sobre as políticas de controle climático, líquido-zero emissões CO², do [des]governo Biden e que os itens da agenda ameaçam a Produção Alimentar dos EUA. O relatório, divulgado em 7 de fevereiro, concluiu que as políticas e mandatos climáticos orientados pela Agenda Ambiental, Social e de Governança (ESG) que está sendo promovida pelo [des]governo Biden têm um preço elevado para os agricultores e consumidores americanos.

Insetos no Menu? As “Mudanças Climáticas”, agendas ESG, DEI, ameaçam o Fornecimento de Alimentos, alerta Think-Tank

Fonte: The Epoch Times – De autoria de Tom Ozimek

“Para avaliar melhor os verdadeiros custos que as fazendas e famílias americanas provavelmente pagarão pelas políticas e objetivos ambientais de emissão zero do governo Biden, o Centro de Pesquisa Econômica do Instituto Buckeye desenvolveu um modelo de fazenda de milho que deve obedecer às novas regras de emissão de carbono do governo”, escreveu os autores do relatório Trevor W. Lewis e M. Ankith Reddy, ambos analistas de pesquisa econômica no think tank.

Os custos operacionais das fazendas, como esperado, aumentaram significativamente”, eles acrescentaram.

Analisando os números, os investigadores descobriram que os agricultores dos EUA verão os seus custos operacionais aumentarem cerca de 34% como resultado das políticas de emissões líquidas zero CO² da administração Biden. O modelo não só previu que as políticas governamentais de fixação de preços do carbono aumentariam os custos operacionais agrícolas, como também os consumidores enfrentarão um impacto nas suas carteiras, com aumento generalizado dos preços.

A precificação do carbono aumentará a conta média dos alimentos nos EUA em US$ 110 por mês, US$ 1.330 anualmente, ou 15% para o americano médio”, estimaram os pesquisadores.

Ameaça ao abastecimento de alimentos

As políticas de zero emissões líquidas do governo que o relatório Buckeye teve em conta na sua análise incluem as implicações da adesão aos Acordos Climáticos de Paris, que visam eliminar as emissões de gases com efeito de estufa.

Para alcançar os objetivos do pacto climático, a administração Biden comprometeu-se a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa da América em 50-52 por cento até 2030 e a atingir emissões líquidas zero em toda a economia até 2050.

“Alcançar a economia descarbonizada desejada pela administração exigirá políticas agressivas de redução das emissões climáticas que drenem e substituam os combustíveis fósseis de todos os setores da economia dos EUA”, escreveram os autores do relatório.

A administração Biden já começou a implementar políticas regulamentares rigorosas destinadas a reduzir as emissões de carbono da indústria energética dos Estados Unidos, enquanto uma regra final iminente sobre os relatórios ESG, que deverá entrar em vigor em Abril de 2024, ameaça empurrar a conformidade com as emissões de carbono para outras indústrias.

Muitas destas políticas foram testadas na Europa, tendo os investigadores concluído que os resultados foram um “fracasso absoluto”.

“Apesar destas advertências retumbantes dos homólogos europeus, os decisores políticos dos EUA comprometeram novamente a indústria americana com os mesmos padrões de emissões líquidas zero e impuseram os mesmos tipos de mandatos dispendiosos às explorações agrícolas e às empresas que acabarão por reduzir o fornecimento de alimentos e energia sem alcançar os benefícios pretendidos”, eles alertaram.

“Os resultados da modelização de Buckeye foram previsíveis e não surpreendentes, mas muitos decisores políticos dos EUA parecem relutantes em abordá-los ou mesmo reconhecê-los. Isto tem de mudar, ou os Estados Unidos enfrentarão consequências econômicas terríveis”, conclui o resumo executivo do relatório.

A Casa Branca não respondeu a um pedido de comentário sobre as conclusões do relatório. Will Hild, diretor executivo da Consumers’ Research, comentou o relatório em um post no X.

Agricultores, avicultores e pecuaristas investem enormes somas em tudo, desde fertilizantes, sementes e rações até maquinaria pesada e pesticidas para produzir os alimentos que comemos. No entanto, o culto da histeria climática e as elites globalistas ESG estão fazendo com que estes custos disparem”, escreveu ele. “Isso representa um fardo financeiro mais pesado para os produtores agrícolas e impõe custos alimentares mais elevados aos trabalhadores americanos”, continuou ele.

“Os meios de subsistência dos agricultores e pecuaristas da América não deveriam estar em risco devido aos custos operacionais inflacionados ou à perda de acesso ao capital dos bancos “acordados” comm a ESG. Nem deveria o povo americano ser vítima de um imposto esmagador imposto sobre as suas compras por extremistas climáticos.”

‘Agricultura É 100% Segurança Nacional’ [em qualquer país]

O relatório Buckeye surge cerca de uma semana depois de uma dúzia de comissários agrícolas estaduais republicanos terem alertado, numa carta de 29 de Janeiro aos principais executivos dos bancos, que a adesão à Aliança Bancária Net-Zero [Emissão Zero CO²] da ONU teria um impacto negativo nos agricultores e ameaçaria a segurança alimentar da América.

Juntamente com a sua adesão à aliança, bancos como o JPMorgan Chase e o Bank of America prometeram que os empréstimos que concedem “alinharam-se com os caminhos para o carbono zero até meados do século ou antes”. Tyler Harper, comissário agrícola da Geórgia e um dos signatários da carta, disse ao Epoch Times numa entrevista anterior que o compromisso com políticas de emissões líquidas zero tem um impacto negativo na segurança nacional.

“No final das contas, a agricultura é segurança nacional, e se não formos capazes de nos alimentar como nação, não seremos capazes de nos proteger”, disse ele.

“Quando olhamos para o que ocorreu no Sri Lanka e os impactos devastadores que [os mandatos climáticos] tiveram lá, olhamos para os Países Baixos e o que eles fizeram para implementar algumas destas políticas lá e o impacto devastador que tiveram na sua economia agrícola – vimos os impactos que isso teve em outras nações e não queremos que isso aconteça aqui”, acrescentou o Sr. Harper.

Agricultores se reúnem com seus tratores próximo a uma placa de fronteira entre Alemanha e Holanda durante um protesto e bloqueio na rodovia A1, perto de Rijssen, em 29 de junho de 2022. (Vincent Jannink/ANP/AFP via Getty Images)

Em 2019, depois de o governo do Sri Lanka ter implementado regras para reduzir a utilização de azoto em fertilizantes, o rendimento das colheitas entrou em colapso, pela escassez de alimentos, levando a protestos violentos que acabaram por derrubar o governo. Nos Países Baixos, as tentativas regulamentares de impor políticas de emissões líquidas zero levaram a protestos generalizados dos agricultores, a criação de um partido deles e a uma derrota monumental dos governo “verde” nas eleições.

‘Você vai comer os insetos?’

Enquanto isso, um recente documentário original da Epoch chamado “No Farmers No Food: Will You Eat the Bugs?” explora as políticas de controle climático promovidas por governos de todo o mundo e como estão forçando os agricultores a abandonar os seus negócios de gerações de familias trabalhando arduamente no campo, ameaçando o abastecimento de alimentos nas cidades e grandes centros.

“Esta é a próxima crise global que está sendo [intencionalmente criada e] ignorada pelas pre$$tituta$ da mídia em todo o mundo”, disse Roman Balmakov, apresentador de “Facts Matter” da EpochTV e diretor do documentário, ao Epoch Times durante uma entrevista nos bastidores da estreia mundial do filme em setembro de 2023.

O documentário investiga a história da “crise climática” e como ela foi concebida pelos líderes mundiais durante as Conferências das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, também conhecidas como Cúpula da Terra, em junho de 1992, logo após o fim da Guerra Fria.

O filme também mergulha na Agenda 30, anteriormente conhecida como Agenda 21, expondo como as políticas globais estabelecidas pela ONU visam acabar com a agricultura privada convencional e criar dependência de um governo mundial que controlará o abastecimento alimentar de toda a população do planeta.

Os responsáveis ​​por algumas das organizações mais poderosas do planeta determinaram que a agricultura, especificamente a pecuária, é a culpada pelo aquecimento global e o aquecimento global é o culpado pelos elevados preços dos alimentos e pela escassez de alimentos”, explicou Balmakov. .

O documentário explora o impacto das políticas climáticas radicais no Sri Lanka e na Holanda, ao mesmo tempo que explora o impacto das emissões líquidas zero e de outras regulamentações nos Estados Unidos.

As soluções propostas pelos governos de todo o mundo para resolver as alterações climáticas “podem surpreendê-lo”, diz Balmakov no filme. “De acordo com as Nações Unidas, [os insetos] podem na verdade ser o seu futuro jantar”, diz ele.

Kevin Stocklin e Jana Pruet contribuíram para este relatório.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932].  Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência. ” – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na CEF, Agência: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth